Peter Alexander, artista de Los Angeles conhecido por esculturas transcendentes, morreu aos 81 anos

Obras de Peter Alexander na Galeria Parrasch Heijnen em Los. Angeles em 2016. CHRISTOPHER HEIJNEN / CORTESIA DA GALERIA PARRISCH HEIJNEN

Peter Alexander, cujas esculturas impertinentes e cativantes alistaram materiais industriais para meios transcendentes, morreu aos 81 anos. Suas galerias – Parrasch Heijnen em Los Angeles e Franklin Parrasch em Nova York – confirmaram a morte do artista. Em um comunicado conjunto, as galerias disseram: “Seja através de escultura em resina ou pintura aveludada, Alexander buscou ativamente capturar a luz através da sensação ambiental.”

Alexander é mais comumente associado ao movimento Light and Space, que foi pioneiro por um grupo de artistas que trabalhou na Califórnia durante os anos 1960. Tendo se formado recentemente na Universidade da Califórnia em Los Angeles, Alexander pegou o que se tornaria seus trabalho icônico, resina, em meados dos anos 60. Ele o encontrou enquanto encerava sua prancha de surf, depois de perceber que a resina secaria em uma xícara Dixie que a sustentava com o tempo.

“Quando comecei a trabalhar em resina, era de plástico”, disse Alexander em uma história oral de 1995–96, conduzida pelos Arquivos de Arte Americana da Smithsonian Institution. “A arte não era feita de plástico naqueles dias. A arte foi feita de todas as coisas que a história disse que a arte é feita. Então, uma das razões pelas quais eu gostava de plástico era que era uma espécie de anti-arte, por assim dizer.”

Como seus colegas da Light and Space, entre eles Larry Bell e DeWain Valentine, Alexander acabou produzindo objetos discretos e elegantes que pareciam às vezes reinterpretar o minimalismo com uma estética menos fria. Freqüentemente, as obras de resina assumem formas cuboidais semi-translúcidas, com cores que parecem desaparecer dependendo de onde o espectador fica em relação ao objeto. Por causa de suas superfícies escorregadias, alguns críticos agruparam seus trabalhos com um estilo flexível conhecido como Finish Fetish. Em um artigo do New York Times de 1972 abordando a cena de Los Angeles em geral, Peter Schjeldahl chamou as esculturas de Alexander de “objetos imaculados que pressagiam uma espécie de pureza mística e, não por acaso, pareciam muito, muito caros”.

Alexander continuou a impulsionar as possibilidades de resina ao longo dos anos 60. Ele produziu uma série de obras chamadas leaners, que se assemelham a monólitos finos encostados às paredes, e criou peças inovadoras como o Cloud Box, em que as nuvens parecem suspensas em um bloco claro de resina. Ele alegou que a última peça era semelhante às pinturas de Jan Vermeer, pelo modo como inspirava um olhar contemplativo e autoconsciente.

Peter Alexander nasceu em Los Angeles em 1939. Inicialmente, estudou arquitetura na Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia, onde estudou com Louis Kahn, e depois voltou para a escola de arte, transferindo-se entre várias universidades.

Em Los Angeles, Alexander se encontrou com um grupo de artistas de ponta que se apresentaram na Ferus Gallery, que era então um nexo da cena artística da cidade. Esses artistas o ajudaram a se apresentar em duas das principais galerias – Nicholas Wilder Gallery, em Los Angeles, e Robert Elkon Gallery, em Nova York. Em 1972, tendo ficado doente com o trabalho com resina, ele mudou sua prática e voltou-se principalmente para a pintura e o desenho. Nesse mesmo ano, ele apareceu em uma edição do quinquenal da Documenta em Kassel, Alemanha, com curadoria de Harald Szeemann.

Nas últimas duas décadas, houve um ressurgimento do interesse crítico pelo trabalho de Alexander. Em 2006, sua arte ganhou as manchetes depois que apareceu em Los Angeles 1955-1985, um espetáculo no Centre Pompidou em Paris, onde, logo após a instalação, caiu da parede e quebrou. E em 2011, como parte da iniciativa inaugural do Pacific Standard Time, que examina a arte no sul da Califórnia, seu trabalho foi incluído em Crosscurrents in LA Painting and Sculpture, 1950-1970 no Getty Museum.

Embora os trabalhos de Alexander não fossem externamente autobiográficos, ele alegou que eles tinham muito a ver com sua vida. “Todas são respostas para onde você está e o que você é”, ele disse uma vez.

Fonte e tradução: Art News

Compartilhar:
Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …

Notícias - 06/04/2021

National Gallery cria sua primeira mostra projetada para telefones celulares

A National Gallery apresentará sua primeira exposição projetada para telefones celulares, permitindo que as pessoas vivenciem com detalhes incríveis uma …

Notícias - 06/04/2021

Visitas aos 100 principais museus e galerias do mundo caem 77% devido a Covid

O número de visitantes nos 100 principais museus e galerias de arte do mundo caiu 77% no ano passado, de …

Notícias - 05/04/2021

Exposição artística mais extensa do mundo é realizada no Caminho de Santiago

“Las Estrellas del Camino” é uma exposição permanente com curadoria de Estrella Galicia e realização da agência AUPA!. A mostra …

Notícias - 05/04/2021

Inscrições para a ArtRio 2021 prorrogadas até 30 de abril

As inscrições para as galerias que desejam participar da 11ª edição da ArtRio foram prorrogadas até o dia 30 de …