O Grito de Munch está desaparecendo por causa da respiração dos visitantes, segundo estudo

Edvard Munch, O Grito, 1910. CORTESIA WIKIMEDIA COMMONS

O que tem causado o desaparecimento das cores da famosa pintura de 1910 de Edvard MunchO Grito? O departamento de conservação do Museu Munch, em Oslo, há muito tempo se perguntava isso e agora os cientistas têm sua resposta.

Um consórcio internacional de cientistas, trabalhando em colaboração com o museu e liderado pelo Conselho Nacional de Pesquisa da Itália, publicou um artigo na revista Science Advances que afirma que a principal causa do desbotamento é a tinta de baixa qualidade e sulfeto de cádmio usada por Munch durante o a criação da pintura em 1910. (A pintura do Museu Munch é uma das quatro versões da imagem icônica.) O pigmento que ele usou é vulnerável à umidade, sugere o estudo, e até a umidade de baixo nível produzida pela respiração humana é suficiente para deteriorar a cor.

“Descobriu-se que, em vez de usar sulfeto de cádmio puro como deveria, aparentemente ele também usou uma versão suja, uma versão não muito limpa que continha cloretos”, Koen Janssens, professor da Universidade de Antuérpia que trabalhou no estudo, disse ao jornal The Guardian. “Não acho que foi um uso intencional – acho que ele tinha acabado de comprar um nível não muito alto de tinta. Isso foi em 1910 e, naquela época, a indústria química que produzia os pigmentos químicos estava lá, mas isso não significa que eles tinham o controle de qualidade de hoje.”

Os pigmentos amarelos usados ​​por Munch para criar o intenso pôr-do-sol rodopiante, o lago e a figura icônica e angustiada das telas estão descamando e desaparecendo há anos, de acordo com o estudo. Mais danos ocorreram quando a pintura foi roubada da galeria em 2004, juntamente com uma versão de sua  Madonna. Ambos foram recuperados em 2006, e a versão 1910 de O Grito desde então tem sido mantida em grande parte fora de exposição, em uma unidade de armazenamento de luz e com temperatura controlada.

Durante o estudo, os especialistas iluminaram a tela com luz UV para determinar onde a tinta havia se degradado. A exposição à luz logo demonstrou ter pouco efeito na pintura em comparação à umidade.

O Museu Munch deve reabrir em breve em um novo local perto da ópera de Oslo, e agora os curadores serão encarregados de determinar como a pintura pode ser vista com segurança pelo público. A tão esperada mudança foi adiada para o outono de 2020, depois que o sistema de controle climático interno das galerias falhou.

Compartilhar:
Notícias - 12/04/2021

FAMA Museu lança edital para exposições no espaço

A fim de incentivar a produção artística contemporânea e valorizar a diversidade cultural por meio da multiplicidade de expressões artísticas …

Notícias - 09/04/2021

Inhotim e Arte1 firmam parceria para exibição da série Diálogos

Duas instituições voltadas para a arte acabam de se unir para disseminar conteúdos de qualidade para o público. O Instituto …

Notícias - 08/04/2021

Conheça Bruna Pessoa de Queiroz, presidente da “Usina da Arte”

Ancorada numa tradição cultural “artistocrática”, a família Pessoa de Queiroz revive desde 2015 uma antiga fábrica de cana-de-açúcar perto do …

Notícias - 08/04/2021

Galeria Nara Roesler representa o Brasil na EXPO CHGO ONLINE

Com o apoio do projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da ABACT (Associação Brasileira de …

Notícias - 08/04/2021

INSTITUTO TOMIE OHTAKE ABRE AS INSCRIÇÕES PARA O 5º PRÊMIO TERRITÓRIOS

Iniciativa idealizada e coordenada pelo Instituto Tomie Ohtake, com patrocínio da Estácio e do Grupo GPS, em parceria com o …

Notícias - 07/04/2021

Conheça o jovem que saiu da Vila Vintém para defender o acesso à cultura em Boston

Como já vem sendo feito há alguns anos, a Brazil Conference at Harvard & MIT 2021, evento criado por …

Notícias - 07/04/2021

Nova galeria de arte vende obras com o tema "identidade"

Inaugurada no mês de celebração ao Dia Mundial das Mulheres, a Pequena Galeria apresenta cinco artistas mulheres de diferentes regiões …

Notícias - 06/04/2021

Obras de Antony Gormley colocadas na praia dividem opiniões

Esperava-se que incentivassem a apreciação da arte contemporânea. Mas, em vez disso, quatro esculturas de ferro de Antony Gormley parecem …

Notícias - 06/04/2021

National Gallery cria sua primeira mostra projetada para telefones celulares

A National Gallery apresentará sua primeira exposição projetada para telefones celulares, permitindo que as pessoas vivenciem com detalhes incríveis uma …

Notícias - 06/04/2021

Visitas aos 100 principais museus e galerias do mundo caem 77% devido a Covid

O número de visitantes nos 100 principais museus e galerias de arte do mundo caiu 77% no ano passado, de …

Notícias - 05/04/2021

Exposição artística mais extensa do mundo é realizada no Caminho de Santiago

“Las Estrellas del Camino” é uma exposição permanente com curadoria de Estrella Galicia e realização da agência AUPA!. A mostra …

Notícias - 05/04/2021

Inscrições para a ArtRio 2021 prorrogadas até 30 de abril

As inscrições para as galerias que desejam participar da 11ª edição da ArtRio foram prorrogadas até o dia 30 de …