Em busca de Bling, 2014. Cortesia da artista. © Otobong Nkanga.

DASARTES 91 /

Otobong Nkanga

Depois de expor na Bienal de São Paulo e receber menção especial na Bienal de Veneza, a artista nigeriana multidisciplinar OTOBONG NKANGA ganha sua primeira individual no Reino Unido. Sua obra aborda a política da terra e sua relação com o corpo, bem como as complexas histórias de aquisição e propriedade de terra.

Otobong Nkanga, nascida em 1974 no Kano, Nigéria, vive e trabalha em Antuérpia, na Bélgica. Sua prática multidisciplinar abrange tapeçaria, desenho, fotografia, instalação, vídeo e performance, e aborda a política da terra e sua relação com o corpo, bem como as complexas histórias de aquisição e propriedade de terra. Nkanga conecta fios que revelam os emaranhados de corpos, terras e recursos naturais.

Suas obras refletem sobre os processos e as consequências da extração de recursos naturais a partir de perspectivas éticas, humanas e materiais. Ela explora a transformação de minerais em mercadorias desejáveis ​​– incluindo o uso de mica na maquiagem para dar brilho e cintilar – como um comentário sobre o valor atribuído à cultura material, geralmente às custas do meio ambiente.

Consequências Sociais I: Crise, 2009.
Cortesia da artista. © Otobong Nkanga

Um número desses trabalhos se relaciona com a pesquisa de Nkanga em locais como a antiga mina de Tsumeb, na Namíbia, que reflete seu interesse mais amplo em lugares que foram “esvaziados” por meio dos processos de extração, ambos em termos de terra e pessoas. Outros trabalhos, como Manobra Sólida (2015), contêm ecos das ações mecânicas da própria escavação, enquanto o De onde eu estou (2015) atua como um espaço de questionamento e reflexão.

“De onde você está, qual é a sua própria posição? Como você vê alguma coisa? Qual é a história que sai do que você viu?” A grande instalação de carpete De onde eu estou leva seu padrão gráfico e contorno geométrico a partir de flocos de mica ampliados. Pequenos fragmentos de mica são fotografados por meio de um microscópio eletrônico e apresentados em uma escala maior que o corpo humano. A estrutura cristalina da mica é revelada como facetada, quebradiça e fraturada, termos também usados para descrever os estados humanos do ser.

O peso das cricatrizes, 2015. Cortesia da artista. © Otobong Nkanga.
Foto: Christine Clinckx – MHKA

Para o grande trabalho têxtil e fotográfico O peso das cricatrizes (2015), Nkanga incorpora temas recorrentes, da mecanização do corpo no trabalho industrial e da interdependência de pessoas e terras. O trabalho ressoa com as histórias da mineração da Cornualha e com os mineiros que levaram suas habilidades e conhecimentos para todo o mundo.

Duas figuras fragmentadas estão conectadas a uma rede de cordas e tubulações que convergem para fotografias de minas abandonadas. Seus braços são mostrados em várias posições, sugerindo o “empurrar e puxar” das relações de mudança. Devastado pela extração de conhecimento, pessoas e recursos.

As tapeçarias de Nkanga são influenciadas pelas práticas de fabricação têxtil da África Ocidental e do país onde vive, a Bélgica. Aqui, ela tece fios coloridos e fios metálicos que dão um efeito “cintilante”, característico dos minerais.

Manobras sólidas, 2015. Cortesia da artista. © Otobong Nkanga.

A série Em busca de bling (2014-16) explora o consumo humano da paisagem, revelando as transformações ocultas da mica mineral em produtos desejáveis, como cosméticos. Nkanga contrasta o valor que damos a essas mercadorias com os danos que sua extração causa às comunidades e ao meio ambiente.

Duas tapeçarias formam o elemento central do trabalho. Temas com pessoas, terras e mercadorias são continuados por meio de uma série de fotografias.

Em uma delas, Nkanga segura um pedaço de mica na frente da boca, sugerindo a interdependência entre corpo, mineral e terra: “Quando começo a pensar em minerais como algo que engolimos para fazer nosso corpo funcionar, também começo a pensar em como o corpo passa a ser composto desses minerais e, quando apodrecemos gradualmente após a morte, tornamo-nos componentes minerais novamente. Então, o gesto de engolir um comprimido ou pílula de vitamina é tão mágico, ou digamos, sobrenatural, como queremos, porque realmente estamos engolindo uma pedra.”

Em busca de Bling, 2014.
Cortesia da artista.
© Otobong Nkanga.

Durante sua visita a Tsumeb, Namíbia, Nkanga procurou a Colina Verde, um marco famoso por seus abundantes recursos de minerais raros. Em seu lugar, ela descobriu um poço abandonado atingindo profundamente o solo. Nkanga considera a mina um “monumento negativo”, uma paisagem esvaziada cujas matérias-primas foram transportadas em todo o mundo para uso em edifícios, produtos cosméticos e tecnologias.

Em Manobras Sólidas, três plataformas representam camadas geológicas com vazios e ausências, lembrando a paisagem minada da Cornualha.

Nkanga combina matérias-primas, como areia, com materiais processados, incluindo maquiagem, sal e vermiculita.

“O que poderia ser um monumento? É o que construímos ou o que retiramos? Um lugar de vazio é o monumento para nos lembrar que não há possibilidade de voltar ao que foi.”

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …