Segundo volume da biografia de Lucian Freud revela a crueldade por trás da fama do artista

Quando começa o segundo volume da extensa e quente biografia de William Feaver sobre o pintor Lucian Freud, o artista está na meia-idade: não muito longe dos 50 anos, ainda esquentando os lençois de suas amantes (neste caso, Jacquetta Eliot, a condessa dos alemães, com quem terá um filho, Freddy). Mas mesmo enquanto as travessuras continuam (e elas vão durar até seus últimos anos – como um velho adoecido, seu orgulho sexual o induz a contar a seu assistente David Dawson que o sangue em seus lençóis, resultado de uma de suas hemorragias nasais, “pode ser de uma garota”), o leitor detecta uma certa mudança na atmosfera. Isso não tem a ver apenas com o sucesso crescente de Freud – em 1974, haverá uma retrospectiva de seu trabalho na Hayward Gallery; seus preços em breve aumentarão dramaticamente – mas com sua ambição. “Quão longe você pode ir?” ele às vezes murmurava para si mesmo, olhando para uma pintura que estava quase completa. A resposta foi: muito mais longe. À sua frente estão outros 40 anos no estúdio.

A narrativa de Feaver, enérgica e principalmente ágil, é baseada em parte nos telefonemas quase diários e em muitos encontros que os dois tiveram ao longo de várias décadas. A parte boa é poder ouvir a voz de Freud na página, que é emocionante quando ele fala sobre arte (“Você sente que ele está contando mentiras”, diz ele criticando Caravaggio, indo direto ao cerne da questão). A parte ruim é que, como observa Dawson, “o que ele diz e como ele se sente não são a mesma coisa. Sempre.” Sua relação um tanto simbiótica também significa que Feaver está apto a aceitar o desdém de Freud pela interpretação, seja da arte ou da natureza humana. Logo no início, um pouco comicamente, ele pergunta ao artista se Naked Man With Rat (1977-8) refere-se a Notas sobre um caso de neurose obsessiva, de seu avô, Sigmund Freud – um ensaio sobre um jovem “torturado por ratos ou pelo pensamento de ratos, viz a fonte erótica anal”. Mas não. Seu modelo simplesmente gostou do rato. Depois disso, ele resiste à tentação de ceder ao que Freud chamou de “aspecto terapêutico duvidoso” de conectar vida e trabalho.

Mas isso não quer dizer que estas conexões não sejam encontradas se você olhar. Sim, o livro está cheio de fofocas. Jerry Hall, Kate Moss e a Rainha têm passagem pelas páginas. Freud pode ser extremamente rabugento. “Ele até me ameaçou com ingressos para o teatro”, diz ele sobre as tentativas de Andrew Lloyd Webber de cortejá-lo. Mas seus fascínios mais profundos nada têm a ver com os parasitas e os aspirantes. Agora, ele já abandonou muitas mulheres; ele teve um número desconhecido de filhos. Ainda assim, é difícil endurecer o coração contra ele.

Há o fato desagradável de que a maioria das mulheres e crianças são capazes de aceitar, até mesmo compreender, aquilo que os que o vêem de fora tendem a condenar. Jacquetta Eliot escreveu “Peido” no carro de luxo de Freud, e conta que, quando ela arranca os dentes do siso, ele dá a ela um abacaxi – algo que a enche de ternura tanto quanto o que outros chamam de “suas viariações desarmantes de galanteio”. Se ele é perverso, muitas vezes também é doce. Se ele é egoísta, também pode ser instintivamente gentil. Você sente pelas crianças que ele exclui. Quando sua filha Esther descreve como ela jogaria a comida sem hesitar no lixo se ele a chamasse para jantar, você sente o calor do sentimento que segue o sofrimento.

 

Lucian Freud em Paris

Lucian Freud em Paris. Fotografia: © William Feaver

Ponderando tanto os escombros de seus relacionamentos quanto seu olhar inflexível como pintor, a questão da falta de amor estava – está – sempre a espreita. Quando um curador colocou isso por escrito, Freud ficou furioso. Emoção era uma receita para “arte ruim”, mas ele não era insensível. De certa forma, ele sentia demais. Para Auerbach, ele era mais vivo do que as outras pessoas – mais nervoso, mais simples, mais honesto e a grande e generosa conquista de Feaver em seu livro é nos permitir imaginar isso. Suas últimas linhas – Freud diz a ele, no final, que sempre gostou de batom nos dentes – são perfeitas. De alguma forma, elas dizem tudo. Vista-se, saia, transe. E então tente colocar tudo em seu trabalho: “Diga às pessoas que você esteve vivo”.

 The Lives of Lucian Freud: Fame 1968-2011 por William Feaver é publicado pela Bloomsbury (£ 35) e vendido em  guardianbookshop.com. 

Fonte e tradução: The Guardian

Compartilhar:
Notícias - 23/10/2020

Olafur Eliasson projeta 'nossas perspectivas glaciais' como um instrumento astronômico

Artista Olafur Eliasson revela sua última obra de arte pública permanente, ‘nossas perspectivas glaciais’, ao longo da geleira hochjochferner do …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Klimt roubada - enterrada por 20 anos - volta a ser exibida em museu italiano

Descoberto pelo jardineiro da galeria Ricci Oddi no ano passado, o Retrato de uma Senhora será a estrela de uma …

Notícias - 23/10/2020

Vândalos atacaram 70 obras de arte em museus de Berlim em plena luz do dia

Um líquido oleoso foi derramado sobre muitas obras no que foi considerado o pior ataque à arte e antiguidades na …

Notícias - 23/10/2020

Guerra declarada entre museu e herdeiros de Piet Mondrian para recuperação de pinturas no valor de US$ 200 milhões

Como parte de um esforço contínuo de anos para recuperar os direitos de propriedade de várias pinturas criadas pelo modernista …

Notícias - 23/10/2020

Pintura de Jacob Lawrence, desaparecida há décadas, foi encontrada de forma inusitada

O painel do renomado artista negro, parte de sua série “Struggle”, foi visto pela última vez em 1960. Mas alguém …

Notícias - 21/10/2020

SESC SÃO PAULO EM NOVA ETAPA, RETOMADA GRADUAL CONTEMPLA EXPOSIÇÕES, BIBLIOTECAS E EXIBIÇÃO DE FILMES NO CINESESC

 O anúncio da aguardada Fase Verde, a penúltima e mais branda de uma  escala de cinco etapas do Plano São …

Notícias - 16/10/2020

Instituição coloca à venda pintura de David Hockney em meio a tensões financeiras

Na semana passada, a Royal Opera House de Londres anunciou planos de vender o Retrato de Sir David Webster de …

Notícias - 16/10/2020

Itáu Cultural reabre com mostras de Sandra Cinto e ocupação de Rino Levi

O Itaú Cultural (IC) retomou a partir de terça-feira (13) suas atividades presenciais. Neste momento, o público pode visitar as …

Notícias - 16/10/2020

Marina Abramović terá a primeira obra de arte de realidade mista vendida em leilão

Marina Abramović é uma das artistas contemporâneas mais conhecidas do mundo, mas muito de seu trabalho é efêmero: performances que …

Notícias - 16/10/2020

Juíza anuncia nova decisão sobre caso Inhotim e surpreende

O instituto assinou um acordo em 2016 para doar 20 obras de seu acervo ao governo, a fim de reembolsar …

Notícias - 16/10/2020

Como obras redescobertas de velhos mestres vêm de destacando em leilões com números extraordinários?

A Christie’s realizará seu leilão de Velhos Mestres durante as vendas clássicas da semana na sede do Rockefeller Center. Ao …

Notícias - 16/10/2020

Escultura de Medusa nua vira símbolo do movimento #meetoo e causa polêmica

Na maioria dos casos de violência sexual, sempre se pergunta à vítima: ‘Bom, o que você fez para provocá-lo?’ Questões …