Peter Alexander, artista de Los Angeles conhecido por esculturas transcendentes, morreu aos 81 anos

Obras de Peter Alexander na Galeria Parrasch Heijnen em Los. Angeles em 2016. CHRISTOPHER HEIJNEN / CORTESIA DA GALERIA PARRISCH HEIJNEN

Peter Alexander, cujas esculturas impertinentes e cativantes alistaram materiais industriais para meios transcendentes, morreu aos 81 anos. Suas galerias – Parrasch Heijnen em Los Angeles e Franklin Parrasch em Nova York – confirmaram a morte do artista. Em um comunicado conjunto, as galerias disseram: “Seja através de escultura em resina ou pintura aveludada, Alexander buscou ativamente capturar a luz através da sensação ambiental.”

Alexander é mais comumente associado ao movimento Light and Space, que foi pioneiro por um grupo de artistas que trabalhou na Califórnia durante os anos 1960. Tendo se formado recentemente na Universidade da Califórnia em Los Angeles, Alexander pegou o que se tornaria seus trabalho icônico, resina, em meados dos anos 60. Ele o encontrou enquanto encerava sua prancha de surf, depois de perceber que a resina secaria em uma xícara Dixie que a sustentava com o tempo.

“Quando comecei a trabalhar em resina, era de plástico”, disse Alexander em uma história oral de 1995–96, conduzida pelos Arquivos de Arte Americana da Smithsonian Institution. “A arte não era feita de plástico naqueles dias. A arte foi feita de todas as coisas que a história disse que a arte é feita. Então, uma das razões pelas quais eu gostava de plástico era que era uma espécie de anti-arte, por assim dizer.”

Como seus colegas da Light and Space, entre eles Larry Bell e DeWain Valentine, Alexander acabou produzindo objetos discretos e elegantes que pareciam às vezes reinterpretar o minimalismo com uma estética menos fria. Freqüentemente, as obras de resina assumem formas cuboidais semi-translúcidas, com cores que parecem desaparecer dependendo de onde o espectador fica em relação ao objeto. Por causa de suas superfícies escorregadias, alguns críticos agruparam seus trabalhos com um estilo flexível conhecido como Finish Fetish. Em um artigo do New York Times de 1972 abordando a cena de Los Angeles em geral, Peter Schjeldahl chamou as esculturas de Alexander de “objetos imaculados que pressagiam uma espécie de pureza mística e, não por acaso, pareciam muito, muito caros”.

Alexander continuou a impulsionar as possibilidades de resina ao longo dos anos 60. Ele produziu uma série de obras chamadas leaners, que se assemelham a monólitos finos encostados às paredes, e criou peças inovadoras como o Cloud Box, em que as nuvens parecem suspensas em um bloco claro de resina. Ele alegou que a última peça era semelhante às pinturas de Jan Vermeer, pelo modo como inspirava um olhar contemplativo e autoconsciente.

Peter Alexander nasceu em Los Angeles em 1939. Inicialmente, estudou arquitetura na Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia, onde estudou com Louis Kahn, e depois voltou para a escola de arte, transferindo-se entre várias universidades.

Em Los Angeles, Alexander se encontrou com um grupo de artistas de ponta que se apresentaram na Ferus Gallery, que era então um nexo da cena artística da cidade. Esses artistas o ajudaram a se apresentar em duas das principais galerias – Nicholas Wilder Gallery, em Los Angeles, e Robert Elkon Gallery, em Nova York. Em 1972, tendo ficado doente com o trabalho com resina, ele mudou sua prática e voltou-se principalmente para a pintura e o desenho. Nesse mesmo ano, ele apareceu em uma edição do quinquenal da Documenta em Kassel, Alemanha, com curadoria de Harald Szeemann.

Nas últimas duas décadas, houve um ressurgimento do interesse crítico pelo trabalho de Alexander. Em 2006, sua arte ganhou as manchetes depois que apareceu em Los Angeles 1955-1985, um espetáculo no Centre Pompidou em Paris, onde, logo após a instalação, caiu da parede e quebrou. E em 2011, como parte da iniciativa inaugural do Pacific Standard Time, que examina a arte no sul da Califórnia, seu trabalho foi incluído em Crosscurrents in LA Painting and Sculpture, 1950-1970 no Getty Museum.

Embora os trabalhos de Alexander não fossem externamente autobiográficos, ele alegou que eles tinham muito a ver com sua vida. “Todas são respostas para onde você está e o que você é”, ele disse uma vez.

Fonte e tradução: Art News

Compartilhar:
Notícias - 22/01/2021

Em sincronia ao aniversário de SP, artista resgata história do bairro da Liberdade

Liberdade. Liberdade. Liberdade. Essas foram as palavras proferidas por uma multidão de pessoas pretas ao verem a corda que enforcava …

Notícias - 20/01/2021

Horrana de Kássia Santoz assume vaga de curadora na Pinacoteca

Pinacoteca do Estado de São Paulo e a Coleção Ivani e Jorge Yunes comemoram a parceria com a chegada de …

Notícias - 20/01/2021

Curso gratuito de Artes Integradas e Acessibilidade abre inscrições

Já estão abertas as inscrições para o curso Artes Integradas + Educação + Acessibilidade, do projeto Um Novo Olhar. A …

Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …