Catherine nue allongée sur une peau de panthère, 1923. Foto: © Hadiye Cangokce.

DASARTES 136 /

SUZANNE VALADON

INICIANDO COMO MODELO PARA RENOIR, SUZANNE VALADON TAMBÉM FOI UMA ARTISTA SINGULAR. ATÉ AGORA, SUA OBRA FOI POUCO ANALISADA, EM PARTE DEVIDO À SUA INDEPENDÊNCIA DAS VANGUARDAS ARTÍSTICAS E À SUA ASSOCIAÇÃO COM MAURICE UTRILLO E ANDRÉ UTTER, FORMANDO O CHAMADO “TRIO INFERNAL”. UMA NOVA RETROSPECTIVA APRESENTA INTERPRETAÇÕES DE SEU TRABALHO, EXPLORANDO QUESTÕES RELEVANTES PARA NOSSA SOCIEDADE ATUAL

Les Baigneuses, 1923. Foto: © RMNGrand Palais / Gérard Blot.

Eu desenhei loucamente para que, quando não tiver mais olhos, eu possa ver com as pontas dos dedos, explicou a artista em seu texto/manifesto Suzanne Valadon ou L’Absolu.

 

 

Suzanne Valadon nasceu em 23 de setembro de 1865 como Marie-Clémentine Valadon, em Bessinessur-Gartempe, no departamento francês de Haute-Vienne. Em 1866, mudou-se com sua mãe para Paris, no bairro de Montmartre, onde a mãe trabalhava como empregada doméstica e depois como lavadeira. Em 1870, foi enviada para Nantes para ficar com sua meia-irmã, de onde acompanhou de longe os tumultos da Comuna de Paris. Em 1873, fez seus primeiros desenhos.

Quando voltou a Paris em 1876, trabalhou em uma loja de moda, em uma floricultura e no mercado para ajudar financeiramente a mãe, que moravam juntas na Rue Cortot. Nessa época, começou a se chamar Maria e depois Suzanne, e trabalhou como modelo para artistas como Puvis de Chavannes, Renoir, Toulouse-Lautrec, Henner, Wertheimer e Hynais. Em 1882, conheceu Miquel Utrillo, com quem teve seu filho Maurice um ano depois, e pintou seu primeiro quadro.

Grand’mère et petit-fils, 1910. Foto: © Centre Pompidou, MNAM-CCI, Dist. RMN-Grand Palais / Georges eguerditchian.

Em 1893, conheceu Eric Satie, com quem teve um relacionamento por alguns meses, e depois Edgar Degas, que comprou algumas de suas obras e a ensinou a técnica da gravura. Em 1920, sua pintura Été (Verão), também conhecida como Adam et Ève (Adão e Eva), foi exibida no Salon d’Automne, marcando a primeira vez na história da arte em que um nu masculino frontal foi pintado por uma mulher. Até sua morte, em 1938, Suzanne se dedicou inteiramente à sua arte, deixando para trás 480 pinturas, 275 desenhos e 31 gravuras.

Valadon viveu em uma Paris transformada pelas ambições napoleônicas e pela pobreza em certos bairros devido às obras de Georges Eugène Haussmann. Ela testemunhou o surgimento da indústria cultural e o início de um novo mercado de arte. Ela se envolveu com a boemia e desfrutou da vida noturna parisiense nos cafés, bailes, musettes e revistas. Suzanne Valadon foi uma mulher decididamente moderna, plenamente inserida em uma era de grandes transformações ideológicas. Em sua prática artística diversificada, dedicou-se à pintura, desenho e gravura.

La Chambre bleue, 1923. Foto: © Centre Pompidou, MNAM-CCI, Dist. RMN-Grand Palais / Jacqueline Hyde

A obra artística de Suzanne Valadon é caracterizada desde o início por retratos de pessoas próximas a ela e por cenas de gênero, que eram preferidas nas exposições oficiais da época, pois escapavam do dogma das hierarquias temáticas. A partir de 1903, ela se dedicou intensamente à expressividade de suas figuras, geralmente parentes, que ela pintava em interiores com decorações cada vez menos sóbrias. Essas pinturas, profundas representações de seu estado de espírito, seguem os princípios da Escola de Pont-Aven.

 

 

SUZANNE VALADON, MODELO DE PINTORES FAMOSOS

Suzanne Valadon posando para o pintor tcheco Vojtech Hynais, 1891. Praga,
Arquivos da Galeria Nacional de Praga, fundos Vojtech Hynais (1854–1925).

Suzanne Valadon chamou a atenção pela sua franqueza e logo conquistou os pintores que viviam em Montmartre, no virar do século 20.

Antes mesmo de começar sua própria carreira como artista, ela era uma modelo muito requisitada e posava regularmente para Renoir, que a retratou várias vezes como uma banhista tradicional. Ela o admirava, mas ele não sabia que ela também era uma artista. No mesmo ano, Valadon criou suas primeiras obras conhecidas e datadas, incluindo um autorretrato em pastel iridescente, que refletia a técnica que ela observara no ateliê de Renoir.

Ela compartilhou com o crítico de arte Gustave Coquiot seu prazer em posar para Renoir: “Eu posava para ele como personagens vestidos, sob o sol escaldante, na grama, com a cabeça descoberta ou usando chapéus muito floridos. Também posava para nus. Foi uma época muito colorida.”

 

PAISAGENS E NUS EM GRANDE ESCALA AO AR LIVRE

La Dame au petit chien, 1917.
Foto: © Centre Pompidou, MNAM-CCI, Dist. RMN-Grand Palais.

Nos primeiros anos de 1880, Suzanne Valadon conheceu Puvis de Chavannes. Por sete anos, ela trabalhou como modelo para ele, posando como ninfa ou jovem. Durante essa colaboração, o olhar de Valadon se aprimorou, e eles passavam horas discutindo arte durante as sessões, o que a ajudou a desenvolver sua própria abordagem artística. Seus trabalhos posteriores refletem essa influência, que ela assimilou e reinterpretou, assim como a linguagem simbolista.

 

TECIDOS À MANEIRA DE MATISSE

L’Acrobate ou La Roue, 1916. Foto: © Stéphane Pons.

O quadro La Dame au petit chien (A Dama com o Pequeno Cachorro), de 1917, apresenta uma figura andrógina, sensual e solitária, que, vista de baixo, adquire uma presença imponente e quase escultural. Sua nudez é coberta e, ao mesmo tempo, enfatizada por um grande pedaço de tecido colorido, como frequentemente visto nas composições de Valadon. O modelo pode ser seu marido, André Utter. Tanto a técnica quanto a escolha do tema conferem a essa obra raramente vista um caráter peculiar e distintivo.

 

FAMÍLIA, AMOR, VIDA

Portrait of Erik Satie, 1893. Foto: © Centre Pompidou, MNAM-CCI, Dist. RMN-Grand Palais

É preciso ter a coragem de olhar nos olhos do modelo se você quiser alcançar a alma. Nunca me tragam uma mulher que procura o encantador ou o bonito – eu a decepcionarei imediatamente. (Suzanne Valadon)

 

O retrato de Erik Satie é uma das primeiras pinturas feitas por Suzanne Valadon, que, na época, estava mais acostumada com desenhos e gravuras, à beira do século 20. Como precursora da modernidade, essa pintura revela seu talento precoce como retratista, que se desenvolveria plenamente em suas obras posteriores. Nela, Valadon retrata seu amante, o músico Erik Satie, que tocava piano na Auberge du Clou e com quem teve um breve e intenso caso de amor que terminou em janeiro de 1893. Apaixonado, ciumento e excessivo, Satie enviava cartas de amor dolorosas para Suzanne Valadon. No entanto, ela, sendo livre, orgulhosa e independente, não se importava muito com esse amante. Com esse retrato, ela criou uma homenagem apaixonada ao glamour da boêmia da época de seus amores.

Suzanne Valadon segura nosso olhar, destacando-se como a líder autoritária em seu quadro Portrait de famille (Retrato de família). A mão colocada sobre o peito é um símbolo de pureza ligado ao casamento.

Portraits de famille, 1912. Foto: © RMN-Grand Palais (Musée d’Orsay) / Christian Jean / Jean Popovitch.

Seu filho, Maurice Utrillo, já lutando contra o alcoolismo em seus primeiros anos, tenta manter sua cabeça pesada erguida, uma pose reminiscente da iconografia da melancolia de Dürer. O olhar evasivo de André Utter, à esquerda, já indica sua iminente saída do lar doméstico. Maman Madeleine (Mamãe Madeleine), cujo rosto está marcado pelo tempo, supervisiona os três companheiros ao fundo, com uma aparente sensação de impotência diante dos conflitos do “trio maldito”. Esse quadro simples, cuja presença física do tecido lembra os laços inquebráveis entre as figuras, marcou o início do interesse de Valadon por cenas de gênero.

Portrait de Marie Coca et sa fille, 1913. Foto: © RMN-Grand Palais (Musée d’Orsay).

Em Marie Coca et sa fille Gilberte (Marie Coca e sua filha Gilberte), de 1913, que mistura cena de gênero e retrato, Suzanne Valadon pinta sua sobrinha Marie Coca ao lado de sua filha mais nova, Gilberte. O tema da transição da infância para a idade adulta, presente em seus primeiros desenhos, caracteriza seu trabalho durante a década de 1910. O olhar da criança, o único direcionado para o espectador, evoca a gradual desaparição da mãe em favor de uma juventude triunfante. Essa característica é continuada em várias pinturas posteriores que retratam os mesmos modelos. Suzanne Valadon também recorria ao tradicional jogo de “quadro dentro do quadro”, referenciando a obra Une répétition d’un ballet à l’opéra (Um ensaio de balé na ópera), de Edgar Degas, no canto superior esquerdo. Essa imagem, invertida em relação ao quadro, pode ser uma gravura feita por Degas entre 1890 e 1917.

 

GRANDES NUS

Nu au châle bleu, 1930. Foto: © RMN-Grand Palais (Musée d’Orsay).

 

Eu desenhei como uma louca para que, quando não tiver mais olhos, tenha olhos nas pontas dos meus dedos. (Suzanne Valadon)

 

Em 1909, Suzanne Valadon pintou o corpo de André Utter, seu segundo marido, que era 21 anos mais jovem do que ela e amigo de seu filho. Ela, provavelmente, foi uma das primeiras mulheres na história da arte a pintar um nu masculino frontal, pois o acesso das artistas a aulas de arte com modelos nus foi negado por muito tempo. Ela se representa como Eva ao lado de seu companheiro, com quem ela mantinha um relacionamento amoroso. Embora a evocação do desejo e do amor seja personificada pelo tema bíblico de Adão e Eva, a obra não é menos política. Uma foto contemporânea mostra que as folhas de videira que cobrem as partes íntimas de Utter foram adicionadas tardiamente, provavelmente em 1920, durante o Salon d’Automne, que não poderia aceitar um gesto tão chamativo.

Adam and Eve, 1909. Foto: © RMN-Grand Palais (Musée d’Orsay).

O quadro é um testemunho do grande talento pictórico da artista, refletido na proporção harmoniosa dos corpos nus e nos traços rigorosos, precisos e, ao mesmo tempo, densos. Em suas pinturas, Suzanne Valadon une o classicismo herdado de Puvis de Chavannes com um naturalismo emergente, que se manifestaria plenamente em seus grandes nus ao ar livre nos anos seguintes.

De todos os mestres erroneamente atribuídos a ela devido ao princípio da herança masculina, Paul Gauguin é o único do qual Suzanne Valadon reivindica uma ascendência artística. Nessa pintura, certamente, transparece a preferência de Gauguin por paisagens exuberantes, embora Valadon tenha escolhido uma abordagem simbolista mais próxima dos temas de Puvis de Chavannes.

Esta obra, apresentada no Salon d’Automne no ano de sua criação, é um testemunho do domínio completo da artista sobre suas ferramentas pictóricas. Foi o auge de seu estilo, situado entre o naturalismo e a estilização.

Aqui, Suzanne Valadon retrata André Utter com pernas curvilíneas e peludas, que quebram com os padrões eróticos da época. A desconstrução da anatomia masculina em movimento é um pretexto para celebrar, de maneira hedonista e confiante, a beleza do corpo masculino.

 

UM FUTURO DESNUDO

Le Lancement de filet, 1914. Foto: © Centre Pompidou, MNAM-CCI, Dist. RMN-Grand Palais / Jaqueline Hyde.

Minha obra está completa, e a única satisfação que ela me traz é que nunca traí ou abandonai aquilo em que acreditei. Talvez um dia você veja isso, se alguém se importar em me fazer justiça. (Suzanne Valadon)

 

Na década de 1910, surgiram grandes nus femininos que foram exibidos no Salon d’Automne, em 1912. A representação do corpo com seus volumes expansivos e sua disposição livre rompem com a tradição da pintura. A sobreposição de diferentes motivos e camadas, que bloqueiam qualquer perspectiva, juntamente com os drapeados especialmente detalhados, apontam para os estudos posteriores de Valadon sobre motivos decorativos de interiores, inspirados pelos fauvistas.

Autoportrait aux seins nus, 1931.
Foto: © Centre Pompidou, MNAM-CCI, Dist. RMN-Grand Palais

O uso do autorretrato foi uma técnica adotada por mulheres, a quem tradicionalmente era negado o acesso à representação do corpo feminino, especialmente na École Nationale des Beaux-Arts, que só permitiu isso a elas em 1900. Suzanne Valadon continuou essa prática várias vezes em suas obras, mantendo a pose tradicional de perfil, mas quebrando os códigos tradicionais da feminilidade na pintura. Em um autorretrato de 1931, seu último, ela se retrata aos 66 anos com traços faciais severos e seios firmes. O realismo inclemente dessa pintura transformou Suzanne Valadon de um sujeito passivo em uma pintora ativa e desejável. O olhar orgulhoso claramente expressa o ato de rebeldia que estava acontecendo nos bastidores.

Chiara Parisi é curadora e diretora do
Centre Pompidou-Metz, na França.

SUZANNE VALADON: A WORLD OF HER OWN
• NANTES ART MUSEUM • FRANÇA
• 3/11/2023 A 18/2/2024
• NATIONAL ART MUSEUM OF CATALONIA •
ESPANHA • 11/4 A 1/9/2024

Compartilhar:

Confira outras matérias

Flashback

FRANS HALS

Frans Hals pintava retratos; nada, nada, nada além disso. Mas isso vale tanto quanto o Paraíso de Dante, os Michelangelos, …

Do mundo

AMEDEO MODIGLIANI

Quase cem anos depois do encontro desses dois homens, em 1914, é interessante olhar de novo para um momento de …

Destaque

CAMILLE CLAUDEL

NÃO VIVAS DE FOTOGRAFIAS AMARELADAS

Camille Claudel

 

É possível enlouquecer por amor? Toda vez que se conta a história de Camille Claudel …

Alto relevo

ERWIN WURM

A certa altura, percebi que tudo o que me rodeia pode ser material para um trabalho artístico, absolutamente tudo. Para …

Alto relevo

ANA MENDIETA

ALMA EM CHAMAS: ANA MENDIETA “ARDE” NO SESC POMPEIA

Silhuetas em fogo é a sensacional exposição dedicada à Ana Mendieta, em …

Do mundo

HIROSHI SUGIMOTO

Em sua maioria produzidas com sua antiquada câmera de visão de madeira, as imagens de Hiroshi Sugimoto (Tóquio, 1948) destacam …

Flashback

CHAÏM SOUTINE

Chaïm Soutine (1893-1943) foi um artista com uma vida extraordinária. Criado em uma cidadezinha perto de Minsk, mudou-se para Paris …

Destaque

JARBAS LOPES

A natureza expande suas formas nas percepções dos que se aproximam dela. O artista Jarbas Lopes, com seu semblante de …

Capa

ED RUSCHA

Ed Ruscha deixou Oklahoma City em 1956 para estudar arte comercial no Chouinard Art Institute (hoje CalArts), em Los Angeles. …

Do mundo

KEITH HARING

ARTE É PARA TODOS

Nascido em 1958, Haring cresceu em Kutztown, Pensilvânia, onde o pai, Allen, o ensinou a fazer desenhos …

Alto relevo

ALEX ČERVENÝ

MIRABILIA

Capere mundum. Ao observar tudo o que nos envolve, Alex Červený, artista e ilustrador nascido em São Paulo, com uma …

Reflexo

SARAH LUCAS

Em HAPPY GAS, para a nova exposição de Sarah Lucas, no Tate Britain, são utilizados: banana, lâmpadas, concreto, peixes, carro, …

Destaque

Ana Holck

Os títulos das obras mais recentes de Ana Holck pressupõem um estado de ação, pois a representação do movimento é …

Do mundo

KEHINDE WILEY

As figuras de Wiley ocupam triunfalmente espaços culturais tradicionalmente reservados à realeza branca, ao clero ou à nobreza, enquanto ele …

Flashback

ANTONIO CANOVA

Nascido em 1757, na cidade italiana de Possagno, Antonio Canova (1757-1822) se formou principalmente em Veneza. Rapidamente conquistou elogios por …