Migrant Mother, Nipomo, California March, 1936.

DASARTES 93 /

Dorothea Lange

Moma NY apresenta a primeira grande exposição individual do trabalho incisivo da fotógrafa DOROTHEA LANGE em mais de 50 anos. A exposição também usa materiais de arquivo, como correspondências, publicações históricas, além de vozes contemporâneas, para examinar as maneiras pelas quais as palavras influenciam nossa compreensão nas imagens da artista.

No final de sua vida, Dorothea Lange (1895-1965) comentou: “Todas as fotografias – não apenas aquelas que são chamadas de ‘documentais’, e toda fotografia realmente é documental e pertence a algum lugar – têm um lugar na história”.

Organizadas de maneira cronológica e ao longo de sua carreira, os grupos de fotografias icônicas trabalham em conjunto com fotografias menos conhecidas e traçam suas relações variadas com as palavras: das críticas iniciais às fotografias de Lange aos ensaios fotográficos publicados na revista LIFE, e do photobook de referência Um êxodo americano ao exame do sistema de justiça criminal dos EUA. A exposição também inclui fotografias inovadoras da década de 1930 – incluindo Mãe migrante (1936) – que inspiraram a conscientização pública essencial da vida de comerciantes, famílias deslocadas e trabalhadores migrantes durante a Grande Depressão. Por meio de sua fotografia e suas palavras, Lange instou os fotógrafos a se reconectarem com o mundo – uma chamada que reflete seu próprio método de trabalho, associa a atenção à estética a uma preocupação central com a humanidade.

Migratory Cotton Picker, Eloy, Arizona November 1940.
Todas as fotos: The Museum of Modern Art, New York. Purchase 849.1968

Parece oportuno e urgente que renovemos nossa atenção às extraordinárias realizações de Lange. Sua preocupação com indivíduos menos afortunados e muitas vezes esquecidos, e seu sucesso no uso da fotografia (e das palavras) para resolver essas desigualdades, incentivam cada um de nós a refletir sobre nossas próprias responsabilidades cívicas. Isso lembra o papel único que a arte – e em particular a fotografia – pode desempenhar na imaginação de uma sociedade mais justa.

RUAS DE SÃO FRANCISCO

White Angel Bread Line, San Francisco 1933

Em 1933, Lange começou a capturar a devastação da Grande Depressão, como mostrava nas ruas de São Francisco. Willard Van Dyke, fotógrafo e pioneiro em seu trabalho, escreveu na revista Camera Craft: “Essas pessoas estão no meio de grandes mudanças – problemas contemporâneos são refletidos em seus rostos, um drama tremendo está se desenrolando diante deles e Dorothea Lange está fotografando por meio deles.”

O artigo apareceu depois que uma exposição das fotografias de Lange foi realizada no estúdio de Van Dyke em Oakland, em 1934, através da qual o futuro colaborador e marido de Lange, Paul Taylor, economista agrícola, soube de seu trabalho. Taylor usou as fotografias de Lange das demonstrações do Dia de Maio de 1934 em São Francisco para acompanhar um artigo na Survey Graphic. Essas duas publicações lançaram em circulação as imagens de Lange, amplificadas por palavras – as de Van Dyke, refletindo sobre sua prática fotográfica, e Taylor, elaborando as condições de trabalho da época.

TRABALHO DO GOVERNO

Tractored Out, Childress County, Texas June 1938. Foto: Wendy Red Star’s.

De 1935 a 1939, Lange trabalhou com agências governamentais para chamar a atenção do público à catástrofe econômica e ambiental da Grande Depressão e da seca do Dust Bowl. No final de 1934, ela acompanhou pela primeira vez o economista agrícola (e seu futuro marido) Paul Taylor no campo e, no início de 1935, foi contratada por Taylor e pela Administração de Ajuda de Emergência do Estado da Califórnia como datilógrafa – o salário para um fotógrafo ainda não havia sido aprovado. Seus relatórios combinavam as ordens formais e digitadas de Taylor com as fotografias e legendas manuscritas de Lange, tiradas de entrevistas com as pessoas que encontraram.

Juntas, palavras e figuras representavam um forte argumento para a intervenção do governo em nome dos trabalhadores migrantes e dos refugiados da seca. As fotografias de Lange eram uma parte crítica da política de promoção do New Deal da Administração de Reassentamento (mais tarde, a Farm Security Administration) e estavam disponíveis para qualquer pessoa gratuitamente. Como resultado, eles circularam, às vezes com legendas muito variadas, em livros, jornais e revistas, aumentando a visibilidade da vida de comerciantes, famílias deslocadas e migrantes.

UM ÊXODO AMERICANO

The Church is Full, 1954.

“Este não é um livro de fotografias nem um livro ilustrado, no sentido tradicional… Sobre um tripé de fotografias, legendas e textos, repousamos temas evoluídos a partir de longas observações no campo.” Assim começa Um êxodo americano: um registro de erosão humana (1939), concebido por Lange em colaboração com seu marido, o economista agrícola Paul Taylor.

Os textos foram extraídos de anotações de campo, letras de músicas folclóricas, trechos de jornais, observações sociológicas e citações de meeiros, deslocados e trabalhadores migrantes que Lange fotografou. Sobre o uso de citações diretas, Lange e Taylor refletiram: “Muitos dos que conhecemos no campo consideraram vagamente a conversa conosco como uma oportunidade de contar o que estão enfrentando com seu governo e com seus compatriotas em geral. Na medida do possível, deixamos que eles falem com você cara a cara.”

SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Richmond, California, 1942.

Durante a Segunda Guerra Mundial, Lange voltou sua atenção para o impacto da guerra nos americanos. Algumas de suas imagens mais emocionantes são dos nipo-americanos enviados para campos de internamento em 1942, após a Ordem Executiva 9066 designar áreas das quais eles poderiam ser excluídos e ordens subsequentes autorizaram a prisão. Lange havia sido contratada para documentar a execução da apólice, mas as fotografias foram inicialmente retiradas de circulação. Para muitas pessoas, suas imagens são menos marcadas pela documentação sancionada pelo governo do que pela resposta visceral às ordens e ao preconceito que elas geram.

As fotografias de Lange também registraram a nova face da Califórnia, onde as cidades portuárias estavam se tornando a linha de frente do trabalho no esforço de guerra do país. Em 1944, a revista Fortune contratou Lange e Ansel Adams para fotografar Richmond, Califórnia, uma cidade em expansão onde a superlotação das escolas e o esgotamento das moradias disponíveis provocavam tensões raciais e discriminação. A tarefa era documentar a história econômica, mas as fotografias de Lange vão além desse resumo para transmitir a dimensão humana do levante da guerra.

LIFE

The Defendant, Al. County Courthouse, California, 1955-57.

Durante sua era de ouro, a revista Life moldou o ensaio fotográfico na forma como a conhecemos hoje. Lange publicou apenas duas histórias na revista: “Três cidades mórmons”, com o fotógrafo Ansel Adams e seu filho Daniel Dixon, em 1954, e “Pessoas do país irlandês”, em 1955. Ambos demonstram seu interesse pelas comunidades agrárias e pelos rituais da vida rural, especialmente em contraste com as mudanças trazidas pela Segunda Guerra Mundial nas áreas urbanas.

A primeira história descreveu as culturas distintas de três cidades em Utah; a segunda, o povo de Ennis, no condado de Clare, na Irlanda, onde ela passou um mês e tirou cerca de 2.400 fotografias. Para “Três cidades mórmons”, Lange elaborou laboriosamente uma seleção de 135 impressões das mil negativas que ela e Adams haviam feito, mas a Life publicou apenas 35. A mão editorial intransigente da revista frequentemente frustrava os fotógrafos. “A história mórmon ficou muito azeda”, escreveu Adams para Lange, “uma apresentação muito inadequada que não fez bem aos mórmons, à fotografia e a qualquer um de nós”.

MÃE MIGRANTE / FOTOGRAFIA POPULAR

Richmond, California, 1942.

A fotografia mais icônica de Lange – de uma mulher e suas filhas em Nipomo, Califórnia – tinha quase 25 anos antes que suas próprias palavras a acompanhassem na imprensa. Em 1960, em um artigo para a revista Fotografia Popular, ela se lembrou do dia de março de 1936, em que a clicou: “Lá estava ela sentada naquela barraca com seus filhos amontoados em volta dela e parecia saber que minhas fotos poderiam ajudá-la, e então ela me ajudou. Havia uma espécie de igualdade nisso.”

A imagem circulou amplamente e de várias formas; as legendas mudaram, os contextos mudaram e as histórias circundantes proliferaram. A identidade da mãe permaneceu um mistério para o público em geral até 1978, quando foi revelado que seu nome era Florence Owens Thompson e ela era descendente de Cherokee, deixando-nos considerar as maneiras pelas quais o reconhecimento de sua raça poderia ter produzido um diferente tipo de recepção, alterando a eficácia da imagem como propaganda do New Deal e, talvez, seu status icônico.

ÚLTIMAS OBRAS

Man Stepping from Cable Car, San Francisco, 1956.

Apesar dos problemas de saúde, Lange continuou a trabalhar no final dos anos 1950 e início dos anos 1960, fotografando com mais frequência sua família e suas viagens ao exterior com seu marido, Paul Taylor. Em Morte de um vale, ela colaborou com o fotógrafo Pirkle Jones no que seria seu último grande ensaio fotográfico, sobre a evacuação e inundação de Berryessa Valley, Califórnia, para construir a represa de Monticello. A atenção presciente de Lange às mudanças ecológicas e ao desenvolvimento rural – aqui, às maneiras pelas quais o desenvolvimento, a distribuição e o controle da água se tornaram o maior problema da Califórnia – continuou até sua morte, em outubro de 1965.

Nos últimos meses, trabalhou com John Szarkowski, diretor do departamento de fotografia do MOMA, definindo aquela que seria a retrospectiva definitiva de seu trabalho, inaugurada em 1966. A troca de cartas entre eles demonstra o cuidadoso pensamento de Lange sobre o “material textual” que cerca suas fotos: “Preciso ler todas as minhas anotações de viagem e percorrer minhas acumulações para extrair delas as legendas”, muitas das quais, escreveu ela, “estenderiam, sustentariam, iluminariam e explicariam a fotografia”.

 

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …