Misterios, 2017

DASARTES 91 /

Christian Boltanski

Uma vasta meditação sobre a vida e seu curso, a exposição da obra de CHRISTIAN BOLTANSKI, no Centre Pompidou, apresenta uma seleção de obras pelas quais ele continua a explorar a fronteira entre presença e ausência. Combinando memória individual e coletiva com uma reflexão cada vez mais profunda sobre ritos e códigos sociais, Boltanski desenvolve um trabalho sensível e corrosivo há meio século, como um estado de vigilância lúcida sobre nossas culturas, ilusões e desencantamentos. O artista fala à Dasartes.

MISTÉRIOS, 2017

Para encontrar uma resposta para a questão do destino, fui para o norte da Patagônia, na vila de Bustamante. As baleias se reúnem lá em determinadas épocas do ano.

Instalei, com a ajuda de engenheiros de som, buzinas cuja forma foi estudada para que o vento pudesse entrar e emitir sons muito próximos do canto das baleias.

Esses objetos sonoros, localizados nesse local deserto, estão fadados ao desaparecimento; apenas a história permanecerá.

DEPART, 2015

Decidi me envolver no projeto que é importante para mim há muito tempo: preservar tudo, manter um registro de todos os momentos de nossa vida, de todos os objetos que carregamos, de tudo o que dissemos e o que foi dito ao nosso redor, esse é o meu objetivo.

O nome desta obra tem sua origem no título que Alain Resnais gostaria de dar ao seu último filme: Chegada e partida.

Essas duas palavras, um pouco como o traço que liga as datas de nascimento e morte em Meus Mortos, significam para mim a vida, que flui entre as duas.

CORAÇÃO, 2005

O coração é escolhido como um símbolo da vida em todas as culturas.

Um dispositivo permite conectar batidas gravadas a uma luz que liga e desliga de acordo com o ritmo. Na primeira apresentação na Galeria Marian Goodman, em 2005, foi o meu batimento cardíaco. Posteriormente, instalei no arquipélago da ilha de Teshima, no Japão, onde são mantidas mais de 70 mil gravações de corações de diferentes países. Esse lugar se tornou para muitos japoneses um local de peregrinação, onde eles vêm ouvir o coração dos entes queridos. Esse arquivamento está em constante crescimento.

Arrastamento
Animitas Chile, 2014

Durante uma exposição em Santiago, no Chile, tive a oportunidade de visitar o deserto de Atacama, um local historicamente carregado, ocupado por um campo de concentração desejado por Pinochet.

Um lugar que é muito impressionante pela proximidade ao céu estrelado.

O título desta série de obras, Animitas, deriva do nome dado pelos chilenos aos altares religiosos construídos ao longo das estradas, onde houve um acidente. Quero evocar a presença dos mortos ao nosso redor.

Pequenos sinos pendurados em hastes longas se movem e soam ao ritmo do vento. Completei um total de quatro Animitas: além de Atacama, instalei um no norte de Quebec, um no mar Morto e um na ilha de Teshima, que é o único ainda existente. Na verdade, é um trabalho votivo em que cada sino é dedicado a um ente querido.

Crepúsculo, 2015

Todos os dias, uma das muitas lâmpadas, componentes da instalação, é desativada. O tempo de uma exposição, a sala, que inicialmente é muito brilhante, fica completamente escura no final.

Com esse trabalho, trago outra imagem para sua reflexão sobre o progresso do tempo e a precariedade da existência.

Monumento ao Colégio Hulst, 1986

A peça evoca uma árvore de Natal composta de papel de embrulho, iluminada por lâmpadas de filamento alimentadas por fios expostos. Esse dispositivo influenciou Os Monumentos que, com um significado muito diferente, foram feitos em homenagem aos filhos do CES de Lentillères em Dijon (trabalho de 1973 para o qual eu havia reunido as fotografias de todos os filhos da escola, alinhando em um corredor do estabelecimento). Treze anos depois, os rostos dessas crianças crescidas não eram mais os mesmos. Mais tarde, usei uma fotografia de final de ano tirada no Hulst College, onde eu era aluno. Inspirados em monumentos religiosos e, diferentemente dos memoriais, eles não foram construídos em mármore ou bronze. A instalação mais importante dessas obras ocorreu em Paris, na capela de La Salpêtrière, durante o Festival de outono de 1986.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …

Alto relevo

AQUILO QUE NÃO SE VÊ - PARA OXÓSSI

“Fungos e liquens aniquilam as nossas categorias de gênero. Eles reorganizam nossas ideias de comunidade e cooperação. Ferram com o …

Garimpo

JANA EULER

CONSTRUINDO FABULAÇÕES PICTÓRICAS EXCÊNTRICAS, AS INÚMERAS TÉCNICAS DE CRIAÇÃO DE IMAGENS DA ARTISTA ALEMÃ JANA EULER EXAMINAM E EXAGERAM AS …

Reflexo

Ana Paula Oliveira

A ARTISTA MINEIRA RADICADA EM SÃO PAULO, ANA PAULA OLIVEIRA CRIA SITUAÇÕES POR MEIO DE DIVERSAS LINGUAGENS E MATERIAIS E …

Flashback

JAMES TISSOT

PINTOR BRILHANTE DA ALTA CLASSE SOB O SEGUNDO IMPÉRIO E DOS COSTUMES DA SOCIEDADE VITORIANA INGLESA, DOS ARISTOCRATAS ELEGANTES E …

Capa

ALEX KATZ

ALEX KATZ (NEW YORK, 1927) É UMA DAS FIGURAS-CHAVE DA HISTÓRIA DA ARTE AMERICANA DO SÉCULO 20 E UM PRECURSOR …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

WOLFGANG TILLMANS É CONHECIDO POR EXPLORAR OS LIMITES DA FOTOGRAFIA E DA IMAGEM. TODAY IS THE FIRST DAY É A …

Alto relevo

FRANK WALTER

A OBRA DO ARTISTA CARIBENHO FRANK WALTER PARECE ESTAR EM OPOSIÇÃO ÀS ATRIBUIÇÕES RACIAIS E NACIONAIS PERMANENTES ÀS QUAIS ELE …

Alto falante

A MALHAÇÃO DE BRITTO

No passado mês de agosto, uma polêmica mobilizou as chamadas redes sociais no limbo de silício. Um episódio que trouxe …

Reflexo

FLAVIA JUNQUEIRA

AS INGÊNUAS BEXIGAS DE ENCHER DA ARTISTA FLAVIA JUNQUEIRA POVOAM O BRASIL DE NORTE A SUL. INSEREM CONOTAÇÕES POLÍTICAS, FILOSÓFICAS, …

Flashback

LUCAS CRANACH

ARQUETÍPICO HOMEM RENASCENTISTA, LUCAS CRANACH, O VELHO, FOI UM DOS ARTISTAS ALEMÃES DE MAIOR SUCESSO DE TODOS OS TEMPOS. AS …