Untitled (to Barnett Newman) one, 1971. © Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich. Foto: 2023 Stephen Flavin/Artists Rights Society (ARS).

DASARTES 140 /

DAN FLAVIN

UM DOS PIONEIROS DA ARTE MINIMALISTA, O ARTISTA AMERICANO DAN FLAVIN GANHOU FAMA NO INÍCIO DOS ANOS 1960 COM SEUS TRABALHOS FEITOS DE TUBOS FLUORESCENTES FABRICADOS INDUSTRIALMENTE

Pink out of a corner (to Jasper Johns), 1963. © Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich.

Dan Flavin (1933-1996) fez história ao criar uma nova forma de arte. Suas obras feitas de luz extraíam a cor do contexto da pintura e a transpunham para o espaço tridimensional. Usando luminárias comerciais disponíveis no mercado, ele desafiava ideias convencionais sobre autoria e processos de produção na arte: sua decisão de fazer arte a partir de um objeto utilitário mundano, radical até mesmo pelos padrões atuais, causou sensação entre seus contemporâneos. As primeiras exposições das peças de luz de Flavin, em Nova York, deixaram artistas e críticos empolgados com seu purismo, a fascinação de suas “pinturas gasosas” (um termo que o próprio artista gostava de usar) e a imediatez física de sua presença luminosa.

Untitled (to Don Judd, colorist) 1-5, 1987. © Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich. Foto: Alessandro Zambianchi, Milano

“A luz elétrica é apenas mais um instrumento.”

Os tubos fluorescentes de Flavin evocam halls de fábrica, restaurantes de fast-food ou estacionamentos. O artista aproveitou esse efeito e a paleta limitada de cores predeterminadas pela tecnologia subjacente das lâmpadas e pelas escolhas dos fabricantes: azul, verde, rosa, amarelo, ultravioleta e quatro tons diferentes de branco. Ao longo de sua carreira, tubos individuais e arranjos geométricos simples evoluíram para obras arquitetônicas complexas e séries multipartes elaboradas. Flavin rejeitou insistentemente a designação “escultura” ou “pintura” para suas obras, que ele preferia caracterizar como “situações”. Em seus escritos e outras declarações, ele enfatizou ainda a qualidade factual de sua arte. No catálogo que acompanha sua primeira grande obra para uma instituição, instalada no Van Abbemuseum, em 1966, ele escreveu: “A luz elétrica é apenas mais um instrumento. Não tenho desejo de inventar fantasias mediúnicas ou sociológicas sobre ela ou além dela. (…) Faço o que posso, quando posso, com o que tenho, onde quer que esteja.”

A autolimitação intransigente de Flavin para trabalhar com um único objeto industrialmente fabricado e a qualidade serial de suas criações argumentavelmente alinham seu corpo de trabalho com a arte minimalista. Além de Flavin, Carl Andre, Donald Judd, Sol LeWitt e Robert Morris são amplamente considerados os principais protagonistas do movimento, embora cada um deles tenha mais ou menos repudiado o rótulo.

© Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich

AS DEDICATÓRIAS

Untitled (to Barnett Newman) one, 1971. Foto: © Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich/Artists Rights Society (ARS), New York Courtesy David Zwirner.

Flavin defendeu uma arte que não busca qualquer impacto psicológico ou espiritual profundo e, em vez disso, pretende ser percebida de passagem. O próprio artista negou o teor simbólico de seu trabalho e ignorou seu efeito às vezes sublime. No entanto, como muitos críticos de arte apontaram, o trabalho de Flavin ainda pode ser conectado a motivos cristãos e metafísicos, sugerindo alusões a espaços de oração e meditação ou velas votivas. Ele rejeitou tais visões com o ditado irônico “É o que é e não é nada além disso.”

No entanto, o que é marcante é que Flavin habitualmente dedicava suas obras ao longo de sua carreira, associando-as, muitas vezes de maneira sentimental e solene, a indivíduos ou eventos. Muitas das instalações de luz fluorescente que ele produziu a partir de 1963 são dedicadas a amigos artistas como Jasper Johns, Sol LeWitt ou Donald Judd. Modernistas como Henri Matisse, Vladimir Tatlin ou Otto Freundlich também aparecem nos títulos de Flavin. Essas dedicações contrastam deliberadamente com o anonimato do material. Ao integrá-las em seus títulos, Flavin ancorava as obras não narrativas e impessoais em um contexto estético, político e social específico.

Untitled (to you, Heiner, with admiration and affection), 1973. © Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich. Foto Credit: Florian Holzherr.

O papel constitutivo dos títulos também é saliente quando Flavin fazia referência a eventos políticos. Algumas obras comemoram atrocidades da guerra e devem ser lidas em conexão com a franca oposição de Flavin à Guerra do Vietnã: veja, por exemplo, o Monumento 4 para aqueles que foram mortos em emboscadas (para P.K., que me lembrou da morte), que ele mostrou na exposição Estruturas primárias: jovens escultores americanos e britânicos, no Museu Judaico, Nova York, em 1966, uma das primeiras apresentações institucionais da produção do crescente movimento minimalista.

Não menos notáveis são as peças que Flavin dedicou às pessoas com quem trabalhou. Um exemplo proeminente é Sem título (para você, Heiner, com admiração e afeto), dedicado ao lendário negociante de arte alemão Heiner Friedrich. Depois de imigrar para os EUA, Friedrich fundou, em 1974, a influente Fundação de Arte Dia, que apoia a instalação permanente e acessível ao público de obras de um grupo de artistas das décadas de 1960 e 1970. Tomando muitas formas diferentes, as dedicações introduzem uma dimensão emocional e destacam a teia de referências artísticas e literárias e relacionamentos pessoais que informaram o trabalho de Flavin.

Untitled. In memory of Urs Graf, 1972 Concept / 1975 Execution. © Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich.

 

VIDA E OBRA

© Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich.

Dan Flavin nasceu de pais imigrantes irlandeses, em 1933, e cresceu no Queens, Nova York. Seus pais o criaram na tradição católica irlandesa e esperavam que ele seguisse o sacerdócio. Aos 20 anos, alistou-se na Força Aérea dos EUA, onde foi treinado como técnico em meteorologia aérea e serviu na Coreia do Sul, em 1954-55. Em 1956, retornou a Nova York, matriculando-se em uma série de programas de graduação, inclusive em História da Arte, na Universidade de Columbia. Durante três anos, ele ganhou a vida trabalhando como balconista de correspondência no Museu Guggenheim e como guarda no Museu de Arte Moderna e no Museu Americano de História Natural.

Autodidata, Flavin produziu muitos desenhos e copiou arte, inclusive dos Velhos Mestres. Suas primeiras pinturas a óleo, montagens e construções revelam a influência dos expressionistas abstratos e Jean Tinguely, Jasper Johns e Robert Rauschenberg. Seus estudos em história da arte russa, e especialmente do Construtivismo, foram uma importante fonte de inspiração para seu próprio trabalho. Em 1961, Flavin começou a trabalhar nos Ícones, objetos quadrados de madeira que ele e sua parceira, Sonja Severdija, pintavam e complementavam com lâmpadas comuns e fluorescentes. Em 1963, ele criou o primeiro readymade consistindo apenas de um tubo fluorescente pronto para uso: o diagonal do êxtase pessoal (a diagonal de 25 de maio de 1963). Uma nova forma de arte nasceu.

© Stephen Flavin / 2024, ProLitteris, Zurich.

Em 1964, duas exposições em galerias de Nova York – a Kaymar Gallery e a Green Galeria — apresentaram Flavin a um público mais amplo. A partir desse momento, ele trabalhou exclusivamente com o característico tubo fluorescente cilíndrico fabricado industrialmente, que chegou ao mercado em 1938. A partir de meados da década de 1960, o interesse de Flavin mudou para a interação de seus objetos leves com a arquitetura dos respectivos espaços expositivos, e trabalhou cada vez mais em série. Ele concebeu obras que influenciaram ou restringiram os movimentos dos espectadores. As “peças de canto” produzem efeitos visuais que confundem a distinção entre objeto e espaço. Nas chamadas “peças de barreira”, Flavin criou construções expansivas demarcando zonas dentro da galeria de exposições onde os visitantes não deveriam entrar.

Na década de 1960, a arte de Flavin foi apresentada no Museu de Arte Contemporânea de Chicago (1967), na documenta, Kassel (1968), e na National Gallery of Canada, Ottawa (1969), para citar apenas algumas de suas exposições mais importantes.

Continuou trabalhando com luz fluorescente até sua morte, em 1996, sempre buscando reimaginar sua arte e variar seus efeitos.

DAN FLAVIN: DEDICATÓRIAS FEITAS DE
LUZ • KUNSTMUSEUM BASEL •
SUIÇA • 2/3 A 18/8/2024

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Capa Garimpo Matéria de capa

THIX

De costas, com um vestido de babados rosa, um grande brinco dourado e uma trança presa por um laço preto, …

Do mundo

JOAN JONAS

 

“Não vejo grande diferença entre um poema, uma escultura, um filme ou uma dança. Um gesto tem para mim o …

Reflexo

ANNIE LEIBOVITZ

O olhar de Annie Leibovitz, seus instintos teatrais e sua genialidade são lendários, mas ela não é conhecida por um …

Do mundo

MARCEL DUCHAMP

É difícil explicar a Arte Moderna e Contemporânea sem passar pelas estripulias de Duchamp. E, a hora é agora de …

Flashback

JOHN SINGER SARGENT

John Singer Sargent foi, segundo o escultor francês Auguste Rodin, “o van Dyck de nosso tempo”, creditando-lhe a habilidade e …

Garimpo

ANNA MENEZES

Um fotógrafo do cotidiano é, antes de tudo, um observador, que deve estar atento ao mundo que o cerca e …

Flashback

FRANS HALS

Frans Hals pintava retratos; nada, nada, nada além disso. Mas isso vale tanto quanto o Paraíso de Dante, os Michelangelos, …

Do mundo

AMEDEO MODIGLIANI

Quase cem anos depois do encontro desses dois homens, em 1914, é interessante olhar de novo para um momento de …

Destaque

CAMILLE CLAUDEL

NÃO VIVAS DE FOTOGRAFIAS AMARELADAS

Camille Claudel

 

É possível enlouquecer por amor? Toda vez que se conta a história de Camille Claudel …

Alto relevo

ERWIN WURM

A certa altura, percebi que tudo o que me rodeia pode ser material para um trabalho artístico, absolutamente tudo. Para …

Alto relevo

ANA MENDIETA

ALMA EM CHAMAS: ANA MENDIETA “ARDE” NO SESC POMPEIA

Silhuetas em fogo é a sensacional exposição dedicada à Ana Mendieta, em …

Do mundo

HIROSHI SUGIMOTO

Em sua maioria produzidas com sua antiquada câmera de visão de madeira, as imagens de Hiroshi Sugimoto (Tóquio, 1948) destacam …

Flashback

CHAÏM SOUTINE

Chaïm Soutine (1893-1943) foi um artista com uma vida extraordinária. Criado em uma cidadezinha perto de Minsk, mudou-se para Paris …

Destaque

JARBAS LOPES

A natureza expande suas formas nas percepções dos que se aproximam dela. O artista Jarbas Lopes, com seu semblante de …

Capa

ED RUSCHA

Ed Ruscha deixou Oklahoma City em 1956 para estudar arte comercial no Chouinard Art Institute (hoje CalArts), em Los Angeles. …