DASARTES 91 /

Josef Bauer

Museu Belvedere 21 apresenta uma abordagem visionária da obra de JOSEF BAUER, um dos principais protagonistas da arte conceitual na áustria desde os anos 1960. Junto do Wiener Gruppe (Grupo de Viena), Bauer desenvolve uma linguagem escultural – no sentido mais verdadeiro da palavra – que faz uma conexão entre corpos e objetos.

A GUERRA

Soldatenserie, 2011

Josef Bauer, nascido em 1934, cresceu em Gunskirchen, na Alta Áustria, como filho de um fazendeiro. No final da guerra e da libertação do campo de concentração de Mauthausen e do campo satélite de Gunskirchen, Bauer tinha 11 anos: jovem demais para entender a dimensão da guerra e do crime, mas velho o suficiente para ser tocado. Uma época em que a apropriação emocional do mundo influencia o desenvolvimento de uma criança.

O fato de a guerra desempenhar um papel significante na produção artística de Bauer é um pouco desconcertante, pois, em suas exposições anteriores, superficialmente, a abordagem conceitual-concreta dele foi reconhecida, mas não a dimensão sociocrítica ou política de seu trabalho. Em uma inspeção mais detalhada, porém, fica claro como sua arte – das primeiras pinturas sobreviventes à série Die Sprache des Herzeigens, de Fehldrucke de Heimrad Bäcker sobre o terror nazista à mais recente Soldatenserie e a Serie NS-Skulpturen – foi indiretamente motivada pelas experiências passadas, pela vivência da guerra e pela forma como ele pensava sobre o sentimento então estruturalmente dominante de medo e abuso de poder.

O poder e sua representação, a manipulação como meio criativo e a reconciliação dos opostos são características centrais de sua arte.

ABSTRAÇÃO E LINGUAGEM

Kreuz aus der Serie / da série Verfügbare Pinselstriche, 2001

Nas décadas de 1950 e 1960, grandes descobertas foram feitas em vários campos da ciência. Uma delas foi a decodificação do genoma humano. Vale ressaltar que, para essa decodificação, ou melhor “legibilidade”, nosso alfabeto e, portanto, também nosso sistema de linguagem foi usado. Isso despertou grande interesse entre alguns artistas concretos.

Quando Bauer decidiu adotar o mundo em um nível novo e abstrato, a escrita se tornou cada vez mais importante para ele na formulação de suas “linguagens de imagem”. Pela linguagem, ele percebeu que as coisas ganham importância apenas em relação umas às outras ou alcançam uma complexidade de significado, que ele considera expressão artística. A arte de Bauer se torna legível como uma declaração espacial e, como a própria linguagem, a relação dos objetos no espaço entre si é amarrada em uma instalação. É assim em sua primeira exposição individual, em 1971, na Galerie im Griechenbeisl: o grande N escultural une o conjunto de botões ou o grande A junto ao quadro de letras, o gesso de uma pedra do rio Traun, a letra minúscula t, o forcado com letras coladas nele e grudadas em uma massa verde biliosa, assim como outros objetos. Como instalação, surgem várias narrativas – mas nunca arbitrárias. São as concentrações formais que começam a se articular no espaço. A unificação da dimensão da linguagem e da dimensão do objeto, da linguagem e da imagem, é a preocupação básica de Bauer, e é isso que representa sua ideia conceitual de Poesia Tátil. Antes de tudo, eram formas orgânicas que os observadores podiam e deveriam tocar, então essas ações performativas foram documentadas fotograficamente, antes que a dimensão do manuseio do objeto fosse abstraída por meio de impressões manuais.

Série NS-Skulpturen, 2018; SW-Fotos mit Pinselstrichen

1968 também foi o ano de manifestações e revoluções. A supressão da primavera de Praga, as imagens geradas pela mídia de manifestações contra a Guerra do Vietnã e a inquietação estudantil nas principais cidades da Europa expressaram protesto contra as estruturas da sociedade. Quando Josef Bauer usa um gesto demonstrativo em A linguagem da exibição, a criação de objetos aparentemente escolhidos aleatoriamente, essa é também a representação de uma ação ou um impulso na forma de um imperativo linguístico.

Acima de tudo, o uso da cruz em A linguagem da exibição, como referência à Igreja Católica, torna-se concentrado e simultaneamente discursivo como resultado de sua leitura como a letra t. Um nativo dos arredores profundamente católicos de Wels, Bauer se refere à cruz como um sinal ambíguo também nas estruturas de poder da igreja. Da mesma forma, Bauer usa a cruz na obra Domínio e Servidão, onde ocorre uma inversão absurda de significados, na qual a cruz dominante é representada com o gesto de servir. Bauer também lembra que, na adolescência, pendurou telas em uma árvore para ver o que lhes acontecia. Ele esperava, como ele diz, um sinal de Deus, uma intervenção divina contra a ofensa de fazer algo proibido. Um tanto decepcionado, mas também aliviado, Bauer viu que, além do clima e de alguns pássaros, ninguém interveio nas telas.

Série NS-Skulpturen, 2018; SW-Fotos mit Pinselstrichen.

Bauer está sempre à busca de uma nova linguagem artística que lhe permita “recapturar” o mundo. A Segunda Guerra Mundial deixou traços devastadores, e a década de 1960 foi amplamente determinada pela tentativa de neutralizar as consequências da guerra, não apenas em nível social, mas também no campo da arte. Naquela época, um círculo de novas figuras literárias foi formado em Linz, que se atreveu a realizar experimentos de vanguarda na poesia concreta. Além disso, as jornadas de Bauer o colocaram em contato com novas tendências, como a pop art, que se apropriou do mundo dos bens de consumo e dos objetos da cultura cotidiana. É precisamente aqui que a prática artística de Bauer foi transformar, com a linguagem, objetos do cotidiano em constelações e situações precisas, como ele chama suas obras. A questão da época não era mais: “O que eu represento na arte?”, Mas: “Como faço para criar uma nova linguagem através de objetos, escritas e imagens e, portanto, também, novas narrativas abstratas?”

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …