Dos Brasis – Arte e Pensamento Negro é resultado de um trabalho desenvolvido pelo Sesc em todo o país e conta com sete núcleos temáticos, reunindo 240 artistas negros, de todos os estados do Brasil.

A MOSTRA

Nadia Taquary

A exposição apresentará ao público trabalhos em diversas linguagens artísticas como pintura, fotografia, escultura, instalações e videoinstalações, produzidos entre o fim do século XVIII até o século XXI por 240 artistas negros, entre homens e mulheres cis e trans, de todos os estados do Brasil.

Vista da exposição. Foto: Matheus Jose Faria.

Para esta exposição de arte preta, não caberá a junção formal, estilística ou estética. Dessa maneira, os espaços expositivos do Sesc Belenzinho contarão com sete núcleos. Veja a seguir:

NÚCLEOS

Guto Oca

ROMPER: O núcleo reúne artistas que interrogam narrativas que cristalizaram imagens e leituras históricas feitas de tentativas de exclusão daqueles que formam a maioria deste lugar assimétrico nomeado Brasil. Obras de Marcus Deusdedit (MG), Mestre Zimar (MA), Yhuri Cruz (RJ), Wilson Tibério (RS) e Rosana Paulino (SP).

Rosana Paulino

BRANCO TEMA: Os trabalhos reunidos neste núcleo invertem a ordem recorrente das imagens do negro-tema por aquelas que versam sobre um branco-tema, produzidas a partir do olhar negro. Obras de nomes como Daniel Lima (RN), Arthur Timótheo da Costa (RJ) Davi Cavalcante (SE), Debis (MA), Pablo Monteiro (MA), etc.

Pablo Monteiro

NEGRO VIDA: Para o sociólogo Guerreiro Ramos, Negro-Vida é comparável a um rio, ecoando a noção de devir. O núcleo reúne trabalhos de artistas como Antonio Tarsis (BA), Rubem Valentim (BA), Rommulo Conceição (BA), Li Vasc (PB), etc.

Rommulo Conceição

AMEFRICANAS: Amefricanas, termo cunhado por Lélia Gonzalez, situa e marca o longo processo histórico de presença e agência de mulheres negras nas Américas. O núcleo traz obras de artistas como Vera Ifaseyí (RJ), Hariel Revignet (GO), Sy Gomes (CE), Castiel Vitorino (ES), entre outras.

Moises Patricio

ORGANIZAÇÃO JÁ: Os trabalhos expostos neste núcleo de artistas como FROIID (MG), Emanuely Luz (MA), André Vargas (RJ) e Joyce Nabiça (PA), traduzem mais do que lutas e rebeliões como modo de resistência, e sim uma reorientação de modos de viver a partir de uma perspectiva negra.

Luiz 83

LEGÍTIMA DEFESA: Este núcleo mira o cânone, sublinha a impossível neutralidade do sistema da arte e sua cumplicidade com as situações que estruturam o racismo. Paula Duarte (MG), Leandro Machado (RS), Silvana Rodrigues (RS), Gabriel Lopo (MG), etc, integram este núcleo.

Paula Duarte

BAOBÁ: Baobá é o único núcleo que parte do título de uma obra de arte: a escultura de Emanoel Araújo. Além de Emanoel Araújo, o núcleo traz obras de nomes como João Cândido (MG), Ana das Carrancas (PE), Madalena Santos Reinbolt (BA), Mônica Ventura (SP) etc.

Vista da exposição.  Foto: Matheus Jose Faria.

DOS BRASIS: ARTE E PENSAMENTO NEGRO Quando: De 3 de agosto de 2023 a 31 de março de 2024 Horários de funcionamento:  De terça a sábado das 10h às 21h;  Domingos e feriados das 10h às 18h Local: Sesc Belenzinho Classificação etária: Livre Entrada gratuita

A mostra conta com recursos de acessibilidade e ação educativa com programação complementar e visitas mediadas agendadas para grupos ou atendimentos espontâneos, aos finais de semana.