Cathedral Corner, 1987. © Gerhard Richter 2019 (08102019)

DASARTES 96 /

GERHARD RICHTER

O MUSEU METROPOLITAN DEDICA GRANDE MOSTRA AO TRABALHO DE UM DOS ARTISTAS MAIS RENOMADOS DO NOSSO TEMPO. GERHARD RICHTER: PAINTING AFTER ALL REVELA AS SEIS DÉCADAS DE TRABALHO DE RICHTER EM EXPLORAÇÃO CONTÍNUA DAS IMPLICAÇÕES MATERIAIS, CONCEITUAIS E HISTÓRICAS DA PINTURA. ESTA É A PRIMEIRA GRANDE PESQUISA NOS EUA SOBRE O ARTISTA EM QUASE 20 ANOS

Betty, 1977.
© Gerhard Richter 2019 (08102019).

Nas últimas seis décadas, o artista alemão Gerhard Richter (1932) praticou tanto a representação quanto a abstração na pintura para explorar não apenas a natureza desses meios, mas também suas implicações conceituais e históricas. Embora esses dois modos de trabalho sejam às vezes caracterizados como opostos, Richter abraçou os dois, às vezes simultaneamente, encontrando possibilidades pictóricas expressivas na tensão entre eles. Em trabalhos que variam de imagens fotográficas a composições não objetivas, ele testou a capacidade da arte de contar histórias pessoais, memória coletiva e identidade, particularmente no contexto da sociedade alemã pós-Segunda Guerra Mundial, e confrontar os legados estéticos dos modernismos euro-americanos por meio da experimentação de tradições pictóricas e novos modos de produção de imagens.
Algumas de suas obras encapsulam as preocupações de Richter – como o embaçamento, o obscurecimento e o apagamento da imagem fotográfica e os efeitos perceptivos dos reflexos iterativos no vidro.
Sua carreira prolífica apresenta obras em diferentes períodos que colocam em foco seu interesse específico e duradouro em como as pinturas são concebidas, produzidas e situadas dentro de uma linhagem histórica. Richter enriqueceu essa busca por meio de um engajamento considerado com fotografia, reprodução digital e escultura em sua prática inovadora.

Ice, 1981. © Gerhard Richter 2019 (08102019).

Alps, 1968. © Gerhard Richter 2019 (08102019).

NOVOS COMEÇOS

Nascido em 1932, em Dresden, que se tornou parte da Alemanha Oriental após a Segunda Guerra Mundial, Richter iniciou sua carreira como pintor mural no estilo socialista realista sancionado pela República Democrática Alemã. Ele fugiu para a Alemanha Ocidental em 1961 e considerava seus trabalhos subsequentes um novo começo. Em seus anos de inovação, em meados da década de 1960, Richter fez pinturas monocromáticas com base em imagens provenientes de jornais, revistas e álbuns de fotos da família. Richter tinha plena consciência do contexto artístico e cultural em que se encontrava.
Algumas de suas chamadas pinturas fotográficas, perceptivamente, comentam ironicamente sobre as banalidades da sociedade capitalista que ele estava encontrando pela primeira vez, enquanto outras refletem sobre os mais obscuros, às vezes dolorosamente pessoais, legados do nazismo. Respondendo a movimentos artísticos do pós-guerra, como pop e fluxus, Richter transformou cenas aparentemente mundanas e instantâneos do cotidiano em pinturas complexas, cujos significados são frequentemente ambíguos. Esse senso de indeterminação é sublinhado pela superfície borrada das telas, que confirma e interrompe a reivindicação da fotografia de “realismo”, chamando a atenção para como a tinta pode afirmar a presença de um objeto e sua abstração simultânea.

Group of People, 1965. © Gerhard Richter 2019 (08102019).

CENAS E ESCAPES

Richter compilou as imagens de origem – fotografias que ele encontrou ou tirou – de muitas de suas pinturas fotográficas em um compêndio visual conhecido como Atlas. A partir do final da década de 1960, fotografias de paisagens naturais e paisagens urbanas predominaram nos fólios do Atlas, mas o artista selecionou apenas algumas delas para pinturas. Como Richter explicou: “Vejo inúmeras paisagens, fotografo apenas 1 em 100 mil e pinto apenas 1 em 100 daquelas que fotografo. Estou, portanto, procurando algo bastante específico; daí concluo que sei o que quero.”
A volta de Richter ao tema da paisagem, após o tumulto de meados do século 20 na Alemanha, reflete uma consciência de como essas obras ampliam e perturbam a tradição da paisagem romântica, com seu simbolismo da natureza não contaminada ou da paisagem intocada. A mudança também sugere um desafio à abordagem de Richter, no momento em que muitos de seus contemporâneos proclamavam a morte da pintura.

Farm, 1999. © Gerhard Richter 2019 (08102019).

Vesuvius, 1976.

Cathedral Corner, 1987. © Gerhard Richter 2019 (08102019)

FOTOS DE FAMÍLIA E RETRATOS DE ARTISTA

Ao mesmo tempo íntimas e incisivas, as pinturas de família e amigos de Richter lhe permitiram explorar as possibilidades do retrato como um motivo artístico que ia além do obviamente pessoal. Nessas pinturas figurativas, o artista apresentou seus temas em composições distintas, embora às vezes comportamentais, que sugerem as complexidades de relacionamentos particulares ou colaborações artísticas, enquanto ele também continuou a buscar experimentação formal e conceitual. A repetição em série de um assunto em várias telas ou em uma composição (como em Six Photos) – usando a mesma imagem de origem para obter resultados diferentes e sugestivos ou criando uma série de imagens relacionadas – é um resultado direto do envolvimento de Richter com a fotografia na confecção de suas telas.

Uncle Rudi, 1965. © Gerhard Richter 2019 (08102019)

ABSTRAÇÕES CROMÁTICAS

Enquanto as pinturas baseadas em fotos de Richter respondem às tradições do realismo, seus trabalhos abstratos se envolvem com práticas artísticas não objetivas do século 20, da abstração gestual às experiências minimalistas com grades. Desde meados da década de 1960, a abstração e a figuração coexistem no trabalho de Richter. No entanto, sua abordagem à abstração nunca foi estática ou previsível. Os diversos resultados incluem suas Cartas de cores ordenadas geometricamente ou geradas por algoritmos, campos de tinta monocromáticos e esfumaçados e composições borradas de cores vivas, derivadas de close-ups fotográficos de detalhes de pinturas anteriores.
Em meados da década de 1980, Richter começou a usar um método que envolvia a aplicação e a remoção sucessivas de camadas de tinta, principalmente raspando as superfícies de suas telas com um rodo (uma ferramenta com uma lâmina longa), destacadas com respingos e pinceladas deliberadas.
Frequentemente produzidas em série, as abstrações de Richter parecem desafiar e sublinhar os sistemas de serialidade e duplicação.

CINZA (década de 1960)

Os primeiros trabalhos de Richter envolviam a transferência de pequenas fotografias em preto-e-branco, aparentemente inusitadas – encontradas em jornais, revistas e álbuns de família – para pinturas. Seu método de tornar indistintos os contornos do material de origem, seja por meio do embaçamento das camadas de tinta ou por pinceladas grossas e irregulares, destaca a normalidade da composição, mesmo que cada trabalho seja pictoricamente complexo. Para Richter, a difusão das pinturas em gradações de cinza tornava “tudo igualmente importante e igualmente sem importância”. O artista expandiria essa exploração da neutralidade cromática e ideológica da cor em uma série de abstrações que coletivamente passaram a ser chamadas de Gray Pictures.

Townscape Paris, 1968. © Gerhard Richter 2019 (08102019)

FIGURA-ABSTRAÇÃO

A ocorrência simultânea de figuração e abstração no corpo da obra de Richter às vezes tem sido confusa para espectadores e críticos, mas, para o artista, a distinção é menos saliente. Em vez disso, sua arte é marcada por um duplo compromisso e ambivalência com a pintura, como meio histórico e pessoal. Assim, a prática de Richter evidencia muitas partidas e retornos artísticos, nos quais ele formulou sistemas específicos de trabalho e depois os transformou ou abandonou conscientemente – todos informados por um entendimento agudo das tradições pictóricas e juntamente com uma avaliação crítica rigorosa de seu próprio trabalho. Nas pinturas de Richter, espaços íntimos e expansivos podem coexistir. Na tela S. with Child, de 1995, atesta-se uma abordagem em evolução do borrão e do gesto de apagamento, seja como pintura baseada em fotos ou abstrata que explora o motivo da mãe e do filho, a paisagem romântica ou o monocromático modernista.

Alfred Stieglitz, Georgia O’Keeffe, ca.1920–22. Georgia O’Keeffe Museum, Gift of The Georgia O’Keeffe Foundation, 2003.01.006

FLORESTAS

Richter observou que “a floresta em geral tem um significado especial, talvez mais na Alemanha do que em qualquer outro lugar. Você pode se perder nas florestas, sentir-se abandonado, mas também seguro, fincado firme no seio da vegetação rasteira.” Um bom tema romântico. No entanto, mesmo ao reconhecer a poderosa persistência de seu romance, o artista evoca a floresta como um local de ambiguidade, assombrado por seduções e mistérios mais sombrios.
Na série abstrata Forest (Wald), embora as associações pareçam impressionistas – traços interrompidos podem conjurar a memória de galhos quebrados, ou pretos ricamente pintados podem sugerir as profundezas escuras da floresta – as pinturas articulam tanto a experiência pessoal de um lugar em particular quanto uma significação coletiva da floresta.

Forest.

ABSTRAÇÕES RECENTES

Nos últimos anos, Richter concentrou sua atenção na abstração. Suas técnicas artísticas, no entanto, continuam evoluindo: ao lado de composições feitas com óleos e rodos em tela, ele investiga o potencial do meio pictórico nesta era da tecnologia digital. Para obras como Strip, ele usou computadores para efetuar um processo complicado de destilação e divisão para criar uma imagem. De fato, o antigo interesse de Richter em processos iterativos e replicativos através da produção de fac-símiles, gravuras e edições, bem como o uso de fotografias de pinturas anteriores como base para posteriores, têm uma afinidade conceitual com a transformação da pintura através de meios algorítmicos.

Abstract Painting, 2016. © Gerhard Richter 2019 (08102019).

BIRKENAU

O ciclo Birkenau consiste em quatro pinturas, suas quatro cópias digitais particionadas e quatro fotografias secretamente tiradas no campo da morte de Auschwitz-Birkenau por um membro do Sonderkommando, um grupo de prisioneiros, principalmente judeus, forçados a eliminar as vítimas da câmara de gás. Em 2014, Richter voltou a essas fotografias (que o preocupavam desde a década de 1950) e se envolveu mais uma vez com a questão de saber se, como artista alemão, poderia (ou não) abordar a história do Holocausto.
Após uma tentativa de um ano para renderizar as imagens fotográficas, o artista encobriu gradualmente seus desenhos figurativos originais nas quatro telas através de camadas de tinta, em um processo lento e hesitante de aplicar e depois esfregar cada demão com um rodo para produzir as superfícies abstratas fortemente confusas. Essa fabricação distinta e uma paleta suave distinguem as pinturas de Birkenau da opulência cromática e textural de outras fases de Richter, como Forest, por exemplo. Essas características evidenciam sua luta consciente para resolver, por meio da pintura, os documentos de trauma histórico, enquanto reduzem a inevitável natureza espetacular da imagem reproduzida.
Em um gesto adicional para limitar a singularidade fetichista da imagem, Richter produziu duplicatas digitais das pinturas, subvertendo sua importância única e refletindo seu efeito. A ação multiplicativa posiciona a série como não apenas uma comemoração do genocídio mais horrendo do século 20 e sua particular magnitude histórica e cultural, mas também uma reflexão crítica sobre a grave possibilidade de que tais crimes contra a humanidade possam ocorrer novamente.

I.G., 1993. © Gerhard Richter 2019 (08102019)

Wanda M. Corn é historiadora
de arte e estudiosa de arte e
fotografia dos movimentos do
final do século 19 até meados
do século 20.

GERHARD RICHTER: PAINTING
AFTER ALL • METROPOLITAN •
NOVA YORK • 4/3 A 5/7/2020

Compartilhar:

Confira outras matérias

Matéria de capa

CLAUDIA ANDUJAR

Claudia Andujar: a luta Yanomami faz um levantamento da arte e do ativismo da fotógrafa brasileira desde os anos 1970 …

Flashback

SOPHIE TAEUBER-ARP

De julho a outubro de 2021, o Tate Modern, em Londres, apresenta a obra de Sophie Taeuber-Arp, uma das principais …

Alto relevo

FELIX GONZALEZ-TORRES

A arte de Gonzalez-Torres pode ser lida como uma crítica ao conservadorismo social, atitudes homofóbicas e um alerta sobre a …

Pelo Mundo

OSCAR MURILLO

Oscar Murillo, artista multifacetado que realiza pinturas, desenhos, esculturas, performances, vídeos, instalações e projetos colaborativos, está em exibição no Mori …

Destaque

JEAN DUBUFFET

“O normal é psicótico. Normal significa falta de imaginação, falta de criatividade”. Jean Dubuffet.

Já perceberam que alguns trabalhos de Pollock, …

Destaque

AUGUSTO DE CAMPOS

A BIBLIOTECA MARIO DE ANDRADE, A PRINCIPAL E MAIS ANTIGA DA CIDADE DE SÃO PAULO, TORNOU-SE UM ESPAÇO DE CELEBRAÇÃO …

Alto relevo

HITO STEYERL

COM SUA LINGUAGEM ÚNICA, COMBINAÇÃO DE SÁTIRA E CRÍTICA, A ALEMÃ HITO STEYERL É INTERNACIONALMENTE CONHECIDA POR SEUS DE VÍDEOS …

Garimpo

Ramonn Vieiteiz

EM CARTAZ NA COLETIVA SER VIVO, LIVRE, EU, NO GALERIA CAFÉ SÃO PAULO, O JOVEM ARTISTA DE RECIFE, RAMONN VIEITEZ, …

Pelo Mundo

Kara Walker

NO ATUAL MOMENTO DE VALORIZAÇÃO DE ARTISTAS NEGROS, A OBRA DA NORTE-AMERICANA KARA WALKER SE DESTACA POR CRITICAR A ACEITAÇÃO …

Destaque

MICHAEL ARMITAGE

CONHEÇA O ARTISTA QUENIANO MICHAEL ARMITAGE. SUAS PINTURAS COLORIDAS E ONÍRICAS ESTÃO CARREGADAS DE PERSPECTIVAS PROVOCATIVAS E NARRATIVAS QUE DESAFIAM …

Destaque

GEORG BASELITZ

MOSTRA DE GEORG BASELITZ EXIBE SEIS PINTURAS HISTÓRICAS DOADAS PELO ARTISTA AO METROPOLITAN MUSEUM OF ART. FEITAS EM 1969, ESTÃO ENTRE …

Pelo Mundo

MARTIN KIPPENBERGER

MARTIN KIPPENBERGER (1953-1997) FEZ PINTURAS, ESCULTURAS E INSTALAÇÕES QUE OFERECEM UM TOM HUMORÍSTICO, PORÉM AMARGO, SOBRE O MUNDO MODERNO E …

Flashback

Wasily Kandinsky

NOVA EXPOSIÇÃO DE KANDINSKY INCLUI UMA IMPORTANTE SELEÇÃO DE OBRAS DO PINTOR DE ORIGEM RUSSA, AUTOR DE PRODUÇÃO TARDIA, QUE …

Reflexo

Ivan Navarro

EM EXPOSIÇÃO NO FAROL SANTANDER SÃO PAULO, O ARTISTA CHILENO IVAN NAVARRO CRIA A ILUSÃO DE UMA EXPANSÃO SIGNIFICATIVA DE …

Capa

alice neel

ALICE NEEL: PEOPLE COME FIRST É A PRIMEIRA RETROSPECTIVA EM NOVA YORK DA ARTISTA AMERICANA ALICE NEEL (1900–1984) EM VINTE ANOS. ESTA …