Polêmica mostra adiada de Philip Guston tem novas datas e contribuições de artistas e historiadores

Uma grande retrospectiva de Philip Guston, Philip Guston Now, cujo adiamento provocou um alvoroço, agora será “Philip Guston em dois anos”. A National Gallery of Art em Washington, DC, confirmou que a mostra será aberta em 2022, não em 2024, como afirmado anteriormente.

“Navegar nas programações de exibição de quatro instituições, em meio a uma pandemia global, tem sido complicado, mas estamos felizes em poder compartilhar uma nova programação para a turnê de Philip Guston Now começando em 2022”, disse o diretor da NGA Kaywin Feldman em uma declaração. “Este tempo adicional nos permitirá desacelerar, superar COVID e reunir a comunidade da galeria pessoalmente para conversas desafiadoras que nos ajudarão a informar como repensamos a exposição.”

A nova linha do tempo fará a estreia da mostra no Museum of Fine Arts, Boston, de 1º de maio de 2022 a 11 de setembro de 2022. Ela viajará para o  Museum of Fine Arts de Houston  de 23 de outubro de 2022 a 15 de janeiro de 2023 e para a NGA de 26 de fevereiro de 2023 a 27 de agosto de 2023. A turnê termina com uma parada internacional na Tate Modern de Londres de 3 de outubro de 2023 a 4 de fevereiro de 2024.

Os quatro museus responsáveis ​​pela mostra anunciaram no mês passado que iriam adiar a abertura “até um momento em que pensemos que a poderosa mensagem de justiça social e racial que está no centro do trabalho de Philip Guston possa ser interpretada de forma mais clara”.

A notícia do atraso da exposição, que inicialmente deveria estrear no início de 2020 (antes de um adiamento induzido pelo isolamento), gerou protestos generalizados entre artistas, curadores e outros que acusaram os organizadores de autocensura.

Uma petição exigindo que a mostra fosse aberta sem mais demora atraiu assinaturas de mais de 2.600 profissionais de arte, enquanto um dos curadores organizadores, Mark Godfrey da Tate, foi supostamente suspenso por comentários de mídia social que chamam a decisão de “paternalista para os telespectadores”.

Ao recusar a mostra, os museus ficaram particularmente preocupados – especialmente na esteira dos protestos Black Lives Matter que varreram os EUA durante o verão – com a recepção das pinturas de Guston de membros da Ku Klux Klan, que mostram figuras encapuzadas circulando suas vidas diárias.

Philip Guston, Scared Stiff (1970), vendido pela Hauser & Wirth $ 15 milhões na Art Basel em 2016. O espólio de Philip Guston, cortesia da propriedade e da Hauser & Wirth,

Philip Guston, Scared Stiff (1970), vendido pela Hauser & Wirth por $ 15 milhões na Art Basel em 2016. The Estate of Philip Guston, cortesia da propriedade e da Hauser & Wirth.

“Tomar a decisão de adiar esta exposição não foi, como alguns alegaram, o silenciamento de um artista”, disse o diretor do MFA Boston, Matthew Teitelbaum, em um comunicado. “Eu queria dedicar um tempo extra, neste momento imprevisível, para me certificar de que a voz de Guston não apenas fosse ouvida, mas que a intenção de sua mensagem fosse recebida com justiça.”

Embora a linguagem visual revolucionária de Guston, alimentada por suas crenças anti-racistas, “fosse, e é, sua conquista inspiradora” , acrescentou Teitelbaum, “tornou-se muito claro para mim que essas imagens estavam sendo recebidas por outros de uma maneira muito diferente da forma como os entendi. Para alguns, as imagens eram dolorosas.”

O catálogo da mostra original incluía textos encomendados aos artistas afro-americanos Glenn Ligon e Trenton Doyle Hancock, que incorpora em suas pinturas figuras de Klan inspiradas no trabalho de Guston. Mas os organizadores determinaram que precisavam de mais tempo – e de uma equipe mais diversa – para contextualizar ainda mais as imagens.

A exposição revisada irá incorporar reflexões de artistas mais contemporâneos sobre o que essas obras históricas significam para eles. Historiadores e outros especialistas falarão sobre as pinturas KKK de Guston em videoclipes. Os visitantes também serão convidados a compartilhar suas reações.

As instituições ainda não decidiram se algum curador negro se juntará à equipe curatorial da exposição, atualmente toda branca, mas Teitelbaum disse que haverá “vozes mais diversas contribuindo para a preparação de materiais de enquadramento histórico que nos permitem apreciar o contexto em que Guston trabalhou e atingiu sua visão.”

A filha de Guston, Musa Mayer, que se opôs enfaticamente ao adiamento, disse em um comunicado que estava “cautelosamente otimista” sobre o novo cronograma e abordagem revisada.

“Acredito que seja essencial para a exposição contextualizar a profundidade da consciência social do meu pai, permitindo que as figuras encapuzadas e outras imagens recuperem seu significado, incluindo, mas também indo além das referências específicas à Ku Klux Klan”, disse ela. “O que precisamos agora, como muitos apontaram, é realmente ver as pinturas e desenhos de Philip Guston em toda a sua complexidade, sem caracterizações redutivas.”

Compartilhar:
Notícias - 03/12/2020

Rui Chafes homenageia Alberto Giacometti

Representado pela Galeria Filomena Soares, o artista Rui Chafes foi convidado pela Fondazione Centro Giacometti a criar uma escultura de …

Notícias - 02/12/2020

SP-Foto Viewing Room aponta para novos públicos e descentralização geográfica

 

De 23 a 29 de novembro, o SP-Foto Viewing Room reuniu 54 expositores, entre expoentes da fotografia moderna e contemporânea, …

Notícias - 02/12/2020

Projeto inovador A Incubadora de Publicações Gráficas lança 10 livros de artista em Salvador neste sábado

A Incubadora de Publicações Gráficas é um espaço criado para acolher artistas e autores com projetos de livro de artista …

Notícias - 02/12/2020

Um estranho monolito é encontrado no deserto de Utah

Na base de um desfiladeiro no Red Rock Country de Utah, uma equipe que contava ovelhas avistou algo estranho e …

Notícias - 01/12/2020

Divulgados os vencedores da Bolsa de Fotografia ZUM/IMS 2020

A comissão julgadora da Bolsa de Fotografia ZUM/IMS selecionou os ganhadores da oitava edição, depois de avaliar 500 projetos de …

Notícias - 01/12/2020

Coreia do Sul constrói Museu Flutuante Kim Whanki sobre a água

Em 22 de novembro, um funcionário do Condado de Sinan anunciou planos para construir um museu financiado pelo governo que …

Notícias - 01/12/2020

Artistas em isolamento mostram trabalhos em suas janelas

Não é uma boa hora para os amantes da arte. Um segundo lockdown fechou mais uma vez galerias e instituições …

Notícias - 01/12/2020

PRO HELVETIA ABRE ESCRITÓRIO NA AMÉRICA DO SUL

A Fundação Suiça para Cultura Pro Helvetia abrirá um escritório na América do Sul em 2021, com funcionários localizados no …

Notícias - 01/12/2020

Artistas participam do projeto ContemporâneasVivara

A primeira edição do ContemporâneasVivara volta sua atenção para São Paulo em um convite a três artistas – Hanna Lucatelli, …

Notícias - 30/11/2020

MAC USP lança projeto em parceria com São Paulo Companhia de Dança e OSESP

O Museu de Arte Contemporânea da USP pretende promover de forma efetiva uma série de diálogos entre as artes visuais …

Notícias - 30/11/2020

Instituto Bardi e Carbono Galeria lançam edição de personagem de Lina bo Bardi

Para celebrar os 35 anos do Polochon criado por Lina Bo Bardi, a Carbono Galeria e o Instituto Bardi têm …

Notícias - 30/11/2020

BNDES lança chamada para Patrimônio Cultural

Analisando o ano de 2020 e entendendo as necessidades da área de cultura, que também foi fortemente impactada pela pandemia, …