A virgem Maria, Vers 1590. Foto © RMN-Grand Palais / Agence Bulloz.

DASARTES 92 /

El Greco

Nascido em 1541 em Creta, EL GRECO fez seu primeiro aprendizado na tradição bizantina antes de aperfeiçoar seu treinamento em Veneza e depois em Roma. Mas foi na Espanha que sua arte floresceu e se estabeleceu de maneira duradoura. Há um lugar especial para ele na história da pintura: a do último grande mestre do Renascimento e o primeiro grande pintor do Século de Ouro.

O ESTILO E A IMAGEM

Penitente Santa Maria Madalena, 1576-1577
Foto © Selva / Bridgeman Images

Doménikos Theotokópoulos, mais conhecido como El Greco, é, sem dúvida, um dos talentos mais originais da história da arte. Sua pintura única tem despertado em
muitas teorias, muitas vezes excêntricas.
Nós fizemos dele um louco, às vezes herético, às vezes, místico. Alguns, para justificarem a audácia de sua paleta, até mesmo o imaginaram com astigmatismo. A verdade é menos romântica. De Creta a Veneza, de Veneza a Roma e de Roma a Toledo, seu itinerário extraordinário e sua obstinação em defender sua visão da arte o elevaram, com a força do pincel, entre os grandes mestres do Renascimento, antes de fazer dele, muito mais tarde, o profeta da modernidade.

São Lucas pintando a Virgem, 1560-1566.
© Benaki Museum, Athens, Greece Gift of Dimitrios Sicilianos / Bridgeman Imag

Quando El Greco se mudou para a Itália em 1567, o cenário da arte que lá encontrou era dividido entre Ticiano, que reinava na cidade de Veneza, e Michelangelo, que morrera em 1564 mas cuja arte dominava Roma e Florença. Para encontrar seu caminho, El Greco abraçou as cores da escola veneziana, combinando-as à força do desenho e da forma de Michelangelo. Ao mesmo tempo, enquanto a Igreja buscava novas imagens para responder à iconoclastia protestante e reconquistar almas, El Greco usou sua grande imaginação para propor novas soluções figurativas. Os tempos pareciam favoráveis para quem queria criar um lugar e um nome. Imagens e estilo: tudo precisa ser reinventado. Esse era o desafio para El Greco.

ENTRE LESTE E OESTE

Retrato do frade Hortensio Félix
Paravicino, vers 1609-1611.
Foto © 2018 Museum of Fine Arts, Boston.

Foi em uma ilha grega, em Creta, que El Greco nasceu, por volta de 1541, em Candie, hoje Heraklion, então dominada por Veneza. Formou-se na tradição bizantina de pintores de ícones, como evidenciado em São Lucas pintando a Virgem, mas também praticava um estilo híbrido inspirado na arte ocidental, que ele conheceu pelas gravuras e pinturas importadas de Veneza [A Adoração dos Reis Magos].
Sonhando com o status de artista conquistado pelos pintores da Itália renascentista, ele se mudou para Veneza.

São Lucas, 1605-1610. Foto © Archives Alinari,
Florence, Dist. RMNGrand Palais / Raffaello
Bencini

 

DE CRETA A ITÁLIA (1560-1576)

A Adoração do Nome de Jesus também conhecido como O sonho de Filipe II, vers 1575-1580. Foto: © The National Gallery, Londres, Dist. RMNGrand Palais / National Gallery
Photographic Department.

Chegando a Veneza, nos primeiros meses de 1567, El Greco encontrou uma sociedade cosmopolita, cujos sotaques orientais o lembraram de sua terra natal, Creta. Acima de tudo, ele descobriu Ticiano, seu modelo, cujo estúdio ele frequentava; Tintoretto, cujo estilo dinâmico o estimulava; Pâris Bordone, cujas perspectivas arquitetônicas ele admirava, e Jacopo Bassano, cuja pintura ele relembraria em seu chiaroscuro. Aprendeu a gramática do Renascimento e a linguagem das cores, querida por Veneza. Diante dos apoiadores da linha, liderados pelo toscano Giorgio Vasari, abraçou a causa dos defensores do colorito.
Esses primeiros anos italianos, entre 1567 e 1570, permitiram que ele transformasse sua escrita artística. Inspirado pelas gravuras, mas ainda mais pela observação e intuição direta da pintura, ele abandonou a arte aplicada do ícone para aderir às ambições do Renascimento. O tríptico de Modena, pedra angular do seu desenvolvimento, testemunhou essa conversão. As duas composições que ele dedicou à Adoração dos Magos mostram o percurso rapidamente percorrido e
abrem o caminho para suas primeiras pinturas verdadeiramente venezianas.
Incapaz de encontrar seu lugar no muito competitivo mercado da cidade, El Greco foi forçado a tentar a sorte em outro lugar e se juntou a Roma.

 

OS RETRATOS

Retrato do cardeal Niño de
Guevara, vers 1600. Foto © the MET

Entre as muitas facetas do talento de El Greco, a de pintor de retratos não era a menor. Desde o período romano (1570-1576), parecia ter uma sólida reputação
nesse gênero. Em sua carta de recomendação ao cardeal Farnese, o artista de miniaturas Giulio Clovio mencionou um autorretrato de El Greco que despertou
a admiração de todos os pintores de Roma. Se essa pintura está perdida, outras pinturas testemunham seu sucesso no gênero de retratos. Como em toda a sua
produção, ele evoluiu de um estilo fortemente veneziano para uma maneira poderosa e mais pessoal.
Ao frequentar os círculos humanistas do Palácio Farnese, El Greco teve acesso à sociedade erudita de seu tempo. Ao longo de sua vivência ali, encontrou amigos,
apoiadores e patrocinadores. Como uma galeria de ilustres, seus retratos fixam as características e a inteligência dos personagens brilhantes, profundos ou
poderosos, que posaram para ele, primeiro em Roma, depois em Toledo.

 

PRIMEIRAS GRANDES ENCOMENDAS (GRECO EM TOLEDO)

A visão de São João, 1610-1614
© Photo (C) The Metropolitan Museum of Art,
Dist. RMN-Grand Palais / image of the MMA

Como Veneza, Roma permanecera fechada para El Greco. Muitos procuram em seu temperamento arrogante as razões desse novo fracasso. No entanto, não se deve subestimar as dificuldades que um pintor estrangeiro poderia encontrar. Sem apoio, dominando imperfeitamente a língua italiana e ignorando a técnica do afresco, não era fácil encontrar um lugar em uma cidade nas mãos de dinastias de artistas consagrados.
A Espanha seria, portanto, seu Eldorado. Enquanto Madri estava emergindo, Toledo era a cidade mais próspera de Castela. Em 1577, El Greco assinou dois contratos: um para o Espólio da Sacristia da Catedral, o outro para o retábulo monumental e os dois altares laterais da igreja do convento de Santo Domingo el Antiguo. El Greco finalmente teve a oportunidade de mostrar a extensão de seu talento.
Pouco depois, por volta de 1578-1579, ele começou uma pintura para o rei Philippe II, A Adoração do Nome de Jesus, um verdadeiro manifesto cristão. Foi um sucesso. O monarca deu a ele uma nova comissão, uma pintura dedicada ao martírio de São Maurício. Mas, desta vez, acusada de falta de piedade, a obra desagradou fortemente, não havendo uma terceira chance.

 

GRECO, ARQUITETO E ESCULTOR

Cristo ressuscitado, vers 1595-1598.
Foto © Bridgeman Images.

O interesse de Greco pela arquitetura foi demonstrado por alguns volumes de sua biblioteca, cujas anotações serviram de base para a teoria de que ele se preparava para escrever um tratado. No entanto, ele não projetou qualquer monumento que pudesse ser identificado, apenas arquiteturas efêmeras que se perderam com o tempo.
O tabernáculo que ele realizou para o hospital de Tavera é, portanto, um projeto excepcional. Esse monumento em miniatura também abrigava um conjunto de esculturas para as quais o contrato de 1595 especifica que ele deveria ser o autor.
Somente O Cristo ressuscitado (1595-1598) chegou até nós. Este é um dos poucos exemplos – o único que é verdadeiramente indiscutível – da atividade de El Greco como escultor.

CRISTO PERSEGUINDO OS COMERCIANTES DO TEMPLO (1570-1614)

Cristo expulsando os mercadores do templo, 1575.
Foto:; © The Minneapolis Institute of Arts.

Mais emblemática que qualquer de suas obras, a série de Cristo perseguindo os comerciantes do templo permite, em torno do mesmo tema e da mesma composição, seguir El Greco desde seus primeiros anos na Itália até seus últimos anos em Toledo. Não é apenas o estilo, a técnica, o formato ou a mídia que variam de tela para tela, é o próprio artista que se recarrega e se reinventa.

O tema deve ter sido especialmente marcante para o artista. Talvez ele tenha se identificado com esse Cristo irado que purifica o Templo, como ele pretendia purificar a pintura daqueles que o traíram, daqueles que não sabiam como apreciá-lo, ou daqueles que relutaram em recompensar a criação artística pelo seu valor justo? Quaisquer que sejam suas motivações, essa composição o acompanhou ao longo de sua carreira. Para este projeto, inspirou-se na arquitetura veneziana e romana, na escultura antiga e na de Michelangelo. El Greco repetiu na igreja de San Ginès, em Madri, o mesmo tema do retábulo que ele criou para a igreja de Illescas. Como um fenômeno de persistência da retina, a figura assustada, com os braços no ar, reapareceu ao longo dos anos: no Tríptico de Modena, em Le Songe de Philippe II ou A Adoração dos Pastores do Museu Nacional de Bucareste (1596-1600). No final de sua vida, ela se tornou o personagem principal de A visão de São João.

 

ÚLTIMOS ANOS (1600-1614)

São Pedro e São Paulo, 1600-1605.
© Photo © Fine Art Images/Bridgeman Images.

Quando Greco morreu em 1614, Caravaggio já havia morrido há quatro anos. Quem imaginaria que tal pintura poderia surgir nos últimos anos do século que logo seria chamado de “barroco”? Essa anomalia se deve apenas à resistência da pincelada de El Greco e ao orgulhoso isolamento em Toledo, que se tornou sua cidadela.

Em muitos aspectos, no entanto, seu chiaroscuro, seus grandes efeitos dramáticos, seu toque livre e retirado anteciparam a arte de certos pintores do século 17. Após um longo período de esquecimento, são os impressionistas e os vanguardas que puderam redescobri-lo e compreendê-lo a ponto de torná-los seu profeta, ou, ainda mais intimamente, seu “camarada” nos bancos indisciplinados da modernidade.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …