Imagens: Cortesia - Eixo Arte.

DASARTES 85 /

Patrícia Chaves

É a partir da memória que a artista PATRICIA CHAVES constrói as cenas de infância que testemunhamos em suas pinturas. Conheça a obra da jovem artista de Niterói por Thiago Fernandes

Nascida em Niterói, a artista Patrícia Chaves, graduada em Pintura pela Escola de Belas Artes da UFRJ, expõe em sua cidade natal, na Galeria Reserva Cultural. Ao lado das artistas Rita Manhães e Stella Margarita, Patrícia faz parte da mostra Três Vezes Pintura, que tem  curadoria de Vilmar Madruga e apoio da Eixo Arte.

Patrícia Chaves apresenta na Galeria Reserva Cultural duas pinturas em grandes formatos que incidem sobre o tema da infância, já trabalhado pela artista em diversos momentos de sua trajetória. Um olhar atento revela que, além de serem fragmentadas em pequenas telas quadradas, as duas imagens complementam-se, formando uma unidade. A dialética repartição-unidade é um dos principais aspectos que caracterizam o trabalho pictórico da artista, assim como as fortes pinceladas, um eventual contorno feito a carvão – que ora escapa da forma produzida pela pintura, ora sobrepõe-se a ela – e, sobretudo, a reduzida paleta de cores, que desfigura o comum imaginário de uma infância colorida e confere certa ordem à composição. Essa racionalização concerne ao ato de anamnese, intrínseco ao trabalho de Patrícia, que não utiliza referências fotográficas ou qualquer tipo de modelo. É a partir a memória que a artista constrói as cenas que testemunhamos em suas pinturas. Enfatizo aqui o verbo construir, e não reconstruir, pois não se trata da materialização precisa de um tempo passado, que jamais poderá retornar, mas de lampejos que encontram a superfície tela após sobreviverem na memória, num intercâmbio entre imagem e corpo.

O historiador da arte alemão Hans Belting afirma que nossos corpos “servem como uma mídia viva que nos faz perceber, projetar ou lembrar de imagens, o que também permite a nossa imaginação censurá-las ou transformá-las”. Dessa maneira, entendemos que o corpo produz e armazena imagens, que ora são convocadas por meio de um gesto, como o ato de pintar, para adquirir visualidade no mundo físico. A subjetividade dos corpos e dos gestos que produzem as imagens também as decompõem, corrompem, transvestem. Por isso, insisto, trata-se sempre de uma construção.

O quanto podemos confiar na memória? Essa faculdade mental sujeita a falhas, que ocasionalmente insiste em nos pregar peças, é incorporada ao processo criativo de Patrícia com toda sua imprecisão e obscuridade. Sua pintura é como uma colagem de lampejos de memória, sempre incompleta e repleta de ambiguidades. O único elemento que indica a localização dessas lembranças – o quintal de uma casa – é a vegetação que se manifesta em fragmentos, preenchida por um verde que escapa da forma delineada e invade, com pinceladas sutis, o corpo da figura humana que repousa à sua esquerda. Por sua vez, o pigmento desse corpo também esvoaça e produz linhas ferozes sobre a tela, tomando distância do contorno que delimita a figura e, assim, produz abstrações ao contrastar com o intenso tom vermelho que domina o fundo da composição. Esse jogo entre abstração e figuração é como uma alegoria à memória, que pode apresentar-se tanto nítida e reconhecível como abstrata e nebulosa. Figura, fundo, linhas, cores, signos, todos os elementos visuais e semióticos embaralham-se e confundem-se nas pinturas de Patrícia, à exemplo das imagens produzidas pela mente, sejam sonhos, delírios ou lembranças. Figuras de crianças sem rostos, sem identidade, indicam que não se trata, necessariamente, de uma lembrança autobiográfica ou de um autorretrato, mas traços de momentos testemunhados ou simplesmente ficções produzidas por uma mente traiçoeira. Riscos de carvão ameaçam revelar um corpo que começou a ser delineado, mas cuja imagem não se completa, talvez em razão de uma lacuna na memória. Esse corpo misterioso é como uma efígie do esquecimento – aquilo que não se consegue ou não se quer trazer à memória.

Se não é possível confiar na memória, também é necessário desconfiar das imagens, que por mais que se tentem objetivas, sempre possuem um traço daquele que as produziu. Com seus fragmentos de memórias, que compõem fragmentos de telas, Patrícia Chaves afirma a impossibilidade de representar plenamente um tempo que se foi. Atesta, sobretudo, o grau de subjetividade presente no ato construtivo da imagem e da narrativa por meio da memória.

Três vezes pintura • Galeria Reserva Cultural • Niterói • 24/5 a 30/6/2019

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …