The promise of change, 2018. Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage.

DASARTES 107 /

MICHAEL ARMITAGE

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM SUPOSIÇÕES CULTURAIS, EXPLORANDO POLÍTICA, HISTÓRIA, AGITAÇÃO CIVIL E SEXUALIDADE O software da pintura moderna está atualizado com sucesso, você já pode apreciar as mais recentes novidades artísticas e boa parte disso se deve a Michael […]

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM SUPOSIÇÕES CULTURAIS, EXPLORANDO POLÍTICA, HISTÓRIA, AGITAÇÃO CIVIL E SEXUALIDADE

O software da pintura moderna está atualizado com sucesso, você já pode apreciar as mais recentes novidades artísticas e boa parte disso se deve a Michael Armitage. Aliás, seria injusto enquadrá-lo apenas em um conceito de pintor de um “modernismo contemporâneo”, pois Armitage não apenas traz uma sobrevida à pintura figurativa, mas revela a admirável característica de fazê-la com personalidade e atitude, pontos que já marcaram muitos nomes na história da arte.

Mydas, 2019 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage.

kampala suburb, 2014 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

Nascido em 1984, no Quênia, filho de mãe queniana e pai britânico, e atualmente vivendo (e trabalhando) entre Nairóbi e Londres, Michael Armitage é um artista que empresta sua força criativa à pintura com grande dedicação e parece carregar consigo raízes que se fixam abaixo e também ficam visíveis acima da superfície por onde ele ou sua arte passam. Sua origem africana e sua formação e vivência europeia ajudaram a criar uma singular geografia estética facilmente perceptível em quem observa suas obras pela primeira vez. Contextualizado com seu tempo (no qual temos o privilégio de viver), seus focos são as questões sociais e políticas de nossa sociedade global contemporânea, acompanhadas de questões históricas, sexualidade e lembranças da infância no país de origem. O artista não está buscando justiça para a democracia artística desprezando a tal cultura artística eurocêntrica, que já foi exaltada e hoje é acusada de ter ofuscado (e colonizado) tantas outras, mas extrai o melhor dela, atualiza-a e faz uma amálgama dela com “sua África” nativa. O resultado é um ganho imensurável para a arte da pintura figurativa.

The Chicken Thief, 2019 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage.

Lucy, 2015 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

O artista queniano vem criando com pinceladas de óleo sobre lubugo, um tipo de tecido grosseiro de casca de árvore tradicional de Uganda, obras como O ladrão de galinhas (2019) e Antígona (2018), que mostram os tons de melanina de figuras que revelam ao mundo uma África oriental que faz parte do mapa das artes. “De início, esforcei-me para encontrar uma maneira de trabalhar com lubugo. Meu momento ‘eureca’ foi colocá-lo sobre uma maca, exatamente como eu fazia antes com as telas comuns, e prepará-lo. Quando percebi, a pintura e a superfície estavam trabalhando juntas”, afirma Armitage sobre essa simbiose que se tornou sua arte e a superfície sobre a qual é feita. Tal simbiose é explícita em trabalhos como Mydas (2019), que exibe uma interação quase mitológica entre seres humanos, natureza, animais e a própria arte em si.

Antígona, 2018. Pág. Anterior: Mydas, 2019. | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

Ao utilizar o tecido culturalmente significativo da casca de lubugo como superfície, Armitage não só marca um pin de localização em suas pinturas, como contextualiza a África Oriental com o mundo contemporâneo e convoca o espectador a filosofar sobre o lugar e o tema da arte, sobre a política, a sociedade e, acima de tudo, sobre o grande abismo que separa as classes mais ricas e mais pobres. Paralelamente a essa temática das camadas sociais, o pintor também aplica diversas camadas de tinta, as quais chega a raspar, revisar e alterar antes de considerar sua obra interessante o bastante para conversar com o público.

Muliro gardens baboons, 2016 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

Mangroves Dip, 2015 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

Para Michael Armitage, “a pintura é um modo de pensar sobre algo, buscando entender, um pouco melhor, uma experiência ou um evento (…)”. Isso fica claro quando se contemplam obras como A terra prometida (2019), que contém diversos acontecimentos paralelos e vários personagens, exigindo-nos profunda observação e reflexão para uma boa absorção dos eventos ali pintados, além, é claro, de uma análise do contexto e da inspiração do artista. Em entrevista, Michael Armitage revela que “queria fazer um quadro sobre as relações de poder entre um líder e seus seguidores” quando desenvolveu essa obra de caráter político, fazendo referência à promessa de um candidato de levar seus partidários a Canaã, a terra prometida, na campanha eleitoral queniana de 2017.
Armitage se formou Bacharel pela Slade School of Art em 2007, e é pós-graduado pela Royal Academy de Londres (2010). É exatamente nas galerias desta última, em parceria com o Museu Haus der Kunst (Munique), que se pode ter a oportunidade de ver a exposição que vai de 22 de maio a 19 de setembro de 2021, apresentando 15 obras de larga escala com a perspectiva ousada e agitada do artista. A Royal Academy o apresenta como um artista que faz referências de Ticiano e Goya a Manet e Gauguin, revelando o folclore, a cultura e a visão da África Oriental. Os visitantes poderão, assim, estar frente a frente com obras que apresentam um figurativismo quase onírico, como o das cores e tons de The Paradise Edict (2019) ou se transportar para o ambiente aventureiro e de crítica política de The Fourth Estate (2017), trabalhos onde Armitage reúne a essência da pintura moderna ocidental com suas raízes africanas e cria seu subjetivo (ou nem tanto) universo pictórico, proporcionando o belo e interessante contraste do anacronismo vanguardista com a provocativa contemporaneidade artística. É algo único e merece os holofotes que vem tendo.

The Promisse Land, 2019 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage.

Exorcism, 2017 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage.

Preocupado com a arte para além de suas produções, o pintor está envolvido com o Nairobi Contemporary Art Institute, um espaço institucional que reconhece e exibe o trabalho de artistas esquecidos do século 20, além de fornecer um espaço para que artistas contemporâneos tenham mais visão do que em galerias comerciais e não fiquem à mercê delas. Além de um ato de nobreza, Armitage revela ainda mais amor pela arte quando se preocupa com a preservação da memória artística e as produções de seus contemporâneos e conterrâneos, enxergando muito além das cores de sua própria paleta.

The Paradise Edict , 2019 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

As tensões entre culturas e, da mesma forma, entre figurativismo/abstração, ou ainda, realidade e mitologia, tornam a arte de Armitage inovadora e autêntica, assinando sobre lubugo o seu nome na lista de pintores de relevância na história da arte. “Acho muito difícil diferenciar entre trabalho histórico e contemporâneo. Só tenho coisas de que gosto e vejo serem interessantes (…)”, informa o artista, que parece focar mais na arte como fenômeno humano do que em conceitos e classificações. Ele se situa onde se acha mais confortável, seja no clássico, no moderno ou no contemporâneo, bebendo de fontes que o inspiram e reconhecendo o valor delas: “é bom poder ver o que outras pessoas fizeram para poder dar alguns passos em frente”. Os entusiastas de sua arte esperam que Armitage dê ainda muitos e muitos passos à frente em sua trilha estético-pictórica.

The Fourth Estate, 2017 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

my dress my choice, 2015 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

MICHAEL ARMITAGE: PARADISE EDICT •
ROYAL ACADEMY OF ARTS • LONDRES • 22/5 A 19/9/2021

 

Edvaldo Carvalho é professor de arte na rede estadual de
ensino do Estado do Amapá e MBA em História da Arte.

Hope, 2017 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

Pathos and the twilight of the idle, 2019 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

Necklacing, 2016 | Courtesy of the Artist and White Cube © Michael Armitage

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

AUGUSTO DE CAMPOS

A BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE, A PRINCIPAL E MAIS ANTIGA DA CIDADE DE SÃO PAULO, TORNOU-SE UM ESPAÇO DE CELEBRAÇÃO …

Alto relevo

HITO STEYERL

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS …

Garimpo

Ramonn Vieiteiz

EM CARTAZ NA COLETIVA SER VIVO, LIVRE, EU, NO GALERIA CAFÉ SÃO PAULO, O JOVEM ARTISTA DE RECIFE, RAMONN VIEITEZ, …

Pelo Mundo

Kara Walker

NO ATUAL MOMENTO DE VALORIZAÇÃO DE ARTISTAS NEGROS, A OBRA DA NORTE-AMERICANA KARA WALKER SE DESTACA POR CRITICAR A ACEITAÇÃO …

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …

Reflexo

MAXWELL ALEXANDRE

AOS 30 ANOS, MAXWELL ALEXANDRE RETRATA EM SUA OBRA UMA POÉTICA QUE PASSA PELA CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS E CENAS ESTRUTURADAS A PARTIR …

Alto relevo

GEORGES BRAQUE

O MUSEU BUCERIUS KUNST FORUM ESTÁ DEDICANDO UMA RETROSPECTIVA A GEORGES BRAQUE, A PRIMEIRA PESQUISA ABRANGENTE DE SUAS PINTURAS NA …

Garimpo

MARJÔ MIZUMOTO

“MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO …

Flashback

MAX KLINGER

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS …

Destaque

KRIS MARTIN

KRIS MARTIN CRIA IMAGENS A PARTIR DE OBJETOS QUE LEVANTAM QUESTÕES SOBRE CONCEITOS COMO TRANSITORIEDADE, IDENTIDADE E MORTE. DENTRO DE TEMAS …

Resenha

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA
A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em …