Portrait de Paul Guillaume 1916. © Archives Alinari, Florence, Dist. RMN-Grand Palais / Mauro Magliani.

DASARTES 138 /

AMEDEO MODIGLIANI

NOVA EXPOSIÇÃO DE AMEDEO MODIGLIANI RESGATA ALGUMAS DE SUAS OBRAS-PRIMAS ICÔNICAS E EXPLORA OS LAÇOS ENTRE O PINTOR E O PAUL GUILLAUME, SEU JOVEM MECENAS E MARCHAND, NO RELUZENTE CENÁRIO ARTÍSTICO E LITERÁRIO DE PARIS NOS ANOS 1910

Elvire assise, accoudée à une table, 1919. © Saint Louis Art Museum Image Courtesy of the Saint Louis Art Museum.

Quase cem anos depois do encontro desses dois homens, em 1914, é interessante olhar de novo para um momento de suma importância na vida de Modigliani: quando Paul Guillaume se tornou o homem que venderia suas, nos anos 1910. E como a relação dos dois pode ajudar a entender a carreira do artista italiano.

Quando Amedeo Modigliani (1884-1920) chegou a Paris, em 1906, ele era pintor, mas, depois de conhecer Brancusi em 1909, começou a esculpir, dedicando quase todo o tempo a isso até 1913. De repente, em 1914, ele largou a escultura de vez e voltou para a pintura, fazendo centenas de quadros e muitos desenhos, focando só em retratar pessoas. E é essa mudança para a pintura que é o coração da relação dele com o marchand.

Paul Guillaume deu uma força, arrumou um lugar em Montmartre para Modigliani trabalhar, divulgou as obras em círculos artísticos e literários em Paris. Comprou, vendeu e colecionou suas obras, garantindo uma vida melhor para o artista e fazendo a fama dele crescer, até mesmo fora do país.

Paul Guillaume, Novo Pilota, 1915. Foto: © RMN-Grand Palais
(Musée de l’Orangerie) / Hervé Lewandowski.

Dizem que foi o poeta Max Jacob que apresentou Modigliani para Guillaume, em 1914. Provavelmente, tornou-se marchand de Modigliani no ano seguinte, como mostra a correspondência com seu mentor, o poeta e crítico de arte Guillaume Apollinaire, que estava no front de batalha durante a Primeira Guerra Mundial. Foi nesse contexto que o pintor eternizou o marchand em uma série de retratos, tanto pintados quanto desenhados, que ficaram famosos. Entre 1915 e 1916, Modigliani fez quatro retratos pintados do seu mecenas. O primeiro deles, que está guardado no museu de l’Orangerie, mostra a relação especial entre o marchand e o artista. Guillaume, que tinha só 23 anos na época, aparece vestido como um piloto visionário da vanguarda, todo chique, com luvas e gravata, e em cima está escrito “Novo Piloto”. Isso dá a entender que o marchand era uma fonte de grande esperança para o pintor.

Femme au ruban de velours, vers 1915.
Foto: © RMN-Grand Palais (Musée de l’Orangerie) / dr.

Os relatos de Guillaume também mostram um lado mais pessoal de Modigliani, com quem tinha afinidades artísticas e literárias. Os dois gostavam de arte africana, literatura e poesia. Paul Guillaume lembra que Modigliani “gostava e julgava a poesia, não do jeito frio e incompleto de um professor universitário, mas com uma alma misteriosamente sensível e aventureira”. Além das cinco pinturas de Modigliani no acervo do l’Orangerie, mais de cem quadros, cinquenta desenhos e cerca de dez esculturas do artista passaram pelas mãos do marchand. Isso mostra que ele não só ajudou a promover Modigliani, mas tinha um apreço pessoal por seu trabalho, que exibia abundantemente nas paredes de seus vários apartamentos. Eram retratos das figuras marcantes de Paris na época, como Max Jacob, André Rouveyre, Jean Cocteau, Moïse Kisling, além de modelos desconhecidos e conjuntos lindos de retratos das mulheres que compartilharam a vida do pintor.

Modigliani dans son atelier, rue Ravignan Vers 1915. Foto: © RMN-Grand
Palais (Musée de l’Orangerie) / Archives Alain Bouret, Dominique Couto

 

PARIS: ENTRE MONTMARTRE E MONTPARNASSE

Modigliani dans son atelier, rue Ravignan Vers 1915. Foto: © RMN-Grand
Palais (Musée de l’Orangerie) / Archives Alain Bouret, Dominique Couto.

No início do século 20, Paris era um ímã e um caldeirão para artistas da vanguarda. Uma variedade de artistas de partes completamente diferentes do mundo se mudou para a cidade, entre eles Amedeo Modigliani. Dois bairros na capital francesa – Montmartre e Montparnasse – destacaram-se por seu sentido abrangente de competição artística, e Modigliani se movimentava constantemente entre os dois. Quando se uniu ao galerista Paul Guillaume, este alugou para o artista um estúdio na então famosa rue Ravignan, em Montmartre.

 

ABORDAGEM FIGURATIVA

Ao longo de sua carreira, Modigliani se dedicou quase exclusivamente à representação da figura humana. Os personagens ao seu redor, modelos e até figuras anônimas formaram a base de seu trabalho. Suas pinturas estão repletas das características únicas das pessoas que ele retratou, incluindo suas companheiras Beatrice Hastings e Jeanne Hébuterne. No entanto, sua arte também é impregnada de uma forma de estilização e minimalismo que confere uma qualidade sintética aos seus retratos, que às vezes se assemelham a máscaras com pupilas em branco. Guillaume, que buscava reunir grupos de maneira clássica, moderna e sintética, naturalmente ficou impressionado com o trabalho incomum de Modigliani.

 

ATRAÇÃO PELA ARTE NÃO OCIDENTAL

Artiste fang, Gabon, século XVIII © Fondation
Angladon-Dubrujeaud

Assim que abriu sua galeria, em 1914, Guillaume começou a expor esculturas africanas e pinturas modernas lado a lado. Enquanto isso, Modigliani frequentava o Musée Éthnographique du Trocadéro desde 1909 e mostrava um interesse inicial pela arte não ocidental. Embora ele tenha parado de fazer esculturas em pedra no início da Primeira Guerra Mundial, há paralelos a serem traçados entre suas cabeças pintadas de 1914 e 1915 e essas formas angulares e alongadas, que também evocam certas inovações estilísticas semelhantes ao Cubismo.

 

O PERÍODO NO SUL

La Belle irlandaise, en gilet et au camée, 1917-1918

Le Jeune Apprenti,1917-1919.

Antonia,
1915 e La chevelure noire, dit aussi
Jeune fille brune assise, 1918. © RMN
Grand Palais (Musée de l’Orangerie).

Em março de 1918, com a saúde de Modigliani deteriorando, sua companheira Jeanne Hébuterne grávida e bombas caindo sobre Paris, o segundo negociante de arte do artista, Léopold Zborowski, enviou-os para morar no Sul da França. Essa estadia no Sul deu origem aos retratos mais belos de entes queridos e de estranhos, todos claramente inspirados por Cézanne e marcados pela paleta de cores e toque do artista. Algumas fotos também mostram Paul Guillaume com Modigliani na Promenade des Anglais, em Nice, ilustrando a contínua relação entre os dois. Assim como antes, Guillaume comprou pinturas desse período, mesmo após a morte do artista, em 1920, e continuou a circulá-las e vendê-las tanto na França quanto no exterior.

 

MODIGLIANI NOS INTERIORES DE PAUL GUILLAUME

Anonyme, Paul Guillaume assis dans un fauteuil en rotin 16, av. De Villiers, Non daté. © RMN-Grand Palais (musée de l’Orangerie) / Dominique Couto.

As várias residências de Guillaume foram vitrines para sua coleção. Desde sua modesta casa de três quartos no início de sua carreira – que servia como showroom e permitia experimentação genuína – até o magnífico apartamento na Avenue du Maréchal Maunoury, no 16º andar, onde ele se instalou, em 1934, ano de sua morte, o negociante deu destaque às obras de Picasso, Matisse, Renoir, Cézanne e Derain, ao lado de peças não ocidentais. O trabalho de Modigliani, entretanto, sempre teve destaque.

 

Cécile Girardeau é curadora e
conservadora do Museu de
L’Orangerie, em Paris, França.

AMADEO MODIGLIANI: UN PEINTRE ET SON
MARCHAND•MUSÉE DE L’ORANGERIE•
FRANÇA •20/9/2023 A 15/1/2024

Compartilhar:

Confira outras matérias

Flashback

FRANS HALS

Frans Hals pintava retratos; nada, nada, nada além disso. Mas isso vale tanto quanto o Paraíso de Dante, os Michelangelos, …

Destaque

CAMILLE CLAUDEL

NÃO VIVAS DE FOTOGRAFIAS AMARELADAS

Camille Claudel

 

É possível enlouquecer por amor? Toda vez que se conta a história de Camille Claudel …

Alto relevo

ERWIN WURM

A certa altura, percebi que tudo o que me rodeia pode ser material para um trabalho artístico, absolutamente tudo. Para …

Alto relevo

ANA MENDIETA

ALMA EM CHAMAS: ANA MENDIETA “ARDE” NO SESC POMPEIA

Silhuetas em fogo é a sensacional exposição dedicada à Ana Mendieta, em …

Do mundo

HIROSHI SUGIMOTO

Em sua maioria produzidas com sua antiquada câmera de visão de madeira, as imagens de Hiroshi Sugimoto (Tóquio, 1948) destacam …

Flashback

CHAÏM SOUTINE

Chaïm Soutine (1893-1943) foi um artista com uma vida extraordinária. Criado em uma cidadezinha perto de Minsk, mudou-se para Paris …

Destaque

JARBAS LOPES

A natureza expande suas formas nas percepções dos que se aproximam dela. O artista Jarbas Lopes, com seu semblante de …

Capa

ED RUSCHA

Ed Ruscha deixou Oklahoma City em 1956 para estudar arte comercial no Chouinard Art Institute (hoje CalArts), em Los Angeles. …

Do mundo

KEITH HARING

ARTE É PARA TODOS

Nascido em 1958, Haring cresceu em Kutztown, Pensilvânia, onde o pai, Allen, o ensinou a fazer desenhos …

Alto relevo

ALEX ČERVENÝ

MIRABILIA

Capere mundum. Ao observar tudo o que nos envolve, Alex Červený, artista e ilustrador nascido em São Paulo, com uma …

Flashback

SUZANNE VALADON

Eu desenhei loucamente para que, quando não tiver mais olhos, eu possa ver com as pontas dos dedos, explicou a …

Reflexo

SARAH LUCAS

Em HAPPY GAS, para a nova exposição de Sarah Lucas, no Tate Britain, são utilizados: banana, lâmpadas, concreto, peixes, carro, …

Destaque

Ana Holck

Os títulos das obras mais recentes de Ana Holck pressupõem um estado de ação, pois a representação do movimento é …

Do mundo

KEHINDE WILEY

As figuras de Wiley ocupam triunfalmente espaços culturais tradicionalmente reservados à realeza branca, ao clero ou à nobreza, enquanto ele …

Flashback

ANTONIO CANOVA

Nascido em 1757, na cidade italiana de Possagno, Antonio Canova (1757-1822) se formou principalmente em Veneza. Rapidamente conquistou elogios por …