nachtrag.adada.gfdge

DASARTES 98 /

WOLFGANG TILLMANS

WOLFGANG TILLMANS É CONHECIDO POR EXPLORAR OS LIMITES DA FOTOGRAFIA E DA IMAGEM. TODAY IS THE FIRST DAY É A PRIMEIRA EXPOSIÇÃO SOLO DO ARTISTA EM GRANDE ESCALA NA BÉLGICA E INCLUI UM CORPO DE TRABALHO DE TRÊS DÉCADAS

Pear Cut, 2019, © the artist, courtesy
Galerie Buchholz, Berlin/Cologne.

Chloe, 1995, © the artist, courtesy Galerie Buchholz, Berlin/Cologne, Maureen
Paley, London, David Zwirner, New York, Galerie Chantal Crousel, Paris.

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, ele foi o primeiro fotógrafo e primeiro artista não britânico a receber o Prêmio Turner.
Desde o final da década de 1980, a prática artística de Wolfgang Tillmans ultrapassou os limites da fotografia e da criação de imagens. Tillmans chamou a atenção do mundo da arte pela primeira vez no início dos anos 1990 com imagens aparentemente cotidianas de seus contemporâneos e do cenário emergente da música eletrônica e das boates na Europa. Tillmans rapidamente se tornou um dos autores que definiu um novo estilo intimista de fotografia documental, e suas imagens capturaram o espírito não conformista de sua geração, as subculturas e identidades sexuais. Desde então, Tillmans se dedicou a aprofundar sua pesquisa, aventurando-se além da fotografia para desenvolver uma prática artística multidisciplinar, envolvida com as questões sociais e políticas de nosso tempo.

Zero Gravity IV, 2001.

I don’t want to get over you, 2000 © the artist, courtesy Maureen Paley, London.

EXPOGRAFIA PARTICIPATIVA

Para cada uma de suas exposições, que ele concebe como instalações site-specific, Tillmans brinca com uma grande variedade de formatos, suportes e sistemas suspensos. Suas instalações convidam os visitantes a observar o todo com tanto cuidado quanto cada elemento individual, deixando-os a liberdade de fazer suas próprias conexões. No WIELS, Tillmans integrou a arquitetura, a luz e o som na apresentação de suas imagens, transformando as qualidades do próprio espaço em parâmetros que influenciam a maneira como suas imagens são percebidas.
Tecendo seu caminho por meio da riqueza da mídia e da variedade de seus temas, a noção no centro do trabalho de Tillmans é a visibilidade. Quando algo se torna perceptível? Qual é a relação entre o que percebemos e o que sabemos? Que impacto as novas tecnologias têm na maneira como vemos o mundo? Essas questões revelam o alcance político da obra de Tillmans, que, de maneira poética, chama nossa atenção para os movimentos contraditórios e às vezes quase imperceptíveis que compõem nosso presente.
Luz e som são elementos essenciais da experiência que o artista quer promover. Na entrada do espaço, descobriu as janelas para permitir que suas fotografias fossem banhadas pela luz natural e suas intensidades flutuantes. Um número de imagens abstratas é apresentado, cuja visibilidade muda ao longo do dia.

Freischwimmer 231, 2012, © the artist, courtesy Galerie Buchholz, Berlin/Cologne, Maureen Paley,
London, David Zwirner, New York, Galerie Chantal Crousel, Paris

Sendeschluss / End of Broadcast mostra as interferências estáticas que aparecem nas telas da televisão quando não há sinal. Duas gerações de tecnologia coexistem neste trabalho: o sinal analógico e a tela digital, que Tillmans fotografou usando uma câmera digital HD. Quando vista de perto, a imagem revela que o padrão, que a distância parece ser preto e branco, é de fato colorido, pondo em dúvida nossa primeira impressão visual.
As duas gravuras monumentais da série Freischwimmer (o nome de um certificado de natação alemão) foram, por sua vez, feitas diretamente na câmara escura. Nessas imagens, os pigmentos coloridos parecem se dissolver sob o efeito de um processo químico desconhecido que deixa traços ondulantes no papel, onde parecem ter sido congelados com o tempo.
A projeção tripla, feita especialmente para esta mostra, consiste em uma concatenação em loop de sequências de filmes aparentemente heterogêneas. Vemos o braço ou a perna do artista, um banho fotográfico, o fundo de uma pia, barras de metal colidindo, um telescópio… Embora as fotos sejam estáticas, os próprios objetos filmados estão sempre em movimento – eles são, podemos dizer, sempre performativos. A água escorre, a perna salta, o tecido voa ao vento, o raio de luz digitaliza pedaços de papel em uma copiadora. Embora filmadas, todas essas imagens se referem a trabalhos fotográficos, principalmente as naturezas-mortas de Tillmans, suas fotografias abstratas e suas imagens fotocopiadas.
A trilha sonora reúne músicas recentes de Tillmans. A música sempre foi uma fonte importante de inspiração para este artista, cujos trabalhos mais antigos incluem fotografias da vida noturna e pistas de dança. Desde 2014, a performance ganhou mais destaque na prática de Tillmans, com seu corpo – que já figura em várias de suas imagens e vídeos – se tornando um verdadeiro instrumento. As letras de suas músicas, por sua vez, refletem algumas das questões e controvérsias que o envolvem.

Congo night, 2018, © the artist, courtesy Galerie Buchholz, Berlin/Cologne,
Maureen Paley, London, David Zwirner, New York, Galerie Chantal Crousel, Paris.

IMAGENS IMPRESSAS

Se o acaso e o controle são ingredientes essenciais na prática de Tillmans, é porque eles refletem o confronto com o desconhecido e as tentativas de dominá-lo que definem a própria vida.
Os restos acidentais da impressão dos livros e catálogos de Tillmans e as composições que ele orquestrou imitando o processo de impressão estão em um conjunto de grandes impressões em que o preto domina: Tillmans criou essas imagens durante a impressão de seu livro Abstract pictures (Hatje Cantz, 2011), brincando com a impressora e derramando tinta nas páginas. É também o caso da série recente Philharmonie Bloch, cada elemento consistindo em um arranjo de fotografias sobrepostas com orientações diferentes, permitindo que Tillmans componha uma espécie de orgia na qual os nus masculinos dominam. Embora algumas das composições tenham sido projetadas em um computador, outras foram criadas diretamente nas impressoras (Bloch), com Tillmans imprimindo a mesma folha várias vezes, alterando a orientação a cada vez, em um modus operandi semelhante ao das folhas de apoio que os técnicos costumam usar, verificando se a máquina está calibrada corretamente. Enquanto outras fotografias privilegiam a simultaneidade perceptiva, a abordagem sobreposta adotada aqui leva a um novo nível a multiplicação e a obsolescência da imagem na era digital.
Eu quero fazer um filme (2018) é uma peça de palavra falada em nove minutos, em que Tillmans gravou improvisado e de uma só vez em um ditafone. Nele, Tillmans descreve, em tom simultaneamente sério e irônico, o projeto fictício para um filme sobre as maneiras em que a tecnologia se infiltrou nossas vidas, indo desde os primeiros PCs para o agora onipotente e onipresente smartphone. Esta peça não visual é, paradoxalmente, um convite aos visitantes a meditar sobre como eles percebem e habitam o mundo.

Nee | Yaow eow eow, 2017. © the artist,
courtesy Maureen Paley, London.

FOTOGRAFIAS SEM CÂMERA

No final dos anos 1990, Tillmans embarcou em uma investigação de uma década sobre a criação de fotografias sem câmera, ou seja, fotografias produzidas diretamente na câmara escura. A série Silver pertence a esse corpo de trabalho. Todas as imagens foram criadas passando papel fotográfico através de uma máquina de processamento que não foi limpa dos resíduos químicos, vestígios de poeira e sujeira deixados pelas impressões anteriores. O papel monocromático preserva, assim, os traços do processo químico e mecânico do qual as imagens se originam.
Tillmans mandou jatear a parede da exposição para revelar o cimento original escondido atrás de camadas de tinta. Essa intervenção arquitetônica sugere o quão importante é o espaço para o artista. Ao chamar a atenção para o concreto acidentado e irregular, Tillmans destaca mais uma vez a materialidade do suporte e chama a atenção para a história e, por extensão, à não neutralidade do cubo branco.

6407-35, 2007, © the artist, courtesy Galerie Buchholz,
Berlin/Cologne, Maureen Paley, London, David Zwirner,
New York, Galerie Chantal Crousel, Paris

A noção de comunidade tem sido central no trabalho de Tillmans desde o início, quando ele documentava a vida noturna e as paradas do Orgulho Gay. Está presente na série de fotografias de uma comunidade Shaker, nos Estados Unidos, que Tillmans visitou várias vezes em meados dos anos 1990; as imagens irradiam a felicidade de seus membros, que vivem coletivamente em comunidades organizadas em torno de princípios espirituais e igualitários. Sua alegria parece infundir seu entorno; assim, por exemplo, vemos um arco-íris sobre uma casa enquanto uma árvore parece se abraçar. Nos últimos anos, Tillmans treinou suas lentes para as coletividades mais efêmeras que se formam durante manifestações políticas por democracia, paz e direitos das minorias, por exemplo, o movimento Black Lives Matter. Recentemente, Tillmans teve uma exposição itinerante na África e aproveitou a oportunidade para visitar um campo de refugiados em Kakuma, no Quênia, e mais especificamente a comunidade LGBTI que se formou dentro do campo, fotografando e entrevistando seus membros para a revista iD. Usando sua posição, o artista quer atuar como caixa sonora, ampliando as narrativas e chamando a atenção para as necessidades dessas comunidades.

Layers, 2018.

Shaker Tree, 1995. © the artist, courtesy Galerie Buchholz,
Berlin/Cologne, Maureen Paley, London, David Zwirner, New York, Galerie Chantal Crousel, Paris.

PRETO E BRANCO

As impressões preto e branco estão entre os primeiros trabalhos de Tillmans, datados de quando ele começou a experimentar com a abstração enquanto era estudante. Em 1986, ele produziu uma série de imagens usando a primeira geração de fotocopiadoras a laser, permitindo-lhe reformular e ampliar as fotos que havia encontrado ou tirado. Tillmans ficou fascinado pela textura dessas fotocópias em preto e branco, que ele achou mais rico e mais interessante do que os desenhos e pinturas que ele estava fazendo na época. A partir dali, vem explorando o potencial transformador das ferramentas de reprodução.

Kammerspiele, 2016, © the artist, courtesy Galerie Buchholz, Berlin/Cologne, Maureen Paley, London, David Zwirner, New York, Galerie Chantal Crousel, Paris

Acima: FKK naturiste, 2008. À direita: Layers, 2018. © the artist, courtesy Galerie Buchholz,
Berlin/Cologne, Maureen Paley, London, David Zwirner, New York, Galerie Chantal Crousel, Paris.

LIGHTER

As séries Lighter desafiam a tradicional distinção entre imagem bidimensional e o objeto tridimensional. Para fazer esses trabalhos abstratos, Tillmans submeteu o papel fotográfico a uma variedade de luzes coloridas, dobrando e desdobrando-o antes ou depois de o revelar na câmara escura. Cada elemento desta série é único, mas todos eles provocam uma mudança perceptiva, pois nenhuma destas imagens se refere a outra realidade: todas são autorreferenciais e insistem em sua própria materialidade.

CLC 014, 2017

TRABALHOS RECENTES

Uma imagem abstrata com uma questão está entre os trabalhos mais recentes de Tillmans. A pergunta é: “Qual é a probabilidade de que apenas eu esteja certo nesse assunto?” Formulada na primeira pessoa, parece ter a intenção de ser introspectiva, tanto para o artista quanto para o público: é uma pergunta que todos devem enfrentar em algum momento. O trabalho faz parte de uma série feita com a digitalização de imagens e textos existentes, a maioria deles tirada do campo da neurociência.
Durante o processo de cópia, a luz na máquina digitaliza o documento original várias vezes; enquanto isso acontece, Tillmans move o documento para criar distorções na reprodução. Esses movimentos produzem traços de cores diferentes que não coincidem mais com seus contornos. Essas divergências lembram como nossa percepção é deformada na era das notícias falsas e da pós-verdade.

 

 

 

Devrim Bayar é curadora do Centro de Arte Contemporânea WIELS, onde organizou exposições de Daan van Golden e Thomas Bayrle. Fundou, em 2011, a plataforma on-line Le Salon.

WOLFGANG TILLMANS: TODAY IS THE FIRST DAY •
WIELS • BRUXELAS • BÉLGICA • 1/2 A 16/8/2020

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …

Reflexo

VIVIAN CACCURI

MOSQUITO ALSO CRY

Mosquito also cry é uma performance que desenvolvi na residência Delfina Foundation, em Londres. Eu tentei explicar por que …