Portrait of Electress and her Son, 1510-40, Royal Collection Trust © Her Majesty Queen Elizabeth II 2019.

DASARTES 102 /

LUCAS CRANACH

ARQUETÍPICO HOMEM RENASCENTISTA, LUCAS CRANACH, O VELHO, FOI UM DOS ARTISTAS ALEMÃES DE MAIOR SUCESSO DE TODOS OS TEMPOS. AS PINTURAS DA NOBREZA ALEMÃ DE CRANACH E OS LÍDERES DA REFORMA PROTESTANTE FIZERAM DELE UM RETRATISTA MUITO PROCURADO NO SÉCULO 16, EMBORA HOJE ELE SEJA MAIS CONHECIDO POR SEUS SEDUTORES NUS FEMININOS, QUE EXPRESSAM A […]

ARQUETÍPICO HOMEM RENASCENTISTA, LUCAS CRANACH, O VELHO, FOI UM DOS ARTISTAS ALEMÃES DE MAIOR SUCESSO DE TODOS OS TEMPOS. AS PINTURAS DA NOBREZA ALEMÃ DE CRANACH E OS LÍDERES DA REFORMA PROTESTANTE FIZERAM DELE UM RETRATISTA MUITO PROCURADO NO SÉCULO 16, EMBORA HOJE ELE SEJA MAIS CONHECIDO POR SEUS SEDUTORES NUS FEMININOS, QUE EXPRESSAM A TENTAÇÃO E SUAS CONSEQUÊNCIAS. CRANACH TAMBÉM ERA UM EMPREENDEDOR TALENTOSO, FUNDANDO UM BEM-SUCEDIDO NEGÓCIO EDITORIAL E PRODUZINDO ILUSTRAÇÕES PODEROSAS EM XILOGRAVURA PARA A TRADUÇÃO DA BÍBLIA POR LUTERO

Der Jungbrunnen, 1546.

O legado do pintor Renascentista Lucas Cranach (1472-1553), o Velho, se estende por 500 anos e permanece vivo hoje. Nascido por volta de 1472 em Kronach, a pequena cidade alemã de onde ele tirou seu nome, Cranach era um pintor leal dos regentes do Eleitorado da Saxônia. Muito mais do que um artista da corte, Cranach também era um gravador e político. Independente e altamente empreendedor, ele era amigo íntimo do pensador radical Martinho Luther (1483-1546) e desempenhou um papel ativo nas mudanças religiosas sísmicas que ocorreram em sua cidade natal, Wittenberg. Navegando habilmente em tempos turbulentos, Cranach sobreviveu até os 80 anos e deixou para trás uma oficina próspera, que continuou por meio de seu filho e discípulo mais próximo, Lucas Cranach, o Jovem (1515-1586).

 

PINTOR DO GOVERNO SAXÃO

Cranach era filho de um pintor e, provavelmente, foi ensinado pelo próprio pai. Depois de passar vários anos em Viena, e possivelmente visitar Albrecht Dürer, em Nuremberg, Cranach foi nomeado pintor da corte de Frederico, o Sábio, governante da Saxônia, em 1505. Isso marcou o início de um longo e respeitado serviço: Cranach trabalhou continuamente para os regentes saxões por quase cinquenta anos. Como pintor da corte, Cranach recebeu conselhos, roupas e alojamentos no palácio em Wittenberg, além de um alto salário anual e dinheiro para materiais. Havia muito o que fazer, e os relatos do palácio revelam que a oficina de Cranach incluía quatro “pintores viajantes”. Os artistas foram responsáveis ​​por gravar viagens de caça e torneios; projetar moedas, medalhas e decorações temporárias; e produzir imagens e retratos religiosos dos governantes e de suas famílias.

Portrait of Johann the Steadfast, 1509.

Díptico de retrato com John, o Firme (1468-1532), e seu filho de seis anos, John Frederick I, o Magnânimo (1503-1554), 1509

Um díptico (retrato duplo) era normalmente usado para mostrar um casal, mas aqui o menino ocupa o lugar de sua mãe, Sophie de Mecklenburg, que havia morrido no parto. À esquerda, John, o firme, está vestido de preto contra um fundo verde. O esquema de cores é invertido na imagem de seu filho, John Frederick. Ambos eram regentes da Saxônia, e o status deles era demonstrado por suas roupas, ricamente decoradas com elegantes penas multicoloridas, pequenas pérolas e fios de ouro.

Portrait of Johann Friedrich the Magnanimous, 1509. National Gallery, London

CIDADÃO DE WITTENBERG

Por volta de 1512, Cranach se casou e se mudou para o coração da movimentada cidade de Wittenberg. Lá permaneceu até 1550, supervisionando um ateliê promissor de mais de dez assistentes, conhecido por sua produção rápida. Além da oficina de pintura, Cranach desenvolveu outros interesses comerciais lucrativos, incluindo propriedades, controle dos apotecários do Estado, uma licença para vender vinho, e o estabelecimento de um negócio editorial com Christian Döring. Cranach se tornou um dos cidadãos mais respeitados de Wittenberg, servindo três vezes como prefeito, e uma declaração de imposto de renda de 1528 afirma que ele era um dos dois homens mais ricos da cidade.

Passeava por círculos intelectuais e formou uma estreita amizade com o teólogo da universidade, Martin Luther, cada um atuando como padrinho dos filhos do outro. As 95 teses de Lutero, supostamente pregadas na porta da igreja em Wittenberg, em 1517, representaram um chamado à ação. Condenando os excessos da Igreja Católica Romana, Lutero lançou a Reforma Protestante. A imprensa Cranach-Döring teve um papel fundamental, com Cranach imprimindo muitos dos textos de Lutero e adicionando ilustrações vibrantes em xilogravura, que enriqueceram seu significado e prestígio.

 

Retrato de uma mulher, c. 1525-7

O fundo normalmente liso e escuro de Cranach serviu para destacar a roupa suntuosa dessa mulher. Seu vestido de veludo vermelho tem uma saia plissada e mangas cortadas e tufadas. Suas luvas brancas também estão desfiadas nos nós dos dedos, revelando que suas mãos estão totalmente ornamentadas, com anéis debaixo e sobre as luvas. Embora essa mulher não tenha sido identificada e suas características faciais sejam genéricas, uma pista para sua identidade pode ser a letra “M”, repetida em seu corpete estampado em diamante.

Portrait of a Woman, 1525-27.

 

Retrato de Sigmund Kingsfelt, c1530

A variedade de tons de pele vermelha e rosa usados ​​no rosto deste homem torna esse retrato particularmente vibrante e realista. A inscrição dourada no topo da pintura nos diz que seu nome é Sigmund Kingsfelt, enquanto a palavra “RITER” se traduz em “cavaleiro”. Talvez esse seja um título honorário, no entanto, as roupas simples, a corrente pesada e a falta de chapéu sugerem que ele é um nobre de nível mais baixo ou um administrador cívico.

Portrait of Sigmund Kingsfelt, 1530.

 

A FORMA HUMANA

Os temas mitológicos se tornaram cada vez mais populares entre os ricos durante as décadas de 1520 e 1530. Para Cranach, que já era elogiado por sua habilidade em renderizar o mundo natural, essas cenas ofereciam uma oportunidade de retratar seres humanos em harmonia com a natureza, em um cenário selvagem.

Rejeitando as proporções clássicas adotadas por outros artistas renascentistas, Cranach desenvolveu uma maneira distinta de retratar a forma humana, que era consistentemente replicada em seu ateliê. Todos os nus de Cranach têm corpos esbeltos, quase sem ossos, pele pálida e cabelos longos e ondulados. Seus corpos são frequentemente posicionados contra fundos escuros e, de pé, parecem esculturais. Frequentemente, as pinturas de Cranach se envolvem com a tradição do século 16 das narrativas da Weibermacht (“poder das mulheres”). Concentrando-se em figuras atraentes e sedutoras, como Eva e Vênus, essas obras alertam seus espectadores, na maioria homens, sobre os perigos de mulheres bonitas e astutas. Por esse motivo, o tratamento de Cranach da forma feminina é deliberadamente erótico: suas figuras femininas olham conscientemente para o espectador através de olhos amendoados e sua nudez é ornamentada pela adição de joias da moda, chapéus e véus transparentes.

 

Vênus e Cupido, 1525

Olhando diretamente para nós, Vênus, a deusa do amor, é intransigentemente erótica. O fundo preto lança sua figura esbelta e pele pálida em relevo, enquanto a nudez é ainda mais destacada por seu véu translúcido e pela flecha indicadora de Cupido. Vênus foi originalmente mostrada usando um chapéu vermelho, mas este foi coberto no século 19 por uma cortina verde escura. A pequena escala da pintura sugere que ela foi feita para exibição particular. Sua fórmula de sucesso foi usada muitas vezes no ateliê de Cranach.

Venus and Cupid, 1525 © Compton Verney

 

Apollo e Diana, c1526

Quando foi comprada pelo príncipe Albert para a rainha Vitória, pensava-se que era uma pintura de Adão e Eva. Na verdade, mostra as figuras mitológicas de Apolo e Diana – irmãos considerados fisicamente e moralmente perfeitos. A bela paisagem arborizada em que são colocados compete por nossa atenção, com as árvores ecoando as formas de seus corpos e cisnes refletidos no lago.

Apollo and Diana, 1526. Royal Collection Trust © Her Majesty Queen Elizabeth II 2019.

Cupido queixando-se a Vênus, c1526-7

Nesta pintura magistral, Cupido, filho de Vênus, roubou um favo de mel e está sendo atacado por abelhas. No canto superior direito, a inscrição em latim alerta que: “o prazer breve e passageiro que buscamos se mistura com tristeza e dor e nos prejudica”. Essa sabedoria é testada pela figura sedutora e nua de Vênus, que alcança uma macieira. Posando timidamente, ela teria lembrado ainda mais aos observadores que a tentação está em toda parte e que a escolha entre o bem e o mal é pessoal.

Cupid complaining to
Venus, 1526-27.

Hércules e Anteaus, 1530

O gigante Antaeus desafiou todos a lutar até a morte, confiante de que venceria enquanto permanecesse em contato com a terra, fonte de sua força eterna. Compreendendo o segredo do gigante, o deus romano Hércules levantou Antaeus do chão e o esmagou até a morte – indicado aqui por seu tom azulado e expressão angustiada.

Hercules and Antaeus © Compton Verney.

CRANACH NO FUTURO

Sempre inovador, Cranach concebeu uma linguagem visual altamente estilizada de paisagens verdejantes povoadas por figuras lânguidas e sinuosas. Seus nus permanecem distintos e contenciosos hoje e, talvez mais do que qualquer outro pintor renascentista, ele continua a exercer influência sobre artistas modernos e contemporâneos.

Como um dos mais antigos Grandes Mestres, a estética de Cranach permeia nossa cultura popular e pode ser encontrada em uma ampla variedade de obras de arte. Alguns artistas são atraídos pelas narrativas de Cranach, enquanto outros respondem à sua representação de figuras, figurinos ou paisagens. Os trabalhos mostram ruptura e continuidade com a estética distinta de Cranach, à medida que novos artistas sobrepõem e atualizam esses ícones familiares com suas histórias e perspectivas pessoais.

Der Jungbrunnen, 1546.

 

CRANACH: ARTIST & INNOVATOR • COMPTON
VERNEY • INGLATERRA • ESTENDIDO PARA 2021

Amy Orrock é curadora sênior do museu Compton
Verney Art Gallery & Park, no Reino Unido.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …

Alto relevo

AQUILO QUE NÃO SE VÊ - PARA OXÓSSI

“Fungos e liquens aniquilam as nossas categorias de gênero. Eles reorganizam nossas ideias de comunidade e cooperação. Ferram com o …

Garimpo

JANA EULER

CONSTRUINDO FABULAÇÕES PICTÓRICAS EXCÊNTRICAS, AS INÚMERAS TÉCNICAS DE CRIAÇÃO DE IMAGENS DA ARTISTA ALEMÃ JANA EULER EXAMINAM E EXAGERAM AS …

Reflexo

Ana Paula Oliveira

A ARTISTA MINEIRA RADICADA EM SÃO PAULO, ANA PAULA OLIVEIRA CRIA SITUAÇÕES POR MEIO DE DIVERSAS LINGUAGENS E MATERIAIS E …

Flashback

JAMES TISSOT

PINTOR BRILHANTE DA ALTA CLASSE SOB O SEGUNDO IMPÉRIO E DOS COSTUMES DA SOCIEDADE VITORIANA INGLESA, DOS ARISTOCRATAS ELEGANTES E …

Capa

ALEX KATZ

ALEX KATZ (NEW YORK, 1927) É UMA DAS FIGURAS-CHAVE DA HISTÓRIA DA ARTE AMERICANA DO SÉCULO 20 E UM PRECURSOR …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

WOLFGANG TILLMANS É CONHECIDO POR EXPLORAR OS LIMITES DA FOTOGRAFIA E DA IMAGEM. TODAY IS THE FIRST DAY É A …

Alto relevo

FRANK WALTER

A OBRA DO ARTISTA CARIBENHO FRANK WALTER PARECE ESTAR EM OPOSIÇÃO ÀS ATRIBUIÇÕES RACIAIS E NACIONAIS PERMANENTES ÀS QUAIS ELE …

Alto falante

A MALHAÇÃO DE BRITTO

No passado mês de agosto, uma polêmica mobilizou as chamadas redes sociais no limbo de silício. Um episódio que trouxe …

Reflexo

FLAVIA JUNQUEIRA

AS INGÊNUAS BEXIGAS DE ENCHER DA ARTISTA FLAVIA JUNQUEIRA POVOAM O BRASIL DE NORTE A SUL. INSEREM CONOTAÇÕES POLÍTICAS, FILOSÓFICAS, …

Capa

ALBERTO GIACOMETTI

ALBERTO GIACOMETTI TRILHOU UM CAMINHO SINGULAR DENTRO DO MODERNISMO EUROPEU, BUSCANDO INCESSANTEMENTE UMA NOVA LINGUAGEM PARA A ESCULTURA COMO “DUPLA …