FOTOS: © Renato Mangolin

DASARTES 114 /

REJANE CANTONI: FLORAS

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL RIO DE JANEIRO Em um imponente prédio da época imperial, símbolo do mundo financeiro por décadas, o atual Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro (CCBB RJ) acolhe, de 1º de dezembro 2021 até 24 de janeiro de 2022, a instalação de arte digital Floras, da artista novas-tecnologias Rejane […]

CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL RIO DE JANEIRO

Em um imponente prédio da época imperial, símbolo do mundo financeiro por décadas, o atual Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro (CCBB RJ) acolhe, de 1º de dezembro 2021 até 24 de janeiro de 2022, a instalação de arte digital Floras, da artista novas-tecnologias Rejane Cantoni.

Sob a curadoria de Byron Mendes (@metaverse.agency), a obra foi desenhada especialmente para dialogar com o visitante do espaço CCBB RJ.

Três grandes painéis instalados no foyer do prédio acomodam inúmeros vídeos de fractais que são processados por meio de feedbacks de luz, ou seja, são animações geradas por processos algorítmicos analógicos e digitais. Esses jardins virtuais espelham a vegetação e a flora brasileira. Formas fractais existem já na natureza, como na geometria de uma couve-flor, nas filigranas da folha da samambaia, nas costas de uma vitória-régia, etc.

Floras é então uma instalação visual e sonora, elaborada a partir de animações de vídeos e fragmentos de sons captados nos jardins, florestas e campos do mundo que o computador recombina aleatoriamente.

Em longa trajetória, a artista investiga a capacidade artística como possibilidade de expansão da percepção e interação com o ser humano. Rejane Cantoni explica seu processo:

“Desenhar e instalar uma obra site specific não é tarefa simples. Você tem que estudar, pesquisar as particularidades da instituição que o convida; fazer perguntas e responder algumas delas: Onde? Como é a arquitetura local? Quanto tempo a obra permanece instalada? Qual a relevância social da proposta?, etc. Em Floras, a curadoria propôs convidar o público do CCBB RJ a experimentar e refletir sobre a natureza, a tecnologia blockchain, a criptoarte”.

A novidade dessa instalação é que os vídeos são únicos e exclusivos, todos NFTs. Esses tokens não fungíveis são códigos registrados em uma blockchain, um banco de dados de indexação de transações mundial. Dessa forma, o visitante é estimulado a refletir e experimentar essa nova tecnologia, explorada na criptoarte. Ele também é convidado a participar da obra, por meio de likes que ele pode fazer do vídeo preferido no perfil do projeto @nft_floras, no Instagram. O que ele não sabe é que esse trabalho tem uma tecnologia que se atualiza e está sempre em evolução. Então, Floras funciona como um jogo que tem regras combinatórias, em constante transformação. Ao observar a instalação, o visitante nunca vê a mesma flora, ou o mesmo vídeo. São flores e folhas digitais coloridas balançando e se transformando ao sabor do programa. Reverberações fractais de surpreendentes visualidades.

Assim, ao visitar a obra, o espectador imerge em uma flora possível, ou digital, porque esse jardim sensorial, feito de luz, é criado pela máquina. Imergir no trabalho tecnológico da criptoarte, em um simulacro da natureza, é estimular a imaginação do espectador, envolvendo-o e instigando-o a participar dessa nova natureza pictórica.

Natureza, flora, fauna, clima estão na pauta das discussões sociais, culturais e políticas atuais. O jardim cromático Floras, criado por Rejane Cantoni, remete-nos às atuais mutações na natureza e no mundo e nos faz refletir não só sobre como entendemos e participamos do mundo, mas também como podemos aprender sobre a relação Natureza-Tecnologia.

Maria Teresa Santoro Dörrenberg vive em Berlim, Alemanha, é escritora, curadora e pesquisa a relação do corpo com a arte, as mídias e as tecnologias contemporâneas.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Garimpo

TARCISIO VELOSO

Tarcísio Veloso é um contador de histórias. Suas histórias, porém, não estão completamente à vista. Ao contrário, o que o …

Destaque

ROSÂNGELA RENNÓ

O título da obra de Georges Didi-Huberman, lançada em 2003, no Brasil, parece ser uma das possíveis chaves de leitura …

Alto relevo

Kilian Glasner

INCÊNDIOS

 

Inúmeros mitos sobre a origem do fogo, dos povos indígenas brasileiros aos gregos, fazem alusão à sua potência transformadora e …

Capa

Elian Almeida

Em 28 de julho de 2019, o Brasil perdia uma de suas maiores atrizes. Reunindo grandes feitos como o de …

Pelo Mundo

Francis Alÿs

Em suas andanças aparentemente inócuas, Francis Alÿs não só pensa na cidade, mas nela dá forma a histórias, faz circular …

Garimpo

MARIANA RODRIGUES

Xícaras de chá de hibisco regaram meu encontro com a artista Mariana Rodrigues, de 26 anos. A complexidade do aroma …

Panorama

FRANS KRAJCBERG

“A minha preocupação é penetrar mais na natureza. Há artistas que se aproximam da máquina; eu quero a natureza, quero …

Reflexo

ADRIANA VAREJÃO

POR ADRIANA VAREJÃO

Minha obra é permeada por influências múltiplas e variadas. Um botequim da Lapa, um canto em Macau, uma …

Destaque

RUBEM VALENTIM

UM ARTISTA SACERDOTE

POR MAX PERLINGEIRO

 
“Minha linguagem plástico-visual-signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira (mestiça-animista-fetichista). Com o …

Alto relevo

ANNA MARIA MAIOLINO

UMA ANTOLOGIA ESPIRALAR

 

 

É preciso começar pelo meio. Começar pela fresta entre as duas letras N em ANNA, esse nome-palíndromo. Pelo …

Pelo Mundo

Diane Arbus

Praticantes de sadomasoquismo; pessoas com o corpo completamente tatuado; um homem com o rosto furado por enormes alfinetes; trapezistas; nudistas; …

Flashback

PAUL GAUGUIN

GAUGUIN, ESSE “SELVAGEM-APESAR-DE-MIM-MESMO’” 

(Trecho da carta que o artista escreveu para seu amigo Charles Morice, em 1903) 
 “Tudo o que faço brota …

Destaque

ALFREDO VOLPI

VIDA E OBRA

Com um caráter panorâmico, esta exposição abrange diversos períodos da carreira de Alfredo Volpi (1896-1988) e conta com …

Capa

GONÇALO IVO

“Eu escrevo o que eu vejo, eu pinto o que eu sou”
                                                                                                                 Etel Adnan (1925-2021)
A exposição Zeitgeist, de Gonçalo Ivo, …

Alto relevo

FUJIKO NAKAYA

“O nevoeiro torna as coisas visíveis invisíveis, enquanto  
as coisas invisíveis – como o vento – tornam-se visíveis.” 
 Fujiko Nakaya 
A artista e …