DASARTES 93 /

Resenha

Fellini como obra: sobre uma instalação fotográfica, veja resenha da exposição O cérebro (e a caminhada) de Guido Anselmi, no MAM RJ. Por Nicholas Andueza.

FELLINI COMO OBRA: SOBRE UMA INSTALAÇÃO FOTOGRÁFICA
Nicholas Andueza

A exposição O cérebro (e a caminhada) de Guido Anselmi, no MAM-RJ de janeiro a março deste ano, faz parte da comemoração do centenário de Federico Fellini. A exibição traz movimento triplo: o filme 8 ½, de Fellini, as fotografias de bastidores feita por Paul Ronald e a instalação-curadoria de Hernani Heffner. Eis o enredamento: Fellini bebe no seu alterego em Marcello Mastroianni (que faz Guido) para realizar 8 ½ (1963), filme sobre o processo de filmar; Ronald fricciona a relação diretor-ator com o imaginário do “cinema-in-progress” e produz faíscas em forma de fotografias; destas Heffner potencializa o poder incendiário, explorando-as espacialmente em uma instalação, cuja arquitetura se inspira nas sinapses de um inconsciente felliniano. Assim, a sala forma a inversão de um labirinto: os muros são vazados, os caminhos não se fecham e o objetivo não é se encontrar, mas se perder.

No breu e com luzes pontuais, a sala inteira parece suspensa, como em uma interseção. Beco Fellini. Penso no vão das paredes que seguravam os “relevos de canto” do jovem Tatlin. Apoiada na pura suspensão de uma intercessão estava a obra – e nela, um universo inteiro. “O Cérebro…” é como a suspensão de um canto do museu. Por ela se passa andando, atravessando estruturas metálicas, tecidos, fotografias e imagens em movimento, como em um fluxo de (in)consciência. O percurso sugerido, marcado no chão, mostra cada imagem uma vez só, sem repeti-las. Mas o espectador é livre para ignorá-lo e escolher o próprio percurso, já que os caminhos são abertos. A única exigência é que o novo trajeto também passe em cada lugar uma única vez. Esse é o dispositivo.

Vista da exposição. Fotos: Drika de Oliveira.

Quadrilátero simétrico, o antilabirinto tem como pilar central uma espécie rara de dolly (carrinho para acoplar à câmera e movimentá-la), concebida não por engenheiros, mas por um ator, preocupado com a interação móvel entre câmera e corpo. Assim, o núcleo do cérebro de Guido-Fellini é essencialmente vivo, porque é fundado na mobilidade – e a inércia do carrinho exposto passa a indicar não uma fixidez, mas um devir do movimento. Um círculo preso no teto com véus brancos móveis ora tapa ora exibe o carrinho; nas paredes à volta, imagens em movimento projetadas (incluindo o trailer de 8 ½). No jogo de vejo-não-vejo, assisto à querela entre o véu e a imagem. O véu esconde o que está logo ali, ao alcance das mãos; a imagem mostra o que não posso tocar. Jogo erótico, dinâmico: o cinema como desejo, o desejo como cinema – eis o minotauro do “Cérebro”.

Sintetizando esse erotismo estão as fotos de Paul Ronald, verdadeiras imagens veladas. São 70 fotografias escolhidas entre 2.200 negativos que registraram os bastidores de 8 ½. O filme nos apresenta um circo absoluto. Da crise subjetiva à Crise dos Mísseis, ele se autoexpõe em metalinguagem, diz-se nu como o rei. Nas fotos, vemos o momento em que cai cada peça de roupa. Olhares de Fellini, de Guido, de Mastroianni, da equipe. Olhares para a câmera, a cena, o nada; olhares que simultaneamente velam e desvelam. Roupas, posturas, equipamentos da época. As fotografias gritam os artifícios do cinema, como 8 ½ faz de si próprio e como o faz também o Cérebro-passeio, através das transparências nos véus e nas estruturas metálicas, ambos inspirados no filme. E, de tudo isso, nós, os flâneurs, como seres lembrantes e desejantes, não seríamos nós os pingos de memória, as sinapses que animam o sistema ao percorrê-lo? Não seríamos a esperança de um passado possível?

Ou seja: Mastroianni incorpora Fellini na forma de Guido; Fellini transmuta Guido em seu filme-sobre-o-filme; Ronald produz uma constelação fotográfica do “filme-processo”; Heffner, então, remete a constelação a um universo inconsciente de Fellini, nomeado Guido. Talvez não se trate “apenas” de uma exposição de fotos de making of.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

CLAUDIA ANDUJAR

Claudia Andujar: a luta Yanomami faz um levantamento da arte e do ativismo da fotógrafa brasileira desde os anos 1970 …

Flashback

SOPHIE TAEUBER-ARP

De julho a outubro de 2021, o Tate Modern, em Londres, apresenta a obra de Sophie Taeuber-Arp, uma das principais …

Alto relevo

FELIX GONZALEZ-TORRES

A arte de Gonzalez-Torres pode ser lida como uma crítica ao conservadorismo social, atitudes homofóbicas e um alerta sobre a …

Pelo Mundo

OSCAR MURILLO

Oscar Murillo, artista multifacetado que realiza pinturas, desenhos, esculturas, performances, vídeos, instalações e projetos colaborativos, está em exibição no Mori …

Destaque

JEAN DUBUFFET

“O normal é psicótico. Normal significa falta de imaginação, falta de criatividade”. Jean Dubuffet.

Já perceberam que alguns trabalhos de Pollock, …

Destaque

AUGUSTO DE CAMPOS

A BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE, A PRINCIPAL E MAIS ANTIGA DA CIDADE DE SÃO PAULO, TORNOU-SE UM ESPAÇO DE CELEBRAÇÃO …

Alto relevo

HITO STEYERL

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS …

Garimpo

Ramonn Vieiteiz

EM CARTAZ NA COLETIVA SER VIVO, LIVRE, EU, NO GALERIA CAFÉ SÃO PAULO, O JOVEM ARTISTA DE RECIFE, RAMONN VIEITEZ, …

Pelo Mundo

Kara Walker

NO ATUAL MOMENTO DE VALORIZAÇÃO DE ARTISTAS NEGROS, A OBRA DA NORTE-AMERICANA KARA WALKER SE DESTACA POR CRITICAR A ACEITAÇÃO …

Destaque

MICHAEL ARMITAGE

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM …

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …