Still from How Not to Be Seen: A Fucking Didactic Educational.MOV File, 2013. Courtesy the artist © Hito Steyerl

DASARTES 107 /

HITO STEYERL

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS ENVOLVENTES E INSTALAÇÕES MULTIMÍDIA QUE ALIAM SUA VISÃO MUITO PESSOAL A UM ESPÍRITO DE INVESTIGAÇÃO E EXPERIMENTAÇÃO O Centro Pompidou, em Paris, apresenta a primeira exposição em grande escala dedicada à artista alemã Hito Steyerl […]

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS ENVOLVENTES E INSTALAÇÕES MULTIMÍDIA QUE ALIAM SUA VISÃO MUITO PESSOAL A UM ESPÍRITO DE INVESTIGAÇÃO E EXPERIMENTAÇÃO

O Centro Pompidou, em Paris, apresenta a primeira exposição em grande escala dedicada à artista alemã Hito Steyerl na França. Essa retrospectiva imediatamente ecoa a atualidade com o título: I Will Survive. Reúne um conjunto de grandes obras, articuladas em torno de uma nova produção que imagina o futuro do mundo na era das tecnologias de simulação social. Traça uma viagem iniciada nos anos 1990 no campo do cinema documental e, nos últimos dez anos, desenvolve instalações multimídia particularmente inventivas, que se dedicam a transformar com alegria o caráter imersivo da nossa cultura visual em um espaço de reflexão. Apontando as falhas e paradoxos da imagem, Hito Steyerl experimenta novas formas de falar sobre a realidade e aborda criticamente o nacionalismo, o capitalismo e a inteligência artificial.

Babenhausen, 1997 | Courtesy the artist © Hito Steyerl

A VIRADA DO DOCUMENTÁRIO NA ALEMANHA REUNIFICADA

Desde o início dos anos 1990, os filmes, vídeos e instalações imersivas de Hito Steyerl abordaram os tempos com humor corrosivo, fazendo uma crítica lúcida do controle lucrativo acelerado do espaço público e dos dados privados. Seu trabalho começa no contexto da reunificação alemã e do fim das utopias, que ela examina por meio de um olhar muito pessoal. O nacionalismo e o ressurgimento do racismo e do antissemitismo são o tema de suas primeiras obras, destinadas ao cinema e à televisão. O curta Babenhausen (1997), o longa Die leere Mitte (1998) e a série Normality (1999-2001) operam o levantamento intransigente de uma sociedade alemã dividida entre o domínio crescente da especulação neoliberal e o retorno dos piores fantasmas da história. A lacuna aberta deixada pela queda do Muro de Berlim, a banalidade dos crimes antissemitas que tomam o lugar da “normalidade” são examinadas em narrativas sofisticadas em primeira pessoa, cuja voz da artista se alterna com a de convidados, desenvolvendo pontos de vista alternativos aos da mídia.

In Free Fall, 2009-2010 | Courtesy the artist © Hito Steyerl

AS POBRES IMAGENS DA INTERNET

Aos poucos, sua linguagem narrativa singular mistura ensaio e sátira, em um tom direto e despojado que lhe rendeu notável reconhecimento internacional, tanto por suas produções, que passam do quadro cinematográfico ao de museu, quanto por seus escritos, publicados regularmente no Journal e-flux. O vídeo In Free Fall (2009-2010) responde à crise bancária de 2008 com uma montagem vertiginosa em torno do tema do acidente aéreo. Filmes de Hollywood e demonstrações de segurança aérea colidem em uma mistura energética, evocando uma perda de toda referência à gravidade. No texto Em Defesa da Pobre Imagem (2009), Hito Steyerl anuncia essa linguagem de reciclagem de imagens encontradas, pressupondo a pirataria, a circulação e o reaproveitamento selvagem do filme e do vídeo no anárquico e inesgotável magma da Internet.

Fucking Didactic.MovFile (2013) aborda a vigilância aérea na forma de um tutorial para se tornar invisível, no qual a artista entrelaça imagens promocionais de complexos imobiliários de luxo e uma coreografia caprichosa meditando sobre a vida dos pixels.

Hell Yeah We Fuck Die, 2016 | Courtesy the artist © Hito Steyerl.

PARA ALÉM DAS TELAS: O PODER DOS ALGORITMOS

A virada da década de 2010 também foi marcada por uma transformação radical de sua obra para o formato de videoinstalação. Dispositivos de grande escala são projetados para estender a tela para o espaço real e refletir, de maneira responsiva, os ambientes. Liquidity Inc. (2014), que ironiza a desregulamentação globalizada dos fluxos financeiros usando o formato de previsão do tempo, acolhe o espectador em uma onda que se eleva acima do horizonte da imagem, coberta por um tapete de judô. Hell Yeah We Fuck Die (2016) vê robôs androides entrando no espaço expositivo, heróis ambivalentes da ficção científica que se tornaram agentes da inteligência artificial na era digital, enquanto as telas multiplicadas do vídeo aparecem presas em um meandro de tubos de construção. Essas construções metálicas que servem de suporte para as imagens se tornarão uma figura recorrente nas instalações recentes de Hito Steyerl, uma forma de apontar o dedo para as estruturas invisíveis que se escondem atrás da superfície lisa e hipnótica das telas.

Se Hito Steyerl usa as tecnologias mais recentes, é para questionar melhor seu poder de controle sobre o público e sua capacidade de refazer de forma underground tomando o lugar do “real”. Dotados de uma forte carga de ironia, seus trabalhos acusam de forma humorada os excessos da vigilância global e da redução do mundo a um centro de dados nas mãos do maior lance.

This is the Future, film still, 2019 | Courtesy the artist © Hito Steyerl

OS MUSEUS E A EPIDEMIA DA DANÇA NA ERA DA SIMULAÇÃO SOCIAL

A instalação SocialSim leva essa reflexão a uma nova dimensão. Aqui, Hito Steyerl está mais interessada em programas de simulação social, que se concentram em estudar e prever o comportamento de indivíduos dentro de uma comunidade, e na modelagem de interações em massa. O vídeo gira em torno de uma “obra-prima perdida” – a Salvator Mundi, atribuída a Leonardo da Vinci, que atingiu as manchetes ao quebrar o recorde de pintura mais cara do mundo, em 2017. Sua pesquisa leva a um museu imaginário, “o museu de obras de arte evolutivas”. Nesse museu do futuro – talvez já parcialmente presente –, a onda especulativa do mercado de arte, os assaltos do nacionalismo identitário e a queda dos subsídios públicos atribuídos aos espaços culturais têm levado as obras a tomarem nas próprias mãos o seu próprio destino no caos desregulamentado do neoliberalismo selvagem, enquanto a humanidade parece entregue aos algoritmos que administram uma crise sem fim. Acontece que o novo Salvator Mundi é o “deus ex-machina”, a própria inteligência artificial que se apoderou das ferramentas de simulação social para governar o mundo.

Dancing Mania | Courtesy the artist © Hito Steyerl

Os aplicativos Dancing Mania e Rebellion são inspirados no que a pandemia revela sobre uma perda generalizada de todo o controle dos indivíduos sobre seu ambiente. Com o humor contundente próprio de Hito Steyerl, modelam uma infecção de outro tipo: o retorno das coreografias da Idade Média, essas danças coletivas irreprimíveis sustentadas em locais públicos, até a exaustão, onde alguns historiadores viram manifestações de angústia de populações vulneráveis. Essa reviravolta no carnaval em face dos impasses sociais não oferece julgamento nem resposta. Como sempre na obra de Hito Steyerl, a ficção é um desvio para abrir melhor os olhos ao presente, para despertar os sentidos e o pensamento.

Nascida em Munique, em 1966, Hito Steyerl estudou no Instituto Japonês da Imagem em Movimento antes de defender uma tese de filosofia na Academia de Belas Artes de Viena. Ela mora em Berlim, onde ensina New Media Art na Berlin University of the Arts e fundou o Research Center for Proxy Politics (com Vera Tollmann e Boaz Levin). O seu trabalho foi objeto de várias exposições monográficas e integrou vários eventos internacionais como a Documenta de Cassel, em 2007, e as Bienais de Veneza em 2013 e 2015. Em 2017, ela foi nomeada em primeiro lugar na lista Power 100 das “personalidades mais poderosas do mundo da arte” pela revista ArtReview.

Dancing Mania | Courtesy the artist © Hito Steyerl

HITO STEYERL: I WILL SURVIVE
• CENTRE POMPIDOU • PARIS • 19/5/2020 A 5/7/2021

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

AUGUSTO DE CAMPOS

A BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE, A PRINCIPAL E MAIS ANTIGA DA CIDADE DE SÃO PAULO, TORNOU-SE UM ESPAÇO DE CELEBRAÇÃO …

Garimpo

Ramonn Vieiteiz

EM CARTAZ NA COLETIVA SER VIVO, LIVRE, EU, NO GALERIA CAFÉ SÃO PAULO, O JOVEM ARTISTA DE RECIFE, RAMONN VIEITEZ, …

Pelo Mundo

Kara Walker

NO ATUAL MOMENTO DE VALORIZAÇÃO DE ARTISTAS NEGROS, A OBRA DA NORTE-AMERICANA KARA WALKER SE DESTACA POR CRITICAR A ACEITAÇÃO …

Destaque

MICHAEL ARMITAGE

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM …

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …

Reflexo

MAXWELL ALEXANDRE

AOS 30 ANOS, MAXWELL ALEXANDRE RETRATA EM SUA OBRA UMA POÉTICA QUE PASSA PELA CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS E CENAS ESTRUTURADAS A PARTIR …

Alto relevo

GEORGES BRAQUE

O MUSEU BUCERIUS KUNST FORUM ESTÁ DEDICANDO UMA RETROSPECTIVA A GEORGES BRAQUE, A PRIMEIRA PESQUISA ABRANGENTE DE SUAS PINTURAS NA …

Garimpo

MARJÔ MIZUMOTO

“MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO …

Flashback

MAX KLINGER

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS …

Destaque

KRIS MARTIN

KRIS MARTIN CRIA IMAGENS A PARTIR DE OBJETOS QUE LEVANTAM QUESTÕES SOBRE CONCEITOS COMO TRANSITORIEDADE, IDENTIDADE E MORTE. DENTRO DE TEMAS …

Resenha

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA
A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em …