Polêmica mostra adiada de Philip Guston tem novas datas e contribuições de artistas e historiadores

Uma grande retrospectiva de Philip Guston, Philip Guston Now, cujo adiamento provocou um alvoroço, agora será “Philip Guston em dois anos”. A National Gallery of Art em Washington, DC, confirmou que a mostra será aberta em 2022, não em 2024, como afirmado anteriormente.

“Navegar nas programações de exibição de quatro instituições, em meio a uma pandemia global, tem sido complicado, mas estamos felizes em poder compartilhar uma nova programação para a turnê de Philip Guston Now começando em 2022”, disse o diretor da NGA Kaywin Feldman em uma declaração. “Este tempo adicional nos permitirá desacelerar, superar COVID e reunir a comunidade da galeria pessoalmente para conversas desafiadoras que nos ajudarão a informar como repensamos a exposição.”

A nova linha do tempo fará a estreia da mostra no Museum of Fine Arts, Boston, de 1º de maio de 2022 a 11 de setembro de 2022. Ela viajará para o  Museum of Fine Arts de Houston  de 23 de outubro de 2022 a 15 de janeiro de 2023 e para a NGA de 26 de fevereiro de 2023 a 27 de agosto de 2023. A turnê termina com uma parada internacional na Tate Modern de Londres de 3 de outubro de 2023 a 4 de fevereiro de 2024.

Os quatro museus responsáveis ​​pela mostra anunciaram no mês passado que iriam adiar a abertura “até um momento em que pensemos que a poderosa mensagem de justiça social e racial que está no centro do trabalho de Philip Guston possa ser interpretada de forma mais clara”.

A notícia do atraso da exposição, que inicialmente deveria estrear no início de 2020 (antes de um adiamento induzido pelo isolamento), gerou protestos generalizados entre artistas, curadores e outros que acusaram os organizadores de autocensura.

Uma petição exigindo que a mostra fosse aberta sem mais demora atraiu assinaturas de mais de 2.600 profissionais de arte, enquanto um dos curadores organizadores, Mark Godfrey da Tate, foi supostamente suspenso por comentários de mídia social que chamam a decisão de “paternalista para os telespectadores”.

Ao recusar a mostra, os museus ficaram particularmente preocupados – especialmente na esteira dos protestos Black Lives Matter que varreram os EUA durante o verão – com a recepção das pinturas de Guston de membros da Ku Klux Klan, que mostram figuras encapuzadas circulando suas vidas diárias.

Philip Guston, Scared Stiff (1970), vendido pela Hauser & Wirth $ 15 milhões na Art Basel em 2016. O espólio de Philip Guston, cortesia da propriedade e da Hauser & Wirth,

Philip Guston, Scared Stiff (1970), vendido pela Hauser & Wirth por $ 15 milhões na Art Basel em 2016. The Estate of Philip Guston, cortesia da propriedade e da Hauser & Wirth.

“Tomar a decisão de adiar esta exposição não foi, como alguns alegaram, o silenciamento de um artista”, disse o diretor do MFA Boston, Matthew Teitelbaum, em um comunicado. “Eu queria dedicar um tempo extra, neste momento imprevisível, para me certificar de que a voz de Guston não apenas fosse ouvida, mas que a intenção de sua mensagem fosse recebida com justiça.”

Embora a linguagem visual revolucionária de Guston, alimentada por suas crenças anti-racistas, “fosse, e é, sua conquista inspiradora” , acrescentou Teitelbaum, “tornou-se muito claro para mim que essas imagens estavam sendo recebidas por outros de uma maneira muito diferente da forma como os entendi. Para alguns, as imagens eram dolorosas.”

O catálogo da mostra original incluía textos encomendados aos artistas afro-americanos Glenn Ligon e Trenton Doyle Hancock, que incorpora em suas pinturas figuras de Klan inspiradas no trabalho de Guston. Mas os organizadores determinaram que precisavam de mais tempo – e de uma equipe mais diversa – para contextualizar ainda mais as imagens.

A exposição revisada irá incorporar reflexões de artistas mais contemporâneos sobre o que essas obras históricas significam para eles. Historiadores e outros especialistas falarão sobre as pinturas KKK de Guston em videoclipes. Os visitantes também serão convidados a compartilhar suas reações.

As instituições ainda não decidiram se algum curador negro se juntará à equipe curatorial da exposição, atualmente toda branca, mas Teitelbaum disse que haverá “vozes mais diversas contribuindo para a preparação de materiais de enquadramento histórico que nos permitem apreciar o contexto em que Guston trabalhou e atingiu sua visão.”

A filha de Guston, Musa Mayer, que se opôs enfaticamente ao adiamento, disse em um comunicado que estava “cautelosamente otimista” sobre o novo cronograma e abordagem revisada.

“Acredito que seja essencial para a exposição contextualizar a profundidade da consciência social do meu pai, permitindo que as figuras encapuzadas e outras imagens recuperem seu significado, incluindo, mas também indo além das referências específicas à Ku Klux Klan”, disse ela. “O que precisamos agora, como muitos apontaram, é realmente ver as pinturas e desenhos de Philip Guston em toda a sua complexidade, sem caracterizações redutivas.”

Compartilhar:
Notícias - 14/05/2021

Exposição apresenta obras de artistas que atuam entre Bolívia e Brasil.

Com abertura no dia 13 de maio, na Nube Gallery, em Santa Cruz de La Sierra, a coletiva Quando não …

Notícias - 14/05/2021

Morre o artista Carlito Carvalhosa

Vítima de câncer no intestino que tratava durante 8 anos, morreu na noite do dia 13 de maio de 2021 …

Notícias - 14/05/2021

CONHEÇA OS GANHADORES DO 10º PRIX PHOTO ALIANÇA FRANCESA

A décima edição do Prix Photo Aliança Francesa, concurso nacional de fotografias realizado pela Aliança Francesa, sob o tema “Reflexos” …

Notícias - 14/05/2021

Governo de São Paulo anuncia investimento recorde de R$200 milhões em projetos culturais

A Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo anuncio um investimento recorde de R﹩ 200 milhões …

Notícias - 13/05/2021

Competição por artistas em ascensão e por Basquiat impulsionam leilão da Sotheby's

A maratona de leilões da Sotheby’s na noite de quarta-feira parecia uma espécie de retorno à normalidade, porque, pela primeira …

Notícias - 13/05/2021

Memorial em homenagem a João Turin é inaugurado com quase 100 obras

O legado que o artista João Turin (1878-1949) deixou para a cultura do Paraná poderá ser apreciado em um grande …

Notícias - 13/05/2021

13ª Bienal do Mercosul lança Chamada Aberta para artistas inovadores

Com o objetivo de oferecer uma vivência imersiva em arte e novas tecnologias, a 13ª Bienal do Mercosul lança o …

Notícias - 12/05/2021

Museu de Arte do Rio hasteia bandeira criada pela artista Sônia Gomes

O Museu de Arte do Rio hasteará, no dia 13 de maio, sua nova bandeira. O trabalho inédito “Andando em …

Notícias - 12/05/2021

Programação cultural 2021 do Inhotim terá superproduções audiovisuais

O Instituto Inhotim apresenta, a partir de 29 de maio, o Inhotim em Cena. Com o patrocínio master do Instituto …

Notícias - 12/05/2021

Historiadores denunciam o plano do Museu de Newark de vender obras na Sotheby's

Mais de 50 historiadores culturais assinaram uma carta aberta denunciando o plano do Museu de Arte de Newark de vender …

Notícias - 10/05/2021

Sesc São Paulo retoma visitação presencial a dez exposições

Em conformidade com os protocolos de segurança do estado e de cada município, o Sesc São Paulo retoma algumas atividades …

Notícias - 10/05/2021

Conheça Chakaia Booker e seu trabalho com pneus

O estúdio de Chakaia Booker não tem aquecedor, o telhado vaza e às vezes entram esquilos. Seu piso é arranhado …