Santos, 1956. Fotos: ® 2016 Calder Foundation New York, AUTVIS Brasil 2016.

DASARTES 53 /

Calder e amigos

Na sessão DESTAQUE, a Dasartes pesquisa a aproximação de Alexander Calder e a arte brasileira, a mostra de mesmo nome está em cartaz no Itaú Cultural até 23 de outubro

Até 23 de outubro, os brasileiros têm a chance rara de ver uma reunião de 32 obras do norte-americano Alexander Calder na mostra “Calder e a Arte Brasileira”, no Itaú Cultural. Com curadoria de Luiz Camillo Osorio, a exposição busca apresentar a criação de Calder e obras de artistas brasileiros que teriam sido influenciados por ela, em especial os concretos e atuantes na arte cinética.

Carlos Bevilacqua, EK colours, 2010. Foto: Carlos Bevilacqua.

Apesar de sua presença forte no Brasil desde os anos 1940, a influência de Calder sobre nossa arte é pouco afirmada. “A obra dele se inscreveu na formação construtiva brasileira, misturando o lúdico e o geométrico e isso merece melhor avaliação histórica”, observa o curador. “É essa relação que pretendemos trabalhar nesta exposição”.

TUDO PASSA POR PARIS

Alexander Calder nasceu nos Estados Unidos, em 1898, em uma família de artistas. Depois de estudos em engenharia e uma série de empregos aleatórios, decidiu seguir a vocação da família e começou a estudar arte aos 25 anos. Um dos empregos que sustentava seus estudos era como ilustrador para um jornal local, do qual recebeu a missão de desenhar um circo que visitava a cidade. Mal sabia ele que essa missão mudaria sua vida. “Fiquei duas semanas no picadeiro, praticamente dia e noite, estudando o melhor ponto de vista para cada ato”, conta Calder em entrevista a “ArtNews”, em 1973. Três anos mais tarde, Calder se mudaria para Paris em busca do agito do circuito artístico e lá desenvolveu suas primeiras figuras com arame, madeira e outros materiais: animais e artistas de circo que se apresentavam movidos por manivelas, fios e molas em um pequeno picadeiro, o “Circo de Calder”, obra que fez sua fama e o aproximou das principais figuras da efervescente vanguarda da época: Marcel Duchamp, Jean Arp, Joan Miró, Piet Mondrian, entre muitos outros.

Hélio Oiticica, Metaesquema, 1957. Foto: Sérgio Guerini.

Mondrian, em especial, foi uma grande influência. Em 1930, Calder visitou seu apartamento em Paris e ficou maravilhado. “… grande, lindo e irregular em forma, com as paredes pintadas de branco e divididas por linhas negras e retângulos de cores vivas, como suas pinturas. Pensei naquele momento que bom seria se tudo lá se movesse, apesar de Mondrian não ter aprovado essa ideia de forma alguma” , conta em seu livro “The Painter’s Object”. Um ano mais tarde, Calder criava seu primeiro “móbile”, nome dado por Duchamp a suas esculturas cinéticas, que se moviam pela ação de manivelas. Os móbiles movidos pelo vento surgiriam um ano mais tarde. Como contraponto ao apelido dado a eles, Jean Arp batizou suas esculturas estáticas de “estábiles”.

Joan Miró foi outra influência notável e um grande amigo por toda a vida. Conheceram-se no final dos anos 1920 e suas afinidades, pessoais e na criação, foram tema de muitas exposições. Em especial, recorrem no trabalho de Calder temas também caros a Miró, notadamente as constelações e as formas orgânicas, vistas em algumas das obras presentes na exposição do Itaú.

CALDER E O BRASIL

Foi por outro relacionamento que a presença de Calder no Brasil foi tão intensa: a com o crítico de arte Mario Pedrosa. Em 1945, Pedrosa retornou do exílio em Nova Iorque, onde Calder teve uma grande individual no MoMA dois anos antes, e passou a ser um defensor do artista no país. O respeito que Pedrosa gozava no circuito de arte potencializou a influência de Calder sobre nossa produção e abriu caminho para várias exposições do artista no país nos anos seguintes e suas vindas ao Brasil resultaram em obras como “Brasília” e “Santos”, parte da exposição no Itaú Cultural.

Pináculos em ascensão, 1956.

Mario Pedrosa também é o elo com o Grupo Frente, de Lygia Clark, Helio Oiticica, Abraham Palatnik e outros, com o qual tinha uma forte ligação. Como notado por Letícia Ramos em texto para o catálogo, o uso de formas puras e geométricas e a negação da representação em nome da criação de um universo artístico autônomo em Calder ecoaram no neoconcretismo, do qual o grupo foi percursor. A partir daí, estes reverberaram também na arte contemporânea, em obras de artistas como Ernesto Neto e Carlos Bevilaqua.

Assim como o artista em si, os trabalhos de Alexander Calder são indivíduos com força própria, mas, versáteis e amigáveis, revelam qualidades ainda maiores quando em boa companhia.

Alexander
Calder, Vermelho, Branco, Preto e Bronze, 1934. Foto: ® 2016 Calder Foundation, New YorkAUTVIS,
Brasil, 2016.

UMA PERGUNTA PARA SOFIA FUN

Coordenadora de Artes Visuais do Itaú Cultural

Como surgiu a ideia para esta exposição?

Era um projeto do Camillo, curador, e encaixou muito bem na linha de trabalho do Itaú Cultural, que é valorizar os processos criativos e incitar a reflexão em grandes exposições panorâmicas, com foco na arte brasileira. Gostamos de trabalhar com artistas importantes cujas obras tenham algo a ser revelado ou conhecido e sentimos que a ligação de Calder com a arte brasileira podia ser melhor refletida. Havia uma relação quase afetiva entre Calder e nossa arte, nossos artistas. O uso das formas e do movimento ressonava com aquilo que concretos e neoconcretos buscavam naquele momento, cada artista à sua maneira.

Quatro pétalas negras no ar, 1960

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …