A Ilha, 1995.

DASARTES 100 (Edição Especial 12 anos) /

Luiz Zerbini

AO LONGO DE SUA CARREIRA, DE MAIS DE TRÊS DÉCADAS, LUIZ ZERBINI DESENVOLVEU UM VOCABULÁRIO VISUAL COMPLEXO NA INTERSEÇÃO DE FIGURAÇÃO E ABSTRAÇÃO. JUSTAPONDO FORMAS ORGÂNICAS E GEOMÉTRICAS, AS PINTURAS DE ZERBINI EXPLORAM A RELAÇÃO ENTRE COR, LUZ E MOVIMENTO. INSPIRADA NAS FLORESTAS TROPICAIS DA AMAZÔNIA E DA MATA ATLÂNTICA, SUA NOVA EXPOSIÇÃO REFLETE O CONSTANTE INTERESSE DO ARTISTA PELA RELAÇÃO ENTRE NATUREZA E HUMANIDADE

stephenfriedmangallery-luiz-zerbini-pica-pau-2016

Luiz Pierre Zerbini é um artista que não teme a altura do voo. Transitou pela pintura, desenho, escultura, fotografia e gravura para depois aportar nos universos da cenografia, instalação e performance.
Não deixou de utilizar também o som como matéria-prima, especial componente dos trabalhos do Chelpa Ferro, coletivo que criou com Barrão (escultor) e Sérgio Mekler (editor de cinema) para investir na geração de novas linguagens sonoras, seja por meio de uma bateria/moby dick (2003), um “totó treme terra” (2006) ou uma sinfonia de marretas em um Maverick amarelo (Autobang, 2002).

O elo entre todos os voos alçados talvez seja a desconstrução: da forma, da cor, do som, da expectativa, do significado, para propor o salto no vazio, espaço de descoberta.
Entre novembro de 2020 e janeiro de 2021, Luiz Zerbini apresenta sua exposição intitulada Fire, na conceituada Stephen Friedman Gallery, em Londres, espaço que já o recebeu em 2018 (South London Gallery), ocasião em que foi aclamado tanto pela crítica quanto pelo público.

Em um momento em que os temas ligados ao meio ambiente acirram interesses, discussões e angústias, Zerbini mostra trabalhos imbricados ao tema das florestas tropicais, a Mata Atlântica e a Floresta Amazônica, em uma costura que reúne elementos orgânicos e abstratos para produzir um discurso que se sobrepõe à narrativa cotidiana.
Tece, assim, um texto poético contundente, marcado pelas cores que se mesclam em um complexo cromático criado pelo olho do paulista/carioca/globetrotter, reinventando pontos de vista para temas sempre profundamente necessários.

Em 1995, quando pintou A Ilha, lançou mão do jogo campo/contracampo para potencializar a especularidade imersiva do espectador, que se vê circulando entre os extremos, dos contornos da ilha ao cruzamento do figurativismo com o abstracionismo formal.

A Ilha, 1995.

A estratégia se adensa em Ilha da Maré, pintada quase uma década mais tarde, quando as texturas da natureza foram sintetizadas em uma geometria pautada em formas básicas, linhas, retângulos, círculos e circunferências, distribuídos em camadas de cor e planos encadeados.

Ilha da Maré, 2014. Foto: Eduardo Ortega.

Nas telas expostas na Stephen Friedman Gallery, a profusão da diversidade contida em matas e florestas é organizada em flashes representativos, como disparos de energia inseridos em micro quadros que compõem a superfície da obra (como em A árvore do viajante e Happiness beyond Paradise, ambas de 2020).

A árvore do viajante, 2020

A composição reticulada, entremeada por nervuras, traduz o objeto à sua síntese, por vezes transformando-o em um conjunto de vibrações que descontroem a figura e recuperam suas linhas de força, como acontece com Quadrícula e Mundos Novos (os dois de 2019).

Quadrícula Grande, 2020. © Luiz Zerbini. Courtesy the artist and Stephen Friedman Gallery, London. A Ilha, 1995. Ilha da Maré, 2014. Foto: Eduardo

O argumento que rege a lógica das obras expostas não é óbvio, manifesto, antes latente, montado sobre um fluxo babélico de elementos que povoam os espaços tematizados: plantas, flores, árvores, raízes, troncos partidos, gramíneas, frutos, terra, água e toda sorte de animais/seres mais ou menos complexos.

Os traços derivam (ou não) da capacidade técnica de Zerbini, que domina o pincel como a um bisturi, atravessando estradas neuronais para desobstruir os sentidos condicionados por discursos desgastados que geram o apagamento dos aspectos centrais, do que realmente merece ser dito. E visto.

As telas projetam movimentos de luzes e sombras do dossel da mata, perenemente verde, mas matizada de amarelos e vermelhos em múltiplas nuances, salpicada de azuis e tons que não correspondem à cor local, senão enquanto subterfúgio para incitar a reflexão.

Monster, 2016. © Luiz Zerbini. Courtesy the artist
and Stephen Friedman Gallery, London.

O crivo do fogo, que dá nome à exposição, consome, peneira e borda o cerne da motivação que consequentemente moldou cada unidade de sentido, depurando em altas temperaturas e refinando na sutileza do resultado estético.
Fire é um palimpsesto, cada camada de sentidos inaugura uma nova indagação, resultado da mente dispersa e incrivelmente focada do artista, do pintor.

Rio Comprido V.
© Luiz Zerbini. Courtesy the artist and Stephen Friedman Gallery, London.

Rio Comprido III

As telas projetam movimentos de luzes e sombras do dossel da mata, perenemente verde, mas matizada de amarelos e vermelhos em múltiplas nuances, salpicada de azuis e tons que não correspondem à cor local, senão enquanto subterfúgio para incitar a reflexão.

O crivo do fogo, que dá nome à exposição, consome, peneira e borda o cerne da motivação que consequentemente moldou cada unidade de sentido, depurando em altas temperaturas e refinando na sutileza do resultado estético.

Fire é um palimpsesto, cada camada de sentidos inaugura uma nova indagação, resultado da mente dispersa e incrivelmente focada do artista, do pintor.

Flare, 2016.
© Luiz Zerbini. Courtesy the artist and Stephen
Friedman Gallery, London.

LUIZ ZERBINI: FIRE •
STEPHEN FRIEDMAN GALLERY •
LONDRES • REINO UNIDO •
20/11/2020 A 9/1/2021

Lilian França é Pós-Doutorado em
História da Arte pelo
IFCH/UNICAMP e membro da
ABCA e da AICA.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Capa

Marcela Cantuária

Vestindo uma camisa com a imagem de uma favela estampada, Marielle Franco está sentada com um semblante sereno, mas forte, …

Alto relevo

ELIZABETH LEE MILLER

Reaberto em maio de 2020, o Museum fur Gestaltung-Zurich apresenta a exposição Lee Miller – Fotógrafa entre a guerra e …

Reflexo

JACOB LAWRENCE

As pinturas que me proponho fazer vão retratar as lutas de um povo para criar uma nação e sua tentativa …

Flashback

AGNES PELTON

Agnes Pelton (1881-1961) se esforçou para retratar um reino espiritual além das aparências materiais. Sua descoberta artística veio em meados …

Paralelo

ARTE E CINEMA

Arte e cinema: cruzamentos e entrevisões

A Fondation de l’Hermitage, junto à Cinémathèque Française e ao grupo Réunion des Musées Métropolitains …

Destaque

ANISH KAPOOR

Um espelho aberto para o mundo

O quanto a arte nos ajudou durante esta pandemia! O confinamento nos retirou o direito …

Do mundo

LEE KRASNER

Nascida no Brooklyn em uma família de imigrantes judeus ortodoxos, Lee Krasner decidiu ser artista aos 14 anos de idade. …

Alto falante

A OBRA DE ARTE NA ERA DE SUA REPRODUTIBILIDADE TURÍSTICA. AINDA.

“O novo não está no que é dito, mas no acontecimento de sua volta.”
Michel Foucault
Se ainda considerarmos o espaço-tempo em …

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …