Misterios, 2017

DASARTES 91 /

Christian Boltanski

Uma vasta meditação sobre a vida e seu curso, a exposição da obra de CHRISTIAN BOLTANSKI, no Centre Pompidou, apresenta uma seleção de obras pelas quais ele continua a explorar a fronteira entre presença e ausência. Combinando memória individual e coletiva com uma reflexão cada vez mais profunda sobre ritos e códigos sociais, Boltanski desenvolve um trabalho sensível e corrosivo há meio século, como um estado de vigilância lúcida sobre nossas culturas, ilusões e desencantamentos. O artista fala à Dasartes.

MISTÉRIOS, 2017

Para encontrar uma resposta para a questão do destino, fui para o norte da Patagônia, na vila de Bustamante. As baleias se reúnem lá em determinadas épocas do ano.

Instalei, com a ajuda de engenheiros de som, buzinas cuja forma foi estudada para que o vento pudesse entrar e emitir sons muito próximos do canto das baleias.

Esses objetos sonoros, localizados nesse local deserto, estão fadados ao desaparecimento; apenas a história permanecerá.

DEPART, 2015

Decidi me envolver no projeto que é importante para mim há muito tempo: preservar tudo, manter um registro de todos os momentos de nossa vida, de todos os objetos que carregamos, de tudo o que dissemos e o que foi dito ao nosso redor, esse é o meu objetivo.

O nome desta obra tem sua origem no título que Alain Resnais gostaria de dar ao seu último filme: Chegada e partida.

Essas duas palavras, um pouco como o traço que liga as datas de nascimento e morte em Meus Mortos, significam para mim a vida, que flui entre as duas.

CORAÇÃO, 2005

O coração é escolhido como um símbolo da vida em todas as culturas.

Um dispositivo permite conectar batidas gravadas a uma luz que liga e desliga de acordo com o ritmo. Na primeira apresentação na Galeria Marian Goodman, em 2005, foi o meu batimento cardíaco. Posteriormente, instalei no arquipélago da ilha de Teshima, no Japão, onde são mantidas mais de 70 mil gravações de corações de diferentes países. Esse lugar se tornou para muitos japoneses um local de peregrinação, onde eles vêm ouvir o coração dos entes queridos. Esse arquivamento está em constante crescimento.

Arrastamento
Animitas Chile, 2014

Durante uma exposição em Santiago, no Chile, tive a oportunidade de visitar o deserto de Atacama, um local historicamente carregado, ocupado por um campo de concentração desejado por Pinochet.

Um lugar que é muito impressionante pela proximidade ao céu estrelado.

O título desta série de obras, Animitas, deriva do nome dado pelos chilenos aos altares religiosos construídos ao longo das estradas, onde houve um acidente. Quero evocar a presença dos mortos ao nosso redor.

Pequenos sinos pendurados em hastes longas se movem e soam ao ritmo do vento. Completei um total de quatro Animitas: além de Atacama, instalei um no norte de Quebec, um no mar Morto e um na ilha de Teshima, que é o único ainda existente. Na verdade, é um trabalho votivo em que cada sino é dedicado a um ente querido.

Crepúsculo, 2015

Todos os dias, uma das muitas lâmpadas, componentes da instalação, é desativada. O tempo de uma exposição, a sala, que inicialmente é muito brilhante, fica completamente escura no final.

Com esse trabalho, trago outra imagem para sua reflexão sobre o progresso do tempo e a precariedade da existência.

Monumento ao Colégio Hulst, 1986

A peça evoca uma árvore de Natal composta de papel de embrulho, iluminada por lâmpadas de filamento alimentadas por fios expostos. Esse dispositivo influenciou Os Monumentos que, com um significado muito diferente, foram feitos em homenagem aos filhos do CES de Lentillères em Dijon (trabalho de 1973 para o qual eu havia reunido as fotografias de todos os filhos da escola, alinhando em um corredor do estabelecimento). Treze anos depois, os rostos dessas crianças crescidas não eram mais os mesmos. Mais tarde, usei uma fotografia de final de ano tirada no Hulst College, onde eu era aluno. Inspirados em monumentos religiosos e, diferentemente dos memoriais, eles não foram construídos em mármore ou bronze. A instalação mais importante dessas obras ocorreu em Paris, na capela de La Salpêtrière, durante o Festival de outono de 1986.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …