Circle Yellow-19, 2019. Foto © Marc Domage

Dasartes 88 /

Takesada Matsutani

Retrospectiva no Centre Pompidou resgata a obra de TAKESADA MATSUTANI. O artista japonês possui uma jornada rica e original, iniciando com a pintura tradicional de nihonga e evoluindo para surrealismo, abstração até o seu período gutaï.

A retrospectiva permite traçar de forma ampla uma rota rica e original, começando a partir de um primeiro período que mistura, no final do ano de 1950, a pintura tradicional nihonga com uma “veia” surrealista, para evoluir em direção a uma abstração informal e posteriormente para Gutai, no início do ano 1960.

O fascínio de Matsutani pela matéria orgânica e sua propagação, já sensível de seu período Gutai, bem como a relação do artista com o espaço e o tempo, marcado pela cultura do budismo, levou-o, em seguida, nos anos 1970, a uma aventura em telas com toques hard-edge e, em seguida, a um trabalho noir muito pessoal.

Em 1963, com 26 anos, Matsutani é aceito no grupo Gutai (nome que evoca a relação concreta do artista com o material) por seu fundador Jiro Yoshihara (1905-1972). Suas telas abstratas de superfícies cobertas com bolhas abertas, obtidas a partir de um método de sua invenção utilizando cola vinílica, seduziu Yoshihara por sua novidade. O crítico Michel Tapie, promotor da arte informal no Japão no final dos anos 1950, também saudou a entrada de Matsutani em Gutai. Assim começava um diálogo com a matéria orgânica, base da obra que estaria por vir, e que Matsutani batizou como Propagação, na década de 1960.

Resistance (Pressure), 1958.
Foto © Kaoru Minamino © Takesada Matsutani

A vida e sua expansão fascinaram fortemente esse artista, que sofreu durante sua adolescência de tuberculose.

Ter observado células no microscópio pela primeira vez reforçou esse interesse, assim como as obras abstratas de Kandinsky.

Em 1966, por ganhar o primeiro prêmio de um concurso artístico franco- japonês, ele pôde se beneficiar de uma estada de seis meses na França, onde finalmente decidiu se instalar.

De 1967 a 1971, ele se dedicou à gravura no Atelier 17, de Stanley William Hayter, de quem ele se tornou assistente. Descobriu também a serigrafia e se comprometeu com um novo estilo próximo do hard-edge americano. Mas, para ele, as noções de propagação, incluindo o desenvolvimento nas três dimensões, predominaram sempre, sem uma verdadeira influência das teorias americanas.

Superposition 92-2, 1992. © Takesada Matsutani.

Na França, Matsutani reconsiderou, por meio de várias leituras, sua reflexão espiritual, marcada pelo xintoísmo e o budismo, que foram a base de sua infância. Dessa forma, ele evoluiu para um estilo cada vez mais pessoal, onde a experiência do material orgânico se misturava com um trabalho sobre o conceito de espaço-tempo.

A partir de 1977, ele começou a série Streams ou Courants, onde se concentrou no uso do papel, do grafite e da tinta sumi. Essas obras, feitas em longas tiras de papel com quase dez metros de comprimento, tornaram visível o gesto paciente do artista, a sucessão de traços de grafite, o tempo necessário para se concluir a obra, assim como o momento final em que a tinta flui pela ação de Matsutani.

Tendo redescoberto seu velho material “fetiche”, a cola vinílica, ele a integrou ao longo dos anos 1980 aos Streams para criar superfícies curvas na tela ou no papel.

Stream-87-P, 1987. Foto: Patrick Rimond.

Matsutani desenvolveu mais amplamente o trabalho in situ com instalações cada vez mais imponentes, muitas vezes ativadas durante performances (aplicação de tinta sobre tela ou pedra). A partir de 2015, a cor começou a desempenhar um papel significativo no trabalho de Matsutani, com formatos incomuns e circulares de cores brilhantes, amarelas, azuis e verdes.

Um dos poucos artistas japoneses que construiu a maior parte de sua carreira na França, Matsutani recebeu uma homenagem merecida e tardia por sua aventura artística excepcional que o levou através de uma experimentação constante com a matéria orgânica conectada ao espiritual, em direção à busca de sua “imagem interior”.

 

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Francis Bacon

Poucos pintores do século 20 se opuseram de forma tão marcada às interpretações de suas telas e, no entanto, tiveram …

Alto relevo

León Ferrari

A obra de León Ferrari questiona, de modo contundente, qualquer tipo de repressão e cerceamento perpetrados por estruturas de poder. …

Reflexo

Cildo Meireles

ESPAÇOS VIRTUAIS: CANTOS, 1967-1968/2008/2013

Minhas ideias nascem de maneiras diferentes, por razões diferentes. Às vezes, um pequeno detalhe ou um fato: …

Panorama

Antony Gormley

“Eu não observo a paisagem, eu observo a passagem”. Montaigne

Há uma poética muito particular na obra de Antony Gormley, na …

Do mundo

Tomás Saraceno e Dominique Gonzalez-Foerster

Com sua nova mostra, o museu Thyssen-Bornemisza, em Madri, expõe obras de Tomás Saraceno e Dominique Gonzalez-Foerster com dois objetivos; …

Matéria de capa

Zanele Muholi

Zanele Muholi (1972) é ativista visual e fotógrafa e mora em Joanesburgo. Segundo a artista, sua autoproclamada missão é “para …

Destaque

Lucian Freud

Em 8 de dezembro de 1992, Lucian Freud completou 70 anos. Considerado então o maior pintor vivo da Grã-Bretanha, após …

Flashback

William Blake

William Blake (1757-1827) repousa, certamente, entre os maiores artistas da Inglaterra. Trabalhou como poeta, pintor e gravurista, deixando uma obra …

Reflexo

Daniel Senise

 

O BEIJO DO ELO PERDIDO  E QUASE INFINITO

Entre 1991 e 1992, fiz duas telas aparentemente bem distintas que desde então …

Garimpo

Mano Penalva

Nascido em Salvador, Mano Penalva vive e trabalha em São Paulo e atualmente realiza a exposição individual Casa de Andar, …

Matéria de capa

Keith Haring

O artista e ativista Keith Haring (1958-1990) surgiu como parte da vibrante cena artística do centro da Nova York dos …

Flashback

Man Ray

O início do século 20 ecoava velozes transformações tecnológicas, enquanto o pensamento artístico insurgia no rompimento com o clássico. É …

Destaque

Lucio Fontana

Os primeiros trabalhos de Fontana das décadas de 1930 e 1940 ilustram uma jornada de abstração crescente, não sem influências …

Alto relevo

Olafur Eliasson

O artista dinamarquês-islandês Olafur Eliasson, nascido em 1967, criou um amplo corpo de trabalhos que inclui instalações, esculturas, fotografias e …

Garimpo

Anaisa Franco

Nascida em Uberlândia (MG), Anaisa Franco é mestre em Arte Digital e Tecnologia pela Universidade de Plymouth, na Inglaterra, e …