Polêmica da Mona Lisa: Tribunal e misterioso consórcio com suposta versão mais jovem da musa de Da Vinci

Uma disputa de propriedade está esquentando sobre uma versão da Mona Lisa que se acredita ser das mãos de Leonardo da Vinci.

Um consórcio internacional é dono da pintura em conjunto, mas agora os herdeiros de um homem que comprou um quarto de ação estão processando para descobrir o paradeiro da pintura e as identidades de seus outros proprietários anônimos, a fim de recuperar o controle de seu interesse no trabalho.

O consórcio estabeleceu a Fundação Mona Lisa na Suíça há uma década para pesquisar e promover a pintura, que é conhecida como a Isleworth Mona Lisa. Mas quando o advogado dos herdeiros, Giovanni Protti, estendeu a mão para a fundação, “não obtivemos resposta alguma além de ‘não sabemos onde está a pintura; não sabemos quem são os donos; somos apenas pesquisadores fazendo trabalho de atribuição ”, disse ele.

A fim de identificar as pessoas que controlam a Isleworth Mona Lisa, Protti e seu sócio, Chris Marinello, da Art Recovery International em Londres, recorreram aos infames Panama Papers, um acervo de 11,5 milhões de documentos vazados relacionados a transações financeiras no exterior.

“Através dos Panama Papers, obtivemos algumas informações sobre os verdadeiros donos da pintura”, disse Protti. “Eles são figuras muito conhecidas no mundo da arte. Presumimos que eles são donos da pintura através de empresas offshore em paraísos fiscais”. Protti se recusou a revelar a identidade dos proprietários suspeitos, mas diz que eles vão sair no tribunal.

O <em> Isleworth Mona Lisa </ em> e a obra-prima original de Leonardo da Vinci. Cortesia da Fundação Mona Lisa.

O Isleworth Mona Lisa , à esquerda, e obra-prima original de Leonardo da Vinci. Cortesia da Fundação Mona Lisa.

Além da disputa pela posse da pintura, há também a questão de sua autoria. Embora a Fundação Mona Lisa tenha trabalhado durante anos para provar que o segundo trabalho é também da mão de Leonardo – e alguns  estudos em periódicos revisados ​​por pares fazem esse caso – outros ainda não estão convencidos. O especialista em Leonardo da Vinci, Martin Kemp, por exemplo, tem sido sincero em sua crença de que o trabalho, que se diz representar uma versão mais jovem da Mona Lisa, não é do mestre da Renascença, mas uma cópia.

Quando revisou a pesquisa da Fundação Mona Lisa sobre a pintura no livro Mona Lisa: A versão anterior de Leonardo, Kemp escreveu em seu blog : “As pilhas de hipóteses instáveis, empilhadas umas sobre as outras, não seriam aceitáveis ​​de um estudante de graduação”.

Stanley Feldman, autor principal do livro "Mona Lisa: A versão anterior de Leonardo", durante o evento de revelação da "Isleworth Mona Lisa" em 27 de setembro de 2012 em Genebra. Foto cedida por Fabrice Coffrini / AFP / GettyImages

Stanley Feldman, autor principal do livro “Mona Lisa: A versão anterior de Leonardo”, durante o evento de revelação da “Isleworth Mona Lisa” em 27 de setembro de 2012 em Genebra. Foto cedida por Fabrice Coffrini / AFP / GettyImages

 

A família que Protti e Marinello representam, que desejam permanecer anônimos, supostamente herdou sua parte da Isleworth Mona Lisa da Leland Gilbert, uma fabricante de porcelana. Ele havia comprado uma participação no trabalho do historiador de arte britânico Henry Pulitzer, cujo livro de 1966,  Where Is the Mona Lisa? introduziu a cópia até então desconhecida da obra-prima para o mundo.

Pulitzer deixou sua participação majoritária no trabalho para sua companheira Elizabeth Meyer, que morreu em 2008. Foi quando o consórcio internacional entrou em cena, formando a Fundação Mona Lisa para tentar provar a autoria da pintura.

“Nossos clientes tinham uma relação muito próxima com a pintura e Elizabeth Meyer”, disse Protti. “O problema começou depois da morte dela.”

O <em> Isleworth Mona Lisa </ em>, possivelmente uma segunda versão da pintura, também de Leonardo da Vinci. Cortesia da Fundação Mona Lisa.

A Isleworth Mona Lisa , possivelmente uma segunda versão da pintura, também de Leonardo da Vinci. Cortesia da Fundação Mona Lisa.

 

A Fundação Mona Lisa não respondeu a perguntas, mas um representante da fundação, Markus Frey, disse ao Art Newspaper que a alegação dos herdeiros de Gilbert era “infundada e não tem mérito”.

Desde 1975, a pintura passou a maior parte do tempo trancada em um cofre de banco suíço, emergindo em 2014 para um show em Cingapura e, mais tarde, em Xangai em 2016. No mês passado, voltou à vista pública na Europa pela primeira vez em décadas em que foi exibido no Palazzo Bastogi, de 8 de junho a 30 de julho.

Uma audiência foi marcada para 8 de setembro no tribunal civil italiano. Os herdeiros de Gilbert esperam que ela proporcione uma oportunidade para aprender como a pintura foi importada para a Itália para a exposição e para tentar impedir que ela seja exportada. “O que pedimos à corte é manter a pintura aqui na Itália”, disse Protti. “Nossos clientes gostariam de ter certeza de que a pintura não voltará ao cofre por mais 40 anos, porque é importante para o público. Eles querem que o público saiba e seja capaz de ver esta pintura.”

“Quando você possui uma pintura como esta, você é um guardião de um tesouro que é propriedade da humanidade”, acrescentou. “Os proprietários têm uma enorme responsabilidade”.

Compartilhar:
Notícias - 27/01/2021

Exposição de Luiz Zerbini em Londres ganha tour virtual

Justapondo formas orgânicas e geométricas, as pinturas de Luiz Zerbini exploram a relação entre cor, luz e movimento. Inspirada nas …

Notícias - 27/01/2021

Lixo do Monte Everest transformado em arte?

O Monte Everest é talvez mais conhecido por alguns dos números surpreendentes associados a ele. Ele se eleva quase 30.000 …

Notícias - 26/01/2021

Christal Galeria inaugura em Recife

A Christal Galeria, novo espaço cultural do Recife, abrirá ao público no dia 28 de fevereiro, no bairro do Pina, …

Notícias - 22/01/2021

Em sincronia ao aniversário de SP, artista resgata história do bairro da Liberdade

Liberdade. Liberdade. Liberdade. Essas foram as palavras proferidas por uma multidão de pessoas pretas ao verem a corda que enforcava …

Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …