Homem Grávido, 2018

Dasartes 88 /

Anaisa Franco

Em seus trabalhos artísticos, ANAISA FRANCO aborda questões como identidade e subjetividade a partir da relação entre máquina e humano, orgânico e artificial

Nascida em Uberlândia (MG), Anaisa Franco é mestre em Arte Digital e Tecnologia pela Universidade de Plymouth, na Inglaterra, e se formou em Artes Visuais na FAAP, em São Paulo, cidade onde vive e trabalha atualmente. Em seus trabalhos artísticos, Anaisa aborda questões como identidade e subjetividade a partir da relação entre máquina e humano, orgânico e artificial. A artista esteve em exposição recentemente na Galeria Lume, com a individual Identidade Expandida.

Expanded ID, 2018

Grande parte dos trabalhos de Anaisa Franco demandam a interação do público, como Expanded Id, uma instalação que se assemelha a um mobiliário, onde há acoplado um dispositivo que captura a impressão digital do participante e, a partir dela, desenvolve uma animação exclusiva que é projetada no ambiente. Dessa maneira, cada participante tem uma experiência única com a obra de acordo com sua identidade, que é expandida para além do próprio corpo. Uma situação semelhante é provocada pela escultura pública The Heart of The City, apresentada no VIVID Sydney 2015, que funciona como uma espécie de banco que pulsa uma luz de acordo com o batimento cardíaco do usuário que nele se senta, produzindo um coração para a cidade. Também a partir da própria identidade, o participante tem seu coração expandido e ativa a obra de maneira singular. Com esses trabalhos, Anaisa possibilita que o público experimente uma nova percepção sobre o próprio corpo e sobre aqueles que o cercam.

The Heart Of The City, 2015.

A experiência de ver a si mesmo no espelho também é transformada por Anaisa com o trabalho On shame, da série Psicossomáticos, que aborda a relação da tecnologia com os sentimentos humanos. Esse espelho digital distorce a imagem do participante, produzindo a sensação de desconforto. On shame expressa a relação conflituosa do indivíduo com o próprio corpo, característica da contemporaneidade, onde a imagem de si é a todo tempo projetada para os outros por intermédio das mídias sociais, passando por filtros e dispositivos que tentam adequá-la a um determinado ideal. No trabalho de Anaisa, o padrão é o estranho, e a vergonha é assumida pela artista como um sentimento natural que, embora comumente seja escondido, faz parte de todas as pessoas.

On Shame (série Psicosomáticos), 2015

A identidade de gênero também é um tema abordado por Anaisa por meio do trabalho Homem grávido, uma escultura de madeira sobre a qual é projetada um documentário que conta histórias de homens transexuais que passaram pelo processo de transição de gênero, mas mantiveram o útero, podendo ainda engravidar. A obra afirma o novo passo da reprodução humana após bebês de proveta, barrigas de aluguel e inseminação artificial. Homem grávido mostra como padrões culturais são transformados a partir das transformações tecnológicas e aproxima a obra de Anaisa Franco às discussões da antropologia e da biotecnologia.

Homem Grávido, 2018

Anaisa Franco questiona o que define nossa identidade e expande a percepção do ser humano sobre si mesmo e sobre aqueles que o cercam, afirmando a heterogeneidade de corpos e culturas. Sua produção é definida pela relação com diferentes áreas do conhecimento e aponta para novos caminhos possíveis para a arte, demonstrando o que há de potente na apropriação de novas ferramentas que são desenvolvidas pela tecnologia.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Resenha

SANDRA VÁSQUEZ DE LA HORRA

A VIAGEM IMAGINÁRIA
A obra de Sandra Vasquez de la Horra reflete seu legado sócio-cultural. A artista nasceu no Chile em …

Reflexo

MAXWELL ALEXANDRE

AOS 30 ANOS, MAXWELL ALEXANDRE RETRATA EM SUA OBRA UMA POÉTICA QUE PASSA PELA CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS E CENAS ESTRUTURADAS A PARTIR …

Garimpo

MARJÔ MIZUMOTO

“MINHA PINTURA VEM DA IDEALIZAÇÃO ROMÂNTICA DO TRIVIAL, DO ORDINÁRIO, DO COTIDIANO, DA BANALIDADE. SINTO QUE EXISTE UMA POTÊNCIA NO …

Flashback

MAX KLINGER

PIONEIRO DO SIMBOLISMO ALEMÃO, MAX KLINGER (1857-1920) FOI UMA DAS PERSONALIDADES ARTÍSTICAS MAIS PROEMINENTES E, AO MESMO TEMPO, MAIS CONTROVERSAS …

Destaque

KRIS MARTIN

KRIS MARTIN CRIA IMAGENS A PARTIR DE OBJETOS QUE LEVANTAM QUESTÕES SOBRE CONCEITOS COMO TRANSITORIEDADE, IDENTIDADE E MORTE. DENTRO DE TEMAS …

Alto relevo

GEORGES BRAQUE

O MUSEU BUCERIUS KUNST FORUM ESTÁ DEDICANDO UMA RETROSPECTIVA A GEORGES BRAQUE, A PRIMEIRA PESQUISA ABRANGENTE DE SUAS PINTURAS NA …

Reflexo

VIVIAN CACURI

VIVIAN CACCURI CRIA OBJETOS, INSTALAÇÕES E PERFORMANCES QUE BUSCAM REFORMULAR A EXPERIÊNCIA COTIDIANA E, POR EXTENSÃO, PERTURBAM AS NARRATIVAS TRADICIONAIS. EM …

Flashback

ARTEMISIA GENTILESCHI

ARTEMISIA GENTILESCHI FOI UMA DAS MAIORES PINTORAS DO PERÍODO CONHECIDO COMO BARROCO ITALIANO. NASCIDA NA ÚLTIMA DÉCADA DO SÉCULO 16, …

Capa

LYNETTE YIADOM-BOAKYE

AS FIGURAS NAS PINTURAS DE LYNETTE YIADOM-BOAKYE NÃO SÃO PESSOAS REAIS – ELA AS CRIA A PARTIR DE IMAGENS ENCONTRADAS …

Destaque

JUDY CHICAGO

MUSEU DE SÃO FRANCISCO CELEBRA A ARTISTA FEMINISTA PIONEIRA JUDY CHICAGO COM A PRIMEIRA RETROSPECTIVA DE SEU TRABALHO. DESDE O SEU …

Alto relevo

KATHARINA GROSSE

A PINTURA DE KATHARINA GROSSE PODE APARECER EM QUALQUER LUGAR. SEUS EXTENSOS TRABALHOS SÃO MUNDOS VISUAIS MULTIDIMENSIONAIS NOS QUAIS PAREDES, TETOS, …

Alto relevo

AQUILO QUE NÃO SE VÊ - PARA OXÓSSI

“Fungos e liquens aniquilam as nossas categorias de gênero. Eles reorganizam nossas ideias de comunidade e cooperação. Ferram com o …

Garimpo

JANA EULER

CONSTRUINDO FABULAÇÕES PICTÓRICAS EXCÊNTRICAS, AS INÚMERAS TÉCNICAS DE CRIAÇÃO DE IMAGENS DA ARTISTA ALEMÃ JANA EULER EXAMINAM E EXAGERAM AS …

Reflexo

Ana Paula Oliveira

A ARTISTA MINEIRA RADICADA EM SÃO PAULO, ANA PAULA OLIVEIRA CRIA SITUAÇÕES POR MEIO DE DIVERSAS LINGUAGENS E MATERIAIS E …

Flashback

JAMES TISSOT

PINTOR BRILHANTE DA ALTA CLASSE SOB O SEGUNDO IMPÉRIO E DOS COSTUMES DA SOCIEDADE VITORIANA INGLESA, DOS ARISTOCRATAS ELEGANTES E …