Exposição: Eu me levanto. Regina Parra Foto: Ulisses Castro | fev./2019

DASARTES 82 /

Resenha

O mês que celebra o Dia Internacional da Mulher também marca o encerramento de duas individuais de artistas inspiradas pelo poema Still I rise, de autoria da escritora e ativista norte-americana Maya Angelou (1928-1914). Publicado pela primeira vez em 1978, o poema de caráter autobiográfico nasceu como um grito de resistência contra a submissão do negro […]

O mês que celebra o Dia Internacional da Mulher também marca o encerramento de duas individuais de artistas inspiradas pelo poema Still I rise, de autoria da escritora e ativista norte-americana Maya Angelou (1928-1914). Publicado pela primeira vez em 1978, o poema de caráter autobiográfico nasceu como um grito de resistência contra a submissão do negro em uma sociedade racista, mas logo foi adotado como símbolo da luta contra a opressão de minorias em geral. A voz potente e confiante do poema é a de uma mulher negra que, compreendendo os mecanismos de controle praticados sobre ela, eventualmente aprendeu a reconhecer seu próprio poder e a se desvencilhar da dominação e do jugo de terceiros.

Tomando emprestada essa mesma voz forte, mas lhe imprimindo um tom doce e belo, a artista mineira Sônia Gomes apresentou Ainda assim me levanto, exposição que se dividiu entre o MASP e a Casa de Vidro, na capital paulista, e foi destaque da edição de número 78 da revista. O trabalho inaugurou o uso de um material novo na carreira da escultora – os galhos de árvore –, que foi misturado a ingredientes já tradicionais de sua obra – tecidos, rendas, cordas, tricô e alfinetes. Os corpos moles e coloridos criados por Gomes parecem se mover lentamente sobre a crueza retorcida dos galhos, na tentativa de se desvencilhar desses objetos secos que os prendem ao chão. Encontram um equilíbrio improvável na tensão entre o duro e o macio, o estático e o dinâmico, a terra e o céu. Buscam liberdade e, quando a alcançam, levantam-se, permanecem em suspensão, autônomos. Nesse sentido, o trabalho de Gomes se emparelha ao poema de Angelou ao apresentar indivíduos conscientes do próprio poder, ainda que sabedores de sua condição de oprimidos.

Fazendo abordagem diferente do poema da norte-americana, Regina Parra trouxe à Fundação Marcos Amaro, na cidade de Itu, a exposição multimodal Eu me levanto, capa da edição de número 81 da revista. Ao lançar mão de pintura, vídeo, literatura e performance coreográfica, a artista reflete a respeito das possibilidades de resistência à disposição de um corpo que se encontra constantemente sob demanda. Parece lhe interessar em especial as situações de estado limite desse corpo oprimido. Diante da multiplicidade das mídias utilizadas, o poema de Angelou funciona como o amálgama perfeito para trazer unidade ao trabalho, que, utilizando linguagem realista, lida com medo, aflição, libido, sexualidade, morte. Entretanto, os personagens de Parra não se encontram no mesmo patamar de consciência que o eu lírico de Still I rise. Estão em momento anterior, no qual ainda não existe a noção de liberdade, apenas a necessidade de sobrevivência.

Enquanto a criatura de Sônia paira no ar, a de Regina se debate. Enquanto uma é esperança, a outra é angústia. Uma é lírica, a outra, realidade. Mas o desejo último de ambas é se levantar.

Exposição: Ainda assim me levanto.
Sônia Gomes
Foto: Ulisses Castro | jan./2019

 

Regina Parra: Eu me Levanto
Fundação Marcos Amaro • Itu • 15/12/2018 a 9/3/2019

Sonia Gomes: Ainda assim me levanto
MASP • São Paulo •
14/11/2018 a 10/3/2019

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …