Sesc São Paulo apresenta versão online da 15ª Bienal Naïfs do Brasil

A 15ª Bienal Naïfs do Brasil, em cartaz no Sesc Piracicaba, acaba de ganhar uma versão digital em 360°. O tour virtual reúne 250 imagens das obras que compõem a exposição e traz uma experiência imersiva , que leva o público para perto das obras proporcionando ângulos e perspectivas distintas dos trabalhos, e também uma experiência expansiva , com dinâmica semelhante ao Google Street View, possibilitando uma visita que começa na fachada do Sesc Piracicaba e prossegue por seu espaço expositivo.

A 15ª Bienal Näifs reúne 125 artistas de 21 estados do país, além do Distrito Federal. Com curadoria de Ana Avelar e Renata Felinto, seu tema é Ideias para adiar o fim da arte – uma referência direta ao pensamento do líder indígena, ambientalista e escritor brasileiro Ailton Krenak e do filósofo e crítico de arte americano Arthur Danto.

A exposição traz 252 obras em suportes diversos. São instalações, pinturas, desenhos, colagens, gravuras, esculturas, bordados, marcheteria e entalhes. Em diálogo com o corpo expositivo, as artistas Carmela Pereira, Leda Catunda, Raquel Trindade e Sonia Gomes integram a mostra a convite das curadoras.

Ana Mae Barbosa e Lélia Coelho Frota, mulheres intelectuais brasileiras que demonstraram em suas pesquisas a preocupação e o cuidado com o entendimento da pessoa artista e de sua produção de forma mais humana e plural, também são reverenciadas no processo curatorial desta 15ª edição da Bienal.

Cotidiano II, 2019, Alexandra Adamoli | Foto de Isabella Matheus

HISTÓRICO DA BIENAL

Realizada pelo Sesc São Paulo em Piracicaba desde o início da década de 1990, a Bienal Naïfs é um convite para o público refletir sobre os fazeres populares inventados por artistas. Nesta 15ª edição, a partir do título Ideias para adiar o fim da arte, a mostra traz discussões sobre temas como meio ambiente; o feminino como força social, como divindade e como figura do sagrado; as violências estruturais históricas; os espaços de coletividade e sociabilidade em ritos, festas e cerimônias; e o debate sobre objetualidade e utilidade.

Segundo Danilo Santos de Miranda, Diretor Regional do Sesc São Paulo, “a longeva relação do Sesc com esse universo, que antecede à realização das Bienais Naïfs do Brasil, está ligada ao reconhecimento de que a arte popular merece um espaço condizente com sua relevância. Além disso, essa trajetória colaborou para que a própria instituição alargasse seus horizontes e sua compreensão sobre ação cultural, evidenciando as conexões entre cultura, democracia e cidadania. Cada nova edição impõe desafios sintonizados com contextos cambiantes e suas urgentes questões. Pois o presente é caleidoscópio de temporalidades, onde passados e futuros são disputados – e a arte é uma das principais expressões dessa tão humana condição”.

O martírio de Nossa Senhora do Brasil, 2018, Shila Joaquim | Foto de Isabella Matheus

A CURADORIA

A partir da seleção feita pelas curadoras Ana Avelar e Renata Felinto – foram inscritas 980 obras, de 520 artistas com idades entre 19 e 87 anos – surgiram eixos temáticos, plurais e diversos, que compõem a mostra. O processo de seleção de trabalhos partiu do critério da representatividade e considerou as regiões de onde provêm e atuam esses artistas, suas declarações étnico-raciais, faixas etárias, os assuntos e as materialidades com as quais trabalham.
“Saltam aos olhos assuntos da maior relevância na imprensa hoje, como é o caso da questão premente da conservação ambiental, em particular no que diz respeito ao desmatamento na Amazônia, tema que há décadas ocupa o centro da política nacional, com negociações frequentes entre governos e órgãos internacionais, acionando avanços e retrocessos no debate ambiental. É também visível a associação da figura feminina à natureza, frequentemente como divindade. Nesse sentido, surgem imagens do sagrado e do fantástico, muitas vezes num amálgama sincrético de linguagens e religiões. As mulheres, aliás, são protagonistas de umas tantas cenas para além dessas fantásticas”, explica Ana Avelar.

“Nosso desejo durante a seleção foi de contemplar várias humanidades, que é a multiplicidade de cores. Nós temos, por exemplo, um grande número de pessoas não brancas participando dessa exposição, e isso é necessário porque é preciso equilibrar dentro das exposições, o número de participantes, as origens, as complexidades das pessoas humanas participantes de acordo com a complexidade da população constitucional brasileira. Temos um grande número de pessoas de povos originários e de pessoas que são consideradas também pretas, ou negras e pardas, de acordo com as categorias oficiais. E isso é muito estimulante porque foi a nossa tentativa de apresentar, na Bienal Näifs do Brasil, uma pluralidade do povo brasileiro”, ressalta Renata Felinto .

A ênfase desta 15ª edição da Bienal Naïfs numa crescente representatividade geográfica, étnico-racial, etária e de gênero, entre outros marcadores sociais, é, segundo a curadoria, uma maneira de estar à altura desse panorama. Os artistas naïfs constituem parte importante de tal questionamento, expandindo e relativizando os pontos de vista presentes na arte, campo tradicionalmente atrelado a distinções de classe. Maior diversidade de vozes e, portanto, de formas e cores, de assuntos e aproximações.
Compartilhar:
Notícias - 16/04/2021

As pinturas de Cézanne e Degas podem render milhões em leilão

Obras dos artistas franceses Paul Cézanne e Edgar Degas são os sucessos de um leilão em Nova York e podem …

Notícias - 15/04/2021

Arte pelos Oceanos reúne artistas visuais em prol da preservação das praias cariocas

Não é novidade que as praias cariocas, que eternizaram o Rio de Janeiro no imaginário turístico mundial, sofrem com a …

Notícias - 14/04/2021

Passagem - por Maria Fernanda Paes de Barros

Que é a arte, afinal, do ponto de vista emotivo, senão a linguagem das forças inconscientes que atuam dentro de …

Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …