A hora azul, 1890. Foto: © PUNCTUM / Bertram Kober.

DASARTES 103 /

MAX KLINGER

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS NA CENA ARTÍSTICA INTERNACIONAL POR VOLTA DE 1900. SEU TRABALHO INCLUI PINTURAS, ESCULTURAS E UMA RICA OBRA GRÁFICA Inspirado por pelo compositor Richard Wagner, Max Klinger se esforçou para superar as fronteiras do gênero no […]

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS NA CENA ARTÍSTICA INTERNACIONAL POR VOLTA DE 1900. SEU TRABALHO INCLUI PINTURAS, ESCULTURAS E UMA RICA OBRA GRÁFICA

Garotas na praia, ( Villa Albers ), 1883/84. Hamburger Kunsthalle bpk / Hamburger Kunsthalle.

Inspirado por pelo compositor Richard Wagner, Max Klinger se esforçou para superar as fronteiras do gênero no sentido de uma obra de arte total em que pintura, escultura, gráficos, arquitetura – e música também – se fundem em uma unidade harmoniosa. Com sua “fantasia original” e invenções de imagens tecnicamente virtuosas no campo da gravura, Max Klinger ganhou grande admiração desde o início de sua carreira artística. Em suas pinturas e esculturas, ele se afastou da concepção acadêmica e idealizada das figuras, em direção a uma representação então chocante do corpo humano nu. Assim, Klinger contribuiu significativamente para a formulação de uma imagem moderna do homem na arte.

O foco da exposição – que inclui cerca de 200 obras de todos os campos criativos de Klinger – é a monumental escultura de Beethoven, de 1902. Essa obra excepcional é considerada o clímax da Adoração Romântica tardia de Beethoven e uma contribuição para o ano de aniversário do compositor em 2020/2021.

INSPIRAÇÃO EM RODIN

Banhista refletindo na água, 1896/97. Foto: © InGestalt / Michael Ehritt

Entre 1883 e 1902, Max Klinger ficou mais tempo em Paris. Esse centro da arte moderna teve um impacto duradouro na obra dele: foi lá que conheceu os movimentos artísticos atuais, como o Impressionismo, e descobriu a pintura de nus, que se caracteriza pela iluminação requintada. Ao mesmo tempo, lidou com a escultura francesa da época, tendo na indiscutível estrela de Auguste Rodin uma influência. Klinger conheceu pessoalmente o admirado colega em 1900.

Ambos os escultores colocaram o corpo humano em sua nudez natural no centro de sua arte. Uma modelagem viva das superfícies, bem como a eficaz técnica não finita de Rodin, na qual ele deixou a forma plástica “crescer” do mármore – uma “marca registrada” dos franceses –, podem ser encontradas em Klinger, cuja admiração particular era pelos desenhos e aquarelas independentes de Rodin, que, apesar da tecnologia mais econômica, impressionavam por seu carisma vivo e modernidade formal.

UMA VIDA – A QUEDA DO HOMEM COMO CRÍTICA DO TEMPO

A nova escultura Salome, 1893. Foto: © InGestalt / Michael Ehritt.

O ciclo de gravuras criado entre 1880 e 1884, Ein Leben (Uma vida), ilustra a abordagem artística de Klinger de combinar a arte simbólica das ideias com a crítica do tempo. Ele queria questionar novamente os fenômenos da vida moderna contra o pano de fundo de “uma grande visão de mundo”. Ao mesmo tempo, ele denunciou a duplicidade burguesa de seu tempo e foi um dos primeiros artistas alemães a abordar o tema da prostituição. O destino individual aqui apresentado é um exemplo da situação de vida das mulheres em uma dura realidade social.

O ciclo consiste em 15 cenas parcialmente realistas, simbólicas e alegóricas. A página de rosto mostra a queda bíblica no pecado – o ponto de partida para as ideias tradicionais de culpa e expiação. As cenas a seguir abordam as fantasias opressivas de uma jovem e sua subsequente realização sexual. A parte principal descreve sua carreira trágica como uma mulher “caída”, a perda associada de sua dignidade humana leva à inevitável ruína e exclusão da sociedade. No epílogo, Klinger coloca a história da prostituição no contexto do ensino cristão da salvação e apela à caridade de seus semelhantes.

MITO – MODERNO!

O conhecimento da história e da cultura da antiguidade fazia parte do cânone educacional burguês no século 19. Mas a onipresença da antiguidade nas artes muitas vezes levou à erosão ideal. “Só tem material morto [sic], estilos usados, sejam eles renascentista ou grego”, criticou Max Klinger, em 1891.

As interpretações de Klinger de temas conhecidos e seu estilo de design divergiram dos conceitos de imagem classicistas e, assim, criaram novos mitos no espírito de sua época. Usando uma combinação de motivos da antiguidade e do cristianismo, ele desenvolveu um novo e surpreendente conteúdo de imagem caracterizado pela inventividade e pela ironia sutil. Suas obras escultóricas refletem a discussão da época sobre as cores originais das esculturas antigas.

Nas grandes tradições narrativas – a Bíblia e a mitologia – seu foco era particularmente em figuras femininas controversas como Eva, Salomé e Cassandra. As primeiras esculturas de Klinger estabeleceram o espectro de papéis femininos entre a sedutora assassina Salomé e a vidente tragicamente falida Cassandra.

O NU – “NÚCLEO E FOCO DE TODA ARTE”

Hera, (Estudo de Cristo no Olimpo), 1896. © Foto: A. and DB Collection, Munich.

Max Klinger desfrutou de uma educação artística clássica, que o moldou como um artista figurativo. Em suas obras, ele prestou homenagem ao ideal estético então geralmente aplicável da nudez antiga. A absorção desses modelos se deu pelo estudo de moldes de estátuas gregas, onde o novo meio da fotografia serviu de sugestão, modelo iconográfico e prova, com o contrapeso do uso de modelos vivos para obter o “ideal da realidade” desejado.

Em seu trabalho teórico de arte Pintura e Desenho, de 1891, Max Klinger defendeu veementemente uma reprodução imparcial do corpo nu e forneceu impulsos inovadores para a formulação de uma imagem moderna do homem na arte.

Como outros artistas de sua época, ele contratou atletas profissionais como modelos para suas obras. Isso abriu novas possibilidades para a representação do nu masculino, tanto formal quanto tematicamente. Em seus retratos de mulheres, embora se orientasse para o ideal clássico de beleza, atribuía grande importância ao estudo da natureza – “Pele, estrutura corporal, compreensão do exterior por meio da compreensão interior” eram o foco do seu interesse.

A CRUCIFICAÇÃO DE CRISTO – PRONTO PARA O PALCO

A Crucificação de Cristo, 1890.

Na época da partida Klinger para Roma, em 1888, ele era celebrado como um dos maiores mestres da arte gráfica desde Dürer e Rembrandt. Em contraste, o público conservador e partes dos críticos de arte eram céticos em relação à pintura dele. Isso também se referia à monumental pintura A Crucificação de Cristo, de 1890.

A composição lembra exemplos italianos e alemães do Renascimento, mas, ao mesmo tempo, rompe com essa tradição. O baixo ponto de fuga do cenário em forma de palco atrai o observador diretamente para a imagem. O Cristo crucificado e nu – o verdadeiro personagem principal – não é mostrado no eixo central, como é de costume, mas determina a “metade direita, pesada, nua” de acordo com as palavras de Klinger. No centro da foto, é possível ver Maria congelada de dores e a agitada Maria Madalena, apoiada pelo apóstolo João. As figuras assistentes na borda esquerda da imagem aparecem como observadores indiferentes dos eventos dramáticos.

A interpretação idiossincrática de Klinger da cena da crucificação, especialmente a figura nua de Cristo, gerou um escândalo. Durante a apresentação, em 1891, a pintura teve que ser parcialmente drapeada, mais tarde, Klinger pintou uma tanga sobre a nudez de Cristo.

BEETHOVEN DE KLINGER – A VISÃO DA “OBRA DE ARTE DO FUTURO”

Beethoven , 1902. © InGestalt / Michael Ehritt

A escultura de Beethoven desempenha um papel fundamental na obra de Klinger e, ao mesmo tempo, marca o ponto alto internacional de sua carreira artística. Desde a primeira ideia que Klinger teve ao tocar piano em seu estúdio em Paris, em 1884, até a criação do modelo de gesso colorido em 1887, e a finalização do quadro em 1902, foram necessários cerca de 17 anos de trabalho árduo, associado a elevados gastos logísticos e financeiros.

Beethoven aparece aqui com um exagero patético, como um titã musical com traços prometeicos, um gênio que se esforça criativamente, aliviado do tempo. A escultura, composta por 13 peças, foi criada tendo como pano de fundo experiências então novas no campo do plástico colorido e discussões científicas sobre as cores de esculturas antigas. Com seu trabalho monumental controversamente recebido, Klinger finalmente se estabeleceu como escultor. Ao mesmo tempo, ele concretizou sua visão da “obra de arte do futuro” abrangendo todos os gêneros, inspirada na arte das ideias do maestro e compositor Richard Wagner.

Beethoven se tornou indiscutivelmente a atração principal da XIV Exposição da Secessão de Viena, em 1902, dedicada ao compositor e concebida como uma obra de arte atemporal.

ELSA ASENIJEFF – ESCRITORA. MUSA. COMPANHEIRA DE VIDA

Retrato de Elsa Asenijeff no interior por volta de 1904. Foto: © InGestalt / Michael Ehritt

A escritora e ativista dos direitos das mulheres nascida em Viena, Elsa Asenijeff (1867-1941), foi uma personalidade extraordinária. Ela conheceu Max Klinger em Leipzig, em 1897-1898; e seu caso de amor de longo prazo foi acompanhado por uma intensa troca artística.

Ela escreveu um estudo sobre o processo de criação da escultura de Beethoven, em 1902, uma obra fundamental e indispensável até hoje. Em 1907, Klinger ilustrou a história Epithalamia, de Elsa, com desenhos sobre Amor e Psiquê. Dois anos depois desse esforço conjunto, o relacionamento do casal, que ainda não fora admitido em público mesmo após o nascimento de sua filha Desirée em 1900, ganhou um ponto de virada: Klinger conheceu a jovem Gertrud Bock, modelo dele e futura esposa.

Para Elsa, isso deu início ao declínio social e financeiro. A internação forçada em um hospital psiquiátrico de Leipzig encerrou a carreira literária dela em 1923, e passou o resto de sua vida, até 1941, em várias instituições psiquiátricas.

GERTRUD BOCK – “UMA NOVA JUVENTUDE …”

Quando e onde exatamente Max Klinger e Gertrud Bock (1893-1932) se conheceram, não pode mais ser claramente esclarecido. Ela e a irmã, Ella, provavelmente foram modelos na Academia de Leipzig. O fascínio de Klinger pelo carisma erótico da jovem, seus traços faciais distintos e o corpo andrógino se reflete em inúmeras representações da década de 1910.

Em contraste com Elsa Asenijeff, que Klinger retratou nua apenas uma vez em um selo exlibris em 1899, Gertrud Bock parece onipresente no trabalho dele. Em sua vida privada, também, Gertrud, um tanto paternalmente caracterizada como “descomplicada” por Klinger, ocupou um espaço cada vez maior. Inicialmente uma modelo reveladora, então amante e governanta leal na segunda residência de Klinger perto de Großjena, ela se tornou esposa dele pouco antes da morte de Klinger, em 1920.

Por muito tempo, Klinger se sentiu dividido entre as duas mulheres e também lidou com esse dilema artisticamente. Ao criar uma nova decoração para seu quarto na Villa Albers, pintou retratos das duas mulheres, em quadros a serem pendurados nos ângulos do cômodo.

MAX KLINGER E A ARTE DO FUTURO
• BUNDESKUNSTHALLE • ALEMANHA • 16/10/20 A 31/01/2021

Agnieszka Lulinska é curadora do Bundeskunsthalle em Bonn, Alemanha.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …

Reflexo

MAXWELL ALEXANDRE

AOS 30 ANOS, MAXWELL ALEXANDRE RETRATA EM SUA OBRA UMA POÉTICA QUE PASSA PELA CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS E CENAS ESTRUTURADAS A PARTIR …

Alto relevo

GEORGES BRAQUE

O MUSEU BUCERIUS KUNST FORUM ESTÁ DEDICANDO UMA RETROSPECTIVA A GEORGES BRAQUE, A PRIMEIRA PESQUISA ABRANGENTE DE SUAS PINTURAS NA …

Garimpo

MARJÔ MIZUMOTO

“MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO …

Destaque

KRIS MARTIN

KRIS MARTIN CRIA IMAGENS A PARTIR DE OBJETOS QUE LEVANTAM QUESTÕES SOBRE CONCEITOS COMO TRANSITORIEDADE, IDENTIDADE E MORTE. DENTRO DE TEMAS …

Resenha

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA
A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em …

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …