DASARTES 93 /

Resenha

Fellini como obra: sobre uma instalação fotográfica, veja resenha da exposição O cérebro (e a caminhada) de Guido Anselmi, no MAM RJ. Por Nicholas Andueza.

FELLINI COMO OBRA: SOBRE UMA INSTALAÇÃO FOTOGRÁFICA
Nicholas Andueza

A exposição O cérebro (e a caminhada) de Guido Anselmi, no MAM-RJ de janeiro a março deste ano, faz parte da comemoração do centenário de Federico Fellini. A exibição traz movimento triplo: o filme 8 ½, de Fellini, as fotografias de bastidores feita por Paul Ronald e a instalação-curadoria de Hernani Heffner. Eis o enredamento: Fellini bebe no seu alterego em Marcello Mastroianni (que faz Guido) para realizar 8 ½ (1963), filme sobre o processo de filmar; Ronald fricciona a relação diretor-ator com o imaginário do “cinema-in-progress” e produz faíscas em forma de fotografias; destas Heffner potencializa o poder incendiário, explorando-as espacialmente em uma instalação, cuja arquitetura se inspira nas sinapses de um inconsciente felliniano. Assim, a sala forma a inversão de um labirinto: os muros são vazados, os caminhos não se fecham e o objetivo não é se encontrar, mas se perder.

No breu e com luzes pontuais, a sala inteira parece suspensa, como em uma interseção. Beco Fellini. Penso no vão das paredes que seguravam os “relevos de canto” do jovem Tatlin. Apoiada na pura suspensão de uma intercessão estava a obra – e nela, um universo inteiro. “O Cérebro…” é como a suspensão de um canto do museu. Por ela se passa andando, atravessando estruturas metálicas, tecidos, fotografias e imagens em movimento, como em um fluxo de (in)consciência. O percurso sugerido, marcado no chão, mostra cada imagem uma vez só, sem repeti-las. Mas o espectador é livre para ignorá-lo e escolher o próprio percurso, já que os caminhos são abertos. A única exigência é que o novo trajeto também passe em cada lugar uma única vez. Esse é o dispositivo.

Vista da exposição. Fotos: Drika de Oliveira.

Quadrilátero simétrico, o antilabirinto tem como pilar central uma espécie rara de dolly (carrinho para acoplar à câmera e movimentá-la), concebida não por engenheiros, mas por um ator, preocupado com a interação móvel entre câmera e corpo. Assim, o núcleo do cérebro de Guido-Fellini é essencialmente vivo, porque é fundado na mobilidade – e a inércia do carrinho exposto passa a indicar não uma fixidez, mas um devir do movimento. Um círculo preso no teto com véus brancos móveis ora tapa ora exibe o carrinho; nas paredes à volta, imagens em movimento projetadas (incluindo o trailer de 8 ½). No jogo de vejo-não-vejo, assisto à querela entre o véu e a imagem. O véu esconde o que está logo ali, ao alcance das mãos; a imagem mostra o que não posso tocar. Jogo erótico, dinâmico: o cinema como desejo, o desejo como cinema – eis o minotauro do “Cérebro”.

Sintetizando esse erotismo estão as fotos de Paul Ronald, verdadeiras imagens veladas. São 70 fotografias escolhidas entre 2.200 negativos que registraram os bastidores de 8 ½. O filme nos apresenta um circo absoluto. Da crise subjetiva à Crise dos Mísseis, ele se autoexpõe em metalinguagem, diz-se nu como o rei. Nas fotos, vemos o momento em que cai cada peça de roupa. Olhares de Fellini, de Guido, de Mastroianni, da equipe. Olhares para a câmera, a cena, o nada; olhares que simultaneamente velam e desvelam. Roupas, posturas, equipamentos da época. As fotografias gritam os artifícios do cinema, como 8 ½ faz de si próprio e como o faz também o Cérebro-passeio, através das transparências nos véus e nas estruturas metálicas, ambos inspirados no filme. E, de tudo isso, nós, os flâneurs, como seres lembrantes e desejantes, não seríamos nós os pingos de memória, as sinapses que animam o sistema ao percorrê-lo? Não seríamos a esperança de um passado possível?

Ou seja: Mastroianni incorpora Fellini na forma de Guido; Fellini transmuta Guido em seu filme-sobre-o-filme; Ronald produz uma constelação fotográfica do “filme-processo”; Heffner, então, remete a constelação a um universo inconsciente de Fellini, nomeado Guido. Talvez não se trate “apenas” de uma exposição de fotos de making of.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …

Alto relevo

AQUILO QUE NÃO SE VÊ - PARA OXÓSSI

“Fungos e liquens aniquilam as nossas categorias de gênero. Eles reorganizam nossas ideias de comunidade e cooperação. Ferram com o …

Garimpo

JANA EULER

CONSTRUINDO FABULAÇÕES PICTÓRICAS EXCÊNTRICAS, AS INÚMERAS TÉCNICAS DE CRIAÇÃO DE IMAGENS DA ARTISTA ALEMÃ JANA EULER EXAMINAM E EXAGERAM AS …

Reflexo

Ana Paula Oliveira

A ARTISTA MINEIRA RADICADA EM SÃO PAULO, ANA PAULA OLIVEIRA CRIA SITUAÇÕES POR MEIO DE DIVERSAS LINGUAGENS E MATERIAIS E …

Flashback

JAMES TISSOT

PINTOR BRILHANTE DA ALTA CLASSE SOB O SEGUNDO IMPÉRIO E DOS COSTUMES DA SOCIEDADE VITORIANA INGLESA, DOS ARISTOCRATAS ELEGANTES E …

Capa

ALEX KATZ

ALEX KATZ (NEW YORK, 1927) É UMA DAS FIGURAS-CHAVE DA HISTÓRIA DA ARTE AMERICANA DO SÉCULO 20 E UM PRECURSOR …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

WOLFGANG TILLMANS É CONHECIDO POR EXPLORAR OS LIMITES DA FOTOGRAFIA E DA IMAGEM. TODAY IS THE FIRST DAY É A …

Alto relevo

FRANK WALTER

A OBRA DO ARTISTA CARIBENHO FRANK WALTER PARECE ESTAR EM OPOSIÇÃO ÀS ATRIBUIÇÕES RACIAIS E NACIONAIS PERMANENTES ÀS QUAIS ELE …

Alto falante

A MALHAÇÃO DE BRITTO

No passado mês de agosto, uma polêmica mobilizou as chamadas redes sociais no limbo de silício. Um episódio que trouxe …

Reflexo

FLAVIA JUNQUEIRA

AS INGÊNUAS BEXIGAS DE ENCHER DA ARTISTA FLAVIA JUNQUEIRA POVOAM O BRASIL DE NORTE A SUL. INSEREM CONOTAÇÕES POLÍTICAS, FILOSÓFICAS, …

Flashback

LUCAS CRANACH

ARQUETÍPICO HOMEM RENASCENTISTA, LUCAS CRANACH, O VELHO, FOI UM DOS ARTISTAS ALEMÃES DE MAIOR SUCESSO DE TODOS OS TEMPOS. AS …