Anthony Hopkins, o Hannibal revela-se como artista

Na semana passada, Anthony Hopkins, o ator premiado mais conhecido por interpretar Hannibal Lecter em O Silêncio dos Inocentes e mais recentemente por seu papel na série Westworld, tornou-se uma sensação na internet quando postou um TikTok dançando a música de sucesso de Drake Toosie Slide. Atrás dele havia uma grande pintura mostrando o contorno de um rosto contra um fundo semi-abstrato de cores vivas. À primeira vista, a pintura pode parecer uma obra de Francis Picabia da famosa série Transparências do artista. De fato, o trabalho é do próprio Hopkins – embora Picabia esteja entre suas influências.

Para saber mais sobre a formação artística de Hopkins e como ele está vivendo confinado, a ARTnews o entrevistou por telefone em sua casa em Malibu, Califórnia.

ARTnews: Qual foi sua primeira experiência em fazer arte?

Anthony Hopkins: Eu não sou um estudioso ou acadêmico por qualquer parte da imaginação, mas quando eu era pequeno, comecei a desenhar e tocar piano aos cinco anos. Eu acho que tive alguma veia criativa e artística. Eu não era muito bom na escola. Eu desenhei muito e minha mãe me incentivou, como as mães, porque eu parecia não saber muito mais. E havia uma jovem, que era muito mais velha que eu, tinha cerca de 17 ou 18 anos e era filha de uma vizinha dos meus pais. O nome dela era Bernice Evans. Ela esteve em Londres e estudou arte. Ela fez um desenho meu a lápis e giz em papel cartolina. Eu tinha cerca de seis anos e foi logo após o fim da guerra, por volta de 1947 ou 1948. Ela me convidou para um estúdio em Port Talbot e me apresentou à pintura.

Você já pensou em se tornar um artista?

Quando eu estava na escola, com cerca de 15 anos, comecei a desenhar e alguém disse: “Você deveria ser um artista comercial ou um cartunista”. Pensei em fazer isso, mas achei que era necessária muita habilidade e não sou um bom aluno. Logo, os anos se passaram e eu desisti.

Imagem carregada preguiçosa

Anthony Hopkins, Malibu .CORTESIA DO ARTISTA


Como você voltou a pintar?

Anos atrás, minha esposa Stella encontrou alguns scripts antigos aqui em casa, cheios de desenhos nas páginas em branco. São desenhos em canetas de tinta multicolorida, como a Sharpie’s, que eu consegui desenterrar. Eu pintaria paisagens e rostos. São desenhos realmente estranhos. Ela me disse, pouco antes de nos casarmos em 2003: “Você deveria começar a pintar”, mas eu disse: “Não, não”. Mas ela queria que eu fizesse pinturas para os convidados do casamento, cerca de 75 deles. E eu disse: “Você está louca?” Mas ela disse: “Apenas faça”. Então acabei pintando essas paisagens e as demos aos convidados da festa. Foi assim que eu comecei novamente.

Você já teve aulas de arte desde que voltou a fazer as aulas?

Não, eu sou uma espécie de bandido livre para todos, eu acho. Um amigo meu, Stan Winston, que fez os efeitos especiais do Jurassic Park de Steven Spielberg foram ótimos artistas. (Ele morreu prematuramente cerca de 10 anos atrás, infelizmente.) Ele veio um dia para um churrasco em Malibu e foi ao estúdio, procurando o banheiro, e havia minhas pinturas na parede. Ele disse: “Quem fez isso?” E eu fiz uma cara de depreciativo e disse: “Bem, eu fiz.” Ele me perguntou por que eu tinha puxado aquele rosto e eu disse a ele que não tinha treinamento. E ele disse: “Não. Não faça nenhum treinamento. Não tome nenhuma lição, porque você a matará. Você é uma artista. Você é um pintor ”, e ele acrescentou: “Não pude pintar assim porque sou acadêmico”. Ele me incentivou a pintar. É isso que faço e é uma liberdade que tenho. Trato tudo assim – música e atuação. Existem técnicas e, como ator, tenho anos de experiência, mas é principalmente improvisação. Sou criativo, o que é uma coisa, mas é preciso disciplina.

Como tem sido sua rotina no isolamento?

No confinamento, levanto-me de manhã. Eu malho e depois faço alguma coisa. Tenho tendência a querer assistir a séries de TV britânicas de detetive e depois digo: “Hora de fazer algum trabalho”. Então eu leio ou toco piano o dia todo ou pinto. Estou escrevendo três roteiros. Eu tenho um cérebro muito carregado, suponho. É assim que eu sou construído, nada pelo qual eu possa me dar crédito. Tenho muita sorte porque tenho espaço para pintar.

Imagem carregada preguiçosa

Anthony Hopkins, Amber Noir .CORTESIA DO ARTISTA

Quão improvisada é a sua abordagem à pintura?

Eu pinto livremente. O escritor Henry Miller escreveu um livro chamado Paint as You Like e Die Happy. Henry Miller costumava pintar e pintar – ele não analisou nem se preocupou. Isto é o que eu faço. A pintura que você viu no vídeo do TikTok foi uma que eu completei recentemente. Eu meio que estraguei tudo e pensei: por que eu fiz isso? Mas eu nunca joguei nada de qualquer maneira, então eu o reparei e recompus toda essa estrutura facial. Eu amo cores vivas e brilhantes. Essa é a parte que eu gosto. Eu pinto esses rostos. Sou influenciado por pessoas como Oskar Kokoschka e Francis Picabia.

Demoro muito tempo para pintar, mas não é meticuloso. Eu improviso e depois paro. Posso voltar algumas semanas depois e depois concluí-lo. E então pensarei: Ok, basta, e começarei com algo novo. Eu sou hiperativo. Às vezes, começo três pinturas ao mesmo tempo. Tento mudar o estilo das pinturas, mas não há estilo. Eu experimento com óleos, acrílicos e tinta e apenas misturo tudo. Pintura é algo que eu realmente gosto, como tocar piano. Eu me divirto muito com isso. Eu apenas pinto por puro prazer.

Existem outros artistas que você gosta?

Eu gosto de LS Lowry e Lucien Freud. E Francis Bacon, com suas figuras distorcidas, é um dos meus favoritos de todos os tempos. E um dos artistas mais intrigantes que eu já encontrei – e ele se descreveu como um artista comercial – foi Maxfield Parrish. Sua escolha de cores era etérea. Anos e anos atrás, uma vez encontrei este livro de seu trabalho e as cores saltaram da página. De quem mais eu gosto? Turner, Picasso, Degas, Monet. Vou lhe contar uma coisa surpreendente. Quando fui a Paris e fui ao Musée d’Orsay e depois fui à sala de Van Gogh – não sou do tipo que faça declarações hiperbólicas, mas quando entrei naquela sala, foi como um chute na cara. As cores vibrantes da vida daquele homem.

Imagem carregada preguiçosa

Anthony Hopkins, George. CORTESIA DO ARTISTA


Você interpretou Picasso nos anos 90. Você é inspirado por ele? Como foi aquela experiência?

Deus, isso foi há muito tempo. Minha personalidade está muito longe da marca de fogo que ele era. Eu venho de um ambiente galês muito mais calmo. Há uma visão maravilhosa sobre Picasso que realmente me impressionou sobre um homem com uma selvagem paixão pela vida. Isto é uma história verídica. Ele estava namorando sua jovem namorada Françoise Gilot. Certa manhã de domingo, logo após a guerra, ele a levou para passear até Montmartre, onde eles estavam pintando no início do século XX. Ele disse: “Quero que você conheça alguém”. E eles entraram em uma sala medonha e havia uma velha morrendo. Ela era muito magra, basicamente apodrecendo. Françoise Gilot ficou revoltada com isso. Ela disse: “Por que você me levou para ver aquela velha?” Ele disse: “Em 1900, havia um poeta espanhol chamado Casagemas, e ele escreveu sobre a beleza dela. Aí está a lição – é tudo superficial. E para ela foi uma grande lição: vaidade, vaidade, vaidade, tudo é vaidade. Era disso que ele tratava: mortalidade, paixão, morte.

Você tem algum conselho para as pessoas que pensam em começar a pintar sob isolamento?

É muito difícil dizer às pessoas que você precisa ser criativo. Está tudo muito bem para mim dizer isso, mas as pessoas estão em condições rigorosas onde não têm a oportunidade de fazê-lo. Mas minha sobrinha, que é uma jovem garota que mora na Grã-Bretanha, começou a me escrever mensagens de isolamento e eu escrevi de volta. Ela disse que estava aprendendo a cozinhar pão de banana, mas foi frustrante. E eu perguntei se ela pinta ou desenha, e ela disse que tinha feito aulas de arte. Eu disse a ela para pegar algumas tintas, se pudesse, e apenas pintar ou o que quer que pudesse. E apenas vá em frente. “Não analise ou pense que é bom ou ruim”, eu disse a ela. E a mesma coisa acontece com a escrita ou qualquer outra coisa. Se alguém quiser escrever um livro, uma peça de teatro, um roteiro ou um livro de culinária, não importa, faça-o e não se preocupe. O que eu acho com a pintura é que improvisar tira o cérebro e a análise do caminho. Há uma carta famosa que diz: “apenas pinte mal”. Fazer isso de repente te liberta. Você se liberta dos impedimentos do pensamento.

Fonte e tradução: Artnews

Compartilhar:
Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …

Notícias - 17/12/2020

Itaú Cultural lança publicação com trabalhos de artes visuais selecionados em edital

No dia 15 de dezembro entrou no ar, no site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, uma publicação virtual que reúne as …

Notícias - 17/12/2020

CASA FIAT DE CULTURA DIVULGA SELECIONADOS PARA EXPOR NA PICCOLA GALLERIA

O 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura já tem os nomes dos artistas selecionados …