Três curiosidades sobre a obra-prima de Artemisia Gentileschi, base da história da arte feminista

Artemisia Gentileschi, Judith Beheading Holofernes (1620-1621). Coleção das Galerias Uffizi

A versão anterior da cena da artista barroca será exibida em outubro na mostra Artemesia na National Gallery, em Londres

VEJA AQUI matéria completa sobre a artista na DASartes 97.

Judith decapitando Holofernes, de Artemisia Gentileschi,  não é uma pintura facilmente esquecida. Hoje, a cena dramática está entre as imagens mais conhecidas da era barroca e a maioria dos amantes da arte está pelo menos vagamente familiarizada com as interpretações autobiográficas e feministas da pintura.

A cena sangrenta de Gentileschi provavelmente foi encomendada por Cosimo II de Medici, o Grão-Duque da Toscana. Nele, vemos Judith em um quarto escuro, cortando dramaticamente a garganta de Holofernes, o general assírio, que havia invadido sua cidade natal, Bethulia. Grande parte da interpretação popular da cena se concentrou na vida da artista, Artemisia Gentileschi (1593-1653), uma mulher notável em muitos aspectos. Filha e aluna do bem-sucedido pintor barroco Orazio Gentileschi, ela se tornaria a primeira mulher a ser membro da Florentine Accademia del Design.

Mas, como é comumente conhecida, sua vida também foi marcada por uma luta terrível. Judith decapitando Holofernes  é frequentemente vista refletindo o estupro da artista por seu mentor Antonio Tassi, aos 18 anos de idade, e o árduo julgamento público que se seguiu. Há boas razões para a interpretação: Artemisia se usou como modelo para essa representação particularmente acertada de Judith, uma imagem que muitas vezes se diz incorporar a raiva feminina.

Ainda assim, se você se aprofundar um pouco mais, esta obra-prima protofeminista está cheia de surpresas. Aqui estão três fatos que você talvez não saiba sobre Judith decapitando Holofernes, de Artemisia Gentileschi.

1) Há um cameo (literal) de uma deusa grega 

Artemisia Gentileschi, Judith Slaying Holofernes (1612-1613). Coleção do Museu Capodimonte, Nápoles

Artemisia pintou duas versões dessa cena sangrenta de  Judith decapitando Holofernes, com uma década de diferença – junto com várias outras cenas com Judith e Abra, sua empregada.

Ela pintou a primeira das duas principais telas em Roma (ca. 1611–12) quando ela teria 18 ou 19 anos, logo após o ataque. Suas versões da cena bíblica são particularmente ativas na prestação de ambas as mulheres.

Mas vale lembrar que a violência gráfica da representação de Gentileschi fazia parte de uma tendência maior em direção ao drama de sangue e tripas na arte barroca.

Caravaggio – um amigo de seu pai – foi sem dúvida a influência artística mais poderosa sobre Artemisia. Sua versão da mesma cena na virada do século 17 provavelmente a influenciou (nos anos 1800, sua primeira versão seria atribuída de forma inadequada a Caravaggio).

Caravaggio, Judith Beheading Holofernes (ca. 1598-1599 ou 1602). Coleção da Galleria Nazionale d’Arte Antica no Palazzo Barberini, Roma

A personagem de Judith também teve um lugar de mudança na imaginação cristã que moldou a qualidade de guerra de sua representação.

Durante a era medieval, Judith foi considerada a prefiguração da Virgem Maria no Antigo Testamento e, portanto, retratada castamente e piedosamente. Durante o Renascimento, com ênfase na recuperação do folclore clássico, Judith e Mary foram prefiguradas em Artemis, a deusa grega da caça. Judith, portanto, assumiu uma nova qualidade ativa, como guerreira.

Pulseira (detalhe), Artemisia Gentileschi, Judith Beheading Holofernes (1620-21).

A representação mais famosa da cena de Gentileschi contém um sinal sutil de que ela estava conscientemente aproveitando essa associação mais ativa e em evolução: a pulseira de camafeu no antebraço de Judith. Suas pequenas imagens são difíceis de entender. Mas em seu ensaio “Trajando Judith na Arte Italiana do Século XVI”, Diane Apostolos-Cappadona faz um palpite:

Quero sugerir que toda a série de camafeus na pulseira sejam representações de Ártemis, a deusa virgem da caça e da lua, que é um protótipo da Virgem Maria e uma referência óbvia a Judith e ao pintor. O significado desse bracelete – tanto na imagem quanto no posicionamento no antebraço de Judith – foi sinalizado pelo jato de sangue de Holofernes adiante no braço de Judith, criando um arco paralelo à curvatura do bracelete de camafeu. Esse posicionamento e os motivos de participação são exclusivos da iconografia de Judith da Artemisia.

O próprio nome de Artemisia significa “presente de Artemis”. Portanto, para torná-lo um círculo completo, é verdade que ela estava jogando com tendências maiores no simbolismo – mas é difícil não vê-la conscientemente colocando sua marca pessoal nelas.

2) Judith também defendeu a Igreja Católica atacando seus inimigos

A história pessoal da artista é o que mais se destaca nesta cena para um espectador hoje. Para o espectador do século 17, o que teria se destacado era a alegoria política.

Durante a Contra-Reforma, a Igreja Católica voltou seu foco para representações cada vez mais atraentes e realistas de cenas bíblicas, em uma campanha ousada para se reafirmar diante do protestantismo. A imagem de Judith teve um lugar fundamental nessa campanha de propaganda artística.

Enquanto Martin Luther duvidava do lugar do Livro de Judith no canhão, a Igreja Católica se apoderou dele. O assassinato de Holofernes por Judith poderia facilmente ser um símbolo da verdadeira igreja vingativa contra os inimigos que a haviam injustiçado. No Livro de Judith, as falas que prosseguem nessa cena dobraram como um grito de guerra na Contra-Reforma: “Parada ao lado da cama, Judith murmurou para si mesma: Senhor Deus, a quem toda a força pertence, prospere o que minhas mãos devem fazer agora, a maior glória de Jerusalém; agora é a hora de recuperar sua herança e promover meus planos de esmagar os inimigos contra nós.

Detalhe de Judith Beheading Holofernes .

No contexto da Itália, a proteção da “herança” veio contra os protestantes e os turcos otomanos, uma presença ativa no Estado veneziano. “Deve-se notar que a pontualidade de Judith foi aprimorada pela nacionalidade assíria de Holofernes”, escreve a historiadora Elena Ciletti. “Isso garantiu sua fusão com o Islã (na forma dos invasores turcos otomanos), uma atualização de sua caracterização satânica tradicional.”

Assim, é fácil ler a espada de Judith no centro da tela como uma cruz cristã.

3) Há ciência no sangue – ciência galileana

Detalhe de Judith Beheading Holofernes .

Uma grande diferença se destaca entre as duas decapitações de Gentileschi: a última possui jatos de sangue muito mais espetaculares. Alguns pensaram que seu padrão único reflete sua amizade com o cientista mais famoso da época: Galileu Galilei.

Depois de seu julgamento, Gentileschi mudou-se para Florença, onde morou de 1614 a 1620. Lá, conheceu o astrônomo, pois ambos eram membros da Academia del Disegno e conheciam o Tribunal Grão-Ducal de Florença. Naquela época, Galileu havia descoberto o conceito de “trajetória parabólica” e o havia provado matematicamente (embora ele não publicasse suas descobertas por décadas).

Notas de Galileu sobre trajetória parabólica.

Em essência, essa lei do movimento afirma que, para que um projétil descanse de um estado de movimento, a energia deve ser dissipada pela resistência ao longo do tempo, fazendo assim descrever um arco parabólico no espaço. Essa era uma ideia nova, e Galileu explicou graficamente, traçando os diferentes caminhos que as balas de canhão seguiriam quando caíssem no chão – o mesmo padrão que confere uma qualidade tão vivida ao sangue que sai do pescoço de Holofernes na pintura indelével de Gentileschi.

Fonte e tradução: Artnet News

Compartilhar:
Notícias - 03/12/2021

Jeff Koons e Cicciolina voltam aos holofotes

Um artista que fez a escultura de uma serpente enrolada em uma pedra para a estrela do cinema adulto italiano …

Notícias - 03/12/2021

Lista de mais poderosos da arte contemporânea traz líder surpreendente

ERC-721, a especificação para o “token não fungível” na rede Ethereum, está em primeiro lugar no ranking anual dos mais …

Notícias - 02/12/2021

Fotografiska pretende se tornar o maior museu privado do mundo

Fotografiska, o museu sueco com fins lucrativos, está adicionando três novos locais à sua lista de unidades já existentes: além …

Notícias - 01/12/2021

Restauro de obras de arte do Metrô de São Paulo vira documentário

Em curso desde 2019 e com as primeiras etapas registradas em um documentário disponível no YouTube com aproximadamente …

Notícias - 01/12/2021

Obra icônica de Banksy vai a leilão pela Bolsa de Arte SP

Pela primeira vez, uma obra de Banksy irá a leilão na América Latina – no dia 10 de fevereiro, na …

Notícias - 30/11/2021

Inhotim recebe o Museu de Arte Negra idealizado por Abdias Nascimento

Poeta, escritor, dramaturgo, curador, artista plástico, professor universitário, pan-africanista e parlamentar, Abdias Nascimento (1914-2011), indicado oficialmente ao prêmio Nobel da …

Notícias - 30/11/2021

Museu Judaico de São Paulo é inaugurado

A partir do dia 5 de dezembro de 2021, abre para visitação o Museu Judaico de São Paulo (MUJ), espaço …

Notícias - 29/11/2021

Festival de performances abre convocatória

Festival Atos de Fala completa 10 anos e sua sexta edição – que acontece de 19 de janeiro a 02 …

Notícias - 29/11/2021

Prêmio Arcanjo de Cultura divulga indicados e retoma cerimônia presencial

Valorizar e premiar nossa cultura e seus artistas em tempos tão difíceis é a missão do Prêmio Arcanjo de Cultura, …

Notícias - 26/11/2021

Steve McCurry e a resiliência da infância em fotos

De meninas enfrentando o Mar de Sulu a crianças em idade escolar no Afeganistão, no novo livro Stories and Dreams …

Notícias - 26/11/2021

Veja resenha de nova biografia de Magritte, um homem de mistério

Ao contrário de seus contemporâneos surrealistas, René Magritte tendia a manter Freud à distância de sua obra – embora poucos artistas ofereçam …

Notícias - 26/11/2021

A 'amizade íntima' de Basquiat e Warhol é explorada em drama

A exposição prometia ser de tirar o fôlego, com os dois artistas usando luvas de boxe no pôster. Mas a ansiosamente …