O Grito de Munch está desaparecendo por causa da respiração dos visitantes, segundo estudo

Edvard Munch, O Grito, 1910. CORTESIA WIKIMEDIA COMMONS

O que tem causado o desaparecimento das cores da famosa pintura de 1910 de Edvard MunchO Grito? O departamento de conservação do Museu Munch, em Oslo, há muito tempo se perguntava isso e agora os cientistas têm sua resposta.

Um consórcio internacional de cientistas, trabalhando em colaboração com o museu e liderado pelo Conselho Nacional de Pesquisa da Itália, publicou um artigo na revista Science Advances que afirma que a principal causa do desbotamento é a tinta de baixa qualidade e sulfeto de cádmio usada por Munch durante o a criação da pintura em 1910. (A pintura do Museu Munch é uma das quatro versões da imagem icônica.) O pigmento que ele usou é vulnerável à umidade, sugere o estudo, e até a umidade de baixo nível produzida pela respiração humana é suficiente para deteriorar a cor.

“Descobriu-se que, em vez de usar sulfeto de cádmio puro como deveria, aparentemente ele também usou uma versão suja, uma versão não muito limpa que continha cloretos”, Koen Janssens, professor da Universidade de Antuérpia que trabalhou no estudo, disse ao jornal The Guardian. “Não acho que foi um uso intencional – acho que ele tinha acabado de comprar um nível não muito alto de tinta. Isso foi em 1910 e, naquela época, a indústria química que produzia os pigmentos químicos estava lá, mas isso não significa que eles tinham o controle de qualidade de hoje.”

Os pigmentos amarelos usados ​​por Munch para criar o intenso pôr-do-sol rodopiante, o lago e a figura icônica e angustiada das telas estão descamando e desaparecendo há anos, de acordo com o estudo. Mais danos ocorreram quando a pintura foi roubada da galeria em 2004, juntamente com uma versão de sua  Madonna. Ambos foram recuperados em 2006, e a versão 1910 de O Grito desde então tem sido mantida em grande parte fora de exposição, em uma unidade de armazenamento de luz e com temperatura controlada.

Durante o estudo, os especialistas iluminaram a tela com luz UV para determinar onde a tinta havia se degradado. A exposição à luz logo demonstrou ter pouco efeito na pintura em comparação à umidade.

O Museu Munch deve reabrir em breve em um novo local perto da ópera de Oslo, e agora os curadores serão encarregados de determinar como a pintura pode ser vista com segurança pelo público. A tão esperada mudança foi adiada para o outono de 2020, depois que o sistema de controle climático interno das galerias falhou.

Compartilhar:
Notícias - 11/01/2021

Artista mineira Marina Amaral entra para lista da Forbes

A colorista mineira Marina Amaral entrou para a lista da Forbes dos jovens mais influentes do ano.  A Under 30 …

Notícias - 11/01/2021

Iphan e Polícia Federal resgatam material arqueológico no Acre

Na manhã do dia 5 de janeiro, uma ação conjunta do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) no …

Notícias - 11/01/2021

Exposição do estilista Tomo Koizumi inicia o Departamento de Moda, Design e Arquitetura da Fundação Iberê

Em 2021, a Japan House São Paulo (JHSP) vai expandir sua presença pelo Brasil, por meio de um projeto de …

Notícias - 11/01/2021

Pinacoteca de São Paulo divulga programação de 2021

 

Em 2021, a Pinacoteca de São Paulo, museu da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, …

Notícias - 28/12/2020

Os universos díspares da Rússia contemporânea pelas lentes de Serguei Maksimishin em “O Último Império”

A exposição “O Último Império – Serguei Maksimishin”, que esteve no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba, entre dezembro de …

Notícias - 20/12/2020

Consciência diante do perigo: as representações do medo ao longo da História da Arte

Quando Susan Sontag fala que fotografia é sobre dor, ela fala sobre Arte. Quando Susan afirma que “fotos são um …

Notícias - 19/12/2020

São Paulo ganha mural em homenagem às comunidades indígenas afetadas pela pandemia

As Nações Unidas e a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Amarela, em São Paulo, se unem …

Notícias - 18/12/2020

Farol Santander abre hoje mostra do artista chileno Iván Navarro

Abre hoje, 18 de dezembro, no Farol Santander São Paulo, a exposição ExFinito, primeira grande mostra individual no país do …

Notícias - 17/12/2020

Conheça os 91 projetos selecionados do Rumos Itaú Cultural 2019/2020

A Dasartes participou na última quarta-feira, 16 de dezembro, na coletiva de imprensa do Itaú Cultural, que anunciou os projetos selecionados …

Notícias - 17/12/2020

REGINA BONI ANUNCIA INAUGURAÇÃO DA GALERIA SÃO PAULO FLUTUANTE EM 2021

Para quem afrontou militares e a extrema direita em plena ditadura nos anos 60, não seria uma pandemia em escala …

Notícias - 17/12/2020

Itaú Cultural lança publicação com trabalhos de artes visuais selecionados em edital

No dia 15 de dezembro entrou no ar, no site do Itaú Cultural, www.itaucultural.org.br, uma publicação virtual que reúne as …

Notícias - 17/12/2020

CASA FIAT DE CULTURA DIVULGA SELECIONADOS PARA EXPOR NA PICCOLA GALLERIA

O 4º Programa de Seleção da Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura já tem os nomes dos artistas selecionados …