Sotheby’s anuncia a ode de Edward Hopper para Shakespeare

Shakespeare de Hopper no Crepúsculo será oferecido na venda de arte americana da Sotheby's em Nova York. Cortesia de Sotheby's

Estima-se chegar a US$ 7-10 milhões, a paisagem urbana de Nova York que retrata a estátua icônica do Parque Central do dramaturgo.

Coincidindo com a data em que os acadêmicos acreditam ser o aniversário de William Shakespeare, a Sotheby’s anunciou que vai oferecer Shakespeare em Crepúsculo (1935), de Edward Hopper, em sua próxima edição da American Art em Nova York, em 21 de maio. A pintura a óleo retrata uma estátua do dramaturgo no Central Park, feita por John Quincy Adam Ward, capturada ao anoitecer. Faz parte de uma série de paisagens urbanas de Nova York, um assunto que o artista americano começou a explorar no início de sua carreira enquanto estudava com o artista realista Robert Henri. O trabalho é estimado em US$ 7-10 milhões.

Hopper era conhecido como amante da literatura e suas obras contêm referências ocasionais à sua poesia e às suas inclinações. Kayla Carlsen, diretora de arte americana da Sotheby’s em Nova York, diz que esse trabalho em particular “possui uma sensação de quietude que é encontrada nas obras mais importantes e celebradas do artista”.

Sua apreciação por Shakespeare foi notada nos diários de sua esposa, segundo a estudiosa Gail Levin. Josephine Nivison-Hopper, uma colega pintora, escreveu em 1949 que seu marido lia Shakespeare para ela enquanto ela posava para suas pinturas. “Enquanto ela posava, e enquanto ela fazia as tarefas, Edward voltou a ler em voz alta – às vezes músicas de Shakespeare, Villonet Ballade des Dames du Tempes Jadis, ensaios de TS Eliot”, escreve Levin na biografia de Hopper em 1995.

Levin também sugere que o interesse de Hopper pela literatura “ajuda a caracterizar sua marca particular de realismo”. Ela acrescenta: “Sinais do envolvimento de Hopper com a literatura emergem em sua infância … Três dos temas de Ralph Waldo Emerson em sua [coleção de ensaios de 1850] Homens Representativos – Platão, Shakespeare e Goethe – eram as únicas figuras na literatura européia que Hopper já relatou para fotos que ele pintou.

A Sotheby’s diz que o trabalho sugere abertamente a influência de Shakespeare no trabalho de Hopper, particularmente sobre a descrição do poeta outonal no Soneto 73 , um de seus trabalhos mais famosos:

Que época do ano tu podes em mim, eis

Quando folhas amarelas, ou nenhuma, ou poucas, ficam penduradas

Nos galhos que tremem contra o frio,

Coros em ruínas, onde tarde os doces pássaros cantavam.

Em mim tu vês o crepúsculo desse dia

Como após o pôr do sol desaparece no oeste,

Que por e pela noite negra vai embora,

O segundo eu da morte, que fecha tudo em descanso.

Em mim tu vês o brilho de tal fogo

Que nas cinzas de sua juventude jaz,

Como o leito de morte em que deve expirar,

Consumido com o que foi nutrido por.

Isto tu percebes, o que torna o teu amor mais forte,

Amar o bem que você deve deixar em breve.

Carlsen observa que houve “uma recalibração do mercado de Hopper” no último ano. Após a venda bem-sucedida de duas das principais pinturas a óleo do artista no ano passado – Chop Suey (1929), vendida na Christie’s por US$ 91,9 milhões e que superou o recorde anterior de mais de US$ 50 milhões, e Two Comedians (1966), vendida pela Sotheby’s por US$ 12,5 milhões – Shakespeare at Dusk está bem posicionada para alcançar sua estimativa. A Sotheby’s New York vendeu outra cena do Central Park de Hopper, Bridle Path (1939), por US$ 10,4 milhões em 2012, bem acima de sua estimativa de US$ 5 a US$ 7 milhões.

Compartilhar:
Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …