Um espetáculo maravilhoso e estrondoso: vejam o que estão dizendo sobre a exposição retrospectiva de William Turner

Da representação mais devastadora do comércio de escravos a um naufrágio eroticamente carregado, dos redemoinhos do mar de tirar o fôlego ao vapor e fumaça de JMW Turner que o tornaram um verdadeiro visionário de sua época

Em breve matéria sobre o pintor JMW Turner na Revista DASartes.

Não é uma prática padrão os curadores chamarem a atenção para uma obra-prima que não conseguiram emprestar. Mas bem no meio do redemoinho de uma exposição de Turner da Tate Britain está uma reprodução de sua pintura Navio Escravo de 1840 (Escravos jogando ao mar os mortos e moribundos). Aparentemente, ele se tornou muito frágil para fazer a viagem transatlântica do Museu de Belas Artes de Boston – outra reviravolta na história da obra de arte mais devastadora já feita sobre o comércio de escravos britânico. Portanto, em vez de passar por cima do não comparecimento, a exposição exige que você faça uma pausa para lamentar – e o que ela retrata.

Esta pintura pertence ao cerne do Mundo Moderno de Turner, embora esteja aqui apenas como uma ideia, um conceito, com um trecho do poema Turner de David Dabydeen ao lado da reprodução. Isso porque esta exposição apresenta Turner como um pintor apaixonado e engajado da vida moderna. Mostra como ele estava ciente das libertações e opressões de sua era revolucionária. Nascido em Londres em 1775, em um mundo governado por aristocratas e monarcas onde o cavalo era a coisa mais rápida do mundo, Turner viveu para ver a chegada de trens, navios a vapor, reforma política e fotografia – e a abolição do comércio de escravos.

Vertiginous… Snow Storm - Barco a vapor na boca de um porto, que Turner afirmou ter pintado depois de se amarrar a um mastro durante uma tempestade.

 Vertiginous… Snow Storm – Barco a vapor na boca de um porto, que Turner afirmou ter pintado depois de se amarrar a um mastro durante uma tempestade. Fotografia: Sam Drake / Tate

 

Em 1781, quando Turner tinha seis anos, o capitão do Zong, um navio negreiro de Liverpool, ordenou que 133 dos humanos mercantilizados que estava levando da África para a Jamaica fossem jogados ao mar porque, nas palavras de um relato contemporâneo, o título de Turner ecoa “Os escravos mortos e moribundos teriam sido uma perda mortal para os proprietários”. Quase 60 anos depois, Turner ressuscitou esse crime contra a humanidade em uma pintura que atormenta a alma com seu céu sangrento e mar cheio de carne. Naquela época, o comércio de escravos da Grã-Bretanha estava no passado, era melhor esquecido – mas não por Turner. O crítico Ruskin, dono deste quadro, ficou tão chateado ao olhar para o que chamou de “o navio culpado” que, mesmo reconhecendo-o como o feito supremo de Turner, o vendeu para o exterior. É uma verdade que os britânicos acham difícil de olhar – então como agora.

Por que Turner conseguiu visualizar esse horror? Porque ele era, como Ruskin o chamava, um pintor moderno. Ele adora o mundo moderno de uma forma que ninguém consegue hoje. Um rótulo nos lembra que a fumaça subindo em majestade cinza-escuro dos vapores do rio em sua tela de 1835-40 The Thames Above Waterloo Bridge está cheia de carbono catastrófico. Mas, para Turner, essa fumaça é sublime, uma sombra tingida de azul esculpida contra névoas brancas.

Um dos Turners mais estranhos de todos os tempos ... Um desastre no mar.

Um dos Turners mais estranhos de todos os tempos … Um desastre no mar. Fotografia: Zuri Swimmer / Alamy Foto de stock

 

Turner adora vapor e fumaça pela chance que eles lhe dão de usar cores úmidas de novas maneiras. Eu me vi afundando, caindo na Tempestade de Neve – Barco a Vapor na Boca de um Porto, a espiral vertiginosa de brancos e negros que ele alegou ter pintado depois de se amarrar a um mastro durante uma tempestade. Os estudiosos não conseguem rastrear o barco em que ele afirmou que isso aconteceu, mas, como Ruskin insistiu, é uma verdade mais elevada que Turner pinta. Se você ficar na frente desse vórtice de espuma em espiral, poderá sentir que está girando. Turner mergulha você em um mundo sem bases sólidas, em um navio que está afundando.

Na sala dominada pela não aparência do Navio Escravo está pendurado um dos Turners mais estranhos que eu já vi. Acredita-se que um desastre no mar retrate uma tragédia da vida real que reflete a criminalidade dos Zong. Em 1833, um navio chamado Amphitrite naufragou ao largo de Boulogne enquanto transportava 108 prisioneiras e 12 crianças para a colônia penal na Austrália. Turner o descreve como sua resposta à Jangada da Medusa de Géricault. Mas também é uma fantasia erótica. Turner, para consternação de seu executor Ruskin, adorava desenhar e pintar mulheres nuas. Aqui, ele cria um emaranhado de corpos nus agarrados uns aos outros no mar espumante e espumante – um naufrágio sexy.

Um navio fantasma pálido puxado por um barco a vapor de metal ... O Temeraire Lutador.

 Um navio fantasma pálido puxado por um barco a vapor de metal … O Temeraire Lutador. Fotografia: National Gallery Photographic Department / National Gallery, Londres

É de um gosto colossalmente ruim e inesquecível. Há tantas emoções pictóricas nesta exposição. Eu estava criminalmente tentado a tocar as superfícies, a sentir aquelas ondulações e manchas de tinta. Nas cenas impressionantes e quase abstratas de Turner da caça às baleias no Ártico, superfícies brancas ofuscantes são marcadas e cortadas como se ele as tivesse esculpido com uma faca.

Esse radicalismo artístico é o que permitiu a Turner pintar o Navio Escravo – imaginar um evento histórico como se ele estivesse lá. Seu verdadeiro significado é revelado da maneira mais inesperada. Eu nunca havia notado antes como o Navio Escravo é semelhante a sua amada obra-prima, O Temeraire Lutador, emprestada pela National Gallery. Ambos são polidos por suas cores mais intensas. Ambos retratam uma era que já passou. O Fighting Temeraire é um navio fantasma pálido puxado por um barco a vapor de metal: um dos últimos sobreviventes da Batalha de Trafalgar sendo rebocado ao esquecimento. Mas Turner exige que nos lembremos disso, com orgulho nacional. No Navio Escravo, ele usa o mesmo gênio para preservar a mais vergonhosa memória britânica.

A mostra Turner Modern World está na Tate Britain, Londres, de 28 de outubro a 7 de março.

Compartilhar:
Notícias - 24/11/2020

Escavação revela restos preservados de homens envoltos em cinzas vulcânicas

Arqueólogos da cidade romana de Pompéia recorreram a uma técnica centenária para conservar os corpos de dois homens recentemente desenterrados …

Notícias - 24/11/2020

Desenho recém-descoberto é um verdadeiro da Vinci, afirma especialista

Um desenho que esteve em uma coleção privada por anos foi atribuído a Leonardo da Vinci. O jornal italiano La …

Notícias - 23/11/2020

Virgínia Di Lauro aborda feminino e ancestralidade na galeria Simone Cadinelli

Simone Cadinelli Arte Contemporânea apresenta “Em Suspensão”, ocupação feita pela artista Virgínia Di Lauro em sua vitrine voltada para a …

Notícias - 23/11/2020

4º Prêmio Aliança Francesa de Arte Contemporânea apresenta mostra com finalistas

Na terça-feira, 24 de novembro, às 19h, acontece a inauguração virtual da Mostra Coletiva do 4º Prêmio Aliança Francesa de …

Notícias - 19/11/2020

Bruno Barbey, Fotógrafo da Magnum Photos, morre aos 79 anos

Bruno Barbey, fotógrafo francês da agência Magnum Photos que produziu trabalhos poderosos e empáticos em zonas de guerra, bem como …

Notícias - 19/11/2020

Arqueólogos egípcios fazem a 'maior descoberta de 2020'

Arqueólogos egípcios anunciaram a descoberta de mais de 100 caixões pintados na antiga necrópole de Saqqara, ao sul do Cairo. …

Notícias - 19/11/2020

Sonia Gomes figura na lista de artistas da Bienal de Gwangju, na Coreia do Sul

A Bienal de Gwangju, na Coreia do Sul, revelou a lista completa de artistas participantes de sua 13ª edição, programada …

Notícias - 18/11/2020

Art Basel Hong Kong adiada dois meses por causa de Covid-19

A edição de 2021 da Art Basel Hong Kong — aguardada como a primeira feira presencial a ser realizada pela …

Notícias - 18/11/2020

Eduardo Kac fala de sua produção em painel do Instituto Cisneros do MoMA

O artista Eduardo Kac apresentará, em painel organizado pelo Instituto Cisneros do MoMA, suas explorações da Bio Arte e seu …

Notícias - 17/11/2020

Festival Novas Frequências comemora 10 anos

A 10ª edição do Festival Novas Frequências, considerado o principal evento sul-americano de música experimental e arte sonora, irá acontecer …

Notícias - 17/11/2020

Arquiteto negro ganha escultura afro-futurista em São Paulo para o Dia da Consciência Negra

A Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo entrega à cidade, em 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, uma …

Notícias - 17/11/2020

Uma rixa familiar e a obra-prima de Botticelli que desapareceu

É uma obra-prima do Renascimento Italiano retratando uma das imagens mais célebres da civilização. Supostamente propriedade de Imelda Marcos, Madonna …