Sesc São Paulo realiza laboratório multilinguagem a partir de obras inéditas de Nuno Ramos

A Extinção É Para Sempre, CHÃO-PÃO | FOTO: Matheus Brant

Um projeto que une diversas linguagens artísticas e busca responder, com urgência, às incertezas do presente: o momento político e social e a situação pandêmica que o mundo atravessa. Este é o cerne de A Extinção É Para Sempre, projeto multilinguagem e inédito idealizado pelo artista, compositor, diretor e escritor Nuno Ramos e realizado pelo Sesc São Paulo, com apoio do Goethe-Institut. Organizado em sete episódios e com colaboração de nomes das artes visuais, da dança, do teatro e do cinema, o laboratório teve início em janeiro de 2021 e seguirá com desdobramentos ao longo de um ano.

A Extinção É Para Sempre, CHÃO-PÃO | FOTO: Matheus Brant

“Estamos vivendo um misto de queda sem fim com ataque por todos os lados. O projeto é uma tentativa de reagir, com balas múltiplas, a um ataque múltiplo, de manter a linguagem viva em vários níveis”, afirma Nuno Ramos. “É também uma forma de fazer arte ‘a quente’, uma produção em movimento, que vá contra o atual estado de apatia e responda aos assuntos que percorrem o espaço público hoje – como o luto, a violência, a ameaça às instituições e a relativização da nossa história”, completa o artista.

“Em meio à imprecisão e complexidade do momento atual, realizar tal proposta, com apoio do Goethe-Institut, é matizar possibilidades para uma travessia coletiva mais acolhedora, abastecida pelas múltiplas camadas que envolvem o fazer artístico-cultural e as descobertas infindas que a arte proporciona”, reflete Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo.

A Extinção É Para Sempre, CHÃO-PÃO | FOTO: Matheus Brant

Atualmente configurado como um laboratório artístico, o projeto tem promovido diálogos sobre as proposições com artistas de diversas origens e linguagens, como a escritora Noemi Jaffe, o cineasta Jorge Bodanzky, a atriz Edna de Cássia, o coreógrafo Eduardo Fukushima e o encenador Antonio Araujo.

Nuno, que costuma trabalhar com diversos registros, explica que, aqui, o instinto “foi logo ir juntando muita gente”. “Temos de fazer, na cultura, o que a representação política não tem conseguido fazer, que é uma abertura, uma capacidade de contaminação entre o que pareceria incongruente. Isso tudo tem de somar agora, mostrar a força que as diferenças têm quando pisam num mesmo chão”, ele pontua.

A Extinção É Para Sempre, CHÃO-PÃO | FOTO: Matheus Brant

Em cada um dos sete episódios, a equipe artística é reorganizada. Há participações pontuais e também um núcleo que perpassa todo o projeto. Ele é composto por Tarina Quelho, coreógrafa e preparadora corporal, o músico Romulo Fróes e os performers Allyson Amaral, Tenca Silva, Nilcéia Vicente, Ivy Souza e Leandro Souza. Esse grupo fixo, que nasceu de uma busca por novas parcerias, também irá ajudar a criar um diálogo entre todas as obras. “As ideias são muito diferentes entre si, mas formam um todo, e a gente vai carregando as ideias de um episódio para outro”, explica Nuno.

A estreia do projeto se dá com a proposição CHAMA, um monumento virtual de luto, uma chama eterna e ininterrupta em memória aos mortos, que permanecerá acesa durante um ano, a partir de 25 de maio. A CHAMA será instalada fisicamente no Sesc Avenida Paulista e transmitida ao vivo por meio do site de A Extinção É Para Sempre (http://www.sescsp.org.br/aextincaoeparasempre). Nas próximas semanas, em data a ser definida, o público também poderá participar ativamente da obra inscrevendo-se, por meio do site, para compartilhar sua própria Chama, compondo um chamado internacional ao luto, à pausa e à dignificação de cada perda. Pessoas de qualquer parte do mundo serão bem-vindas a integrar essa ação, gravando suas chamas da maneira que preferirem.

A Extinção É Para Sempre, CHAMA | FOTO: Eduardo Ortega

Entre os dias 28 e 30 de maio, acontecem as transmissões do episódio Chão-Pão. Um grupo de performers monta um chão feito com lajotas e pães impróprios para consumo. Sobre esse terreno, os artistas caminham e dançam, quebrando e modificando esse chão-pão. No meio da cena, dois monitores trazem trechos em loop dos filmes Deus e o Diabo na Terra do Sol e Terra em Transe, de Glauber Rocha, mais especificamente, da frase “A culpa não é do povo”, que se repete nos dois longas. A violência do discurso e do pisar sobre o pão, sobre o alimento, se contrapõe à leveza dos movimentos dos performers. As performances serão transmitidas no canal do Sesc Avenida Paulista no YouTube (http://www.youtube.com/SescAvenidaPaulista) e também no site do projeto.

O conjunto de A Extinção É Para Sempre é formado por sete episódios: CHAMA, Chão-Pão, Iracema Fala, Monumento, Os desastres da Guerra, Helióptero e A extinção é para sempre. Os demais episódios seguem em desenvolvimento no laboratório artístico e seus desdobramentos para o público estarão sujeitos às possibilidades de interação que as mudanças no contexto da pandemia permitirem nos próximos meses.

A Extinção É Para Sempre, CHAMA | FOTO: Eduardo Ortega

Compartilhar:
Notícias - 05/07/2022

Itaú Cultural lança chamamento de projetos de arte e cultura no metaverso

No ano em que comemora 35 anos, o Itaú Cultural segue em sua trajetória consolidada no cenário brasileiro por sua …

Notícias - 04/07/2022

FBI confisca e retira de exposição obras falsas de Basquiat

Na sexta-feira, 24 de junho, agentes do FBI entraram no Museu de Arte de Orlando, removendo todas as pinturas de …

Notícias - 04/07/2022

Manifestantes colam a si mesmos em obras de museus

Dois ativistas climáticos se colaram em uma pintura de Vincent van Gogh em um museu de Londres, um dia depois …

Notícias - 04/07/2022

Documentário sobre a trajetória de Claudia Andujar com os Yanomami estreia nos cinemas

A fotógrafa suíça Claudia Andujar, de 90 anos, atravessou a guerra na Hungria, fugiu da perseguição nazista em Viena e, …

Notícias - 01/07/2022

Margaret Keane, pintora de "Big Eyes", morre aos 94 anos

A artista Margaret Keane, cujas pinturas de crianças de olhos grandes eram incrivelmente populares nos anos 50 e 60, morreu …

Notícias - 01/07/2022

Grandes Mestras recebem o Pride of Place, em Londres

Pinturas de mulheres estarão entre as descobertas mais interessantes apresentadas na Masterpiece deste ano. A feira de arte de Londres …

Notícias - 01/07/2022

Banksy recebe cátedra honorária

A BBC informou nesta quinta-feira (30), que o anônimo artista de rua britânico Banksy será premiado com uma cátedra honorária. …

Notícias - 01/07/2022

MARGS lança Projeto de Digitalização de seu Acervo Documental

A Secretaria de Estado da Cultura do RS (Sedac), através do MARGS, anuncia o pré-lançamento do “Projeto de Digitalização do …

Notícias - 30/06/2022

Capa do disco de Beyoncé tem comparações com a famosa pintura de Lady Godiva

Após semelhança com fotografia de performance da artista Berna Reale, na tarde de quinta-feira 30 de junho, Beyoncé revelou a …

Notícias - 30/06/2022

Abre em São Paulo o Museu das Culturas Indígenas

Abriu no último dia 29/6, em São Paulo, o Museu das Culturas Indígenas.

Localizado na capital de São Paulo, o Museu …

Notícias - 30/06/2022

A fotógrafa Sibylle Bergemann ganha retrospectiva na Berlinische Galerie

A fotógrafa Sibylle Bergemann (1941–2010) captou as histórias de pessoas e lugares de uma forma especial. Durante seu período criativo, …

Notícias - 29/06/2022

Museu de Nova York apresenta exposição sobre o universo queer de Machine Dazzle

O Museu de Artes e Design (MAD), em Nova York, apresentará Queer Maximalism x Machine Dazzle, a primeira exposição individual …