Comedor de Luz. 1999-2000.

DASARTES 53 /

Carmela Gross

Em ALTO RELEVO, o curador Douglas de Freitas se aprofunda na obra de Carmela Gross. A artista têm panorama de seus 50 anos de carreira exposto na Chácara Lane em São Paulo até 8 de janeiro.

“Fáceis de carregar e armar, escadas são máquinas simples. (De)compõem o esforço do corpo para atingir alturas desejadas pelo olhar. No ritmo dos degraus, cada passo vira alavanca para mover o corpo inteiro, coordenando no plano inclinado a força combinada de braços e pernas.”[1]

Uma das mais importantes artistas brasileiras, Carmela Gross iniciou seu trabalho no fim da década de 1960, e atua hoje com o mesmo fôlego, força e radicalidade. Corpo/máquina e olho se misturam a grafismo/desenho e cidade em sua produção. A relação entre as escalas alcançadas pelo corpo e as escalas que só se alcançam pelo olhar permeiam sua obra, onde o desenho da mão e o desenho da máquina, presentes nos elementos e estruturas da cidade, têm o mesmo peso, e por vezes se misturam, em luta de coexistência entre um eu indivíduo e um eu público, que se perde em meio à multidão.

Us cara fugiu correndo. Instalação na Chácara Lane. Foto: André Fabro

A Chácara Lane, unidade do Museu da Cidade de São Paulo, está tomada por um conjunto significativo de obras que compreendem um recorte de cinco décadas de produção, em uma espécie de retrospectiva, em que períodos distintos da produção de Carmela são pontuados. Ao mesmo tempo, a exposição “Arte à mão armada” propõe uma leitura que ressalte o caráter desafiador do trabalho, o burlar fronteiras entre desenho, máquina e mão/multidão, cidade e indivíduo, que possa destacar suas ferramentas de questionar a ordem estabelecida e seus assaltos imagéticos. E, ainda, apresentar suas armas de enfrentar o mundo e a arte.

A remontagem de instalações e intervenções de grande escala, como “Eu sou Dolores”, realizada para a 4ª edição do Arte-Cidade, e a instalação realizada em 1992 para a Capela do Morumbi, agora remontada na mesma Capela, revelam a ambição de estar na cidade que a obra da artista tem e que aparece rebatida na exposição. Seus trabalhos partem de signos da cidade; voltar-se para ela parece destino certo.

Desenhos preparatórios para A Negra, 1997.

Um possível percurso cronológico da mostra se inicia em “Escada’, de 1968, uma intervenção na paisagem registrada em fotografia. Nela, a artista aparece sobre uma escada desenhada com tinta spray sobre um barranco. É a primeira aparição desse signo que, ao longo dos anos, se repete em seu trabalho. “Durante um período de greve, saí com um grupo de amigos que estudava como eu em uma escola de arte para fotografar pinturas de bares e borracharias, na periferia da cidade. Nesse dia, levávamos também conosco alguns tubos de tinta spray. Decidimos parar em uma zona quase deserta, lá pelos lados de Santo Amaro, onde uma avenida recém-aberta cortava uma área acidentada entre curvas, buracos e grandes barrancos. Um paredão de terra parecia bom para pintar. Um deles, com a terra frisada horizontalmente, funcionava exatamente como uma escada, pela qual podia se subir e descer livremente. Aproveitei para desenhar nele linhas em zigue-zague, como os degraus de uma escada. A coisa observada (barranco/degraus de terra) e a coisa desenhada (risco/esquema), quase na mesma escala, ressoaram uma na outra”, conta Carmela.

Carimbadas e Carimbos. 1977-1978.

A obra “Escada-Escola” foi desenvolvida especialmente para a exposição, e encerra, também com uma escada, a cronologia de trabalhos. Estrutura metálica de linhas e curvas industriais, a obra rompe a barreira que impede o trânsito das crianças da escola vizinha a casa, propondo uma relação mais proveitosa entre escola e museu, com um desvio na lógica de uso engessado dos espaços. É mais uma vez a artista saindo do espaço expositivo, esbarrando nos limites físicos do museu e se voltando para o lugar que mais lhe provoca, o fora, a cidade.

Para Carmela, “a ferramenta do artista para enfrentar o mundo é a mão armada”, sua obra existe no constante exercício de desafiar a lógica estabelecida das coisas. Seu fazer é se desafiar, desafiar o outro, desafiar a arte, desafiar a cidade.

PROCESSO ABERTO

A exposição procura explorar o processo da artista, revelar seu modo de operar, seu pensamento. Por isso, os textos que acompanham as obras são escritos da artista, reflexões sobre os trabalhos realizadas ao longo dos anos. Também estão reunidas pela primeira vez as pastas-projetos da artista. Apresentados em fac-símiles, esse arquivos contêm o conjunto de estudos preparatórios para as obras com suas dúvidas, recortes e acertos.

Escada. 1968. Foto Marcello Nitschegde.

[1] Carmela Gross em “Escadas, relato de uma montagem”. Publicado no catálogo da exposição Escadas, realizada na Casa França-Brasil – Rio de janeiro, de 5 de junho a 28 de julho de 2013.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …