O menino azul: Obra-prima do século 18 é restaurada e revela surpreendente brilho e textura

Uma das obras mais famosas da Biblioteca de Huntington, Museu de Arte e Jardim Botânico, The Blue Boy  (ca. 1770) por Thomas Gainsborough (1727-1788), foi reinstalada na Thornton Portrait Gallery e estará à exposição para os visitantes quando a Huntington Art Gallery tiver permissão para reabrir. A pintura foi originalmente programada para instalação em março de 2020, mas foi adiada devido ao fechamento obrigatório do museu relacionado ao COVID. Agora, quando os visitantes puderem retornar, eles verão uma obra-prima resplandecente após uma extensa iniciativa de 18 meses para analisar, conservar e restaurar a obra. Tons de cor, texturas de pinceladas finas e detalhes matizados da famosa figura de um jovem em um traje de cetim azul, bem como a paisagem em que ele está, são mais uma vez legíveis e mais próximos do que Gainsborough pretendia.

Christina Milton O’Connell, conservadora sênior de pinturas de Mary Ann e John Sturgeon, usa pincéis minúsculos para reconectar as pinceladas de Gainsborough nos vazios de danos passados. Biblioteca, Museu de Arte e Jardim Botânico de Huntington.

“O Blue Boy de Gainsborough inspirou gerações de artistas e acadêmicos e cativou absolutamente a imaginação do público desde que foi exibido pela primeira vez em 1770”, disse a presidente de Huntington, Karen R. Lawrence. “Como administradores desta obra-prima icônica, estamos entusiasmados com os resultados deste projeto de conservação marcante que restaurou o brilho original da pintura e garantiu seu bem-estar por muitos anos. Agora podemos ver a paleta vívida e a composição ousada com muito mais clareza do que nas décadas anteriores, e mal podemos esperar para compartilhar a pintura com nossos visitantes novamente, uma vez que seja seguro fazê-lo.”

Com grande parte do processo de conservação realizado à vista do público durante a exposição “Project Blue Boy” de The Huntington (22 de setembro de 2018 – 30 de setembro de 2019), o grande empreendimento envolveu coleta e análise de dados de alta tecnologia, bem como muito mais do que 500 horas de trabalho especializado de conservação para remover tinta e verniz antigos, reparar e recolocar o revestimento e outros materiais estruturais e pintar áreas perdidas como resultado de descamação e abrasão.

Christina O’Connell, conservadora sênior de pinturas de The Huntington’s Mary Ann e John Sturgeon e líder do projeto, removeu várias camadas irregulares de sujeira e verniz descolorido com pequenos cotonetes para revelar os azuis brilhantes originais de Gainsborough e outros pigmentos. Então, com pincéis minúsculos, ela reconectou as pinceladas do artista nos vazios de danos anteriores como parte do processo de pintura. Enquanto O’Connell trabalhava na pintura, ela ficou intimamente ciente de cada pincelada de Gainsborough. “Tem sido uma experiência profissional incrivelmente profunda”, disse ela. “O trabalho de conservação é muito mais um processo de descoberta. Eu não só tive uma visão da pintura em nível microscópico, mas também fui capaz de observar cada traço como as verdadeiras cores de Gainsborough ‘

Durante o processo, O’Connell descobriu que embora Gainsborough pintasse The Blue Boy em uma tela reciclada (como revelado em raios-X anteriores), ele fez uso considerável de uma rede complexa de camadas de tinta e pigmentos para criar uma pintura que realmente exibia suas habilidades.

The Blue Boy (ca. 1770) de Thomas Gainsborough (1727-1788). Foto pós-conservação. Foto: Christina Milton O’Connell. Biblioteca, Museu de Arte e Jardim Botânico de Huntington.

“Temos que lembrar que esta pintura não foi encomendada, mas sim produzida por Gainsborough com o propósito expresso de exibir suas proezas na exposição da Royal Academy de 1770 – onde seria vista ao lado das obras de seus rivais”, disse Melinda McCurdy, curadora associada de The Huntington para a arte britânica e co-curadora do “Project Blue Boy”. “Gainsborough pretendia que chamasse a atenção, e o trabalho de conservação revelou a incrível habilidade técnica que ele trouxe para esta obra-prima.”

Comparação lado a lado de The Blue Boy, de Thomas Gainsborough. Pré-conservação (esquerda), pós-conservação (direita). Foto: Christina Milton O’Connell. Biblioteca, Museu de Arte e Jardim Botânico de Huntington.

Outras descobertas feitas ao longo do projeto, que foi apoiado por uma bolsa do Bank of America como parte de seu Projeto de Conservação de Arte global, incluem uma relativa ao forro da pintura. Após observação e análise, os conservadores determinaram que o adesivo de revestimento para The Blue Boy correspondia a uma receita histórica para uma pasta feita de farinha de centeio e cerveja. O’Connell contou com a ajuda de um historiador de alimentos para recriar a pasta com ingredientes modernos para construir uma maquete a fim de observar como os materiais para o forro se comportavam.

Compartilhar:
Notícias - 16/04/2021

As pinturas de Cézanne e Degas podem render milhões em leilão

Obras dos artistas franceses Paul Cézanne e Edgar Degas são os sucessos de um leilão em Nova York e podem …

Notícias - 15/04/2021

Arte pelos Oceanos reúne artistas visuais em prol da preservação das praias cariocas

Não é novidade que as praias cariocas, que eternizaram o Rio de Janeiro no imaginário turístico mundial, sofrem com a …

Notícias - 14/04/2021

Passagem - por Maria Fernanda Paes de Barros

Que é a arte, afinal, do ponto de vista emotivo, senão a linguagem das forças inconscientes que atuam dentro de …

Notícias - 13/04/2021

Médico e artista plástico expõe obra feita de raio-x na Igreja Presbiteriana do Butantã

Moradores e visitantes da região do Butantã têm se deparado com uma cena inusitada ao circularem a Praça Vicente Rodrigues, …

Notícias - 13/04/2021

Após reclamações, outdoors de Steven Shearer são retirados de festival em Vancouver

Uma série de sete outdoors com fotos de pessoas dormindo foi encoberta depois que os organizadores do Capture Photography Festival …

Notícias - 13/04/2021

Sotheby's e Niftygateway oferecem edição ilimitada de criptoarte

A criptoarte segue sendo assunto quente no mercado. De olho na tendência, a Sotheby’s e o site Niftygateway estão oferecendo …

Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …