Obras de João Turin serão reunidas em memorial em sua homenagem

Considerado precursor da escultura no Paraná, o artista João Turin (1878-1949) terá suas obras reunidas e reverenciadas no Parque São Lourenço, um dos cartões postais da cidade de Curitiba (PR), onde será abrigado o Memorial Paranista João Turin, uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Previsto para inaugurar em dezembro de 2020, no local estarão reunidas 78 esculturas doadas pelos detentores dos direitos autorais, a SSTP Investimentos Ltda, da Família Lago, que também doará uma fundição elétrica, segura, moderna e ambientalmente correta, em substituição à existente no local, que está obsoleta. “Isso vai propiciar aos novos artistas meios para fundir suas peças, estimulando e ajudando o desenvolvimento da arte escultórica paranaense. Acreditamos que seria o que João Turin gostaria de ver, pois ele mesmo teve imensa dificuldade em fundir suas peças à sua época, deixando muitas obras inéditas”, comenta Samuel Lago, da SSTP Investimentos Ltda.

“Além disso, no entorno do memorial haverá o Jardim das Esculturas, um espaço de mais de 8 mil m², que vai contar com outras 12 obras de bronze, adquiridas pelo Governo Municipal, em tamanhos ampliados, sendo que duas terão proporções heróicas, com cerca de 3 metros de altura, que transformarão o Parque em um grande centro de artes a céu aberto”, completa.

Quem assina o Projeto é o arquiteto Guilherme Glock, do IPPUC – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba, órgão ligado à Prefeitura Municipal da cidade. “O memorial se ergue como uma grande galeria em aço e vidro translúcido, que pede licença ao conjunto existente para conduzir a uma nova experiência e produzir uma sinergia capaz de organizar os espaços, distribuir as funções, orientar os visitantes e conduzir às artes da fundição, para compreender nossos maiores mestres nas artes da proporção, modelagem e técnica”, comenta o arquiteto.

A iniciativa tem o objetivo de atrair um grande público, entre admiradores das artes e turistas que visitam a capital paranaense, valorizando este importante artista e também o Parque São Lourenço, que já é um espaço privilegiado com uma série de atrativos de cultura e lazer. Além de ser próximo de outros dois pontos turísticos da cidade: a Ópera de Arame e a Pedreira Paulo Leminski.

“Além de um reconhecimento internacional de preservação cultural tão importante, o Memorial, no Parque, vai incentivar o turismo, trazendo mais recursos à cidade. Trata-se de um pensamento de desenvolvimento sustentável, e precisamos lembrar que a preservação cultural e o patrimônio cultural são benefícios bastante diretos para a cidade”, avalia Samuel Lago, da SSTP Investimentos Ltda.

Obras no Brasil e na França

Hoje é impossível falar na arte paranaense sem citar João Turin. Ele foi um dos primeiros artistas a levar a arte de seu estado para o Brasil e o mundo. Há esculturas de Turin em locais públicos de municípios paranaenses, no Rio de Janeiro e até na França, onde o artista tem exposta uma Pietá, feita em 1917, para a Igreja de Saint Martin, em Condé-sur-Noireau, uma verdadeira relíquia, que resistiu aos bombardeios da guerra. Um exemplar desta obra estará exposta no Memorial.

Curitiba, onde Turin passou boa parte de sua vida, conta com muitas esculturas do autor espalhadas pela cidade, como “Tigre esmagando a cobra”, localizada próximo ao portal do bairro de Santa Felicidade, “Luar do sertão”, na rótula do Centro Cívico e “Tiradentes”, na praça de mesmo nome.

Existem 410 obras catalogadas. Apesar de ser associado como escultor, João Turin também produziu desenhos, pinturas, design de moda e criações arquitetônicas com sua arte. Essa versatilidade pôde ser conferida de perto pelas 266 mil pessoas que visitaram “João Turin – Vida, Obra, Arte”, a exposição mais visitada da história do Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. Foi inaugurada em junho de 2014, com duração de oito meses, no espaço mais nobre e privilegiado do museu (a construção conhecida como “olho”, que confere o nome como o local é popularmente conhecido).

Tal sucesso de público levou-a a compor o ranking anual das exposições mais visitadas no mundo, no ano de 2014, realizado pela revista inglesa especializada The Art Newspaper. Esta exposição também teve uma versão condensada, exibida em 2015 no Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, e na Pinacoteca de São Paulo.

Obra de Turin nas mãos do Papa Francisco

Em julho de 2013, a escultura “Frade Lendo”, de João Turin, foi entregue como doação para o Papa Francisco, na primeira visita do pontífice ao Brasil, durante a Jornada Mundial da Juventude. A troca de presente faz parte do protocolo de encontro entre chefes de Estado, sendo a escultura um presente oficial do Governo Brasileiro.

Criada nos anos 30, a estátua de 44 centímetros de altura representa um frade de meia idade, levemente curvado, calvo e com uma longa barba, lendo um livro. Turin está entre os raríssimos artistas brasileiros presentes no acervo de arte do Vaticano.

Uma vida envolta na arte da escultura

Nascido em 1978 em Morretes, cidade histórica do litoral do Paraná, João Turin veio para a capital Curitiba, ainda garoto, onde foi aprendiz de ferreiro, torneiro, marceneiro e entalhador. Em seus estudos, foi aluno e posteriormente professor na Escola de Belas Artes e Indústrias do Paraná.

Mais tarde seguiu para a Bélgica, para a Real Academia de Belas-Artes, onde se especializou em escultura. Retornou ao Brasil em 1922, trazendo comentários elogiosos da imprensa francesa. Destacou-se como escultor animalista, conforme afirmava seu sobrinho-neto Jiomar Turin, falecido em 2014: “João Turin talvez seja o maior escultor animalista do Brasil, pois era profundo conhecedor da anatomia animal e suas obras, mais especificamente as esculturas de onças, que apresentam muito vigor e movimento”.

João Turin também é lembrado como um dos criadores do Paranismo, movimento regionalista que buscava uma identidade para a arte paranaense, caracterizando-se pelo uso de motivos típicos do estado do Paraná em arquitetura, pintura, escultura e grafismos.

“Turin” é um dos expoentes deste movimento, que buscava construir a identidade regional do Paraná por meio da arte e de símbolos como o pinheiro e a erva-mate. Ou seja: sua arte está nas veias de todos os paranaenses, ela marca uma parte bastante importante da nossa história e do nosso jeito de ser”, afirma Samuel Lago, da SSTP Investimentos Ltda.

Foi premiado no salão de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1944 e 1947. Faleceu em 1949, quando ainda exercia seu trabalho, deixando um precioso acervo, que inclui pequenas esculturas e baixos relevos, pinturas, monumentos, desenhos, documentos e obras em locais públicos.

Compartilhar:
Notícias - 15/10/2021

Ruas de São Luís recebem performances

Quando corpo e rua se encontram, muitas histórias podem ser contadas e, mais do que isso, podem ser sentidas e …

Notícias - 15/10/2021

Centro do Rio ganha novo espaço de arte

Os cariocas e o Centro do Rio de Janeiro ganham uma nova opção de cultura com conteúdo e lazer. Com …

Notícias - 12/10/2021

Projeto Latitude apoia participação de galerias brasileiras na Frieze London, FIAC Paris 2021 e SP-Arte 2021

Marcando presença em importantes feiras internacionais, cinco galerias brasileiras figurarão em dois eventos de grande prestígio no mês de outubro, …

Notícias - 12/10/2021

Leilão de fotos em NFT destinará arrecadação para ações do SOS Pantanal

Até o dia 16/10 ocorre, virtualmente, o primeiro leilão de fotos em NFT 100% beneficente para ajudar em ações de …

Notícias - 12/10/2021

Museu em Roterdã inaugura ambicioso projeto e abre sua reserva técnica para visitação

O Depot [depósito] Boijmans Van Beuningen deve abrir suas portas no dia 6 de novembro de 2021 – tornando toda …

Notícias - 08/10/2021

Sotheby's anuncia obra prima de Botticelli em leilão

 

Primeiro, em julho de 2019, houve o especulativo Retrato de um Jovem, catalogado como “No estilo de Botticelli”, que foi …

Notícias - 08/10/2021

Feira em Dubai é acusada de censurar "Davi", de Michelangelo

Uma cópia impressa em 3D do David de Michelangelo está no centro da controvérsia em Dubai, onde expositores obscureceram os …

Notícias - 06/10/2021

Descoberta versão casta da "Madonna" de Munch

Na década de 1890, a representação erótica da Madona por Edvard Munch, retratada com as mãos levantadas atrás das costas …

Notícias - 06/10/2021

Mercado de arte contemporânea se recupera com quase três bilhões em vendas no último ano

O mercado de arte contemporânea arrecadou um recorde de US $ 2,7 bilhões em vendas entre junho de 2020 e …

Notícias - 06/10/2021

Inhotim apresenta obra de Rivane Neuenschwander nas ruas de Belo Horizonte

As ruas de Belo Horizonte foram tomadas por retratos, desenhos daqueles que ocuparam o posto de primeiro amor na vida …

Notícias - 01/10/2021

Artista gera polêmica ao receber verba e devolver telas em branco para museu

O artista Jens Haaning causou polêmica ao enviar telas em branco para o museu de arte na Dinamarca. A nova …

Notícias - 01/10/2021

Após mostras de Van Gogh, vem aí a experiência imersiva de Frida Kahlo

As experiências de imersão de Vincent van Gogh acontecidas recentemente nos Estados Unidos (VEJA AQUI) atraíram milhões de visitantes em …