DASARTES 91 /

Josef Bauer

Museu Belvedere 21 apresenta uma abordagem visionária da obra de JOSEF BAUER, um dos principais protagonistas da arte conceitual na áustria desde os anos 1960. Junto do Wiener Gruppe (Grupo de Viena), Bauer desenvolve uma linguagem escultural – no sentido mais verdadeiro da palavra – que faz uma conexão entre corpos e objetos.

A GUERRA

Soldatenserie, 2011

Josef Bauer, nascido em 1934, cresceu em Gunskirchen, na Alta Áustria, como filho de um fazendeiro. No final da guerra e da libertação do campo de concentração de Mauthausen e do campo satélite de Gunskirchen, Bauer tinha 11 anos: jovem demais para entender a dimensão da guerra e do crime, mas velho o suficiente para ser tocado. Uma época em que a apropriação emocional do mundo influencia o desenvolvimento de uma criança.

O fato de a guerra desempenhar um papel significante na produção artística de Bauer é um pouco desconcertante, pois, em suas exposições anteriores, superficialmente, a abordagem conceitual-concreta dele foi reconhecida, mas não a dimensão sociocrítica ou política de seu trabalho. Em uma inspeção mais detalhada, porém, fica claro como sua arte – das primeiras pinturas sobreviventes à série Die Sprache des Herzeigens, de Fehldrucke de Heimrad Bäcker sobre o terror nazista à mais recente Soldatenserie e a Serie NS-Skulpturen – foi indiretamente motivada pelas experiências passadas, pela vivência da guerra e pela forma como ele pensava sobre o sentimento então estruturalmente dominante de medo e abuso de poder.

O poder e sua representação, a manipulação como meio criativo e a reconciliação dos opostos são características centrais de sua arte.

ABSTRAÇÃO E LINGUAGEM

Kreuz aus der Serie / da série Verfügbare Pinselstriche, 2001

Nas décadas de 1950 e 1960, grandes descobertas foram feitas em vários campos da ciência. Uma delas foi a decodificação do genoma humano. Vale ressaltar que, para essa decodificação, ou melhor “legibilidade”, nosso alfabeto e, portanto, também nosso sistema de linguagem foi usado. Isso despertou grande interesse entre alguns artistas concretos.

Quando Bauer decidiu adotar o mundo em um nível novo e abstrato, a escrita se tornou cada vez mais importante para ele na formulação de suas “linguagens de imagem”. Pela linguagem, ele percebeu que as coisas ganham importância apenas em relação umas às outras ou alcançam uma complexidade de significado, que ele considera expressão artística. A arte de Bauer se torna legível como uma declaração espacial e, como a própria linguagem, a relação dos objetos no espaço entre si é amarrada em uma instalação. É assim em sua primeira exposição individual, em 1971, na Galerie im Griechenbeisl: o grande N escultural une o conjunto de botões ou o grande A junto ao quadro de letras, o gesso de uma pedra do rio Traun, a letra minúscula t, o forcado com letras coladas nele e grudadas em uma massa verde biliosa, assim como outros objetos. Como instalação, surgem várias narrativas – mas nunca arbitrárias. São as concentrações formais que começam a se articular no espaço. A unificação da dimensão da linguagem e da dimensão do objeto, da linguagem e da imagem, é a preocupação básica de Bauer, e é isso que representa sua ideia conceitual de Poesia Tátil. Antes de tudo, eram formas orgânicas que os observadores podiam e deveriam tocar, então essas ações performativas foram documentadas fotograficamente, antes que a dimensão do manuseio do objeto fosse abstraída por meio de impressões manuais.

Série NS-Skulpturen, 2018; SW-Fotos mit Pinselstrichen

1968 também foi o ano de manifestações e revoluções. A supressão da primavera de Praga, as imagens geradas pela mídia de manifestações contra a Guerra do Vietnã e a inquietação estudantil nas principais cidades da Europa expressaram protesto contra as estruturas da sociedade. Quando Josef Bauer usa um gesto demonstrativo em A linguagem da exibição, a criação de objetos aparentemente escolhidos aleatoriamente, essa é também a representação de uma ação ou um impulso na forma de um imperativo linguístico.

Acima de tudo, o uso da cruz em A linguagem da exibição, como referência à Igreja Católica, torna-se concentrado e simultaneamente discursivo como resultado de sua leitura como a letra t. Um nativo dos arredores profundamente católicos de Wels, Bauer se refere à cruz como um sinal ambíguo também nas estruturas de poder da igreja. Da mesma forma, Bauer usa a cruz na obra Domínio e Servidão, onde ocorre uma inversão absurda de significados, na qual a cruz dominante é representada com o gesto de servir. Bauer também lembra que, na adolescência, pendurou telas em uma árvore para ver o que lhes acontecia. Ele esperava, como ele diz, um sinal de Deus, uma intervenção divina contra a ofensa de fazer algo proibido. Um tanto decepcionado, mas também aliviado, Bauer viu que, além do clima e de alguns pássaros, ninguém interveio nas telas.

Série NS-Skulpturen, 2018; SW-Fotos mit Pinselstrichen.

Bauer está sempre à busca de uma nova linguagem artística que lhe permita “recapturar” o mundo. A Segunda Guerra Mundial deixou traços devastadores, e a década de 1960 foi amplamente determinada pela tentativa de neutralizar as consequências da guerra, não apenas em nível social, mas também no campo da arte. Naquela época, um círculo de novas figuras literárias foi formado em Linz, que se atreveu a realizar experimentos de vanguarda na poesia concreta. Além disso, as jornadas de Bauer o colocaram em contato com novas tendências, como a pop art, que se apropriou do mundo dos bens de consumo e dos objetos da cultura cotidiana. É precisamente aqui que a prática artística de Bauer foi transformar, com a linguagem, objetos do cotidiano em constelações e situações precisas, como ele chama suas obras. A questão da época não era mais: “O que eu represento na arte?”, Mas: “Como faço para criar uma nova linguagem através de objetos, escritas e imagens e, portanto, também, novas narrativas abstratas?”

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

CLAUDIA ANDUJAR

Claudia Andujar: a luta Yanomami faz um levantamento da arte e do ativismo da fotógrafa brasileira desde os anos 1970 …

Flashback

SOPHIE TAEUBER-ARP

De julho a outubro de 2021, o Tate Modern, em Londres, apresenta a obra de Sophie Taeuber-Arp, uma das principais …

Alto relevo

FELIX GONZALEZ-TORRES

A arte de Gonzalez-Torres pode ser lida como uma crítica ao conservadorismo social, atitudes homofóbicas e um alerta sobre a …

Pelo Mundo

OSCAR MURILLO

Oscar Murillo, artista multifacetado que realiza pinturas, desenhos, esculturas, performances, vídeos, instalações e projetos colaborativos, está em exibição no Mori …

Destaque

JEAN DUBUFFET

“O normal é psicótico. Normal significa falta de imaginação, falta de criatividade”. Jean Dubuffet.

Já perceberam que alguns trabalhos de Pollock, …

Destaque

AUGUSTO DE CAMPOS

A BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE, A PRINCIPAL E MAIS ANTIGA DA CIDADE DE SÃO PAULO, TORNOU-SE UM ESPAÇO DE CELEBRAÇÃO …

Alto relevo

HITO STEYERL

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS …

Garimpo

Ramonn Vieiteiz

EM CARTAZ NA COLETIVA SER VIVO, LIVRE, EU, NO GALERIA CAFÉ SÃO PAULO, O JOVEM ARTISTA DE RECIFE, RAMONN VIEITEZ, …

Pelo Mundo

Kara Walker

NO ATUAL MOMENTO DE VALORIZAÇÃO DE ARTISTAS NEGROS, A OBRA DA NORTE-AMERICANA KARA WALKER SE DESTACA POR CRITICAR A ACEITAÇÃO …

Destaque

MICHAEL ARMITAGE

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM …

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …