Vidro quebrado e céu sombrio inspiram esta artista japonesa

Artistas e designers que trabalham com cerâmica e vidro podem ser considerados do tipo delicados. Afinal, eles se especializam em obras que podem quebrar facilmente.

Mas o inverso tende a ser verdade. Exige bravura firme para soprar vidro ou incendiar um forno, considerando o derretimento, explosões e estilhaços que são uma parte normal do processo.

Rui Sasaki se encaixa nesse molde contra-intuitivo. Ela é de fala mansa, mas extremamente obstinada em sua exploração de um meio complicado em larga escala, como no que talvez seja seu trabalho mais conhecido, Liquid Sunshine / I’m a Pluviophile, uma comissão do Corning Museum of Glass em Corning, Nova York, que estava em exibição de longo prazo até janeiro e agora faz parte da coleção do museu.

É feito de mais de 200 pedaços de vidro fosforescente em forma de gota de chuva, e Sasaki passou cerca de um ano produzindo. Agora, ela está trabalhando em uma nova versão da peça para o Museu de Arte em Vidro de Toyama.

“Fragilidade e quebra de vidros são uma inspiração para mim”, disse Sasaki, 36 anos, de sua casa em Kanazawa, no Japão. “Porque o vidro é muito frágil, mas é realmente forte – muito mais forte que o ferro em alguns aspectos.”

O grande assunto de Sasaki é o clima, que, em mãos erradas, pode ser um assunto banal. Ela infunde mistério.

“É uma inspiração importante para mim”, disse Sasaki. “Nós nunca temos muito sol na minha área e é a cidade mais chuvosa do Japão. Está sempre nublado.

Ela foi criada em um subúrbio de Tóquio, onde era muito mais ensolarado, disse ela.

Em vez de criar objetos estáticos para serem vistos, Sasaki ativa suas instalações. Em Corning, Liquid Sunshine foi experimentado pelos visitantes em uma sala escura, onde as luzes se apagavam cada vez que alguém entrava, devido a um detector de movimento.

Os pedaços de material fosforescente, que estavam sendo constantemente carregados, brilhavam, mas depois desapareciam com o tempo à medida que as pessoas permaneciam no espaço, “a maneira como a memória da luz do sol desaparece durante os dias escuros do inverno”, escreveu Sasaki na declaração da artista para a peça.

Ela usou vidro fosforescente da mesma forma no trabalho de 2015 Weather Chandelier, que foi anexado a um painel solar. Ela precisa encomendar o material fosforescente da China.

Susie Silbert, curadora do Corning Museum que trabalhou em Liquid Sunshine, disse que os preparativos de Sasaki a impressionaram.

“Rui se reuniu com cientistas para ver como o vidro transparente poderia funcionar com a fosforescência”, disse Silbert. “Ela realmente teve que solucionar isso. Foi muita pesquisa. Nem todas as formas de vidro podem aguentar.

Embora Sasaki crie objetos esteticamente agradáveis, seu trabalho também pode ser ameaçador. Sua instalação de 2010 Walking on Glass fez com que os visitantes fizessem exatamente isso, pulverizando as vidraças em pó. Para Self-Container No. 2, exibida em 2015, ela criou uma caixa de blocos de vidro transparente, abertos na parte superior, mal grandes o suficiente para caber seu próprio corpo em uma posição dobrada.

Na adolescência, “eu queria ser um arqueólogo ou cirurgião”, disse Sasaki. Mas no ensino médio, ela viajou com o pai para Okinawa, um centro de atividades artesanais no Japão, onde viu o vidro soprado pela primeira vez.

“Eu disse, ‘Oh, meu Deus, isso é vidro'”, disse ela. “Fiquei fascinada com isso, então mudei meus objetivos de carreira.”

Sasaki raramente trabalha com vidro colorido, preferindo a versão cristal para seus projetos.

Ela disse que quando criança, “eu estava realmente obcecado em nadar no oceano e na piscina. Eu sempre quero estar na água o tempo todo e estou realmente interessado em material transparente.”

Depois da visita a Okinawa, ela fez uma conexão em sua mente: “Água é vidro. Vidro é água.

Ela foi até os pais com as más notícias. Sasaki lembrou: “Eu disse a eles: ‘Eu quero ser um artista’, e eles disseran ‘você vai escolher uma vida instável?’ Eles ficaram tão surpresos.

Plantas imprensadas entre folhas de vidro queimadas em um forno, parte de uma instalação de parede proposta para o Jardim Japonês de Portland.

Plantas imprensadas entre folhas de vidro queimadas em um forno, parte de uma instalação de parede proposta para o Jardim Japonês de Portland. Crédito…Projetos Bullseye

Sasaki, que trabalha como professora em tempo integral em uma escola de arte local, Kanazawa Utatsuyama Kogei Kobo, obteve seu bacharelado em artes pela Musashino Art University, nos arredores de Tóquio, em 2006. Ela foi para a Rhode Island School of Design para um mestrado em Artes. Licenciatura em Belas Artes, aperfeiçoando seu inglês ao longo do caminho.

“O RISD foi um choque cultural para ela”, disse Jocelyne Prince, chefe do departamento de vidro da escola e um dos professores de Sasaki. “Quase falhei com ela naquele primeiro semestre. Mas sua tenacidade acabou trabalhando a seu favor.

Prince disse que demorou um tempo para Sasaki se acostumar com uma abordagem experimental – “trabalhando de uma maneira que fosse mais sobre a questão do que o resultado final” -, mas que suas lutas eram comuns para muitos estudantes de pós-graduação.

“Ela encontrou o seu ritmo, e então era imparável”, disse Prince. “O trabalho dela não perdeu sua natureza experimental. Tornou-se melhor enquanto permanece fresco. ”

A tenacidade de Sasaki foi útil na hora de apresentar Liquid Sunshine no Corning Museum of Glass. Embora tenha passado meses planejando, ela ficou no museu por apenas três dias no final do processo de instalação.

“Ela queria usar uma tinta brilhante no chão, para que as peças pudessem refletir”, lembrou Silbert. “Mas naquele momento não conseguimos desinstalar a peça inteira para fazer isso. Então, surgiu uma alternativa: cobrimos o chão com o reflexivo Mylar.”

O próximo projeto de Sasaki estava programado para estrear em setembro no Jardim Japonês de Portland, no Oregon, mas foi adiado por causa da pandemia.

“Está chuvoso lá, então é perfeito”, disse ela.

Discutir o clima de Portland a fez pensar em nuvens em geral e por que ela gosta de tentar descrevê-las.

“Uma nuvem que você não pode tocar ou agarrar”, disse Sasaki. “É uma forma nebulosa; é temporário. Eu acho que são essas coisas ambíguas que são interessantes para mim. ”

© 2020 The New York Times Company

Compartilhar:
Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …

Notícias - 17/12/2020

Itaú Cultural lança publicação com trabalhos de artes visuais selecionados em edital

No dia 15 de dezembro entrou no ar, no site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, uma publicação virtual que reúne as …

Notícias - 17/12/2020

CASA FIAT DE CULTURA DIVULGA SELECIONADOS PARA EXPOR NA PICCOLA GALLERIA

O 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura já tem os nomes dos artistas selecionados …