Juliana Notari, Frame da videoperformance (vídeo projeção em três telas), 2014.

DASARTES 87 /

À Nordeste

À NORDESTE, em cartaz no SESC 24 de Maio, apresenta pesquisas de três curadores sobre a região Nordeste com 150 artistas e cerca de 300 obras que multiplicam e ressoam vozes, muitas vezes, silenciadas, subalternizadas e afixadas a um passado colonialista e rasamente turistificado.

A exposição À Nordeste, em cartaz no SESC 24 de maio, de 16 de maio a 25 de agosto de 2019, surgiu como desejo de juntar as pesquisas de três curadores: Clarissa Diniz, Bitú Cassundé e Marcelo Campos. As pesquisas sobre e na região Nordeste já vinham sendo desenvolvidas pela curadoria em localidades distintas da região há, pelo menos, uma década. A partir disso, o projeto foi desenhado e tomou a pergunta do artista Yuri Firmeza, em texto de 2016, como mote: a nordeste de quê?

Partiu-se, então, para uma pesquisa que passou, em visitas da curadoria e da produção do projeto, por todos os nove Estados da região. O que poderia se tornar categórico e estigmatizado, como representação do Nordeste, transformou-se em potência do presente: obras e reflexões que fazem da região uma posição a ser desconstruída e não uma condição identitária e fixada por signos distintivos. Ao contrário, a exposição atravessa e é atravessada por mais de 150 artistas e por cerca de 300 obras que multiplicam e ressoam vozes, muitas vezes, silenciadas, subalternizadas e afixadas a um passado colonialista e rasamente turistificado.

Jonathas de Andrade, ABC da cana,2014. Foto: Eduardo Ortega.

A partir das viagens, trouxemos diálogos na tentativa de horizontalidade que não propõe distinção e diferença entre o status da arte moderna, contemporânea e popular. Além disso, são evidenciadas produções de design e internet, como memes, gifs, etc.

A exposição se divide em oito núcleos: futuro, (de)colonialidade, trabalho, linguagem, natureza, cidade, desejo, insurgência. Em cada um dos núcleos, encontram-se trabalhos que se relacionam com paradigmas históricos, como o êxodo de populações rurais para as cidades, trabalhadores nordestinos nos grandes centros urbanos ou em recrutamentos para a construção de projetos, como a transamazônica, ou ocupações de trabalhadores nordestinos em fábricas, casas de família, portarias.

Ana Lira, Letreiro Sentir Insurgente.

Assim, a pesquisa olhou o Nordeste no acirramento das questões eleitorais de 2018, que pintaram a região de encarnado. Assim, À Nordeste se situa nas encruzilhadas entre caminhos novos e ancestrais; respostas e reações aos estigmas e insurgências frente a assuntos aos quais não se pode calar.

O que se mostrou vivamente pulsante foi uma região que atua em questões políticas, artísticas e culturais se mantendo atenta a linguagens ampliadas da arte e às urgências de uma sociedade com traumas seculares, mas que se insurge frente ao desejo de uma politicagem excludente. Ao contrário do que se afirmou historicamente, estar a nordeste é tomar posição em relação ao que poderia tornar o Nordeste marginalizado. Tudo se lança ao futuro, as carrancas nas motocicletas, as radiolas do reggae, a vontade de transubstanciação, a existência de mundos oníricos. Um passado açucareiro e escravocrata é revisto, em certo amálgama entre religiosidade e protesto, sobrevivência de aldeamentos e aquilombamentos e a instauração do deboche e da alegria dos carnavais. A linguagem codifica outras geometrias, populares, processuais. Os caminhos do desejo se refazem em transes e propostas desde os limites da casa, dos quintais, à amplidão das paisagens. O advento das cidades deixa de ser privilégio do Centro-Sul e passa por críticas a ocupações contrastantes, como as casas de palafitas e os arranha-céus. Da natureza, retiram-se chás, lamas, mangues em que o contato e o convívio são amalgamados em tradições reinventadas por artistas.

Gê Viana, Daniel e Raimundo Mutirão.

À Nordeste, então, toma posição frente à norma vigente, desde seu título, com o uso de uma crase inexistente na norma culta da língua portuguesa, mas que acentua a ambiguidade entre estar localizado ou seguir em ampliadas derivações.

À Nordeste • Sesc 24 de Maio • São Paulo • 16/5 a 25/8/2019

Compartilhar:

Confira outras matérias

Destaque

REN HANG – NUDES

A mostra NUDES, do artista chinês Ren Hang, apresenta um compêndio de 90 obras, sendo uma retrospectiva com os trabalhos …

Alto relevo

NICOLAS DE STAËL

Nicolas de Staël (São Petersburgo, 1914-1955) é um dos artistas mais relevantes do panorama artístico francês desde 1945. A exposição …

Flashback

JAN VAN EYCK

JAN VAN EYCK ESTEVE AQUI

Foi o historiador Gombrich quem disse que “um simples recanto do mundo real fora subitamente fixado …

Alto relevo

J. CARLOS

J. Carlos (1884-1950), como ficou conhecido José Carlos de Brito e Cunha, era carioca de Botafogo, e viveu grande parte …

Do mundo

Félix Fénéon

Nunca é demais reforçar: no mundo da arte, nem tudo é sobre o artista. De fato, a arte moderna parece …

Capa

AUBREY BEARDSLEY

Com pouco mais de seis anos de produção, Aubrey Beardsley não apenas marcou uma época e inseriu seu nome na …

Alto falante

Sim

“Eu preferiria não”
Herman Melville

Sim. São diversas opções. Sim. Existem horários sobrepostos. Sim. Há certa sensação de democratização de acesso. Sim. …

Flashback

JAMES TISSOT

O MODERNO AMBÍGUO

James Tissot nasceu em 1836 e morreu no alvorecer do século 20. Teve uma longa carreira em ambos …

Capa

ALEX KATZ

A aparente simplicidade das pinceladas de Alex Katz pode gerar desinteresse apenas ao olhar desatento. Os grandes blocos de cor, …

Destaque

WOLFGANG TILLMANS

Nascido em 1968, em Remscheid, Alemanha, Tillmans estudou no Poole College of Art e Design, em Bournemouth, Inglaterra. Em 2000, …

Alto relevo

FRANK WALTER

“Nossa coroa já foi comprada e paga. Tudo o que precisamos fazer é usá-la.”
James Baldwin, em uma conversa na televisão, …

Garimpo

JANA EULER

Concebidos nos últimos três anos, os trabalhos da exposição Unform trazem muitas das investigações pictóricas de Euler sobre as inter-relações …

Reflexo

ANA PAULA OLIVEIRA

“Escrever sobre o próprio trabalho sempre é desafiador para mim, difícil encontrar palavras para algo indizível…. proponho aqui algumas reflexões …

Resenhas

O baile urbano e sincrônico de Bettina Pousttchi em Berlim

“Todo objeto, sem exceção, quer seja criado
pela natureza ou pela mão do homem, é um ente
com vida própria que inevitavelmente …

Alto falante

Amor

Elxs acordaram em um tempo cíclico, onde a referência de passado e futuro tinha desaparecido quase instantaneamente. E, mesmo sabendo …