DASARTES 103 /

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em 1967, uma época marcada por torturas e perseguições durante o regime de Pinochet. Não somente seu contexto familiar, mas também o legado histórico colonial e sua relação com a população indígena local compõem seu […]

A VIAGEM IMAGINÁRIA

A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em 1967, uma época marcada por torturas e perseguições durante o regime de Pinochet. Não somente seu contexto familiar, mas também o legado histórico colonial e sua relação com a população indígena local compõem seu patrimônio cultural.  Sandra Vásquez de la Horra estava em busca de uma forma de processar e reproduzir essa realidade tendo encontrado este caminho em sua produção artística. Ela estudou comunicação visual no Chile de 1989 a 1994. Entre 1995/1996  estudou artes plásticas com Jannis Kounellis na Academia de Arte de Düsseldorf. Em 1999 ela se mudou para a Alemanha, onde vive até hoje,  complementando seus estudos de arte com Rosemarie Trockel na Academia de Arte de Düsseldorf. Em um subsequente curso de pós-graduação na faculdade de mídia em Colônia, ela aperfeiçou-se nas áreas de fotografia, cinema e novas mídias.

Justamente Jannis Kounellis, co-fundador do movimento Arte Povera. testemunha e protagonista do desenvolvimento sócio-cultural do pós-guerra, foi um dos grande propulsores da obra de Vásquez de la Horra. Assim como ela ele também abandonou muito cedo o seu local de nascimento na Grécia para se tornar um artista internacional. No Brasil uma das últimas atuações de Kounellis foi em 2015 na concepção do cenário da ópera Lohengin de Wagner para o Theatro Municipal de São Paulo. Sua obra foi marcada por narrativas sócio-políticas, que representou principalmente em instalações, objetos e montagens com a utilização de elementos não convencionais como ferro, pedra e juta. Sandra assim como Jannis, abandonou cedo seu local de nascimento, o Chile. Embora tenha sido sua estudante, Sandra manteve-se fiel às suas características artísticas, que se caracterizam por desenhos narrativos criando uma espécie de cartografia composta de seres humanos que se destacam como figuras centrais em constante processo de diálogo e transmutação com a natureza. Seus canais de percepção são abertos e amplos para sentir, perceber, assimilar e digerir novos impulsos. Seu contexto autobiográfico molda continuamente sua existência artística.

O sincretismo desempenha um grande papel em sua vida. A origem está em sua infância pautada por encontros cotidianos com a população indígena do Chile. Posteriormente ocorreu uma imersão pessoal com os deuses da religião afro-americana, parte integrante da cultura na América Latina a partir da herança dos afro-descendentes. Este percurso foi delimitado já durante a estadia da artista na Alemanha, em um contexto e cultura eurocentrista, onde estas características e a própria crença parecem ter um papel de estranhamento e abstração não compatível com a racionalidade aí vigente. Na arte contemporânea internacional poucos são os protagonistas que representam uma aproximação e reconhecimento do sincretismo de forma tão autêntica como a artista Sandra Vásquez de há Horra.  Ela não esconde seu entusiasmo pelo extra-sensorial, por essa percepção improvável. Há precedentes na história da arte ou rumores de que artistas como Rodin, Piet Mondrian ou ainda Wassily Kandisnsky tenham se confrontado com esta temática sendo que o próprio Kandinsky elaborou em 1911 um trabalho teórico relevante sobre o assunto com o título “Sobre o Espiritual na Arte”, cuja ressonância entoou até na escola racional do Bauhaus, onde Kandinsky era um dos professores debatendo aí sobre abordagens e experimentos com símbolos extra-sensoriais.

Sandra Vásquez de la Horra expõe no momento na Galeria Michael Haas de Berlim onde também lançou o livro Águas Profundas realizado por ocasião de sua recente exposição no Museo Novecento de Florença. No Brasil ela participou em 2012 da Bienal de Arte de São Paulo.

Berlim outubro 2020

Compartilhar:

Confira outras matérias

Garimpo

TARCISIO VELOSO

Tarcísio Veloso é um contador de histórias. Suas histórias, porém, não estão completamente à vista. Ao contrário, o que o …

Destaque

ROSÂNGELA RENNÓ

O título da obra de Georges Didi-Huberman, lançada em 2003, no Brasil, parece ser uma das possíveis chaves de leitura …

Alto relevo

Kilian Glasner

INCÊNDIOS

 

Inúmeros mitos sobre a origem do fogo, dos povos indígenas brasileiros aos gregos, fazem alusão à sua potência transformadora e …

Capa

Elian Almeida

Em 28 de julho de 2019, o Brasil perdia uma de suas maiores atrizes. Reunindo grandes feitos como o de …

Pelo Mundo

Francis Alÿs

Em suas andanças aparentemente inócuas, Francis Alÿs não só pensa na cidade, mas nela dá forma a histórias, faz circular …

Garimpo

MARIANA RODRIGUES

Xícaras de chá de hibisco regaram meu encontro com a artista Mariana Rodrigues, de 26 anos. A complexidade do aroma …

Panorama

FRANS KRAJCBERG

“A minha preocupação é penetrar mais na natureza. Há artistas que se aproximam da máquina; eu quero a natureza, quero …

Reflexo

ADRIANA VAREJÃO

POR ADRIANA VAREJÃO

Minha obra é permeada por influências múltiplas e variadas. Um botequim da Lapa, um canto em Macau, uma …

Destaque

RUBEM VALENTIM

UM ARTISTA SACERDOTE

POR MAX PERLINGEIRO

 
“Minha linguagem plástico-visual-signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira (mestiça-animista-fetichista). Com o …

Alto relevo

ANNA MARIA MAIOLINO

UMA ANTOLOGIA ESPIRALAR

 

 

É preciso começar pelo meio. Começar pela fresta entre as duas letras N em ANNA, esse nome-palíndromo. Pelo …

Pelo Mundo

Diane Arbus

Praticantes de sadomasoquismo; pessoas com o corpo completamente tatuado; um homem com o rosto furado por enormes alfinetes; trapezistas; nudistas; …

Flashback

PAUL GAUGUIN

GAUGUIN, ESSE “SELVAGEM-APESAR-DE-MIM-MESMO’” 

(Trecho da carta que o artista escreveu para seu amigo Charles Morice, em 1903) 
 “Tudo o que faço brota …

Destaque

ALFREDO VOLPI

VIDA E OBRA

Com um caráter panorâmico, esta exposição abrange diversos períodos da carreira de Alfredo Volpi (1896-1988) e conta com …

Capa

GONÇALO IVO

“Eu escrevo o que eu vejo, eu pinto o que eu sou”
                                                                                                                 Etel Adnan (1925-2021)
A exposição Zeitgeist, de Gonçalo Ivo, …

Alto relevo

FUJIKO NAKAYA

“O nevoeiro torna as coisas visíveis invisíveis, enquanto  
as coisas invisíveis – como o vento – tornam-se visíveis.” 
 Fujiko Nakaya 
A artista e …