Porträt der Henriette Herz, 1778. © Staatliche Museen zu Berlin, Nationalgalerie / Andres

DASARTES 114 /

ANNA DOROTHEA THERBUSCH

Anna Dorothea Therbusch ousou fazer da arte sua profissão no século 18. Durante esse tempo, as mulheres artistas eram raras, mas cada vez mais lutavam contra os obstáculos.

ARTISTA BERLINENSE ANNA DOROTHEA THERBUSCH DO PERÍODO ILUMINISTA É HOMENAGEADA PELO 300ª ANIVERSÁRIO DE SEU NASCIMENTO EM MOSTRA ESPECIAL

Anna Dorothea Therbusch ousou fazer da arte sua profissão no século 18. Durante esse tempo, as mulheres artistas eram raras, mas cada vez mais lutavam contra os obstáculos. Em 1767, ela foi aceita na academia de arte mais importante da época, a Académie Royale de Peinture et de Sculpture, em Paris.

Portrait of Anna Friederike von Wartensleben. 1760

Como mãe de cinco filhos e esposa de um estalajadeiro, ela teve que se esforçar para pintar até os 40 anos com outras obrigações. Então, entretanto, ela começou a carreira viajando por vários anos para as cortes reais no sul da Alemanha e para Paris. Após retornar, trabalhou como pintora de retratos e foi muito procurada.
Anna Dorothea recebeu treinamento do pai, Georg Lisiewsky, e imitando o pintor da corte prussiano Antoine Pesne. Como este, orientou-se – de acordo com o Rococó Fredericiano – para a pintura francesa, mas também para a holandesa. Com representações históricas mitológicas, ela finalmente encontrou a aprovação do rei prussiano Friedrich II, enquanto outros valorizaram mais seus retratos.

Seus contemporâneos elogiavam o estilo descontraído de pintura e a forma como usava as cores e admiravam sua coragem e energia.

AUTORRETRATOS

Autorretrato como Flora, 1765.

Os autorretratos faziam parte das estratégias de carreira artística e podiam servir para apresentar você e suas próprias habilidades a clientes em potencial. Therbusch enviou seu primeiro autorretrato em 1762, como uma foto para a Academia de Arte de Stuttgart.

Autorretrato,1782, © Staatliche Museen zu Berlin.

Doze autorretratos feitos por Therbusch foram preservados, os quais podem ser atribuídos a diferentes momentos ao longo de vinte anos de carreira. Dois deles foram publicamente admirados como obras-primas após a morte dela em Berlim, incluindo o autorretrato da velhice com óculos e vestido branco. Estava em posse de seu pupilo e genro Johann Christian Samuel Gohl, e posteriormente ficou em exibição no palácio do duque Friedrich von Braunschweig, na Wilhelmstrasse.

ANNA DOROTHEA E OS FRANCESES

Wilhelmine Encke, 1776, mistress of Frederick William II. of Prussia

Arte e artistas de Paris eram muito procurados pelo rei prussiano, e talvez este tenha sido um dos motivos que levou Therbusch a partir para Paris em 1765. Um sucesso nesta metrópole, onde viajantes culturais e embaixadores da corte de toda a Europa se reuniram, também causava impressão em outros lugares.

Christian Andreas Cothenius, 1777. © Staatliche Museen zu Berlin.

O objetivo de Therbusch era sua admissão na academia de arte mais famosa da época, a Académie Royale de Peinture et de Sculpture. Este não era apenas um centro de treinamento para alunos avançados, mas também uma faculdade de arte. A adesão proporcionou elevado prestígio e a vantagem de poder participar nas exposições do salão. No entanto, as mulheres eram excluídas das competições e aulas de nudez.

Therbusch foi uma das poucas artistas mulheres a ganharem uma comissão da realeza. No entanto, a pintura inicialmente apresentada por ela foi rejeitada, na suposição de que ela, como mulher, não poderia tê-la pintado sozinha. Ela pintou uma nova obra e assinou-a orgulhosamente como “pintora do rei francês”: peintre du Roy de France.

Johann Julius von Vieth und Golßenau, 1771 © Staatliche Museen zu Berlin

A fonte de registros mais importante sobre a aparição de Therbusch em Paris foi o enciclopedista e crítico de arte Denis Diderot, com quem ela mantinha uma intensa troca e que defendia sua produção. Em 1767, ela foi representada com várias obras no Salão de Paris. No entanto, devido à falta de comissões, ela enfrentou dificuldades financeiras e começou sua jornada de volta para casa em novembro de 1768.

Portrait of a Princely family (family of Frederick William, Crown Prince of Prussia (1744–1797)).

De novembro de 1768 até o início de 1769, a pintora altamente endividada voltou a Berlim, via Bruxelas e os Países Baixos, e se tornou a principal pintora na Prússia, onde era tida em alta estima. Ela foi a pintora de retratos de Frederico II da Prússia (Frederico, o Grande), cujo recém-construído palácio de Sanssouci ela decorou com cenas mitológicas. Também pintou retratos de oito membros da realeza prussiana para Catarina II da Rússia (Catarina, a Grande).

A artista continuou a pintar até o fim de sua vida. Ela frequentemente pintava autorretratos, 12 no total. Quando sua visão começou a falhar, ela costumeiramente adicionava monóculos em seus autorretratos. Suas últimas pinturas eram vagamente clássicas, com trajes e sugestões de deusas romanas.

Anna Dorothea Therbusch morreu em Berlim, em 9 de novembro de 1782, aos 61 anos de idade.

Queen Friederike Luise of Prussia with Crown Prince Friedrich Wilhelm (III), 1775

ANNA DOROTHEA THERBUSCH • STAATLICHE
MUSEEN • BERLIN • 3/12/2021 A 10/4/2022

Compartilhar:

Confira outras matérias

Garimpo

TARCISIO VELOSO

Tarcísio Veloso é um contador de histórias. Suas histórias, porém, não estão completamente à vista. Ao contrário, o que o …

Destaque

ROSÂNGELA RENNÓ

O título da obra de Georges Didi-Huberman, lançada em 2003, no Brasil, parece ser uma das possíveis chaves de leitura …

Alto relevo

Kilian Glasner

INCÊNDIOS

 

Inúmeros mitos sobre a origem do fogo, dos povos indígenas brasileiros aos gregos, fazem alusão à sua potência transformadora e …

Capa

Elian Almeida

Em 28 de julho de 2019, o Brasil perdia uma de suas maiores atrizes. Reunindo grandes feitos como o de …

Pelo Mundo

Francis Alÿs

Em suas andanças aparentemente inócuas, Francis Alÿs não só pensa na cidade, mas nela dá forma a histórias, faz circular …

Garimpo

MARIANA RODRIGUES

Xícaras de chá de hibisco regaram meu encontro com a artista Mariana Rodrigues, de 26 anos. A complexidade do aroma …

Panorama

FRANS KRAJCBERG

“A minha preocupação é penetrar mais na natureza. Há artistas que se aproximam da máquina; eu quero a natureza, quero …

Reflexo

ADRIANA VAREJÃO

POR ADRIANA VAREJÃO

Minha obra é permeada por influências múltiplas e variadas. Um botequim da Lapa, um canto em Macau, uma …

Destaque

RUBEM VALENTIM

UM ARTISTA SACERDOTE

POR MAX PERLINGEIRO

 
“Minha linguagem plástico-visual-signográfica está ligada aos valores míticos profundos de uma cultura afro-brasileira (mestiça-animista-fetichista). Com o …

Alto relevo

ANNA MARIA MAIOLINO

UMA ANTOLOGIA ESPIRALAR

 

 

É preciso começar pelo meio. Começar pela fresta entre as duas letras N em ANNA, esse nome-palíndromo. Pelo …

Pelo Mundo

Diane Arbus

Praticantes de sadomasoquismo; pessoas com o corpo completamente tatuado; um homem com o rosto furado por enormes alfinetes; trapezistas; nudistas; …

Flashback

PAUL GAUGUIN

GAUGUIN, ESSE “SELVAGEM-APESAR-DE-MIM-MESMO’” 

(Trecho da carta que o artista escreveu para seu amigo Charles Morice, em 1903) 
 “Tudo o que faço brota …

Destaque

ALFREDO VOLPI

VIDA E OBRA

Com um caráter panorâmico, esta exposição abrange diversos períodos da carreira de Alfredo Volpi (1896-1988) e conta com …

Capa

GONÇALO IVO

“Eu escrevo o que eu vejo, eu pinto o que eu sou”
                                                                                                                 Etel Adnan (1925-2021)
A exposição Zeitgeist, de Gonçalo Ivo, …

Alto relevo

FUJIKO NAKAYA

“O nevoeiro torna as coisas visíveis invisíveis, enquanto  
as coisas invisíveis – como o vento – tornam-se visíveis.” 
 Fujiko Nakaya 
A artista e …