A Ilha, 1995.

DASARTES 100 (Edição Especial 12 anos) /

Luiz Zerbini

AO LONGO DE SUA CARREIRA, DE MAIS DE TRÊS DÉCADAS, LUIZ ZERBINI DESENVOLVEU UM VOCABULÁRIO VISUAL COMPLEXO NA INTERSEÇÃO DE FIGURAÇÃO E ABSTRAÇÃO. JUSTAPONDO FORMAS ORGÂNICAS E GEOMÉTRICAS, AS PINTURAS DE ZERBINI EXPLORAM A RELAÇÃO ENTRE COR, LUZ E MOVIMENTO. INSPIRADA NAS FLORESTAS TROPICAIS DA AMAZÔNIA E DA MATA ATLÂNTICA, SUA NOVA EXPOSIÇÃO REFLETE O CONSTANTE INTERESSE DO ARTISTA PELA RELAÇÃO ENTRE NATUREZA E HUMANIDADE

stephenfriedmangallery-luiz-zerbini-pica-pau-2016

Luiz Pierre Zerbini é um artista que não teme a altura do voo. Transitou pela pintura, desenho, escultura, fotografia e gravura para depois aportar nos universos da cenografia, instalação e performance.
Não deixou de utilizar também o som como matéria-prima, especial componente dos trabalhos do Chelpa Ferro, coletivo que criou com Barrão (escultor) e Sérgio Mekler (editor de cinema) para investir na geração de novas linguagens sonoras, seja por meio de uma bateria/moby dick (2003), um “totó treme terra” (2006) ou uma sinfonia de marretas em um Maverick amarelo (Autobang, 2002).

O elo entre todos os voos alçados talvez seja a desconstrução: da forma, da cor, do som, da expectativa, do significado, para propor o salto no vazio, espaço de descoberta.
Entre novembro de 2020 e janeiro de 2021, Luiz Zerbini apresenta sua exposição intitulada Fire, na conceituada Stephen Friedman Gallery, em Londres, espaço que já o recebeu em 2018 (South London Gallery), ocasião em que foi aclamado tanto pela crítica quanto pelo público.

Em um momento em que os temas ligados ao meio ambiente acirram interesses, discussões e angústias, Zerbini mostra trabalhos imbricados ao tema das florestas tropicais, a Mata Atlântica e a Floresta Amazônica, em uma costura que reúne elementos orgânicos e abstratos para produzir um discurso que se sobrepõe à narrativa cotidiana.
Tece, assim, um texto poético contundente, marcado pelas cores que se mesclam em um complexo cromático criado pelo olho do paulista/carioca/globetrotter, reinventando pontos de vista para temas sempre profundamente necessários.

Em 1995, quando pintou A Ilha, lançou mão do jogo campo/contracampo para potencializar a especularidade imersiva do espectador, que se vê circulando entre os extremos, dos contornos da ilha ao cruzamento do figurativismo com o abstracionismo formal.

A Ilha, 1995.

A estratégia se adensa em Ilha da Maré, pintada quase uma década mais tarde, quando as texturas da natureza foram sintetizadas em uma geometria pautada em formas básicas, linhas, retângulos, círculos e circunferências, distribuídos em camadas de cor e planos encadeados.

Ilha da Maré, 2014. Foto: Eduardo Ortega.

Nas telas expostas na Stephen Friedman Gallery, a profusão da diversidade contida em matas e florestas é organizada em flashes representativos, como disparos de energia inseridos em micro quadros que compõem a superfície da obra (como em A árvore do viajante e Happiness beyond Paradise, ambas de 2020).

A árvore do viajante, 2020

A composição reticulada, entremeada por nervuras, traduz o objeto à sua síntese, por vezes transformando-o em um conjunto de vibrações que descontroem a figura e recuperam suas linhas de força, como acontece com Quadrícula e Mundos Novos (os dois de 2019).

Quadrícula Grande, 2020. © Luiz Zerbini. Courtesy the artist and Stephen Friedman Gallery, London. A Ilha, 1995. Ilha da Maré, 2014. Foto: Eduardo

O argumento que rege a lógica das obras expostas não é óbvio, manifesto, antes latente, montado sobre um fluxo babélico de elementos que povoam os espaços tematizados: plantas, flores, árvores, raízes, troncos partidos, gramíneas, frutos, terra, água e toda sorte de animais/seres mais ou menos complexos.

Os traços derivam (ou não) da capacidade técnica de Zerbini, que domina o pincel como a um bisturi, atravessando estradas neuronais para desobstruir os sentidos condicionados por discursos desgastados que geram o apagamento dos aspectos centrais, do que realmente merece ser dito. E visto.

As telas projetam movimentos de luzes e sombras do dossel da mata, perenemente verde, mas matizada de amarelos e vermelhos em múltiplas nuances, salpicada de azuis e tons que não correspondem à cor local, senão enquanto subterfúgio para incitar a reflexão.

Monster, 2016. © Luiz Zerbini. Courtesy the artist
and Stephen Friedman Gallery, London.

O crivo do fogo, que dá nome à exposição, consome, peneira e borda o cerne da motivação que consequentemente moldou cada unidade de sentido, depurando em altas temperaturas e refinando na sutileza do resultado estético.
Fire é um palimpsesto, cada camada de sentidos inaugura uma nova indagação, resultado da mente dispersa e incrivelmente focada do artista, do pintor.

Rio Comprido V.
© Luiz Zerbini. Courtesy the artist and Stephen Friedman Gallery, London.

Rio Comprido III

As telas projetam movimentos de luzes e sombras do dossel da mata, perenemente verde, mas matizada de amarelos e vermelhos em múltiplas nuances, salpicada de azuis e tons que não correspondem à cor local, senão enquanto subterfúgio para incitar a reflexão.

O crivo do fogo, que dá nome à exposição, consome, peneira e borda o cerne da motivação que consequentemente moldou cada unidade de sentido, depurando em altas temperaturas e refinando na sutileza do resultado estético.

Fire é um palimpsesto, cada camada de sentidos inaugura uma nova indagação, resultado da mente dispersa e incrivelmente focada do artista, do pintor.

Flare, 2016.
© Luiz Zerbini. Courtesy the artist and Stephen
Friedman Gallery, London.

LUIZ ZERBINI: FIRE •
STEPHEN FRIEDMAN GALLERY •
LONDRES • REINO UNIDO •
20/11/2020 A 9/1/2021

Lilian França é Pós-Doutorado em
História da Arte pelo
IFCH/UNICAMP e membro da
ABCA e da AICA.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

CLAUDIA ANDUJAR

Claudia Andujar: a luta Yanomami faz um levantamento da arte e do ativismo da fotógrafa brasileira desde os anos 1970 …

Flashback

SOPHIE TAEUBER-ARP

De julho a outubro de 2021, o Tate Modern, em Londres, apresenta a obra de Sophie Taeuber-Arp, uma das principais …

Alto relevo

FELIX GONZALEZ-TORRES

A arte de Gonzalez-Torres pode ser lida como uma crítica ao conservadorismo social, atitudes homofóbicas e um alerta sobre a …

Pelo Mundo

OSCAR MURILLO

Oscar Murillo, artista multifacetado que realiza pinturas, desenhos, esculturas, performances, vídeos, instalações e projetos colaborativos, está em exibição no Mori …

Destaque

JEAN DUBUFFET

“O normal é psicótico. Normal significa falta de imaginação, falta de criatividade”. Jean Dubuffet.

Já perceberam que alguns trabalhos de Pollock, …

Destaque

AUGUSTO DE CAMPOS

A BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE, A PRINCIPAL E MAIS ANTIGA DA CIDADE DE SÃO PAULO, TORNOU-SE UM ESPAÇO DE CELEBRAÇÃO …

Alto relevo

HITO STEYERL

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS …

Garimpo

Ramonn Vieiteiz

EM CARTAZ NA COLETIVA SER VIVO, LIVRE, EU, NO GALERIA CAFÉ SÃO PAULO, O JOVEM ARTISTA DE RECIFE, RAMONN VIEITEZ, …

Pelo Mundo

Kara Walker

NO ATUAL MOMENTO DE VALORIZAÇÃO DE ARTISTAS NEGROS, A OBRA DA NORTE-AMERICANA KARA WALKER SE DESTACA POR CRITICAR A ACEITAÇÃO …

Destaque

MICHAEL ARMITAGE

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM …

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …