Exposição: Eu me levanto. Regina Parra Foto: Ulisses Castro | fev./2019

DASARTES 82 /

Resenha

O mês que celebra o Dia Internacional da Mulher também marca o encerramento de duas individuais de artistas inspiradas pelo poema Still I rise, de autoria da escritora e ativista norte-americana Maya Angelou (1928-1914). Publicado pela primeira vez em 1978, o poema de caráter autobiográfico nasceu como um grito de resistência contra a submissão do negro […]

O mês que celebra o Dia Internacional da Mulher também marca o encerramento de duas individuais de artistas inspiradas pelo poema Still I rise, de autoria da escritora e ativista norte-americana Maya Angelou (1928-1914). Publicado pela primeira vez em 1978, o poema de caráter autobiográfico nasceu como um grito de resistência contra a submissão do negro em uma sociedade racista, mas logo foi adotado como símbolo da luta contra a opressão de minorias em geral. A voz potente e confiante do poema é a de uma mulher negra que, compreendendo os mecanismos de controle praticados sobre ela, eventualmente aprendeu a reconhecer seu próprio poder e a se desvencilhar da dominação e do jugo de terceiros.

Tomando emprestada essa mesma voz forte, mas lhe imprimindo um tom doce e belo, a artista mineira Sônia Gomes apresentou Ainda assim me levanto, exposição que se dividiu entre o MASP e a Casa de Vidro, na capital paulista, e foi destaque da edição de número 78 da revista. O trabalho inaugurou o uso de um material novo na carreira da escultora – os galhos de árvore –, que foi misturado a ingredientes já tradicionais de sua obra – tecidos, rendas, cordas, tricô e alfinetes. Os corpos moles e coloridos criados por Gomes parecem se mover lentamente sobre a crueza retorcida dos galhos, na tentativa de se desvencilhar desses objetos secos que os prendem ao chão. Encontram um equilíbrio improvável na tensão entre o duro e o macio, o estático e o dinâmico, a terra e o céu. Buscam liberdade e, quando a alcançam, levantam-se, permanecem em suspensão, autônomos. Nesse sentido, o trabalho de Gomes se emparelha ao poema de Angelou ao apresentar indivíduos conscientes do próprio poder, ainda que sabedores de sua condição de oprimidos.

Fazendo abordagem diferente do poema da norte-americana, Regina Parra trouxe à Fundação Marcos Amaro, na cidade de Itu, a exposição multimodal Eu me levanto, capa da edição de número 81 da revista. Ao lançar mão de pintura, vídeo, literatura e performance coreográfica, a artista reflete a respeito das possibilidades de resistência à disposição de um corpo que se encontra constantemente sob demanda. Parece lhe interessar em especial as situações de estado limite desse corpo oprimido. Diante da multiplicidade das mídias utilizadas, o poema de Angelou funciona como o amálgama perfeito para trazer unidade ao trabalho, que, utilizando linguagem realista, lida com medo, aflição, libido, sexualidade, morte. Entretanto, os personagens de Parra não se encontram no mesmo patamar de consciência que o eu lírico de Still I rise. Estão em momento anterior, no qual ainda não existe a noção de liberdade, apenas a necessidade de sobrevivência.

Enquanto a criatura de Sônia paira no ar, a de Regina se debate. Enquanto uma é esperança, a outra é angústia. Uma é lírica, a outra, realidade. Mas o desejo último de ambas é se levantar.

Exposição: Ainda assim me levanto.
Sônia Gomes
Foto: Ulisses Castro | jan./2019

 

Regina Parra: Eu me Levanto
Fundação Marcos Amaro • Itu • 15/12/2018 a 9/3/2019

Sonia Gomes: Ainda assim me levanto
MASP • São Paulo •
14/11/2018 a 10/3/2019

Compartilhar:

Confira outras matérias

Resenha

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA
A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em …

Reflexo

MAXWELL ALEXANDRE

AOS 30 ANOS, MAXWELL ALEXANDRE RETRATA EM SUA OBRA UMA POÉTICA QUE PASSA PELA CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS E CENAS ESTRUTURADAS A PARTIR …

Garimpo

MARJÔ MIZUMOTO

“MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO …

Flashback

MAX KLINGER

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS …

Destaque

KRIS MARTIN

KRIS MARTIN CRIA IMAGENS A PARTIR DE OBJETOS QUE LEVANTAM QUESTÕES SOBRE CONCEITOS COMO TRANSITORIEDADE, IDENTIDADE E MORTE. DENTRO DE TEMAS …

Alto relevo

GEORGES BRAQUE

O MUSEU BUCERIUS KUNST FORUM ESTÁ DEDICANDO UMA RETROSPECTIVA A GEORGES BRAQUE, A PRIMEIRA PESQUISA ABRANGENTE DE SUAS PINTURAS NA …

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …

Alto relevo

AQUILO QUE NÃO SE VÊ - PARA OXÓSSI

“Fungos e liquens aniquilam as nossas categorias de gênero. Eles reorganizam nossas ideias de comunidade e cooperação. Ferram com o …

Garimpo

JANA EULER

CONSTRUINDO FABULAÇÕES PICTÓRICAS EXCÊNTRICAS, AS INÚMERAS TÉCNICAS DE CRIAÇÃO DE IMAGENS DA ARTISTA ALEMÃ JANA EULER EXAMINAM E EXAGERAM AS …

Reflexo

Ana Paula Oliveira

A ARTISTA MINEIRA RADICADA EM SÃO PAULO, ANA PAULA OLIVEIRA CRIA SITUAÇÕES POR MEIO DE DIVERSAS LINGUAGENS E MATERIAIS E …

Flashback

JAMES TISSOT

PINTOR BRILHANTE DA ALTA CLASSE SOB O SEGUNDO IMPÉRIO E DOS COSTUMES DA SOCIEDADE VITORIANA INGLESA, DOS ARISTOCRATAS ELEGANTES E …