Etnias, 2019

DASARTES 93 /

Rafael Baron

RAFAEL BARON é um dos vencedores do Concurso Garimpo 2019/2020 por voto popular. O artista de Nova Iguaçu (RJ) se dedica à pintura figurativa e, mais especificamente, à representação da figura humana. Rafael utiliza seu trabalho como meio de engajamento político, abordando problemáticas como preconceitos sociais, racismo, LGBTfobia, misoginia, pobreza. Por Thiago Fernandes.

Rafael Baron é um dos vencedores do Concurso Garimpo 2019/2020 por voto popular. O artista de Nova Iguaçu (RJ) se dedica à pintura figurativa e, mais especificamente, à representação da figura humana. Rafael utiliza seu trabalho como meio de engajamento político, abordando problemáticas como preconceitos sociais, racismo, LGBTfobia, misoginia, pobreza, etc.

André and Bruna, 2019

Nas pinturas de Rafael, destacam-se as pinceladas expressivas e cores fortes. O artista se distancia da representação naturalista e faz composições em que predominam manchas cromáticas que dão forma a seus personagens. Figuras humanas, geralmente sozinhas ou em dupla, ocupam quase a totalidade dos quadros, sem deixar revelar o cenário onde se apresentam. Os fundos abstratos, compostos por cores cuidadosamente escolhidas, projetam para frente as figuras centrais, construídas por cores quentes e chapadas, às quais se somam pequenas manchas que parecem sugerir algum volume, mas atuam, sobretudo, no realce da expressividade e do dinamismo das figuras.

Alessandra, 2019

Uma característica que se apresenta em todas as pinturas de Rafael é a individualidade das figuras mostradas. Embora o artista determine certos padrões que conferem unidade a seus personagens – como a redução dos olhos a duas manchas pretas e o destaque dado aos lábios por seu vermelho vibrante –, cada figura apresenta sua personalidade e parece contar uma história, sugerida – nunca revelada – por alguns detalhes particulares que o artista acrescenta às imagens. Para afirmar sua identidade, os personagens recebem nomes e, assim, imaginamos as histórias que existem por trás de Hannah, Paulo, Mário, Dani, Evelyn, Marie, John e tantos outros.

Jeremy, 2020

Rafael é um observador atento e, para construir seus misteriosos personagens, parte de diversas fontes, inclusive sua própria imaginação. A androginia das figuras assinala o caráter aberto de suas obras e o desejo de tornar o espectador um coautor, responsável por dar forma às histórias que são apenas sugeridas.

Marias, 2020

A representação dos afetos também é um tema comum nos trabalhos de Rafael. Não raramente seus personagens são representados abraçados ou em situações íntimas. Ou, como no caso de Hannah (2019), abraçando a si, como uma manifestação de orgulho, empoderamento e cuidado de si. É também pela noção de afeto e empatia que Rafael aproxima suas obras do público, levando-o a se identificar com os personagens que cria e com as narrativas que suscita. A representatividade se coloca como conceito substancial na elaboração de seu universo imagético, onde as margens fluem para o centro e a eloquência das formas puxam o espectador para seu interior.

Hannah, 2019

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Flashback

PAUL GAUGUIN

GAUGUIN, ESSE “SELVAGEM-APESAR-DE-MIM-MESMO’” 

(Trecho da carta que o artista escreveu para seu amigo Charles Morice, em 1903) 
 “Tudo o que faço brota …

Destaque

ALFREDO VOLPI

VIDA E OBRA

Com um caráter panorâmico, esta exposição abrange diversos períodos da carreira de Alfredo Volpi (1896-1988) e conta com …

Capa

GONÇALO IVO

“Eu escrevo o que eu vejo, eu pinto o que eu sou”
                                                                                                                 Etel Adnan (1925-2021)
A exposição Zeitgeist, de Gonçalo Ivo, …

Alto relevo

FUJIKO NAKAYA

“O nevoeiro torna as coisas visíveis invisíveis, enquanto  
as coisas invisíveis – como o vento – tornam-se visíveis.” 
 Fujiko Nakaya 
A artista e …

Pelo Mundo

WINSLOW HOMER

Voltando-se para representações carregadas da vida rural, resgates heroicos e mares agitados, Winslow Homer (1836-1910) continuou a lidar com temas …

Matéria de capa

BERNA REALE

Moça com brinco de pérola
Setembro de 2013

Este é um ano bom para Berna Reale. Depois de ter vencido o prêmio …

Capa

PAULA REGO

“Os contos cruéis”, de Paula Rego, exposição inaugurada em outubro no Museu  L’Orangerie, em Paris, marca um momento importante na …

Flashback

JACOBUS VRELL

O MISTÉRIO DE VREL  

 

Quem foi Jacobus Vrel?  

 Há 150 anos, gerações de historiadores da arte tentam resolver o mistério da identidade …

Pelo Mundo

PISSARO

Pai do Impressionismo se baseia no acervo do museu Ashmolean, a maior coleção do mundo dedicada a um artista impressionista, …

Alto relevo

SONIA DELAUNAY

AVANT-GARDE E ESQUECIMENTO
“Sempre mudei tudo ao meu redor… Fiz minhas primeiras paredes brancas para que nossas pinturas ficassem melhores. Eu projetei …

Capa

LYGIA PAPE

O corpo de trabalho de Lygia Pape (1927-2004), que ela desenvolveu com uma alegria irreprimível de experimentação ao longo de …

Destaque

SAMSON FLEXOR

SAMSON FLEXOR: ALÉM DO MODERNO 

Samson Flexor (1907-1971) é foi um artista cuja trajetória está intimamente ligada à história do MAM …

Reflexo

SOPHIE CALLE

A exposição abre com a série Le Mari (O Marido, 1995), que narra a relação sentimental entre Sophie Calle e …

Flashback

JACQUES LOUIS DAVID

Neoclassicismo…se tu, que estás a ler este texto, já tiveste algum contato com este tema, seja por meio de estudos escolares …

Capa

EDVARD MUNCH

MUNCH E O “COMÉRCIO PROFANO”  

 “Não basta sentar-se a olhar cada objeto e pintá-lo exatamente como você o vê, deve-se pintá-lo …