Foto: Marcus Schneider

DASARTES 83 /

Resenha

Veja resenha da mostra Conversa com a parede de Carla Guagliardi na Galeria Kajetan, em Berlim. Por Sylvia Carolinne.

Em sua primeira exposição na recém-inaugurada galeria Kajetan Berlin, a artista expõe três obras onde a temporalidade e a vulnerabilidade se encontram constantemente presentes por meio da precariedade de equilíbrios e interdependência dos objetos.

Pela própria materialidade e contraste dos componentes escolhidos, para participarem de suas obras, a questão da iminência do esgotamento físico acaba por ser mais um item a acrescer, no que pertence aos elementos usados por Guagliardi, para desenvolver sua linha de pensamento e experimentos de materiais.

Na instalação Conversando com a Parede, que dá nome à exposição, a elasticidade e a rigidez contrastantes dos materiais compõem a obra através de um único fio elástico, tensionado em looping ao longo de uma parede de oito metros. Sustentados por pressão, pedaços de madeira e papelão vivem uma harmonia interdependente precária, à qual o tempo ditará as mudanças e os futuros reajustes para a manutenção do status quo do conjunto.

Na escultura Partitura VI (Horizontal), segunda obra exposta, sete bolas de espuma rígida em diferentes tamanhos intercaladas por sete pranchas de madeira continuam a apresentar o pensamento da artista na questão da vulnerabilidade do equilíbrio. Expõem uma questão cujo conceito pode ser aplicado em nosso dia a dia, em uma constante tensão, união e colaboração das partes do sistema, onde o espaço contribui como elemento de visibilidade macro desse equilíbrio.

Finalizando, a obra Mais do que cheia completa por esclarecer, sem deixar qualquer dúvida, a existência do invisível. A materialidade do ar, percebido mas não visto, dentro do balão de látex vermelho e dos tubos de vidro que integram a última peça, ajuda-nos a ativar a percepção do nosso entorno para além do que pode ser visto.

O suave e o bruto, o leve e o pesado, o frágil e o resistente. Todos os elementos em dualidade, presentes nas obras, que se completam com a apropriação do espaço como parte fundamental de sua pesquisa escultórica.

Esta é uma exposição que somente in loco conseguimos entender e ter a dimensão real do pensamento da artista. Vale a visita!

Galeria Kajetan – Raum für Kunst • Berlim • 9/2 a 13/4/2019

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …