Din blinde passager, 2010. Foto: Anders Sune Berg.

Dasartes 88 /

Olafur Eliasson

OLAFUR ELIASSON incorpora uma dimensão social em seu trabalho, com demandas frequentes de participação ativa do público, dentro e fora da exposição. Na vida real, no Tate Modern, oferece a seus visitantes uma oportunidade única de mergulhar no universo deste artista de curiosidade sem limites.

O artista dinamarquês-islandês Olafur Eliasson, nascido em 1967, criou um amplo corpo de trabalhos que inclui instalações, esculturas, fotografias e pinturas. Os materiais que ele usa variam de musgo, água glacial derretida e nevoeiro, para metais leves e refletivos. A arte de Eliasson vem de três interesses importantes: sua preocupação com a natureza, aperfeiçoada durante o tempo que passou na Islândia; sua pesquisa em geometria, e suas investigações em como nós percebemos, sentimos e moldamos o mundo ao nosso redor.

Eliasson coloca a experiência no centro de sua arte. Ele espera que, quando você se deparar com ela, você se torne mais consciente de seus sentidos. Que acrescente significado às obras, como você faz suas associações e memórias para essas experiências. Você pode também se tornar mais consciente das pessoas ao seu redor, com quem você forma uma comunidade temporária. Para Eliasson, essa consciência aumentada de si e de outras pessoas cria um novo senso de responsabilidade. Em última análise, ele acredita que a arte pode ter um forte impacto sobre o mundo do lado de fora do museu.

Ele comanda um estúdio em Berlim com cerca de 100 artesãos, técnicos, arquitetos, arquivistas, historiadores de arte, designers, cineastas, cozinheiros e administradores. Exposições e comissões ocorrem em todo o mundo. Eliasson e sua equipe de estúdio colaboram com arquitetos, formuladores políticos, chefs, ativistas, músicos e coreógrafos.

Com o desenvolvimento de seu interesse na luz e no ambiente, Eliasson cria projetos abordando a energia sustentável e a emergência climática.

 

PRIMEIRAS OBRAS

Glacial spherical flare, 2019.
Foto: Anders Sune Berg.

Janela de projeção (1990), Wannabe (1991) e Eu cresci em solidão e silêncio (1991) foram feitas enquanto Eliasson ainda estava na escola de arte. Elas usam diferentes tipos de luz para alterar a experiência do espaço e da arquitetura. Assim como muitas das obras de Eliasson dessa época, o mecanismo é muito simples e nunca oculto da vista.

Eliasson há muito tempo se interessa pela natureza e pelo clima. Desde o início, conecta suas experiências da paisagem islandesa para a prática de fazer escultura. Alguns trabalhos como Wavemachines (1995) replicam fenômenos naturais. Outros trabalhos, como Regenfenster (Chuva na janela, 1999), recriam os efeitos das condições climáticas. Em Parede de musgo (1994), criada a partir do líquen de renas escandinavas, Eliasson acrescenta um inesperado material do ar livre para o controlado espaço interior do museu. O aroma e a textura do trabalho afetam os sentidos também.

Esses interesses em iluminação, natureza e percepção também o levaram ao início de instalações, tais como Beauty (1993) e Sem noites no verão, sem dias em inverno (1994).

 

CALEIDOSCÓPIO

Relógio de Gelo, 2018. Foto: Charlie Forgham Bailey. © 2018 Olafur Eliasson and Minik Rosing.

Eliasson faz caleidoscópios desde os meados dos anos 1990. Para ele, o caleidoscópio oferece mais do que apenas uma experiência visual divertida. Várias reflexões fraturam e reconfiguram o que vemos. Você tem oferecido diferentes perspectivas de uma vez, e compreende sua posição em novas formas. Você pode partir do sentido de estar no comando de espaço, e, em vez disso, desfrutar de um tipo de incerteza. Eliasson muitas vezes usa o caleidoscópio para trazer o espaço dentro e fora de uma exposição em conjunto. O aparecimento de ambas as mudanças, como o limite entre a galeria e o mundo exterior, é dissolvido.

Eliasson tem feito uma série de esferas suspensas. Cada uma delas é estruturada por um princípio geométrico complexo, mas regular. O artista está particularmente interessado nos espirais, pois eles criam um senso de energia tanto dentro do objeto quanto fora dele, através do jogo de sombras e luzes que ele cria.

 

OBRAS GLACIAIS

Big Bang Fountain, 2014. Foto: Anders Sune Berg. © 2014 Olafur Eliasson.

Eliasson costuma usar gelo glacial em seu trabalho. Às vezes, o gelo é destinado como um chamado para a ação contra a emergência climática.

O aumento das temperaturas mundiais têm causado à Groelândia a perda de 200-300 bilhões de toneladas de manta de gelo glacial a cada ano, uma taxa que tende a aumentar drasticamente. Relógio de gelo, que foi encenado na frente do Tate Modern, em 2018, é uma instalação de blocos de gelo retirados da água da costa da Groelândia. Isso oferece uma direta e tangível experiência da realidade do derretimento do gelo ártico.

Outras obras são mais abstratas referentes à mudança do ambiente. Nas Correntes glaciais (2018), pedaços de gelo glacial foram colocados sobre lavagens de pigmento colorido. Isso cria ondas e desbotamento da cor enquanto derrete sobre o papel embaixo. Em A presença de ausência pavilhão (2019), um bronze fundido torna visível o vazio espaço deixado por um bloco de gelo glacial que derreteu. O alargamento esférico glacial (2019) é construído com vidro feito de pequenas partículas de rocha criadas pela erosão glacial.

 

FOTOGRAFIAS E PINTURAS

In Real Life, 2019 Foto: Anders Sune Berg.

Eliasson visitava a Islândia regularmente em sua infância e ainda tem uma forte conexão com a paisagem do país. Ao longo dos anos, tem criado uma série fotográfica que documenta o país. Descreve a Islândia como um lugar que ele precisa para se envolver com fisicamente – como escalar, caminhar, nadar ou mesmo fazer rafting. Ele tirou as fotografias O rio-jangada série (2000) de uma jangada, uma vez que foi varrido rio abaixo.

Esse tempo na Islândia significa que Eliasson tem testemunhado em primeira mão como o aquecimento global está causando o derretimento das geleiras, despertando seu interesse em como os artistas têm capturado a luz em toda a história. Em Experimentos de Cor (2019), Eliasson analisa as paletas de cores de duas pinturas do artista alemão Caspar David Friedrich (1774-1840) que retratam a vastidão da natureza: O monge no mar (1808-1810) e A árvore solitária (1822). Cada pintura foi abstraída em todas as cores que ela contém. Elas foram então distribuídas proporcionalmente em torno de cada tela para formar uma roda de cores alternativa.

Suney (1995) é um exemplo do seu interesse em cor, arquitetura e percepção.

 

LUZ VERDE – UMA OFICINA ARTÍSTICA

Room for one colour, 1997. Foto: Anders Sune Berg.

Em resposta para a chegada de mais de um milhão de refugiados na Europa em 2015, Eliasson desenvolveu Luz verdeuma oficina artística em colaboração com Thyssen-Bornemisza Art Contemporary, em Viena (2016). Os refugiados vieram da Síria, outros países do Oriente Médio, e norte da África.

Os participantes foram convidados a construir luzes empilháveis geométricas feitas de madeira, reciclados de plástico, conectores e LEDs verdes e participarem de um programa de seminários, exposições e palestras chamado Shared Learning. Segundo a lei austríaca, os requerentes de asilo não podiam ser pagos. Eles participaram como voluntários e foram oferecidas refeições, aulas de língua e outros cursos. Fundos levantados pela venda das luzes foi para organizações de conselho para migrantes. Os refugiados compartilharam histórias uns com os outros, enquanto os residentes vienenses podiam conhecer os recém-chegados e construir as luzes juntos.

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

Francis Bacon

Poucos pintores do século 20 se opuseram de forma tão marcada às interpretações de suas telas e, no entanto, tiveram …

Alto relevo

León Ferrari

A obra de León Ferrari questiona, de modo contundente, qualquer tipo de repressão e cerceamento perpetrados por estruturas de poder. …

Reflexo

Cildo Meireles

ESPAÇOS VIRTUAIS: CANTOS, 1967-1968/2008/2013

Minhas ideias nascem de maneiras diferentes, por razões diferentes. Às vezes, um pequeno detalhe ou um fato: …

Panorama

Antony Gormley

“Eu não observo a paisagem, eu observo a passagem”. Montaigne

Há uma poética muito particular na obra de Antony Gormley, na …

Do mundo

Tomás Saraceno e Dominique Gonzalez-Foerster

Com sua nova mostra, o museu Thyssen-Bornemisza, em Madri, expõe obras de Tomás Saraceno e Dominique Gonzalez-Foerster com dois objetivos; …

Matéria de capa

Zanele Muholi

Zanele Muholi (1972) é ativista visual e fotógrafa e mora em Joanesburgo. Segundo a artista, sua autoproclamada missão é “para …

Destaque

Lucian Freud

Em 8 de dezembro de 1992, Lucian Freud completou 70 anos. Considerado então o maior pintor vivo da Grã-Bretanha, após …

Flashback

William Blake

William Blake (1757-1827) repousa, certamente, entre os maiores artistas da Inglaterra. Trabalhou como poeta, pintor e gravurista, deixando uma obra …

Reflexo

Daniel Senise

 

O BEIJO DO ELO PERDIDO  E QUASE INFINITO

Entre 1991 e 1992, fiz duas telas aparentemente bem distintas que desde então …

Garimpo

Mano Penalva

Nascido em Salvador, Mano Penalva vive e trabalha em São Paulo e atualmente realiza a exposição individual Casa de Andar, …

Matéria de capa

Keith Haring

O artista e ativista Keith Haring (1958-1990) surgiu como parte da vibrante cena artística do centro da Nova York dos …

Flashback

Man Ray

O início do século 20 ecoava velozes transformações tecnológicas, enquanto o pensamento artístico insurgia no rompimento com o clássico. É …

Destaque

Lucio Fontana

Os primeiros trabalhos de Fontana das décadas de 1930 e 1940 ilustram uma jornada de abstração crescente, não sem influências …

Do mundo

Takesada Matsutani

A retrospectiva permite traçar de forma ampla uma rota rica e original, começando a partir de um primeiro período que …

Garimpo

Anaisa Franco

Nascida em Uberlândia (MG), Anaisa Franco é mestre em Arte Digital e Tecnologia pela Universidade de Plymouth, na Inglaterra, e …