DASARTES 94 /

MANASSES MUNIZ

Manassés Muniz é um dos vencedores do Concurso Garimpo 2019/2020 por voto popular. Natural de São Miguel dos Campos, Alagoas, Muniz reside atualmente em Belo Horizonte, onde cursa Artes Visuais com habilitação em Gravura, na Universidade Federal de Minas Gerais. Dedicando-se ao desenho e à gravura, sua produção segue duas linhas principais: uma série de […]

Sem título, 2017

Manassés Muniz é um dos vencedores do Concurso Garimpo 2019/2020 por voto popular. Natural de São Miguel dos Campos, Alagoas, Muniz reside atualmente em Belo Horizonte, onde cursa Artes Visuais com habilitação em Gravura, na Universidade Federal de Minas Gerais. Dedicando-se ao desenho e à gravura, sua produção segue duas linhas principais: uma série de bestiários e outra composta por desertos industriais, figuras e paisagens que têm a ruína como elemento central de sua composição, mas trilham um caminho distinto ao da nostalgia romântica.
A angústia, o silêncio e o abandono são as principais marcas expressivas de seus trabalhos figurativos, que em geral são monocromáticos e de traços turbulentos. Nas paisagens, sobretudo naquelas que apresentam fábricas e galpões industriais, a perspectiva é um recurso utilizado para marcar a densidade do espaço e reforçar seu aspecto vazio e de abandono.

 

As expansivas construções, que parecem não ter limites, compõem ambientes oníricos e sombrios, onde não há qualquer traço de regionalidade que possa os remeter a uma localidade específica, entretanto, tais elementos são de imediato reconhecidos como resíduos de um sociedade pós-industrial. Reiterando essa ausência de referenciais geográficos, o artista persiste no caminho da redução, tornando tênue a linha entre figuração e abstração. O que se vê são cenários melancólicos, sem indícios de figuras humanas, com fortes contrastes entre claro e escuro que operam na divisão da composição: de um lado, o espaço edificado com suas pesadas formas negras, do outro, a ruidosa paisagem com sua relativa claridade, cisão que revela ecos de uma sociedade dividida em muros. Se o contexto geográfico é um mistério, pois isso pouco importa, o que se evidencia é sua contemporaneidade.
Os seres fantásticos concebidos por Manassés Muniz, embora façam parte de outra série de trabalhos, poderiam compor adequadamente as paisagens mencionadas anteriormente. Eles são igualmente tenebrosos, misteriosos e angustiantes, o que revela a consistência do universo imagético produzido pelo artista em distintos trabalhos. A horizontalidade é uma característica comum na série de bestiários. Esses seres estão sempre rastejando ou próximos ao chão, corroborando sua condição decadente. O desespero, a dramaticidade e a violência também são atributos expressos nessas imagens, cujo caráter alegórico deve aqui ser pontuado. De natureza tão hostil quanto as paisagens de Muniz, esses seres exprimem as condições do mundo atual.
A produção brutal e visceral de Manassés Muniz encontra na gravura sua expressão visual ideal: a violência sobre a matéria, resultado de uma operação manual cujos traços são conservados na imagem, vão ao encontro de seu anseio estético. Se há atualmente uma corrente de influência pop, que lida com os males da contemporaneidade de maneira irônica e contaminada pelo universo das imagens banais, Muniz segue o caminho contrário, de cunho existencial e retorcido, revelando outra expressividade para os traumas contemporâneos.

Thiago Fernandes é crítico,
historiador da arte e doutorando
em Artes Visuais pela UFRJ.

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Resenha

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA
A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em …

Reflexo

MAXWELL ALEXANDRE

AOS 30 ANOS, MAXWELL ALEXANDRE RETRATA EM SUA OBRA UMA POÉTICA QUE PASSA PELA CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS E CENAS ESTRUTURADAS A PARTIR …

Garimpo

MARJÔ MIZUMOTO

“MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO …

Flashback

MAX KLINGER

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS …

Destaque

KRIS MARTIN

KRIS MARTIN CRIA IMAGENS A PARTIR DE OBJETOS QUE LEVANTAM QUESTÕES SOBRE CONCEITOS COMO TRANSITORIEDADE, IDENTIDADE E MORTE. DENTRO DE TEMAS …

Alto relevo

GEORGES BRAQUE

O MUSEU BUCERIUS KUNST FORUM ESTÁ DEDICANDO UMA RETROSPECTIVA A GEORGES BRAQUE, A PRIMEIRA PESQUISA ABRANGENTE DE SUAS PINTURAS NA …

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …

Alto relevo

AQUILO QUE NÃO SE VÊ - PARA OXÓSSI

“Fungos e liquens aniquilam as nossas categorias de gênero. Eles reorganizam nossas ideias de comunidade e cooperação. Ferram com o …

Garimpo

JANA EULER

CONSTRUINDO FABULAÇÕES PICTÓRICAS EXCÊNTRICAS, AS INÚMERAS TÉCNICAS DE CRIAÇÃO DE IMAGENS DA ARTISTA ALEMÃ JANA EULER EXAMINAM E EXAGERAM AS …

Reflexo

Ana Paula Oliveira

A ARTISTA MINEIRA RADICADA EM SÃO PAULO, ANA PAULA OLIVEIRA CRIA SITUAÇÕES POR MEIO DE DIVERSAS LINGUAGENS E MATERIAIS E …

Flashback

JAMES TISSOT

PINTOR BRILHANTE DA ALTA CLASSE SOB O SEGUNDO IMPÉRIO E DOS COSTUMES DA SOCIEDADE VITORIANA INGLESA, DOS ARISTOCRATAS ELEGANTES E …