DASARTES 96 /

EXTEMPORÂNEOS

Antes de começar a escrever, precisei olhar no celular para me lembrar de que dia é hoje: 29 de abril de 2020. A última vez que saí de fato sem maiores preocupações foi no dia 12 de março de 2020. De fato, terminei saindo no dia seguinte, mas ali já não havia mais calma. Sabia […]

Antes de começar a escrever, precisei olhar no celular para me lembrar de que dia é hoje: 29 de abril de 2020. A última vez que saí de fato sem maiores preocupações foi no dia 12 de março de 2020. De fato, terminei saindo no dia seguinte, mas ali já não havia mais calma. Sabia que viriam dias árduos. E, desde então, pude concordar em ficar em casa, reconhecendo tal privilégio.
Os sentimentos são díspares, mas é impossível não experimentar uma angústia de abismo que se imprime em mim. Por outro lado, em que medida tal sensação de fato me é estranha? Para além das catástrofes, do horror e dos corpos, não haveria algo que nos acompanha como clausura, mesmo que metafórica, desde muito? Será que eu já vivi em algum momento para longe da clausura? É possível viver além da clausura do viver?
A emoção agora é, talvez, comum. Um misto de estranheza que em pequenas reviravoltas se revela extremamente familiar, como um vírus. Freud, no texto O estranho, discorre sobre as analogias semânticas entre as palavras unheimlich (estranho) e heimlich (familiar) e não se exime de indicar de forma extremamente rara a relação de aproximação e distanciamento que se coloca como vínculo entre as duas. Em uma recente edição de 2019, publicada pela editora Autêntica e traduzida por Ernani Chaves e Pedro Heliodoro Tavares, é possível ler:
“De todo modo, lembremos que essa palavra heimlich não é clara, pois diz respeito a dois círculos de representações, os quais, sem serem opostos, são, de fato, alheios um ao outro, ao do que é confiável, confortável e ao que é encoberto, o que permanece oculto.” (FREUD, p. 45)
Por mais que seja extremamente sabido, é importante destacar sempre que há um núcleo de dissenso no familiar que o gera como estranho, em um movimento curioso e talvez até natural, de parto e fagocitose. E isso se dá como uma eterna via de mão dupla. Mas como pensar nesses elementos quase-autônomos de forma mais precisa?
Esta tradução, opta, com absoluta pertinência, por indicar que se trata de dois círculos de representações, seguindo uma justa tradição de tradução freudiana. Em alemão, encontramos o termo: zwei Vorstellungskreinsen. Zwei = dois, Kreisen = círculos, Vorstellung = representação. Se optássemos por trair a tradução mais justa de Vorstellung como representação, poderíamos, poeticamente e de maneira expandida, encontrar outras definições como: ideia, concepção, performance e imaginação.
Seria possível pensar então em dois círculos de concepções díspares que, apesar de não se colocarem de maneira oposta, estabelecem entre si uma estruturação entrópica, em eterno movimento nem sempre tão óbvio, fundada por aquilo que é adventício, externo, estrangeiro, invasor, invadido, viral. O que alimenta o estranho-familiar e vice-versa é o intruso que dele e nele se origina. Como se fosse possível apostar na fundação de uma casa que se erige a partir do seu próprio desejo desmoronamento. Ou investir in//conscientemente parte do seu desejo em um abrigo que jamais ficaria totalmente em pé, considerando, inclusive, que o verbo vorstellen também pode ser traduzido como colocar-se de pé diante de algo, apresentar-se. Nesse caso, tratar-se-ia de uma apresentação de uma dupla ausência.
A produção contemporânea em alguns momentos fetichizou tal drama inevitável de absoluto desconhecimento de si a partir da perspectiva de outrem, considerando de maneira extremamente fidedigna a aderência não tão inteligente ao seu tempo. Há de haver alguma lembrança que todo o isso que se produz, produz em si e por si mesmo, um fantasma de presença que ri desconfiado de sua duração, permanência e temporalidade. E, nesse sentido, talvez, o tempo de agora, o do já, seja esse, sim, um mito.
Boaventura de Sousa Santos, em A cruel pedagogia do vírus, comenta a produção urgente, necessária e desassossegada de alguns filósofos diante da pandemia e seus inevitáveis desacertos. E aponta que, talvez, uma possibilidade futura seja a de optarmos pela posição da retaguarda. Como um avesso da vanguarda. Ou aqui, como interpretação minha não menos ingênua, a vã//guarda como retaguarda diante do presente e do tempo.
Quando tudo isso passar, se é que um dia de fato passará, é possível que os artistas em atuação percebam algum furo na estrutura do contemporâneo e consigam apostar em uma produção outra, menos repleta de afã, extemporânea, estranha, inoportuna, tardia à própria velocidade que lhes foi vagarosamente impressa ao longo dos últimos trinta anos. Resta-nos esperar sem pressa alguma. Seja lá o que isso for.

Alexandre Sá é artista-pesquisador. Atual diretor do Instituto de Artes da UERJ. Pós-doutor em Filosofia pelo PPGF/UFRJ. Pós-doutor em Estudos Contemporâneos das Artes pela UFF e Doutor em Artes Visuais pela EBA-UFRJ.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …