Pavilhão brasileiro destaca a produção dos povos originários na Bienal de Veneza

Ziel Karapotó, Cardume, 2023 | Coleção: Museu Paranaense, Curitiba / FOTO: Cortesia do artista

O Pavilhão Hãhãwpuá – como é referido o Pavilhão do Brasil nesta edição da Biennale – marca sua presença na 60ª Bienal de Veneza com a exposição intitulada Ka’a Pûera: nós somos pássaros que andam, com curadoria de Arissana Pataxó, Denilson Baniwa e Gustavo Caboco Wapichana. O título Ka’a Pûera faz alusão a duas interpretações interligadas. Em primeiro lugar, ele se refere a espaços de roça que, após a colheita, ficam adormecidos, surgindo um lugar com vegetação baixa, revelando potencial de ressurgimento. Além disso, a capoeira é também conhecida pelos Tupinambá como uma pequena ave que vive em florestas densas, camuflando-se no ambiente.

Nesta edição da Bienal italiana dirigida pela primeira vez por um sul-americano, o brasileiro Adriano Pedrosa, o Pavilhão Hãhãwpuá destaca-se ao apresentar os povos originários e sua produção artística, em especial a resistência dos saberes e práticas dos habitantes do litoral. A exposição aborda questões de marginalização, desterritorialização e violação de direitos, convidando à reflexão sobre resistência e a essência compartilhada da humanidade, pássaros,
memória e natureza. Glicéria Tupinambá, artista já anunciada, trabalha com a Comunidade Tupinambá da Serra do Padeiro e Olivença, na Bahia, para a realização de suas obras. Compõem também o Pavilhão obras dos artistas Olinda Tupinambá e Ziel Karapotó. “A mostra reúne a Comunidade Tupinambá e artistas pertencentes a povos do litoral – os primeiros a serem transformados em estrangeiros no seu próprio Hãhãw (território ancestral) – a
fim de expressar uma outra perspectiva sobre o amplo território onde vivem mais de trezentos povos indígenas (Hãhãwpuá). O Pavilhão Hãhãwpuá narra uma história da resistência indígena no Brasil, a força do corpo presente nas retomadas de território e as adaptações frente às urgências climáticas”, afirmam os curadores.

Os Tupinambá eram considerados extintos até o ano de 2001, quando finalmente o Estado Brasileiro reconheceu que esse povo não só nunca havia sido exterminado, como está ativo na luta para reaver seu território e parte de sua cultura que fora retirada pela colonização. “A exposição é realizada no ano em que um dos mantos tupinambá retorna ao Brasil depois de um longo período no exílio europeu, onde estava desde 1699 como um preso político. A
vestimenta atravessa tempos e atualiza as problemáticas da colonização, enquanto os Tupinambá e outros povos continuam suas lutas anticoloniais em seus territórios – como Ka’a Pûera, pássaros que andam sobre florestas que ressurgem”, complementam os curadores.

Andrea Pinheiro, presidente da Fundação Bienal de São Paulo, ressalta que “vivemos um momento de convergência entre o passado, o presente e o futuro para encontrarmos um caminho para modos de vida sustentáveis e a repactuação das relações humanas. As questões levantadas pelo trabalho dos curadores e artistas apontam para caminhos relevantes para o árduo processo que temos pela frente”.

As obras

Glicéria Tupinambá, Manto tupinambá, 2023 | FOTO: Glicéria Tupinambá / Cortesia da artista

Glicéria Tupinambá convoca os mantos de seu povo para formar a instalação Okará Assojaba. Okará é uma assembleia da sociedade Tupinambá cujo objetivo é criar um conselho de escuta onde se reúnem os líderes que são portadores dos mantos tupinambá: as mulheres, os pajés e os caciques. A instalação Okará Assojaba faz referência a essa assembleia ao trazer um manto tupinambá produzido por Glicéria de modo coletivo com sua família e a Comunidade Tupinambá da Serra do Padeiro, acompanhado por mantos/tarrafas (redes de pesca). A instalação ainda é composta por onze cartas escritas por Glicéria, assinadas em conjunto com a Associação dos Índios Tupinambá da Serra do Padeiro e enviadas aos museus que possuem mantos tupinambá e outras partes de sua cultura em seus acervos.

Em Dobra do tempo infinito, uma videoinstalação com sementes, terra, redes de arrasto e jererés, Glicéria Tupinambá cria conexões entre as tramas das redes de pesca e a dos trajes tradicionais. Segundo o pensamento desse povo, os cruzamentos dos pontos das redes de pesca e das vestes também conectam os tempos: aquele que é tradicional e o presente. Na obra, a artista nos convida a conhecer os mestres da sua comunidade e a dialogar com os jovens, somando mais pontos nessa dobra temporal.

Com a videoinstalação Equilíbrio, Olinda Tupinambá, por sua vez, amplia a voz de Kaapora – entidade espiritual vigilante da nossa relação com o planeta e que também dá nome ao projeto de ativismo ambiental conduzido por ela na Terra Indígena Caramuru. A obra apresenta um retrato da condição humana na Terra e uma discussão crítica da relação destrutiva da civilização com o planeta do qual depende. Cuidar desse planeta, interagindo de forma respeitosa com os outros seres vivos, é a única forma de nos tornarmos realmente civilizados.

Olinda Tupinambá, Equilíbrio, 2020 | Videoinstalação composta por terra e sementes | IMAGEM:
Cortesia da artista

Ziel Karapotó, por fim, confronta processos coloniais em Cardume, uma instalação que une, com uma rede de tarrafa, maracás de cabaça e réplicas de projéteis balísticos, envolvidos por uma paisagem sonora com sons de rios e torés (cantos tradicionais do povo Karapotó) que se misturam a sons de disparos de armas de fogo. Cardume evoca a luta pelos territórios frente aos processos de genocídio que se atualizam nos últimos 523 anos, mas sobretudo reforça a resistência indígena por meio da vida: os torés afirmam a espiritualidade; a rede de pesca representa as correntezas dos rios, mares e a fartura de peixes; e, finalmente, o maracá conecta os povos indígenas à terra onde vivem.

O termo Hãhãwpuá

Nesta edição, o Pavilhão do Brasil é referido pelos curadores como Pavilhão Hãhãwpuá, simbolizando o Brasil como território indígena, com “Hãhãw” significando “terra” na língua patxohã. O nome “Hãhãwpuá” é usado pelos Pataxó para se referirem ao território que, depois da colonização, ficou conhecido como Brasil, mas que já teve, e tem, muitos outros nomes.

Compartilhar:
Notícias - 22/02/2024

Grada Kilomba e Paulo Nazareth integram a programação de Inhotim em 2024

O ano de 2024 traz um novo programa artístico no Inhotim. A instituição reformula suas exposições de arte e projetos …

Notícias - 21/02/2024

feira de arte ArPa apresenta curadores de sua terceira edição

Após dois anos de realização bem-sucedida e reconhecida pelo mercado, a feira de arte ArPa chega a sua terceira edição …

Notícias - 21/02/2024

Museu Britânico é inundado de pedidos por devolução de uma escultura da Ilha de Páscoa

A conta do Instagram do Museu Britânico recebeu, no fim de semana, uma enxurrada de mensagens pedindo o retorno de …

Notícias - 21/02/2024

"Não sou um pintor", veja poema de Michelangelo sobre como foi torturante pintar a Capela Sistina

Michelangelo pode ter se imortalizado pintando o teto (e a parede do altar) da Capela Sistina, mas quebrou a coluna …

Notícias - 20/02/2024

Conheça os vencedores do People's Choice para Fotógrafo de Vida Selvagem

O Prêmio People’s Choice para Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano, patrocinado e desenvolvido pelo Museu de História Natural de …

Notícias - 20/02/2024

UNESCO revela 341 centros culturais danificados na Ucrânia com prejuízo de US$ 9 bilhões

Em Abril passado, a UNESCO informou que 248 locais históricos na Ucrânia foram danificados durante a invasão da Rússia em …

Notícias - 20/02/2024

Bolsa IAC de Formação e Pesquisa abre edital de arte e cultura para pesquisadores

O Instituto de Arte Contemporânea lança a segunda edição da Bolsa IAC de Formação em Pesquisa com a intenção de …

Notícias - 20/02/2024

Representação sexy de Jesus gera debate acalorado na Espanha

Uma imagem criada para a Semana Santa vem causando polêmica na Espanha: Jesus é retratado na imagem com traços faciais …

Notícias - 20/02/2024

Impressionante: IA decifra texto de pergaminho de 2 mil anos queimado durante erupção do Monte Vesúvio

A escrita grega em de um pergaminho de 2.000 anos queimado durante a erupção do Monte Vesúvio em 79 dC …

Notícias - 20/02/2024

Veja por onde anda a obra roubada e devolvida de Van Gogh

Uma pintura antiga de Vincent van Gogh que foi roubada e entregue a um detetive de arte holandês em uma …

Notícias - 19/02/2024

Decolou! Foguete SpaceX envia esculturas de Jeff Koons para a lua

Depois de muitos atrasos, 125 esculturas de Jeff Koons foram finalmente enviadas à Lua na manhã de 15 de fevereiro, …

Notícias - 19/02/2024

Conheça a única pintura que Van Gogh vendeu em vida

Vincent van Gogh é o exemplo por excelência do artista torturado que sofreu a penúria durante sua vida, apenas para …