Veja 3 curiosidades desta pintura de Edward Hopper que foi chamada de uma das ‘Imagens mais incríveis do verão’

Durante o verão europeu de quarentena, examinamos mais de perto o ‘Sol da manhã’ de Edward Hopper

As pinturas de Edward Hopper são amadas há muito tempo, mas durante a quarentena parecem repentinamente novas novamente. Suas figuras isoladas e ruas vazias parecem instantâneos estranhos da vida real. E, com o verão chegando, a pintura de Hopper, Morning Sun, de 1952,  atinge um acorde em particular – na verdade, foi  chamada de uma das “imagens mais definitivas do verão”.

Nela, uma mulher, modelada na esposa do pintor, Jo, é retratada em uma pequena camisola rosa, com os braços nus. Ela está sentada na cama com  os joelhos puxados para o peito, olhando  pela janela do quarto para o céu da cidade. Sombras dramáticas são projetadas nas paredes cruas atrás dela.

A pintura – na coleção do Museu de Arte de Columbus desde 1954, quando foi institucionalizada custou apenas US$ 3.500 – é Hopper no seu melhor. Ele sugere os ossos nus de uma narrativa com o tipo de estilo evocativo e livre  que desde então influenciou cineastas e fotógrafos, incluindo Alfred Hitchcock, David Lynch, Wim Wenders e Gregory Crewdson.

Morning Sun é uma das pinturas mais conhecidas de Hopper. Se você conhece a arte dele, provavelmente conhece esta imagem. Aqui estão três fatos sobre a pintura que podem fazer com que você a veja de uma maneira diferente.

1) O outro amor de Hopper era Degas

Edgar Degas, mulher em uma janela (1872). Cortesia de Wikimedia Commons.

Embora considerado o realista americano por excelência, Hopper diria mesmo tarde na vida: “Acho que ainda sou impressionista”.

Ele viajou para Paris frequentemente como um jovem artista. Lá, ele ficou particularmente impressionado com o trabalho de Edgar Degas. Hopper compartilhava o interesse de Degas tanto no teatro – Degas adorava os bastidores do balé, a arte de Hopper é cheia de cinemas – e os prazeres às vezes grosseiros da vida contemporânea. Essa influência foi ainda mais cimentada quando, em 1924, ano em que Hopper e Jo Nivison se casaram, ela presenteou-a com uma cópia de Degas, de Paul Jamot, uma nova publicação elaborada sobre o pintor.

De Degas, Hopper adotou o forte uso de diagonais e o corte severo, quase fotográfico, do plano da imagem, visível aqui no Sol da manhã no corte da cama e da janela. Uma comparação pode ser a Mulher em uma janela (1872). Lá, uma figura feminina sentada tem seu perfil pintado próximo a janela – embora Degas opte por sombras elegantes e Hopper por luz lúcida.

2) Ele tinha uma teoria da “forma pessoal”

Um leitor voraz, Hopper nomeou tudo, desde a ficção de celulose da Dimestore até Hemingway, a filosofia europeia e os escritos transcendentalistas como suas influências. Sua filosofia artística pessoal também veio da literatura: ele manteve uma citação de Goethe em sua carteira e a referenciou com frequência: “ O começo e o fim de toda atividade literária é a reprodução do mundo que me rodeia por meio do mundo que está em mim, tudo sendo compreendido, relacionado, recriado, moldado e reconstruído de forma pessoal e original. ”

Para Hopper, a representação do mundo era uma projeção de sua própria mente – e, nesse sentido, ele compartilhava afinidades com os movimentos de arte abstrata que aconteciam ao seu redor em Nova York durante as décadas de 1940 e 50. Embora Hopper zombasse infamemente de que nunca ouvira falar de Picasso em Paris, ele não evitou tanto a arte moderna quanto a amostra dele, quaisquer que fossem os elementos que desejasse.

Especialmente em seus trabalhos posteriores, como Morning Sun, a luz é retratada quase como um objeto abstrato. Em seu ensaio  “Hopper e a figura da sala”, o historiador de arte John Hollander escreve sobre Morning Sun que o paralelogramo da luz lançada contra a parede atrás de Jo é “uma imagem da mente do meditativo como a sombra projetada na cama do corpo dela.

Nessa leitura, você quase consegue pensar na grande área de luz atrás dela como um balão vazio de quadrinhos. Considere como o fato de ocupar mais espaço na parede do que a janela real certamente faz com que a pintura seja lida como focada em seu mundo interior, e não no exterior.

Por sua parte, Hopper nunca realmente buscou a abstração, mas seus trabalhos tornaram-se cada vez mais planares, culminando em Sun In An Empty Room (1963), em que uma sala como a de Morning Sun ficou livre de tudo, menos da luz. “Acho que não sou muito humano”, dizia ele. “Tudo o que realmente quero fazer é pintar a luz do lado de uma casa.” É fácil ver como artistas expressionistas abstratos, como Mark Rothko, nomearam Hopper entre suas grandes influências.

3) A pintura traduz tranquilidade; O relacionamento por trás dela não era

 

Edward Hopper, Estudo do Sol da Manhã (1952). Cortesia do Museu Whitney de Arte Americana.

Muito do sucesso inicial de Hopper pode ser atribuído a Jo, sua esposa, gerente e o tema desta pintura. Quando o casal se casou em 1924, ambos tinham 40 anos. Jo, pintora e atriz, foi a mais estabelecida dos dois. Em 1923, ela foi convidada a participar de uma exposição coletiva de artistas americanos e europeus no Museu do Brooklyn e incentivou os curadores a incluir também o trabalho de seu marido. A exposição resultou na primeira aquisição de seu trabalho no museu.

Jo era a única modelo feminina de Hopper de 1923 até a morte de Hopper, em 1967, embora ele nunca considerasse seus quadros retratos dela, usando-a como substituta de “qualquer mulher”. Na época da pintura de Morning Sun, Jo tinha 69 anos, mas é representada em uma representação jovem e idealizada. Nos esboços de Hopper para a pintura, você pode vê-lo abstraindo os detalhes dela, melhor para dar à cena a sensação de ser um momento simbólico maior.

O relacionamento do casal era tempestuoso, com Jo sacrificando suas ambições de gerenciar a carreira de Hopper enquanto mantinha registros meticulosos de suas obras, exposições e vendas concluídas – até chamando suas pinturas de “seus filhos”. Hopper, por sua vez, ridicularizou as pinturas de Jo e às vezes a proibia de mostrá-las. Uma vez que você perceba, a história de fundo pode dar um significado totalmente diferente para a solidão ambígua de Morning Sun.

Fonte e tradução: Artnet News

Compartilhar:
Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …

Notícias - 17/12/2020

Itaú Cultural lança publicação com trabalhos de artes visuais selecionados em edital

No dia 15 de dezembro entrou no ar, no site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, uma publicação virtual que reúne as …

Notícias - 17/12/2020

CASA FIAT DE CULTURA DIVULGA SELECIONADOS PARA EXPOR NA PICCOLA GALLERIA

O 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura já tem os nomes dos artistas selecionados …