Sibusiso, Cagliari, Sardinia, Italy, 2015 © Zanele Muholi. Courtesy of Stevenson, Cape Town/Johannesburg and Yancey Richardson, NY

DASARTES 89 /

Zanele Muholi

Série de fotografias da artista sul-africana ZANELE MUHOLI, clicadas ao redor do mundo, confronta as complexas políticas globais de raça, gênero e representação.

Zanele Muholi (1972) é ativista visual e fotógrafa e mora em Joanesburgo. Segundo a artista, sua autoproclamada missão é “para re-escrever um negro, queer, e a história transvisual do Sul da África para o mundo saber de nossa resistência e existência nesse auge de crimes de ódio na Africa e além.”

Muholi cofundou o Fórum para o Empoderamento das Mulheres (FEW) em 2002 e o Inkanyiso (www.inkanyiso.org), um fórum para mídias queer e visuais (ativistas), em 2009.

Muholi estudou Fotografia Avançada na Oficina Foto Mercado, em Newtown, Joanesburgo, e em 2009 completou em MFA: Documentário Mídia na Ryerson University, em Toronto. Em 2013, ela se tornou Professora Honorária na Universidade do Artes / Hochschule für Künste Bremen. Mais recentemente, Muholi foi agraciada na França como a mais alta honra cultural, o Chevalier de l’Ordre des Arts des Lettres.

Sua obra foi incluída no pavilhão sul-africano na 55ª Bienal de Veneza (2013) e tomou parte na Bienal de São Paulo (2010) e Documenta 13, Kassel (2013). Exposições individuais recentes incluem o Museu do Brooklyn, Nova York (2015); Rencontres d’Arles (2016); e Museu Stedelijk, Amsterdã (2017). Suas fotografias são representadas nas coleções de Centro Georges Pompidou (Paris), o Guggenheim (Nova Iorque), Museu de Fotografia Contemporânea (Chicago), Tate Modern (Londres), National Gallery Sul Africano (Cidade do Cabo), e outros.

Para a série fotográfica Somnyama Ngonyama, Zulu for Hail the Dark Lioness, nas palavras da artista, a série convida o espectador em “uma desconfortável jornada de autodefinição, a repensar a cultura de autorrepresentação e autoexpressão”.

Feito na Europa, Ásia, Norte da América e África, entre 2014 e 2017, cada retrato é distinto e coloca perguntas críticas sobre injustiças sociais, direitos humanos e contestadas representações do corpo negro. Muholi habilmente emprega convenções de retratos clássicos e fotografia de moda e mistura tropos de imagens etnográficas para estabelecer diferentes arquétipos e personas. Um nome significativo de cada um dos 76 retratos é dada em isiZulu, a primeira língua da artista que agora vive em Joanesburgo.

Os retratos geralmente contam com materiais encontrados, que se tornam culturalmente adereços carregados. Esfregões e luvas de látex abordam temas de servidão doméstica. Pneus de borracha, cabos elétricos e abraçadeiras referenciam formas de brutalidade social e exploração capitalista. Coletivamente, os retratos evocam a situação dos trabalhadores: empregadas domésticas, mineiros, e membros das comunidades marginalizadas. Da mesma forma, plásticos chamam a atenção para as urgentes questões ambientais e resíduos tóxicos, enquanto conchas e pulseiras de miçangas destacam representações clichês e exotizadas do povo africano. O contraste da pele de Muholi é reforçado em pós-produção para se tornar um ponto focal para questionar beleza, orgulho e as interligadas fobias e -ismos de homofobia, transfobia, xenofobia, racismo e sexismo que são navegados diariamente.

Nas memórias pessoais e visuais de Muholi – um arquivo do eu –, a artista muitas vezes olha desafiadoramente para a câmera, instigando os espectadores enquanto afirma firmemente sua identidade cultural em seus próprios termos. Esses retratos autorreflexivos e psicologicamente carregados são, sem remorso, a exploração das restrições de história, ideologias e das realidades contemporâneas.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

CLAUDIA ANDUJAR

Claudia Andujar: a luta Yanomami faz um levantamento da arte e do ativismo da fotógrafa brasileira desde os anos 1970 …

Flashback

SOPHIE TAEUBER-ARP

De julho a outubro de 2021, o Tate Modern, em Londres, apresenta a obra de Sophie Taeuber-Arp, uma das principais …

Alto relevo

FELIX GONZALEZ-TORRES

A arte de Gonzalez-Torres pode ser lida como uma crítica ao conservadorismo social, atitudes homofóbicas e um alerta sobre a …

Pelo Mundo

OSCAR MURILLO

Oscar Murillo, artista multifacetado que realiza pinturas, desenhos, esculturas, performances, vídeos, instalações e projetos colaborativos, está em exibição no Mori …

Destaque

JEAN DUBUFFET

“O normal é psicótico. Normal significa falta de imaginação, falta de criatividade”. Jean Dubuffet.

Já perceberam que alguns trabalhos de Pollock, …

Destaque

AUGUSTO DE CAMPOS

A BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE, A PRINCIPAL E MAIS ANTIGA DA CIDADE DE SÃO PAULO, TORNOU-SE UM ESPAÇO DE CELEBRAÇÃO …

Alto relevo

HITO STEYERL

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS …

Garimpo

Ramonn Vieiteiz

EM CARTAZ NA COLETIVA SER VIVO, LIVRE, EU, NO GALERIA CAFÉ SÃO PAULO, O JOVEM ARTISTA DE RECIFE, RAMONN VIEITEZ, …

Pelo Mundo

Kara Walker

NO ATUAL MOMENTO DE VALORIZAÇÃO DE ARTISTAS NEGROS, A OBRA DA NORTE-AMERICANA KARA WALKER SE DESTACA POR CRITICAR A ACEITAÇÃO …

Destaque

MICHAEL ARMITAGE

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM …

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …