Sweet Disposition, (Marjô Mizumoto, Marie Yuki Mizumoto Gomes), 2020.

DASARTES 103 /

MARJÔ MIZUMOTO

“MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO COMUM.” CONHEÇA AQUI, A OBRA DA ARTISTA MARJÔ MIZUMOTO. A PINTORA PAULISTANA É A VENCEDORA DO PRÊMIO DASARTES 2021 PELA ESCOLHA DO JÚRI, NA MAIOR EDIÇÃO DO CONCURSO, EM 11 ANOS.   O tempo parece estar […]

MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO COMUM.

CONHEÇA AQUI, A OBRA DA ARTISTA MARJÔ MIZUMOTO. A PINTORA PAULISTANA É A VENCEDORA DO PRÊMIO DASARTES 2021 PELA ESCOLHA DO JÚRI, NA MAIOR EDIÇÃO DO CONCURSO, EM 11 ANOS.

Miss Empatia 2020, (Autorretrato), 2020.

 

O tempo parece estar no centro da produção de Marjô Mizumoto. Com um olhar atento para o cotidiano, o processo pictórico da artista parece se aproximar ao de um cronista que seleciona fragmentos do dia a dia, elementos de um mundo ordinário que pulsa vida em todos os seus aspectos. De uma ida corriqueira a uma geladeira cheia de produtos e marcas a um prosaico banho de piscina, suas telas colocam em evidência momentos fugidios a que não damos atenção, até se revelarem por meio de suas pinturas.

Atenta ao universo que a cerca, não à toa, nos últimos tempos, a artista também incluiu a pandemia em sua produção: em algumas de suas telas mais recentes, Mizumoto faz referências à Covid-19, como é o caso de O Pulso Ainda Pulsa em que, com cores contrastantes e vibrantes e pinceladas bem marcadas, a artista retrata uma profissional da medicina completamente paramentada. Em seus olhos se evidenciam o horror e o espanto diante do caos em que o setor mergulhou nos últimos tempos. Para a criação da obra, Marjô convidou uma plantonista para encenar a imagem que pretendia retratar. Essa encenação de imagens é apenas uma das formas de processo da artista, que também usa como elemento disparador de suas obras fotografias feitas em seu dia a dia e até mesmo colagens de imagens que possam compor as cenas que pretende criar.

O Pulso ainda pulsa, (Dra. Raquel Santana), 2020. Todas as fotos: cortesia da artista.

Bacharel em Artes Plásticas pela FAAP-SP, Marjô usa não apenas personagens externos como inspiração para suas pinturas, mas, também, a própria biografia. É o caso de Sweet Disposition, um autorretrato da artista amamentando em uma banheira. Em texto que acompanha a obra no portfólio da artista, a pintora revela: “fiquei grávida pela segunda vez, de uma menina, Marie. Ela nasceu e com ela nasceu também a mãe que ensinaria uma menina a ser mulher. Adentrei no feminismo, senti-me empoderada, percebi que os padrões que a sociedade impunha sobre meu corpo não faziam sentido, ele era simplesmente perfeito: gerou, pariu e nutriu meus filhos”.

Acima: Domingo Legal, (Marie Yuki Mizumoto Gomes e Leon Mizumoto Gomes), 2020.

Os textos que acompanham as imagens da artista colaboram nesse aspecto de cronista que surge a partir de sua produção. Cada pintura de Marjô traz consigo histórias, reais ou fictícias, e tais histórias são ressaltadas pela própria artista por meio de versos, textos, poemas… Mais do que isso, por vezes, a artista acrescenta fragmentos de texto nas próprias telas, acentuando ainda mais a sensação de que o que está pintado não é uma imagem estanque, mas um fragmento de uma cena, de uma ação que se desenvolve para antes e depois do momento capturado. Nesse processo, suas pinturas se aproximam de outras linguagens como o cinema, a propaganda e a fotografia. Não à toa, dentre suas principais referências artísticas, estão nomes de pintores como Lucian Freud, Edward Hopper, Diego Velázquez, Gustave Courbet, mas, também, a fotógrafa Nan Goldin e os cineastas Quentin Tarantino e Stanley Kubrick.

Acima: Vick Rockets, (Vick Garaventa), 2011.

As pinceladas da artista, que recentemente venceu o 25º SAV – Salão de Artes Visuais de Vinhedo, também costumam variar. Se em Sweet Disposition e The Shining, o que vemos são pinceladas mais disfarçadas em uma pintura delicada, em telas como You talking to me? e Vick rockets pode-se perceber pinceladas mais marcadas, pelas quais se evidenciam imageticamente os conflitos internos das personagens.

Com obras atualmente expostas no 16 º Salão Nacional de Arte Contemporânea de Guarulhos, Marjô relata que, em seu processo, há situações em que se sente “como um voyeur, espiando para dentro de uma janela, curiosa, vendo o pedacinho da vida de alguém. Por um instante, posso não ser mais eu, sou outra pessoa, outro personagem dentro desse universo particular”. Por meio de sua produção, a artista tem a capacidade de fazer isso também com o público que espia, intrigado. Para além de imagens a serem contempladas, a artista entrega narrativas cheias de vida que fazem movimentar a imaginação de quem as contempla, cenas que parecem vibrar na superfície da tela, ao ponto que não espantaria se algum espectador, em determinado momento, pudesse jurar ter visto uma de suas personagens lhe piscar sobre a tela.

My milkshake brings all the boys to my yard, 2015.

Leandro Fazolla é ator, historiador e produtor cultural.
Mestre em Arte e Cultura Contemporânea, na linha de
pesquisa História, Teoria e Crítica de Arte. Bacharel em
História da Arte. Ator e produtor da Cia. Cerne, com a
qual foi contemplado no edital Rumos Itaú Cultural.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Resenha

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA
A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em …

Reflexo

MAXWELL ALEXANDRE

AOS 30 ANOS, MAXWELL ALEXANDRE RETRATA EM SUA OBRA UMA POÉTICA QUE PASSA PELA CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS E CENAS ESTRUTURADAS A PARTIR …

Flashback

MAX KLINGER

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS …

Destaque

KRIS MARTIN

KRIS MARTIN CRIA IMAGENS A PARTIR DE OBJETOS QUE LEVANTAM QUESTÕES SOBRE CONCEITOS COMO TRANSITORIEDADE, IDENTIDADE E MORTE. DENTRO DE TEMAS …

Alto relevo

GEORGES BRAQUE

O MUSEU BUCERIUS KUNST FORUM ESTÁ DEDICANDO UMA RETROSPECTIVA A GEORGES BRAQUE, A PRIMEIRA PESQUISA ABRANGENTE DE SUAS PINTURAS NA …

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …

Alto relevo

AQUILO QUE NÃO SE VÊ - PARA OXÓSSI

“Fungos e liquens aniquilam as nossas categorias de gênero. Eles reorganizam nossas ideias de comunidade e cooperação. Ferram com o …

Garimpo

JANA EULER

CONSTRUINDO FABULAÇÕES PICTÓRICAS EXCÊNTRICAS, AS INÚMERAS TÉCNICAS DE CRIAÇÃO DE IMAGENS DA ARTISTA ALEMÃ JANA EULER EXAMINAM E EXAGERAM AS …

Reflexo

Ana Paula Oliveira

A ARTISTA MINEIRA RADICADA EM SÃO PAULO, ANA PAULA OLIVEIRA CRIA SITUAÇÕES POR MEIO DE DIVERSAS LINGUAGENS E MATERIAIS E …

Flashback

JAMES TISSOT

PINTOR BRILHANTE DA ALTA CLASSE SOB O SEGUNDO IMPÉRIO E DOS COSTUMES DA SOCIEDADE VITORIANA INGLESA, DOS ARISTOCRATAS ELEGANTES E …

Capa

ALEX KATZ

ALEX KATZ (NEW YORK, 1927) É UMA DAS FIGURAS-CHAVE DA HISTÓRIA DA ARTE AMERICANA DO SÉCULO 20 E UM PRECURSOR …